A Nova Ordem Mundial que está sendo preparada sob o pretexto da Guerra na Ucrânia

Os propagandistas de Londres e suas quase 150 agências de comunicação em todo o mundo nos asseguram que, repelido pela gloriosa Resistência Ucraniana, o derrotado exército russo abandonou seu objetivo inicial de tomar Kiev. No entanto, nunca, absolutamente nunca, o presidente Putin disse que a Rússia tomaria Kiev, derrubaria o presidente eleito Zelensky e ocuparia seu país. Pelo contrário, ele sempre disse que seus objetivos de guerra eram desnazificar a Ucrânia e eliminar estoques de armas estrangeiras (as da OTAN). Isso é exatamente o que ele esta fazendo.

A Nova Ordem Mundial que está sendo preparada sob o pretexto da guerra na Ucrânia

Fonte: Voltaire.net por Thierry Meyssan

As operações militares da Rússia na Ucrânia estão em andamento há mais de um mês e as operações de propaganda da OTAN há um mês e meio.

Como sempre, a máquina de propaganda via pre$$titute$ de guerra anglo-saxônica é coordenada a partir de Londres. Os britânicos adquiriram um know-how inigualável desde a Primeira Guerra Mundial. Em 1914, eles conseguiram convencer sua própria população de que o exército alemão havia praticado estupros em massa na Bélgica e que era dever de todo britânico ajudar essas pobres mulheres. Foi uma visão mais clara da tentativa do Kaiser Wilhelm II de competir com o então Império colonialista inglês. Ao final do conflito, a população britânica exigiu que as vítimas fossem indenizadas. Tentamos listá-los e percebemos que os fatos haviam sido extraordinariamente exagerados.

Desta vez, em 2022, os britânicos conseguiram convencer os europeus de que em 24 de fevereiro os russos atacaram a Ucrânia para invadi-la e anexá-la. Moscou tentaria reconstituir a União Soviética e se prepararia para atacar sucessivamente todas as suas antigas possessões. Esta versão é mais honrosa para os ocidentais do que evocar a “armadilha de Tucídides” —voltarei a isso—. 

Na realidade, as tropas de Kiev atacaram seu próprio povo em Donbass na tarde de 17 de fevereiro. Em seguida, a Ucrânia acenou com um pano vermelho diante do urso russo com o discurso do presidente Zelenski aos líderes políticos e militares da OTAN reunidos em Munique, durante o qual anunciou que seu país iria adquirir armas atômicas para se proteger da Rússia.

Você não acredita em mim ? Aqui estão as pesquisas da OSCE na fronteira de Donbass. Não havia combate há meses, mas observadores da Organização Neutra observaram, desde a tarde de 17 de fevereiro, 1.400 explosões por dia. Imediatamente, as províncias rebeldes de Donetsk e Luhansk, que ainda se consideravam ucranianas, mas reivindicavam autonomia dentro da Ucrânia, deslocaram mais de 100.000 civis para a Rússia para protegê-las, pois desde 2014 cerca de catorze mil civis morreram em ataques da Ucrânia. A maioria recuou mais para dentro do Donbass, outros fugiram para a Rússia.

Em 2014 e 2015, quando uma guerra civil opôs Kiev às separatistas Donestk e Lugansk, os danos materiais e humanos vieram apenas dos assuntos internos da Ucrânia. No entanto, com o tempo, quase toda a população ucraniana de Donbass considerou emigrar e adquiriu dupla cidadania russa. Portanto, o ataque de Kiev à população de Donbass em 17 de fevereiro foi um ataque a cidadãos russos-ucranianos. Moscou veio em seu auxílio, com urgência, a partir de 24 de fevereiro.

A cronologia é indiscutível. Não era Moscou que queria essa guerra, mas Kiev [instigada pela coalizão EUA-Canadá-UE-OTAN], apesar do preço previsível que teria de pagar. O presidente ator e palhaço Zelensky colocou deliberadamente seu povo em perigo e é o único responsável pelo que eles estão enfrentando hoje.

Por que ele agiu assim? Desde o início de seu mandato, Volodymyr Zelensky continuou a apoiar o Estado ucraniano, que começou com seu antecessor Petro Poroshenko, ao desfalque perpetrado por seus patrocinadores americanos e aos extremistas de seu país, os banderistas. O presidente Putin chamou o primeiro de “gangue de viciados em drogas” e o segundo de “gangue de neonazistas”  [ 1 ] . 

Não só Volodymyr Zelensky declarou publicamente que não queria resolver o conflito de Donbass aplicando os Acordos de Minsk, mas proibiu seus concidadãos de falar russo na escola e na administração e, pior, assinou uma lei racial em 1º de julho de 2021, de fato excluindo ucranianos reivindicando sua origem eslava para o gozo dos Direitos Humanos e Liberdades Fundamentais.

O exército russo invadiu primeiro o território ucraniano, não do Donbass, mas da Bielorrússia e da Crimeia. Destruiu todas as instalações militares ucranianas usadas pela OTAN durante anos e lutou contra os regimentos banderistas e neonazistas. Ela agora se dedica a destruí-los no leste do país. 

Os propagandistas de Londres e suas quase 150 agências de comunicação em todo o mundo nos asseguram que, repelido pela gloriosa Resistência Ucraniana, o derrotado exército russo abandonou seu objetivo inicial de tomar Kiev. No entanto, nunca, absolutamente nunca, o presidente Putin disse que a Rússia tomaria Kiev, derrubaria o presidente eleito Zelensky e ocuparia seu país. Pelo contrário, ele sempre disse que seus objetivos de guerra eram desnazificar a Ucrânia e eliminar estoques de armas estrangeiras (as da OTAN). Isso é exatamente o que ele esta fazendo.

O povo ucraniano obvia e infelizmente está sofrendo. Descobrimos que a guerra é cruel, que sempre mata inocentes. Estamos hoje dominados por nossas emoções e, ao ignorarmos o ataque ucraniano de 17 de fevereiro, nos ressentimos dos russos que erroneamente qualificamos como “agressores”. Não sentimos a mesma compaixão pelas vítimas da guerra simultânea no Iêmen, seus cerca de 400.000 mortos, incluindo 85.000 crianças, que morreram de fome. Mas é verdade que os iemenitas são aos olhos dos psicopatas ocidentais “apenas árabes”.

O fato de sofrer não deve ser interpretado a priori como prova de que se está certo. Criminosos sofrem como inocentes.

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), isto é, o tribunal interno da ONU, foi apreendido pela Ucrânia e ordenou, como medida cautelar, em 16 de março, a Rússia cessar a guerra e retirar suas tropas  [ 2 ] . Agora, como acabei de mostrar, a Lei concorda com a Rússia.

Como é possível tal manipulação do Tribunal? A Ucrânia referiu-se ao fato de o Presidente Putin ter declarado, durante o seu discurso sobre a operação militar russa, que as populações de Donbass foram vítimas de “genocídio”. Ela, portanto, negou esse “genocídio” e acusou a Rússia de ter usado indevidamente esse argumento. No direito internacional, a palavra “genocídio” não designa mais a erradicação de um grupo étnico, mas um massacre ordenado por um governo. 

Nos últimos oito anos, de 13.000 a 22.000 civis foram mortos no Donbass, dependendo se se referem às estatísticas do governo ucraniano ou do governo russo. A Rússia, que enviou seu argumento por escrito, argumenta que não se baseia na Convenção para a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, mas no artigo 51 da Carta das Nações Unidas que autoriza a guerra em legítima defesa —que o presidente Putin havia declarado explicitamente em seu discurso—. O Tribunal não procurou verificar nada. Ele manteve a negação ucraniana. 

Concluiu, portanto, que a Rússia havia usado indevidamente a Convenção como argumento. Além disso, como a Rússia não considerou necessário estar fisicamente representada no Tribunal, este aproveitou sua ausência para impor-lhe uma medida provisória aberrante. A Rússia, segura de seus direitos, recusou-se a cumprir e exige uma sentença de mérito que não será proferida antes do final de setembro. 

Tudo isso posto, só podemos compreender a duplicidade dos ocidentais colocando os acontecimentos em seu contexto. Por dez anos, os cientistas políticos americanos nos garantiram que a ascensão da Rússia e da China levará a uma guerra inevitável com os EUA e seus associados. O cientista político Graham Allison criou o conceito de “armadilha de Tucídides” para isso  [ 3 ].. Ele estava se referindo às Guerras do Peloponeso que colocaram Esparta contra Atenas no século IV aC. 

O estrategista e historiador Tucídides analisou que as guerras se tornaram inevitáveis ??quando Esparta, que governava a Grécia, percebeu que Atenas estava conquistando um império e poderia substituir sua hegemonia. A analogia é reveladora, mas falsa: se Esparta e Atenas fossem cidades gregas vizinhas, os Estados Unidos, a Rússia e a China não teriam a mesma cultura.

Por exemplo, a China rejeita a proposta de concorrência comercial formulada pelo presidente Biden. Ela se opõe à sua tradição de “ganha-ganha”. Ao fazê-lo, não se refere a contratos comerciais rentáveis ??para ambas as partes, mas à sua História. O “Reino Médio” tem uma população extremamente grande. O imperador foi forçado a delegar sua autoridade ao máximo. Ainda hoje a China é o país mais descentralizado do mundo. Quando ele emitiu uma ordem em conselho, teve consequências práticas em algumas províncias, mas não em todas. O imperador, portanto, tinha que se certificar de que cada governador local não considerasse seu decreto sem sentido e esquecesse sua autoridade.

Desde o início da crise ucraniana, a China não apenas adotou uma posição não alinhada, mas protegeu seu aliado russo no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Erroneamente, os Estados Unidos temiam que Pequim enviasse armas para Moscou. Isso nunca aconteceu, mesmo que haja assistência logística nas refeições preparadas para os soldados, por exemplo. A China está observando como as coisas estão indo e deduzindo como elas vão se sair quando tentar recuperar a província rebelde de Taiwan. Pequim gentilmente recusou as ofertas de Washington. Ela pacientemente pensa a longo prazo e sabe por experiência que, se permitir que a Rússia seja destruída, será novamente saqueada pelo Ocidente. Sua salvação só é possível com a Rússia, mesmo que um dia ele deva contestá-la na Sibéria.

Voltemos à armadilha de Tucídides. A Rússia sabe que os Estados Unidos querem apagá-lo da cena mundial [o projeto, de longa data, dos Illuminati é conquistar e DIVIDIR o território da Rússia em novas CINCO nações sob seu controle… e Putin tem consciência disso]. Antecipa uma possível invasão/destruição. No entanto, seu território é imenso, assim como são imensas as suas riquezas naturais, e sua população insuficientemente numerosa. Ela não pode defender suas fronteiras que são muito grandes, ao mesmo tempo. 

Desde o século XIX, a Rússia imaginou se defender escondendo-se de seus adversários INVASORES. Quando Napoleão e depois Hitler a atacaram, ela moveu sua população cada vez mais para dentro do pais, para o leste. E ela mesma queimou suas próprias cidades antes que o invasor chegasse. Assim os exércitos invasores se viram incapazes de abastecer suas tropas. Ele teve que enfrentar o temível inverno russo sem meios de subsistência e, finalmente, ter que bater em retirada, derrotados pelo clima que só os russos conseguem aguentar. 

Essa estratégia de “terra arrasada” só funcionou porque nem Napoleão nem Hitler tinham bases logísticas por perto. Também a Rússia moderna sabe que não poderá sobreviver se as armas americanas forem armazenadas na Europa Central e Oriental. É por isso que, no fim da União Soviética, a Rússia exigiu que a OTAN nunca se estendesse para o Leste. O então presidente francês François Mitterrand e o chanceler alemão Helmut Köhl, que conhecia a história, exigiram que os ocidentais assumissem esse compromisso. Durante a reunificação alemã, eles redigiram e assinaram um tratado garantindo que a OTAN nunca cruzaria a linha [dos rios] Oder-Neisse, ou seja, a fronteira germano-polonesa. 

A Rússia imprimiu este compromisso em 1999 e 2010 com as Declarações da OSCE de Istambul e Astana. Mas os Estados Unidos a violaram em 1999 (com a adesão da República Tcheca, Hungria e Polônia à OTAN), em 2004 (com a adesão da Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia), em 2009 (Albânia e Croácia), em 2017 (Montenegro) e novamente em 2020 (Macedônia do Norte). O problema não é que todos esses estados tenham se aliado a Washington, mas que tenham armazenado armas americanas em seu território, que literalmente cerca à Rússia. Ninguém critica que esses estados tenham escolhido seus aliados, mas Moscou os acusa de servir como base de retaguarda do Pentágono em preparação para um ataque final a Rússia.

Em outubro de 2021, a straussiana  [ 4 ]Victoria Nuland, a número 2 do Departamento de Estado, veio a Moscou para convocar a Rússia a aceitar o envio de armas dos EUA na Europa Central e Oriental. Ela prometeu que Washington investiria na Rússia em troca. Então ela ameaçou a Rússia se não aceitasse sua oferta e concluiu que ele teria o presidente Putin julgado perante um tribunal internacional. Moscou respondeu enviando, em 17 de dezembro, uma proposta de Tratado que garantisse a paz com base no respeito à Carta das Nações Unidas. Foi isso que causou a tempestade atual. Porque o respeito à Carta, assente no princípio da igualdade e soberania dos Estados, pressupõe a reforma da OTAN, cujo funcionamento se baseia, pelo contrário, numa hierarquia entre os seus membros. Preso na “armadilha de Tucídides”, os Estados Unidos fomentaram então a atual guerra na Ucrânia.

Se aceitarmos que seu objetivo é retirar a Rússia do cenário internacional, fica clara a forma como os anglo-saxões reagem à crise ucraniana. Eles não estão procurando repelir militarmente o exército russo, nem constranger o governo russo, mas eliminar todos os vestígios da cultura russa no Ocidente. E, alternativamente, eles estão tentando enfraquecer a União Européia.

Eles começaram com o congelamento dos bens dos oligarcas russos no Ocidente; uma medida que foi aplaudida pela população russa, que os considera beneficiários ilegítimos da pilhagem da URSS. Em seguida, eles forçaram as empresas ocidentais a parar de fazer negócios com a Rússia. Finalmente, eles continuaram cortando os bancos russos dos bancos ocidentais (o sistema SWIFT). 

No entanto, se essas medidas financeiras foram desastrosas para os bancos russos (mas não para o governo russo), as medidas contra as empresas que trabalham na Rússia são, ao contrário, favoráveis ??à Rússia, que recupera seus investimentos a um custo menor. Além disso, a Bolsa de Valores de Moscou, que estava fechada de 25 de fevereiro (o dia seguinte à resposta russa) a 24 de março, registrou um aumento assim que reabriu. Enquanto o índice RTS caiu 4,26% no primeiro dia, mas mede principalmente valores especulativos, ao contrário, o índice IMOEX, que mede a atividade econômica nacional, subiu 4,43%. Os verdadeiros perdedores das medidas ocidentais são os membros da União Europeia que foram estúpidos o suficiente para aceitá-las.

Já em 1991, o straussiano Paul Wolfowitz escrevia em um relatório oficial que os Estados Unidos deveriam impedir que uma potência se desenvolvesse a ponto de rivalizar com eles. Na época, a URSS estava em pedaços. Assim, ele apontou a União Européia como o rival potencial a ser derrotado  [ 5 ] . Foi exatamente isso que ele fez em 2003, quando se tornou o número 2 do Pentágono, proibiu a Alemanha e a França de participar da reconstrução do Iraque [ 6 ]. Foi também disso que falou Victoria Nuland em 2014, quando instruiu o seu embaixador dos EUA em Kiev para “foder com a União Europeia” (sic)  [ 7 ] .

A União Européia é hoje intimada a interromper suas importações de hidrocarbonetos russos. Se ela obedecer a esta liminar, a Alemanha será arruinada e com ela toda a União Europeia. Não será um dano colateral, mas fruto de um pensamento estruturado, claramente expresso por trinta anos.

O mais importante para Washington é excluir a Rússia de todas as organizações internacionais. Ele já conseguiu, em 2014, excluí-lo do G8. O pretexto não era a independência da Crimeia (que vinha exigindo desde a dissolução da URSS, vários meses antes de a Ucrânia considerar sua própria independência), mas sua adesão à Federação Russa. A suposta agressão da Ucrânia fornece um pretexto para excluí-la do G20. A China imediatamente apontou que ninguém poderia ser excluído de um fórum informal sem estatutos. Independentemente disso, o presidente Biden voltou ao cargo em 24 e 25 de março na Europa.

Washington está aumentando os contatos para excluir a Rússia da Organização Mundial do Comércio. De qualquer forma, os princípios da OMC são minados pelas “sanções” unilaterais implementadas pelo Ocidente. Tal decisão seria prejudicial para ambos os lados. É aqui que devemos nos referir aos escritos de Paul Wolfowitz. Ele escreveu em 1991 que Washington não deveria buscar ser o melhor no que faz, mas ser o primeiro em relação aos demais. Isso implica, observou ele, que para manter sua hegemonia, os Estados Unidos não devem hesitar em se machucar, se fizerem muito mais aos outros. Todos nós [leia-se os menos favorecidos] vamos pagar o preço por essa forma de agir.

A coisa mais importante para os straussianos/khazares é excluir a Rússia das Nações Unidas. Isso não é possível se respeitarmos a Carta das Nações Unidas, mas Washington não se incomodará com isso mais do que em qualquer outro lugar. Ele já fez contato com todos os estados membros da ONU, com algumas exceções. Tendo a propaganda anglo-saxônica já conseguido fazê-los tomar bexigas por lanternas, todos estão convencidos de que um membro do Conselho de Segurança embarcou em uma guerra de conquista contra um de seus vizinhos. Se Washington conseguir convocar uma Assembleia Geral extraordinária da ONU e modificar seus estatutos, atingirá seus objetivos.

Uma espécie de histeria coletiva tomou conta do [Manicômio do] Ocidente. Tudo o que é russo é caçado sem pensar em suas ligações com a crise ucraniana. Artistas russos são proibidos de se apresentar, mesmo que sejam conhecidos por se oporem ao presidente Putin. Aqui uma universidade proíbe o estudo do herói anti-soviético Solzhenitsyn de seu currículo, lá outra proíbe o debate e o escritor do livre arbítrio Dostoiévski (1821-1881) que se opôs ao regime czarista. Aqui desprogramamos um maestro porque ele é russo e ali retiramos Tchaikovsky (1840-1893) do repertório. Tudo o que é russo deve desaparecer de nossa consciência como o Império Romano uma vez arrasou Cartago e destruiu metodicamente todos os vestígios de sua existência, a ponto de hoje sabermos muito pouco sobre essa civilização.

Em 21 de março, o presidente Biden não fez segredo disso. Diante de uma plateia de líderes empresariais, ele declarou: “Este é o momento em que as coisas mudam. Haverá uma Nova Ordem Mundial e temos que liderá-la. E devemos unir o resto do “mundo livre” para fazê-lo”Esta nova ordem  [ 9 ] deve cortar o mundo em dois blocos herméticos; um corte como nunca conhecemos, sem comparação possível com a cortina de ferro da Guerra Fria. Alguns estados, como a Polônia, pensam que podem perder muito como os outros, mas também ganhar um pouco. Assim, o general Waldemar Skrzypczak acaba de exigir que o enclave russo de Kaliningrado se torne polonês  [ 10] . De fato, após o corte mundial, como Moscou poderá se comunicar com esse território?

Thierry Meyssan: é um jornalista e ativista político francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación (Monte Ávila Editores, 2008).

Notas de rodapé:


Além disso, se fôssemos congelar voluntariamente contas financeiras a ativos de residentes de países que atacam e provocam violência injustamente em todo o mundo, o primeiro passo seria congelar todas as contas dos EUA. Na prática, essa não é realmente uma opção de negócio viável para nós”. – Jesse Powell, CEO da Kraken


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth