browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Globalização está Cancelada. O [Hospício do] Ocidente está Perdendo a Base de seu Poder

Posted by on 01/04/2022

As apostas são agora mais altas do que nunca. E isso não é mais apenas sobre o destino da Ucrânia, e nem mesmo sobre o que está em jogo para nós – a própria Rússia, ou seja, nosso futuro como nação e uma grande potência no cenário global. Não, agora estamos realmente falando sobre o destino do mundo, mas não no sentido de que está à beira de uma guerra nuclear (isso não é o caso, não importa como eles tentem jogar com o medo do Armagedom), mas porque é agora que a escolha do caminho para o futuro está sendo feito, está determinando como a humanidade se desenvolverá e que forma e rumo as relações internacionais e a economia mundial tomarão. 

Globalização está Cancelada. O [Hospício do] Ocidente está Perdendo a Base de seu Poder

Fonte: RIA Novosti – por Petr Akopov

É isso que está sendo decidido diante de nossos olhos. E isso é entendido não apenas na Rússia, na China e em todo o mundo não-ocidental – a escala do desafio também é reconhecida por estrategistas anglo-saxões objetivos dos psicopatas do hospício ocidental.

“A segunda fase da globalização está desaparecendo rapidamente no passado. Se algo não for feito de forma rápida e decisiva, o mundo será dividido em campos hostis, independentemente do que acontecer na Ucrânia. E esse mundo dividido não servirá para o Ocidente.”

Esta é uma citação de um artigo da Bloomberg “Putin e Xi expuseram a grande ilusão do capitalismo”. Os autores – John Micklethwaite, editor-chefe da Bloomberg News, ex-editor-chefe da The Economist, e Adrian Wooldridge, membro da equipe da The Economist – são analistas anglo-americanos insiders com um bom “nível de autorização” (Micklethwaite é um participante das reuniões do Grupo Bilderberg), portanto não há propaganda especial no texto. 

Há uma tentativa de analisar o que está acontecendo – e uma receita para salvar a globalização. O subtítulo do artigo não é acidental: “Se os EUA e seus aliados não se mobilizarem para resgatá-lo, a segunda grande era da globalização chegará a um fim desastroso”.

Por que uma segunda Fase da Globalização? Porque a primeira terminou com a Primeira Guerra Mundial (começando meio século antes) – e agora a ameaça da globalização é comparável à de 1914. Ao mesmo tempo, é categoricamente errado falar de um “projeto ocidental de globalização”. A globalização baseada no liberalismo econômico é um projeto puramente anglo-saxão que atende aos interesses das elites anglo-saxônicas (que há muito se tornaram oligarcas, supranacionais – mas essa é uma questão à parte).

Por que a primeira globalização acabou? De acordo com os autores do artigo na Bloomberg, porque as elites de então (claro, anglo-saxônicos, via Illuminati, Bilderberg, nazistas, Khazares, igreja romana, maçonaria, et caterva) foram complacentes e míopes, elas não perceberam toda a realidade do conflito global iminente devido à ascensão da  Alemanha (claro, o que mais esperar de autores ingleses). No final, tudo terminou em desastre e no colapso da primeira tentativa de globalização. E agora a mesma coisa pode acontecer:

“O conflito atual pode marcar uma mudança duradoura na forma como a economia global funciona e como vivemos, por mais distantes que estejamos da carnificina na Europa Oriental. De guerras étnicas e autocracias furiosas à fúria geral contra os ricos, eles rastejam para onde quiserem.

Micklethwaite e Wooldridge apontam em seu artigo que a globalização está sob ataque nos últimos vinte anos – a partir de 11 de setembro de 2001, a crise imobiliária de 2008 (e quem foi seu autor – foram os EUA que construíram a pirâmide financeira e cambial?) com o Brexit, juntamente com a eleição de Trump em 2016. Eles até admitem que “a divisão da economia mundial em partes oriental com os chineses e ocidental está ganhando força”, que o coronavírus atingiu os laços de integração e que, em geral, a integração econômica desacelerou e, em alguns casos, retrocedeu. Mas é a Ucrânia que se tornou o foco que pode acabar com a globalização, porque o sonho do mercado mundial [e governo global] único agora será dividido em partes:

“A invasão russa da Ucrânia marca um ataque maior e mais decisivo à globalização do que os anteriores. Em parte porque houve um corte instantâneo dos laços econômicos. O fornecimento de commodities básicas, de trigo a níquel, titânio e petróleo, foi interrompido. O Ocidente está fazendo todo o possível para excluir a Rússia do sistema econômico mundial: impõe sanções aos oligarcas do pais, corta os bancos russos do sistema financeiro global e impede o Banco Central da Rússia de acessar suas reservas. Fala-se em excluir a Rússia do World Trade Organization – OMC.”

Mas espere, não é o próprio Ocidente que está empurrando o mundo para essa divisão – com suas sanções insanas contra a Rússia , congelando nossos ativos e ameaçando impor sanções secundárias contra a China ? Sim, tudo é assim – Micklethwaite e Wooldridge não discutem isso, mas estão tentando justificar essa “selvageria” no fato de que ela pode ser usada para atingir os objetivos estabelecidos, ou seja, parar a Rússia, que é o atual principal inimigo da globalização:

“Políticos ocidentais reunidos em Bruxelas dizem que não pretendem destruir a ordem global. Toda essa selvageria econômica é projetada para punir a agressão de Putin precisamente para restaurar o sistema baseado em regras que ele procura destruir, e com isso interromper o fluxo livre do comércio e das finanças mundiais. Em um mundo ideal, Putin seria derrubado — vítima de suas próprias ilusões e paranoia — e o povo russo deporia a cleptocracia no Kremlin. Esse cenário otimista trará de volta à vida não apenas a Rússia, mas também o Ocidente. Os Estados Unidos abandonarão o isolacionismo de Trump e a Europa começará a levar a sério sua própria defesa. As “guerras civilizacionais” de ambos os lados do Atlântico vão acabar… Há uma chance de que isso aconteça.”

Mas quão grande é essa chance? Os britânicos admitem que ela é tão pequena quanto a possibilidade de “mudança de regime no Kremlin” pedida pelo senil marionete Joe Biden e, ao mesmo tempo, não se gabam da capacidade de Biden, Johnson, Macron e Scholz (ou seja, os marionetes líderes do [hospício do] Ocidente) de se encontrarem o desafio da globalização. Além disso, o mesmo Biden diz coisas que são simplesmente mortais para a globalização – por exemplo, que “tudo, desde o convés de um porta-aviões até o aço nas cercas das rodovias, será feito na América do início ao fim” soando como o “America First” de Donald Trump. Assim, o próprio processo está se movendo na direção oposta da globalização:

“E a crise na Ucrânia está acelerando especialmente essas mudanças na geopolítica e na visão de mundo capitalista que são profundamente hostis à globalização. As mudanças na geopolítica se resumem a uma coisa: a China está se tornando o fator geopolítico central com sua rápida ascensão, que parece inevitável e invencível …

Neste momento, o resultado para o qual estamos deslizando é que o Oriente autocrático gradualmente se separa de nós e, em seguida, começa a ignorar rapidamente o Ocidente democrático, mas dividido.”

E aqui Micklethwaite e Wooldridge encontram a única maneira de salvar a globalização – e o Ocidente. É simples: você precisa se unir. Mas não apenas assim, não em palavras e slogans, mas realmente, econômica e politicamente – isto é, de fato, criar um sistema único. Acelerar a globalização em escala ocidental:

“Biden deve reconhecer que a expansão da interdependência econômica entre os aliados dos EUA é um imperativo geoestratégico. Ele deve oferecer à Europa um acordo abrangente de livre comércio para unir o Ocidente. Poderia ser uma versão ligeiramente modificada da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento rejeitada com base na convergência regulatória (segundo a qual um produto que pode ser vendido com segurança na UE pode ser vendido com segurança nos EUA – e vice-versa). Deve também aderir ao CPTPP (Comprehensive and Progressive Trans-Pacific Partnership Agreement – ​​que reúne a Austrália , Nova Zelândia [ambas anglo saxões], partes dos estados asiáticos e americanos).

“Ou seja, propõem-se duas etapas – primeiro unir os EUA e a Europa em um único organismo econômico, e depois conectar parte da Ásia com a América Latina . Isso deve dar uma enorme vantagem sobre as “autocracias” – China, Rússia e os países que se juntaram a elas:

“Biden é um político maduro o suficiente para lembrar que os Estados Unidos venceram a última guerra fria pacificamente porque uniram todo o mundo livre em torno de si. Esta é a maneira de vencer o próximo jogo pacificamente também, junto com as economias da América Latina e democracias asiáticas – e poderia fazer mais do que apenas acabar com as autocracias, poderia puxá-las para a liberdade.”

Este é um belo modelo intelectual – MAS isso é completamente irreal. Afinal, na verdade, ele propõe a continuação da globalização no estilo anglo-saxão, mas com a exclusão de vários grandes países dela – na expectativa de que com o tempo eles se desfaçam e também se juntem ao mundo “mundo livre e liberal” [do transgênero, satanista, pedófilo, LGBTQ+, wokism, et caterva do hospício ocidental].

Mas afinal, o atual projeto de globalização fracassou – e os próprios Micklethwaite e Wooldridge admitem isso – por dois motivos: o descontentamento dos países não ocidentais e a falta de acordo no Ocidente. O mesmo projeto da Parceria Transatlântica desmoronou antes mesmo de Trump surgir, porque a Europa não queria se subordinar completamente às corporações e elites transnacionais (ou seja, os anglo-saxões). E por que agora todos concordarão em ir à barraca anglo-saxônica? Porque a Rússia está lidando com o ocidente e a OTAN na Ucrânia, e o Ocidente em resposta detona “bombas atômicas” de sanções econômicas, minando os fundamentos da globalização construídos por eles mesmos ? Para dizer o mínimo, é ilógico, irracional, mas digno de mentes psicopatas do hospício ocidental.

É claro que a esperança morre por último se não for assassinada antes – por isso se diz que “ainda temos tempo para moldar um futuro muito diferente: um futuro em que a riqueza ocidental aumenta e as alianças ocidentais são fortalecidas”, e argumenta-se que agora “O Ocidente está mais unido e resoluto do que nas últimas décadas [apenas em sua loucura]”, portanto, segundo Biden, devem “cimentar juntos o mundo livre“. 

Mas parece não haver cimento suficiente, e mesmo aqueles que estão prontos para se juntar às fileiras dos cimentados. Mesmo dentro da estrutura de um “Ocidente unido”, as chances de integração (isto é, a subordinação da Europa aos anglo-saxões) parecem mínimas – sem falar do resto do mundo. E os próprios Estados Unidos estão economicamente quase condenados ao isolacionismo, a se tornar uma fortaleza sitiada, um pária muito bem armado com perspectivas pouco claras de unidade dentro dele mesmo em função da enorme divisão existente dentro do pais.

A citação do artigo de Micklethwaite e Wooldridge no início do texto continua:

“Se algo não for feito de forma rápida e decisiva, o mundo será dividido em campos hostis, independentemente do que aconteça na Ucrânia. E esse mundo dividido não servirá para o Ocidente. Veja a resolução da Assembleia Geral da ONU condenando a operação especial da Rússia na Ucrânia. Os números mais divulgados nos resultados são que apenas 40 países não apoiaram a resolução (35 se abstiveram e cinco se opuseram), mas votaram sim 141 países. Mas esses 40 países, incluindo Índia e China, representam a maioria da população mundial”.

E o ponto fundamental aqui não está nem na porcentagem da população, mas no fato de que as reivindicações anglo-saxônicas de dominação mundial, coloquialmente chamadas de globalização, se revelaram insustentáveis. Os anglo-saxões criaram um sistema global sem precedentes na história da humanidade, mas eventualmente sobrecarregado e extremamente corrompido, e as principais civilizações de países não-ocidentais se recusam a continuar a seguir suas regras de dominação. Dois países, com culturas milenares, como a Índia e a China, detém poder econômico, político e tecnológico de ponta e hoje, os dois países abrigam juntos cerca de 37% de toda a população global de aproximadamente 7,7 bilhões de pessoas, e estão quase empatados: China com cerca de 1,4 bilhão de pessoas e Índia, com 1,3 bilhão.

A segunda tentativa de globalização anglo-saxônica falhou estrepitosamente – e, dada a situação dentro dos próprios países centrais do hospício ocidental (EUA e Grã-Bretanha ), eles definitivamente não terão chance de uma terceira tentativa.  Nem uma terceira globalização, nem uma terceira guerra mundial – a Nova Ordem Mundial não será construída de acordo com o cenário deles. E não no interesse deles.


Além disso, se fôssemos congelar voluntariamente contas financeiras a ativos de residentes de países que atacam e provocam violência injustamente em todo o mundo, o primeiro passo seria congelar todas as contas dos EUA. Na prática, essa não é realmente uma opção de negócio viável para nós”. – Jesse Powell, CEO da Kraken


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.