Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XLVII)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cavaleiros-templarios-gif.gif

Livro “The Real History Behind the Templars”, de Sharan Newman,  nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan, ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada.

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars

Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE QUATRO  – CAPÍTULO QUARENTA E SETE

Templários na Escócia: A [Incrível] Capela Rosslyn

A Capela de Rosslyn, mais apropriadamente chamada de Igreja Colegiada de Rosslyn, fica em Lothian, às margens do rio Esk, 13 quilômetros ao sul de Edimburgo, nos limites da vila de Roslin, na Escócia.

O nome “Rosslyn” vem do gaélico ross, que significa promontório rochoso, e lynn, que significa cachoeira. A igreja foi construída em tal ponto, com uma boa visão de Rosslyn Glen abaixo.

A igreja foi iniciada por volta de 1450 por William Sinclair, conde de Orkney. Aparentemente, pretendia ser muito maior, mas apenas o que seria o coro foi concluído. Embora a igreja seja semelhante a outras igrejas colegiadas construídas na época, o grau de ornamentação é extremamente incomum

Minha primeira impressão ao entrar nela foi que se baseava nas igrejas espanholas em que estive, mas aparentemente os historiadores da arte não acham que seja esse o caso. A natureza dos desenhos não foi tão comentada pelos historiadores da arte quanto a abundância deles. 

O efeito da miríade de entalhes é impressionante e caprichoso, como encontrar alguém que decidiu usar todas as suas joias de uma vez. “Os arcos das arcadas, capitéis, cursos de cordas e arcos traseiros das janelas são todos decorados com esculturas de folhagem, e há mísulas e dosséis para imagens entre as janelas.” Em outro lugar, o mesmo autor comenta, “como tantas vezes em Rosslyn, [sic] o desejo de riqueza de efeito talvez tenha sido levado mais longe do que se poderia esperar”.

Pilar em Rosslyn Chapel, mostrando detalhes da ornamentação

Os planos para Rosslyn Chapel, escritos em tábuas de madeira, foram perdidos durante a Reforma. Não há nenhum documento que explique por que o conde William decidiu cobrir quase cada centímetro de sua igreja com ornamentos. O único remanescente de um projeto de planejamento está na parede da cripta, provavelmente a primeira seção construída. 

Ainda se podem ver riscos na parede de um arco, um pentagrama, uma parte da abóbada para o teto e dois círculos. É provável que tenham sobrevivido porque foram rebocadas logo após a construção da igreja.

Agora, a falta de documentação é um desastre para os historiadores, mas ótimo para os romancistas, que ficam livres para inventar o que quiserem. Suponho que essa seja uma das razões pelas quais sou ambos. Posso especular na ficção de uma forma que seria inapropriada no trabalho acadêmico. As esculturas altamente trabalhadas em Rosslyn inspiraram várias lendas. Antes de discuti-las, vejamos primeiro o que se sabe sobre William Sinclair, para ver se isso dá alguma pista sobre por que ele ordenou a construção da igreja e por que ela nunca foi concluída.

William foi o quarto Sinclair a ser conde de Orkney. Na época, essas ilhas, ao norte da Grã-Bretanha, pertenciam aos reis da Dinamarca. Como os condes de Orkney também eram senhores de Rosslyn e possuíam outras terras na Escócia, essa lealdade dividida tornou a política difícil para os Sinclairs. No entanto, as receitas de Orkney foram substanciais e valiam a pena.

Naquela época, era incomum que a nobreza da Escócia morresse de morte natural ou mantivesse o controle de suas terras por mais de uma geração. O primeiro rei Stewart da Escócia, James, foi assassinado em 1437, deixando seu filho de seis anos, James II, à mercê de várias facções que disputavam o poder.

 A família Douglas era o inimigo mais formidável do rei e William Sinclair havia se casado com Elizabeth Douglas. No entanto, Elizabeth morreu pouco antes de James II atingir a maioridade em 1451 e William Sinclair decidiu lançar sua sorte com o rei.  Foi nessa época que ele começou a trabalhar na igreja.

Parece ter sido um símbolo de status entre os nobres escoceses ter sua própria igreja colegiada – uma igreja administrada por padres, chamados cônegos, cujo único trabalho era rezar missas, presumivelmente pelas almas dos nobres e suas famílias. As igrejas colegiadas foram construídas por Lord Dunbar em 1444 e Lord Crichton em 1449. Nenhuma das duas é tão elaborada quanto Rosslyn Chapel.

Por um tempo, a aliança de William com o rei James II pareceu trazer-lhe ainda mais riqueza e poder. Ele se tornou chanceler da Escócia de 1454 a 1456 e conseguiu recuperar o condado de Caithness, perdido para sua família cem anos antes.

No entanto, o rei da Escócia estava de olho no lucrativo condado de Orkney. James entrou em negociações com o rei Christian da Dinamarca para ganhar Orkney para si mesmo. Isso teria deixado William Sinclair de fora de uma importante fonte de renda e havia rumores de que ele tentou sabotar a reunião. Certamente, ele caiu em desgraça com o rei. “William . . . deve ter dado um suspiro de alívio quando soube da morte repentina do jovem rei em Roxburgh enquanto essas negociações estavam em andamento.

Mas o próximo rei, James III, continuou a busca de seu pai por Orkney e, em 1470, William Sinclair foi forçado a desistir de seus direitos em favor da coroa escocesa.

Esta pode ser a razão pela qual a Igreja de Rosslyn nunca foi concluída. Não apenas a renda de William foi reduzida, mas seu filho mais velho, William “the Waster”, foi tão irresponsável que o conde o deserdou, deixando Rosslyn para seu segundo filho, Oliver. Foi Oliver quem parece ter fechado o prédio.

Isto é o que sabemos sobre William Sinclair, quarto e último conde de Orkney. As cartas originais da igreja foram perdidas; os planos destruídos. Resta apenas o edifício fantástico, destacando-se de ambos os lados o coro com parede truncada da nave proposta.

Rosslyn Chapel

AS LENDAS COMEÇAM

O destino da capela de Rosslyn estava ligado à família Sinclair e eles tiveram um período ruim de quase duzentos anos. Os Sinclairs escolheram o lado perdedor nas lutas pelo poder na Escócia e depois permaneceram católicos quando o país se tornou protestante. A capela foi primeiro negligenciada e depois, após longa resistência do senhor, outro William Sinclair, os altares foram demolidos.

A ligação da família Sinclair à guilda dos maçons e depois à ordem dos maçons começou no início do século XVII. A guilda dos pedreiros estava sob a direção de um “mestre de obras”, que geralmente vinha de uma boa família e não de um pedreiro trabalhador. Em 1583 o título foi para William Schaw, da família dos lairds de Sauchie. A família Schaw era católica na Escócia protestante, mas isso não impediu William de fazer uma boa carreira na corte. Ele era diplomata e serviu à coroa no exterior, apesar de ter sido listado como “um possível jesuíta” pelo equivalente escocês da polícia secreta.

Quando se tornou mestre, Schaw começou a organizar a guilda dos pedreiros, estabelecendo estatutos para eles. Por volta de 1600, ele decidiu que os pedreiros precisavam de um senhor protetor. Não se sabe por que o então atual William Sinclair, senhor de Rosslyn, foi o escolhido. Talvez porque também fosse católico; talvez por causa da tentativa de Sinclair de preservar as “imagens e outros monumentos de idolatria” da capela.

Como patrono, Sinclair não era uma escolha óbvia. Ele foi levado perante os magistrados locais sob a acusação de fornicação e acabou se mudando para a Irlanda com sua amante, filha de um moleiro, deixando seu feudo para seu filho, também chamado William Sinclair. 

O próximo William era um cidadão modelo e, embora Schaw tivesse morrido nesse ínterim, uma carta foi elaborada tornando Sinclair um patrono oficial dos pedreiros. Uma cópia disso está em exibição no museu acima da loja de presentes em Rosslyn Chapel.

Isso não tinha nada a ver com o que mais tarde se tornaria a Maçonaria. Foi um acordo entre o senhor de Rosslyn e a guilda dos pedreiros. No entanto, os senhores de Rosslyn estavam entre os primeiros maçons escoceses e em 1697 foram “obrigados a receber a palavra maçom”.

Foi nessa época que as lendas em torno de Rosslyn começaram a crescer. A história dos dois pilares, o do “mestre” e o do “aprendiz”, pode ser encontrada em outras igrejas na Escócia. Existe um par igual de pilares na Abadia de Dunfermline do século XII, embora o mais elaborado dos dois seja considerado obra do mestre.

A história dos pilares é de que o mestre pedreiro terminou o primeiro pilar e depois partiu em viagem.  Quando voltou, descobriu que seu aprendiz havia esculpido um segundo pilar que superava em muito o dele. Furioso, o mestre matou o aprendiz. Em Rosslyn, os rostos do mestre e do aprendiz deveriam estar entre as cabeças esculpidas nos cantos do teto da capela. No entanto, existem seis cabeças, não duas.  Uma é feminina e outro um demônio de algum tipo. Esta história do mestre pedreiro homicida é registrada pela primeira vez em 1677, por um turista inglês, Thomas Kirk.

A associação dos Cavaleiros Templários com Rosslyn pode ter começado com Sir Walter Scott, que menciona os senhores de Rosslyn em The Lay of the Last Minstral. Scott é mais conhecido por seu romance Ivanhoe, que apresenta um templário como vilão.

As histórias sobre os Templários na Escócia, e especificamente em Rosslyn, parecem ter começado ao mesmo tempo que a sociedade dos maçons. A história em sua forma mais recente é que um grupo de Templários fugindo da perseguição de Felipe, o belo, chegou à Escócia e recebeu refúgio da família Sinclair no Castelo de Rosslyn. Ao longo dos anos, diz-se que os Templários na Escócia lutaram por Robert the Bruce, foram para a América com os Vikings e mantiveram uma guarda em seu tesouro e/ou no Santo Graal.

Na época da supressão da ordem na Europa, alguns Templários podem ter encontrado refúgio na Escócia, mas, novamente, não há registro disso e certamente nenhuma referência a Rosslyn. Não encontrei nenhuma referência dos Templários ou do Graal em relação a Rosslyn que seja anterior ao século XIX. Nenhuma dessas histórias se preocupa em dizer como os Templários mantiveram seus números ao longo dos séculos. Eles se casaram e criaram pequenos templários? Eles recrutaram subversivamente no bairro? Mentes indagadoras querem saber. E é por isso, suponho, que temos de inventar respostas.

Como começam as lendas? Com um encontro fortuito, uma visita a uma capela notável, a constatação de uma estranha talha que lembra ao observador outra que se liga a outra pela imaginação. A arte da Capela Rosslyn é um enigma. Por que o primeiro William Sinclair o construiu e o que os projetos significavam para ele provavelmente nunca será conhecido. Eles são fantásticos, opulentos e evocativos. Não é de admirar que a capela tenha sido trazida para compartilhar os mitos proeminentes da civilização ocidental.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *