Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Trindade Profana: Soros, Schwab e Bill Gates – Os Arquitetos de nosso Passado, Presente e Futuro

Nos últimos anos, os nomes George Soros, Klaus Schwab e Bill Gates se tornaram sinônimos de influência e poder. Esses indivíduos deixaram sua marca em vários domínios, desde finanças e filantropia até governança global e inovação tecnológica. No entanto, sua ascensão à proeminência não foi isenta de controvérsia e escrutínio. Como seus nomes continuam entrelaçados com eventos e iniciativas globais, é crucial aprofundar seus antecedentes, conexões e implicações de suas ações.

A Trindade Profana: os judeus khazares Soros e Schwab e Bill (Hell’s) Gates – Os Arquitetos de nosso Passado, Presente e Futuro

Fonte: Expose-news.com

Neste artigo, exploramos as personas enigmáticas e nefastas de dois judeus khazares, Soros e Schwab e o agnóstico Bill (Hell’s) Gates, lançando luz sobre suas influências, examinando suas conexões e analisando criticamente seu impacto no cenário mundial.

Prepare-se para descobrir uma rede de poder, controvérsia e possíveis conseqüências distópicas que já ocorreram e em breve podem surgir de suas ações.

O Khazar George Soros: uma figura controversa

George Soros, um investidor bilionário e filantropo nascido judeu khazar na Hungria, conquistou controvérsia e atenção significativas ao longo de sua carreira e longa vida. Seu sucesso financeiro como gerente de fundos de hedge, particularmente durante a crise cambial da Quarta-Feira Negra de 1992, o colocou no centro das atenções internacionais.

Soros é conhecido por suas substanciais doações políticas e apoio a causas liberais, ‘acordadas’, que atraíram admiração e crítica.

Soros exerce sua riqueza e influência para moldar paisagens políticas e promover sua agenda pessoal. Através de atividades como o financiamento de campanhas políticas, grupos ativistas como Antifa e Black Lives Matter-BLM e pre$$tituta$ à venda nos meios de comunicação que se alinham às suas visões ideológicas.

Soros tem falado sobre sua oposição aos movimentos populistas, nacionalismo e o que ele considera ameaças às sociedades abertas. Ele é um exemplo (de psicopata) globalista.

As Fundações da Sociedade Aberta de Soros ’, que ele estabeleceu na década de 1980, financiaram vários projetos em todo o mundo, incluindo iniciativas em educação, saúde e reforma da justiça criminal. No entanto, sua influência se estende além da filantropia e o poder que ele acumulou permitiu que ele interferisse na política doméstica de várias nações soberanas.

O apoio de Soros a supostas causas liberais e seus esforços para moldar paisagens políticas lhe renderam inimigos entre os círculos conservadores. Suas atividades financeiras e negócios especulativos contribuíram para a instabilidade econômica e desvalorizações cambiais.

Por esse motivo, várias acusações de manipulação de mercado e tentativas de influenciar resultados políticos foram cobradas contra ele. George Soros inegavelmente vem desempenhando um papel significativo [e nefasto] nas esferas política e social e tem uma influência e um impacto injustificados no cenário mundial.

Fontes:

  1. The New York Times. ( 2021 ). George Soros, Vilificado pela extrema direita, surge como patrono da democracia na Europa Oriental. Recuperado de https://www.nytimes.com/2018/08/12/world/europe/george-soros-philanthropy.html
  2. Forbes. ( 2021 ). George Soros. Recuperado de https://www.forbes.com/profile/george-soros/
  3. O Washington Post. ( 2018 ). A teoria da conspiração que explica por que tantos americanos acreditam em notícias falsas. Recuperado de https://www.washingtonpost.com/outlook/2018/12/18/conspiracy-theory-that-explains-why-so-many-americans-believe-fake-news/
  4. O guardião. ( 2020 ). Como a Vilificação de George Soros se moveu das franjas para a corrente principal. Recuperado de https://www.theguardian.com/us-news/2020/oct/30/how-vilification-george-soros-moved-from-fringes-mainstream

O khazar Klaus Schwab: o Arquiteto do WEF-Fórum Econômico Mundial e “The Great Reset”

Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial ( WEF ), tem sido uma figura-chave na definição de políticas econômicas e sociais globais. Ele é conhecido por suas idéias e iniciativas distópicas e globalistas que visam enfrentar os desafios globais para o 1% superior e promover o capitalismo das partes interessadas à favor dos mesmos e em prejuízo dos demais 99%.

A visão de Schwab para o “The Great Reset”, um plano ambicioso, porém distópico, de remodelar economias e sociedades pós-pandêmicas, atraiu críticas extremas daqueles que sabem disso.

Enquanto inúmeras outras pessoas, que acreditam em tudo o que vêem na BBC News ou na CNN, negam que o plano do “The Great Reset” exista, apesar de ter sido discutido abertamente no Fórum Econômico Mundial nos últimos anos e estar sendo descrito no site do WEF.

Os advogados da “The Great Reset” argumentam que ela apresenta uma oportunidade para construir um mundo mais sustentável, inclusivo e eqüitativo.

Os críticos, por outro lado, o percebem como uma abordagem de cima para baixo que consolida poder e controle nas mãos de uma elite não eleita. E eles levantam, com razão, preocupações sobre a potencial erosão das liberdades individuais e o impacto na soberania nacional dos países.

Uma das principais críticas a Schwab e do WEF é a influência percebida dos interesses corporativos na governança global através de políticos cooptados pelos fóruns do WEF. Os laços estreitos do WEF com empresas multinacionais levantam questões sobre suas verdadeiras intenções e a cujos interesses ele realmente serve.

É fato que a agenda estabelecida por Klaus Schwab e o WEF se alinha aos desejos das grandes empresas e aos 1% principais em vez de atender às necessidades da população em geral.

A reunião anual do WEF em Davos, Suíça, tornou-se um símbolo de elitismo global e concentração de riqueza. O evento serve como uma plataforma para a elite econômica e política do mundo se conectar e fazer acordos a portas fechadas, sobre agendas ocultas e longe do escrutínio público.

Não há legitimidade democrática nas decisões tomadas durante essas reuniões e elas não fazem nada para atender às preocupações e aspirações da população trabalhadora em geral.

Outra área de preocupação é o envolvimento do WEF na definição da governança global e na formulação de políticas. Enquanto Schwab e o WEF defendem parcerias público-privadas e colaboração entre governos e empresas, os críticos argumentam que esses acordos podem minar os processos democráticos e a prestação de contas dos políticos.

Muitas questões são levantadas sobre a influência indevida de tecnocratas e funcionários não eleitos na definição de políticas globais que afetam a vida de milhões.

Klaus Schwab e o Fórum Econômico Mundial desempenham inegavelmente um papel significativo nas conversas e iniciativas globais, e suas ações não se alinham aos melhores interesses da população global, mas perpetuam as desigualdades e concentram o poder nas mãos de poucos.

Fontes:

  1. Fórum Econômico Mundial. ( n.d. ). Sobre nós: Klaus Schwab. Recuperado de https://www.weforum.org/about/klaus-schwab
  2. O guardião. ( 2021 ). O Smoothie de Grande Redefinição da Conspiração. Recuperado de https://www.theguardian.com/world/2021/feb/05/the-great-reset-conspiracy-smoothie
  3. Jacobino. ( 2021 ). A visão de Klaus Schwab de um mundo pós-covido coloca perigos. Recuperado de https://jacobinmag.com/2021/02/klaus-schwab-world-economic-forum-davos-global-capitalism
  4. A nação. ( 2020 ). A ameaça oculta do Fórum Econômico Mundial. Recuperado de https://www.thenation.com/article/world/klas-schwab-davos-capitalism/
  5. Al Jazeera. ( 2021 ). O WEF e suas manifestações em Davos perderam sua relevância. Recuperado de https://www.aljazeera.com/opinions/2021/1/25/the-wef-and-its-davos-manifestations-have-lost-their-relevance

Bill (Hell’s) Gates: um ladrão de tecnologia que virou filantropo, investidor e especialista em “vacinas”

Bill (Hell’s) Gates, co-fundador da Microsoft e um dos indivíduos mais ricos do mundo, passou de um magnata da tecnologia para uma figura proeminente na filantropia global. Por meio da Fundação Bill e Melinda Gates, Gates dedicou recursos significativos para enfrentar e investir pesado em questões globais de saúde, mas apenas com o objetivo de obter enormes lucros.

Embora ele seja amplamente reconhecido por seus [pseudos] esforços de caridade, Gates também enfrentou críticas e ceticismo com razão quanto à extensão de sua influência e suas verdadeiras intenções. O trabalho filantrópico de Gates ’, particularmente no campo da saúde global, tem sido extenso e também muito lucrativo.

Sua fundação desempenhou um papel fundamental no financiamento e apoio a iniciativas como desenvolvimento e entrega de vacinas, campanhas de erradicação de doenças e melhoria da infraestrutura de saúde em países de baixa renda.

No entanto, a imensa influência que Gates exerce sobre as políticas e iniciativas globais de saúde é extremamente preocupante, considerando que ele não é médico, tampouco cientista e sequer possuiu alguma formação acadêmica.

Seu financiamento significativo lhe dá alavancagem indevida para moldar as prioridades e agendas de organizações e governos internacionais. O potencial de conflitos de interesse e a concentração de poder nas mãos de algumas organizações filantrópicas é uma fonte de desconforto para aqueles que questionam a responsabilidade democrática de tais ações.

Outra área de controvérsia em torno de Gates é seu apoio e investimento em tecnologias como organismos geneticamente modificados ( OGM ) e vacinas.

Seu envolvimento nessas áreas reflete uma agenda orientada para o lucro e um desejo de controlar os sistemas alimentares globais, impor novas dietas e a saúde pública. Existe uma enorme preocupação em torno das conseqüências a longo prazo dos OGM e da segurança e eficácia das vacinas desenvolvidas por empresas farmacêuticas nas quais Gates tem interesses financeiros.

Além disso, as opiniões de Gates “sobre o controle populacional” e sua defesa de medidas como planejamento familiar e serviços de saúde reprodutiva atraíram críticas de alguns setores.

Os críticos argumentam que essas visões refletem uma abordagem de cima para baixo que viola as liberdades individuais e levanta questões éticas sobre o papel da riqueza e do poder na determinação das políticas populacionais globais.

Parece para alguns que ele é imensamente a favor do despovoamento e tem dinheiro e influência para que isso aconteça.

Fontes:

  1. Fundação Bill & Melinda Gates. ( n.d. ). Sobre nós. Recuperado de https://www.gatesfoundation.org/about/committed-to-the-promise
  2. O guardião. ( 2020 ). Como a Fundação Gates semeia a desconfiança da ciência. Recuperado de https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/dec/31/how-the-gates-foundation-seeds-the-distrust-of-science
  3. A nação. ( 2020 ). Bill Gates, guerreiro climático: uma investigação crítica. Recuperado de https://www.thenation.com/article/archive/bill-gates-climate-change/
  4. A Nova República. ( 2020 ). Os novos senhores não eleitos. Recuperado de https://newrepublic.com/article/160400/bill-gates-philanthropy-unelected-overlords
  5. Vox. ( 2021 ). Bill Gates tem um plano diretor para combater as mudanças climáticas e o COVID-19. Recuperado de https://www.vox.com/22340855/bill-gates-climate-change-covid-19-interview

Explorando as conexões

Embora cada um desses indivíduos tenha feito contribuições significativas em seus respectivos campos, existem algumas conexões sinistras que alimentaram a especulação e levantaram mais do que algumas sobrancelhas.

Aqui estão apenas algumas das conexões notáveis entre George Soros, Klaus Schwab e Bill Gates:

  1. Colaborações filantrópicas: Todos os três indivíduos estiveram envolvidos em esforços filantrópicos, muitas vezes sobrepostos em áreas como saúde global, educação e justiça social. Suas fundações colaboraram em várias iniciativas, reunindo recursos para atender a objetivos comuns. Mas, no final das contas, sempre se tratou de quanto lucro eles podem obter com o que investem.
  2. Influência global: Soros, Schwab e Gates exercem influência no cenário global por meio do envolvimento em organizações internacionais, grupos de reflexão e grupos de defesa. Eles usaram suas plataformas para promover suas respectivas visões para a versão de uma nova ordem mundial.
  3. Interesse compartilhado em desafios globais: Soros, Schwab e Gates compartilham interesse em enfrentar desafios globais prementes, como a agenda questionável sobre mudanças climáticas, saúde e desigualdade. Suas iniciativas geralmente se concentram em encontrar soluções lucrativas e incentivar a colaboração entre as partes interessadas que elas podem influenciar.

Conclusão

Em conclusão, é essencial abordar as conexões e a influência de George Soros, Klaus Schwab e Bill Gates com cuidadosa consideração e pensamento crítico. Indivíduos com riqueza e influência significativas, como Soros, Schwab e Gates, têm o potencial de moldar o discurso global e impactar vários setores. E é exatamente isso que eles vêm fazendo há décadas.

Houve muitos casos em que seus caminhos se cruzaram devido a seus interesses semelhantes compartilhados na globalização e no despovoamento. A concentração de poder nas mãos de alguns indivíduos ou organizações suscita sérias preocupações sobre o processo democrático e a distribuição equitativa de recursos.

Além disso, a influência desses indivíduos teve muitas consequências negativas e, infelizmente, continuará a ter consequências negativas. Embora tenham se envolvido em esforços e iniciativas filantrópicas que parecem estar enfrentando desafios globais, é crucial avaliar criticamente as implicações e as reais razões de suas ações.

Os possíveis resultados distópicos já incluem questões como controle desproporcional sobre políticas globais, avanços tecnológicos que infringem a privacidade e as liberdades individuais e a manipulação de narrativas sociais.

Como pensadores críticos e indivíduos informados, é nossa responsabilidade examinar as ações e a influência de figuras poderosas, incluindo Soros, Schwab e Gates. Devemos nos engajar ativamente no diálogo, buscar diversas perspectivas e responsabilizar os que estão em posições de poder.

Ao fazer isso, podemos contribuir para uma sociedade global mais equilibrada e equitativa, onde as decisões são tomadas no melhor interesse da humanidade como um todo. Mas estamos ficando sem tempo para fazê-lo.

Fontes:

  1. As fundações da sociedade aberta. ( n.d. ). Sobre nós. Recuperado de https://www.opensocietyfoundations.org/about
  2. Fórum Econômico Mundial. ( n.d. ). Sobre nós. Recuperado de https://www.weforum.org/about/world-economic-forum
  3. Fundação Bill & Melinda Gates. ( n.d. ). Sobre nós. Recuperado de https://www.gatesfoundation.org/about/committed-to-the-promise

“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *