Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Valorização dos Tiranos [os zumbis precisam de líderes]

Esta é certamente uma das reviravoltas mais estranhas nas narrativas oficiais em talvez centenas de anos. Os bandidos foram batizados de mocinhos, e os mocinhos foram expurgados, deplataformados, cancelados, censurados e demonizados. É uma reviravolta que nenhum de nós com um pouco de senso crítico poderia ter imaginado em 2020. Ela clama por uma explicação. Eu realmente temo saber a resposta do porquê.

A Valorização dos Tiranos [os zumbis precisam de líderes]

Fonte: The Epoch Times

Basta considerar o destino da ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern. Ela bloqueou o seu país, atropelando todos os direitos do povo sob o pretexto de controlar a propagação de um vírus. Você não poderia ir à igreja. Você não poderia sai sem focinheiras. Você não poderia sair do país e voltar.  Ninguém poderia viajar para lá sem permissão oficial.

Por pior que fossem os EUA e a Europa durante este período, a Nova Zelândia foi pior e era apoiada por controles de fala. Qualquer pessoa que protestasse contra as políticas estava arriscando tudo. E quando a vacina apareceu, Ardern disse numa chantagem aberta aos medrosos: as pessoas que a tomassem teriam direitos, mas aquelas que não a tomassem, não os teriam, seriam párias. Era um novo sistema de castas biomédicas.

Mais tarde com o fim do circus pandêmico eventualmente, o país se abriu. Agora, os oradores que condenam todo o período estão atraindo milhares de públicos, e Ardern é amplamente impopular. O seu sucessor, que continua a defender todo este despotismo, está sob uma nuvem e também é profundamente impopular. A situação mudou completamente. É claro que o vírus veio de qualquer maneira, como deveria, por isso os políticos tirânicos agora voltaram a sua atenção para as alterações climáticas, a defesa da censura e a escalada da guerra Rússia/Ucrânia.

Há cinco anos, qualquer um teria suposto que um líder que agisse desta forma viveria na vergonha. Eu certamente presumi que sim. Minha suposição é que Ardern cometeu erros de julgamento horríveis e seria amplamente considerado uma tirana confusa [caso realmente seja uma mulher…]. Ela viveria seus dias em descrédito, certamente.

O oposto aconteceu. Ela agora é tema de biografias comemorativas. Ela é elogiada pelas pre$$tituta$ da grande mídia.  Ela dirigiu-se às Nações Unidas no ano passado num discurso que foi um apelo aberto a um novo regime de censura global. É verdade que os verificadores de fatos discordaram desta interpretação. Em vez disso, ela estava apenas apelando à “transformação das sociedades e plataformas de liberdade de expressão em armas por parte de agentes de desinformação”. Oh.

De qualquer forma, na minha imaginação, eu não poderia ter previsto um exemplar de erro e tirania mais merecedor de desvalorização do que Jacinda Ardern. Tudo o que ela fez durante a era COVID vai contra os valores que o Ocidente defendeu durante quase mil anos, desde a Carta Magna.

Mas eu estava errado. Completamente. Eu subestimei o quão quebrado a civilização está. Em vez de cair em desgraça, ela desfruta não de uma, mas de duas bolsas de estudo na Universidade de Harvard, onde goza de enorme prestígio e adoração por professores, funcionários e estudantes. Para mim, isso parece Twilight Zone – um final para a história que eu não poderia ter imaginado. 

Deveríamos ser contra a segregação, a prisão domiciliar, os tratamentos médicos forçados, a imposição de injeções de mRNA, o confinamento de pessoas nas suas casas e a censura? Achei que pelo menos concordaríamos nisso. Aparentemente não. Aparentemente, é o oposto. Tudo o que eu acreditava ser depreciado e sem valor é exaltado e todas as virtudes públicas que eu acreditava que exaltávamos são agora denunciadas.

Não é apenas a estúpida, tirânica marionete Ardern. Toda a pequena mas global junta que impôs todas estas políticas parecia estar desfrutando de uma despedida gloriosa por parte de todo o sistema, apesar de terem estado 100 por cento erradas sobre tudo. O sucessor de Fauci é Fauci II, e o mesmo acontece com o sucessor de Walensky no CDC. E as pre$$tituta$ propagandistas da mídia que durante três anos mentiram ao público sobre bloqueios, máscaras, fechamento de escolas, lockdowns, injeções de venenos, estão agora escrevendo livros que chamam pessoas como eu de bandidos!

Quase não consigo imaginar que isso tenha acontecido e não consigo entender por quê. Como outro exemplo, a página de opinião do New York Times publicou um artigo incrível e muito longo de Yoel Roth, um judeu khazar à serviço do establishment, um tirânico ex-censor-chefe do Twitter 1.0 antes de ser sumariamente demitido por Elon Musk. O Times deixou-o contar a sua história de tristeza sobre como esta oprimido e abatido apenas por impor confiança e segurança. Ele estava apenas fazendo seu trabalho para acabar com as mentiras online!

Os arquivos do Twitter revelaram que a empresa estava obedecendo e seguindo as agendas do governo e bloqueando e restringindo conteúdo que questionava as políticas da COVID, questões relacionadas à integridade eleitoral e à eficácia das vacinas. Roth, em cooperação com agências federais, estabeleceu-se como o árbitro da verdade e provavelmente distorceu os fluxos de informação com base no seu próprio preconceito pessoal.

Tal como a idiota Ardern, eu poderia esperar que ele se retirasse da vida pública e dedicasse a sua considerável comunicação a uma pequena empresa algures. Mas eu estava errado novamente. Em vez disso, ele ocupa um cargo cobiçado na Universidade da Pensilvânia e no Carnegie Endowment for International Peace. Aliás, o próprio Anthony Fauci está desfrutando de uma confortável sinecura na Universidade de Georgetown.

Não se trata apenas de como a academia de ponta se tornou um refúgio para a política acordada, a censura e o pensamento fortemente pró-estatista em todos os níveis. Essa batalha parece ter sido vencida pelos bandidos há talvez duas décadas. O problema é muito maior. Tem a ver com todo o establishment acadêmico servil, empresarial, militar, religioso, político e do estado profundo que esteve fortemente envolvido na imposição de uma viragem despótica para todo o globo.

Neste momento, eles estão empenhados em proteger os seus futuros, enganando o resto de nós, concedendo prêmios e honras aos piores infratores e violadores dos valores ocidentais fundamentais. É como se o mundo tivesse virado de cabeça para baixo. Por mais sombrios que eu acreditasse que fossem os confinamentos que começaram em Março de 2020, e por mais que eu esperasse algumas consequências econômicas e culturais terríveis desse período, nunca teria imaginado que os confinadores e mandatários estariam em alta, sendo aplaudidos, aos 42 meses deste período.

E, ao mesmo tempo, as perseguições, censura, etc das pessoas que sempre tiveram razão continuam a um ritmo furioso. Todos os dias, observamos ataques furtivos aos maiores defensores das liberdades básicas, com os quais pensei que todos concordavam em 2019. Cada informação pessoal pouco lisonjeira sobre os resistentes é um jogo justo, amplificado pela mídia e depois realizado na forma de desmonetização, pela Big Tech, pelos tribunais e pelo circuito profissional em geral.

As linhas de batalha são muito claras e apenas um lado defende os direitos e liberdades pelos quais a humanidade trabalhou durante milênios para obter. O outro lado representa controles, imposições, tirânia, divisões, vigilância, censura, decrescimento e cartelizações corporativas. Alguém pode me explicar por que devemos pensar que os bandidos agora são os mocinhos? Em suma, como podemos explicar a valorização dos tiranos?


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *