browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

África está se dividindo em duas partes? (Fotos, Vídeo)

Posted by on 02/02/2020

No continente africano apareceu uma nova e enorme rachadura de 15 metros de profundidade e 20 metros de largura que apareceu repentinamente no sudoeste do Quênia.

Segundo avisam os cientistas, o continente africano pode já estar se separando em dois pedaços na sua porção leste. Além disso, quando o fenômeno surgiu, provocou muitos danos, isto é: destruiu estradas, linhas elétricas e edifícios residenciais. 

Edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

África começou a se dividir em duas partes?

Fonte: https://br.sputniknews.com/ – https://theconversation.com/

Neste contexto, a especialista em geologia Lucía Pérez Díaz explicou ao The Conversation quais são as possíveis causas do acidente geográfico. Uma grande rachadura, estendendo-se por vários quilômetros, apareceu repentina e recentemente no sudoeste do Quênia. A fenda, que continua a crescer, fez com que parte da rodovia Nairobi-Narok colapsasse e foi acompanhada de intensa atividade sísmica na área.

A especialista observou que a Terra sempre sofre várias alterações, sem que as notemos de imediato. As placas tectônicas são um bom exemplo desse processo. Elas não permanecem estáticas, e seu movimento permite supor que o continente africano está se partindo em dois.Às vezes, o movimento das placas tectônicas resulta em seu rompimento.

Um exemplo deste tipo de fenômeno seria o Rift Africano Oriental — uma rachadura de mais de 3.000 quilômetros de extensão desde o Chifre da África .

Provavelmente é este rift que provocará a divisão do continente em duas partes. Não obstante, o aumento das fissuras é um processo muito lento. Por exemplo, o movimento das placas nessa região ocorre com velocidade de 2,5 a 5 centímetros por ano. Ou seja, devem passar milhões de anos antes que a rachadura se torne tão grande que a água do oceano a inundará por completo.

​África está se separando em duas partes ao longo da Somália e Quênia. Levará milhões de anos, mas África finalmente se separará em duas partes desiguais e um novo mar se formará entre elas.

O recente surgimento da rachadura no Quênia contribui para a divisão do continente. Os especialistas destacam que fenômenos parecidos frequentemente resultam de atividade sísmica ou vulcânica.

Por que o rift acontece?

Quando a litosfera está sujeita a uma força tensional horizontal, ela se expandirá, tornando-se mais fina.  Eventualmente, ele irá se romper, levando à formação de um vale rift.

Grande Vale Do Rift, Tanzânia. Shutterstock

Este processo é acompanhado por manifestações superficiais ao longo do vale do Rift, sob a forma de vulcanismo e atividade sísmica. As fendas são o estágio inicial de um colapso continental e, se bem-sucedidas, podem levar à formação de uma nova bacia oceânica. Um exemplo de um lugar na Terra onde isso aconteceu é o oceano Atlântico Sul, que resultou do desmembramento da América do Sul e da África em torno de 138 milhões de anos atrás – já notou como suas linhas costeiras combinam como peças do mesmo quebra-cabeça.

O rifteamento continental exige a existência de forças tensionais grandes o suficiente para romper a litosfera. O Rift do Leste Africano é descrito como um tipo ativo de fenda, no qual a fonte dessas tensões reside na circulação do manto subjacente. Por baixo dessa fenda, a elevação de uma grande pluma de manto está subindo a litosfera, fazendo com que ela enfraqueça como resultado do aumento da temperatura, sofra alongamento e quebre com falha.

Mapas feitos por Snider-Pellegrini em 1858 mostrando sua ideia de como os continentes americano e africano podem ter se encaixado há milhões de anos. FONTE

A evidência da existência desta pluma de manto mais quente que o normal foi encontrada em dados geofísicos e é frequentemente referida como o “Superswell Africano”. Esta superplume não é apenas uma fonte amplamente aceita das forças de atrito que estão resultando na formação do vale do Rift, mas também tem sido usada para explicar a topografia anormalmente alta dos planaltos do sul e do leste da África.

Rompimento não é fácil

As fendas exibem uma topografia muito distinta, caracterizada por uma série de depressões delimitadas por falhas cercadas por terrenos mais altos. No sistema da África Oriental, uma série de vales de fenda alinhados separados por grandes falhas de delimitação pode ser claramente vista do espaço.

Topografia do Vale do Rift no Leste da África. James Wood e Alex Guth, Universidade Tecnológica de Michigan. Mapa base: Imagem de topografia de radar do ônibus espacial da NASA

Nem todas estas fraturas se formaram ao mesmo tempo, mas seguiram uma sequência que começou na região de Afar, no norte da Etiópia, a cerca de 30 milhões de anos e se propagou para o sul em direção do Zimbabué a uma taxa média entre 2,5-5cm por ano.

Embora a maior parte do tempo seja imperceptível para nós, a formação de novas falhas, fissuras e rachaduras ou o movimento renovado ao longo de falhas antigas, como as placas núbia e somali continuam a se afastar, pode resultar em terremotos .

No entanto, na África Oriental, a maior parte dessa sismicidade está espalhada por uma ampla zona em todo o vale do rift e é de magnitude relativamente pequena. O vulcanismo correndo ao lado é uma manifestação adicional da superfície do processo contínuo de fragmentação continental e da proximidade da astenosfera fundida quente à superfície.

Uma linha do tempo em ação

Rifte do Leste Africano é único na medida em que nos permite observar diferentes estágios de rift ao longo de seu comprimento. Para o sul, onde a fenda é jovem, as taxas de extensão são baixas e falhas ocorrem em uma área ampla. O vulcanismo e a sismicidade são limitados.

Em direção à região de Afar, no entanto, todo o piso do vale está coberto por rochas vulcânicas. Isto sugere que, nesta área, a litosfera se desbastou quase ao ponto da ruptura completa. Quando isso acontece, um novo oceano começará a se formar pela solidificação do magma no espaço criado pelas placas quebradas. 

Eventualmente, ao longo de um período de dezenas de milhões de anos, o alastramento do fundo do mar irá progredir ao longo de toda a extensão da falha. O oceano inundará tudo e, como resultado, o continente africano se tornará menor e haverá uma grande ilha no Oceano Índico composta de partes da Etiópia e da Somália, incluindo o Chifre da África.

Foto de satélite do Vale do RIFT, onde existem inúmeros vulcões, muita atividade sísmica e muitos lagos.

Eventos dramáticos, como falhas repentinas de divisão de autoestradas ou grandes terremotos catastróficos, podem dar ao rift continental uma sensação de urgência, mas, na maioria das vezes, ele divide a África sem que ninguém perceba.


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.