Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Agências de Inteligência dos EUA esperam que protestos em Israel derrubem Netanyahu

netanyahu-israel-assassino-corrupto

As agências de inteligência dos EUA afirmam que “esperam” protestos para derrubar o governo israelita e substituir o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que tem sido um obstáculo aos planos do presidente Joe Biden para o Oriente Médio. Há um ano, foi revelado que o Departamento de Estado dos EUA financiou uma organização de esquerda em Israel que está ajudando a promover protestos antigovernamentais destinados a derrubar Netanyahu e as suas reformas judiciais.

Agências de Inteligência dos EUA esperam que protestos em Israel derrubem Netanyahu

Fonte: The Expose News

Muitos observadores há muito que suspeitam que a administração Biden está trabalhando para derrubar o governo de Netanyahu através de uma “revolução colorida”.

A seguir está o artigo ‘Conspiração de golpe: as agências Intel de Biden “esperam” protestos para derrubar Netanyahu e trocá-lo por líder “moderado” escrito por Joel B. Pollak publicado originalmente pela Breitbart em 11 de março de 2024.

As agências de inteligência dos EUA afirmam que “esperam” protestos para derrubar o governo israelita e substituir o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que tem sido um obstáculo aos planos do presidente Joe Biden para o Oriente Médio.

A alegação surgiu na última “Avaliação Anual de Ameaças da Comunidade de Inteligência dos EUA” e foi publicada pelo Wall Street Journal e pelo New York Times na noite de segunda-feira, sugerindo um “vazamento coordenado” para a mídia [as PRE$$TITUTA$ do establishment].

avaliação diz:

  • O primeiro-ministro israelita, Benyamin Netanyahu, declarou publicamente a sua oposição à diplomacia do pós-guerra com a Autoridade Palestiniana (“AP”) em relação ao compromisso territorial.
  • A viabilidade de Netanyahu como líder, bem como a sua coligação governamental de partidos de extrema-direita e judeus ultra ortodoxos que prosseguiram políticas de linha dura sobre questões palestinas e de segurança, podem estar em perigo. A desconfiança na capacidade de Netanyahu para governar aprofundou-se e alargou-se entre o público, a partir dos já elevados níveis anteriores à guerra, e esperamos grandes protestos exigindo a sua demissão e novas eleições. Um governo diferente e mais moderado é uma possibilidade.

Netanyahu foi eleito para o seu atual mandato em novembro de 2022 com uma coligação de direita que teve a maioria de qualquer governo israelita em décadas. A sua aprovação caiu durante os protestos a nível nacional contra as suas propostas de reformas judiciais e logo após os ataques terroristas de 7 de Outubro, mas sondagens recentes sugerem que o seu apoio se recuperou, uma vez que conduziu Israel à beira da vitória sobre o Hamas, ao mesmo tempo que resistiu à pressão internacional.

Mais importante ainda, não há sinais de divisão entre os partidos de direita que formam a coligação de Netanyahu. Embora alguns partidos da oposição tenham apelado a eleições antecipadas, Netanyahu resistiu com sucesso à ideia, observando que não há nada que o Hamas e os seus patrocinadores iranianos gostariam mais do que ver Israel dividido politicamente durante a guerra. As próximas eleições estão marcadas para 2026, se o atual governo completar o seu mandato de quatro anos.

Netanyahu resistiu à pressão dos EUA para aceitar o acordo nuclear com o Irã; aceitar um Estado palestino como resultado da guerra – o que, segundo ele, seria uma enorme recompensa para o Hamas; e retirar-se da sua própria fronteira face aos ataques de mísseis dos terroristas do Hezbollah apoiados pelo Irã no norte de Israel. Como observou o Breitbart News na segunda-feira, já surgiram relatos de que a administração Biden está à procura de consultores israelitas para ajudar a derrubar a coligação de Netanyahu.

Muitos observadores há muito que suspeitam que a administração Biden está trabalhando para derrubar o governo de Netanyahu através de uma “revolução colorida”. Um grupo financiado pelo Departamento de Estado esteve no centro da oposição à reforma judicial de Netanyahu, e o então embaixador Tom Nides foi descrito como o “incendiário-chefe”, pois apoiou abertamente o movimento de oposição israelita e os protestos. O presidente Biden também congelou Netanyahu, recusando-se a encontrá-lo durante meses.

As sondagens sugerem que a grande maioria dos israelitas apoia as posições de Netanyahu – opondo-se a um Estado palestino; apoiar a continuação da guerra até à derrota completa do Hamas; e preparação para uma possível guerra contra os terroristas do Hezbollah no Líbano. As sondagens também indicam  que a grande maioria dos americanos apoia a abordagem de Netanyahu à guerra – e opõe-se à abordagem de Biden, que tem procurado apaziguar o terror e os eleitores dissidentes de esquerda e muçulmanos americanos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *