Agenda Transgênero/LGBTQ+ no Esporte: Drag Queens carregam a Tocha Olímpica nos Jogos Olímpicos

HOSPÍCIO OCIDENTAL (G-7/OTAN/Israel) TRANSGÊNERO/LGBTQ+: A pressão/imposição pela aceitação pública dos atletas transgênero tem sido implacável nos últimos anos. A agenda foi forçada a ocupar o primeiro plano do discurso social do hospício ocidental, apesar do fato de a maioria das pessoas inquiridas acreditar que os atletas trans não deveriam ser autorizados a competir fora do seu sexo biológico. Por outras palavras, os homens mentalmente doentes que fingem ser mulheres não deveriam poder competir com mulheres reais devido às suas inerentes vantagens físicas.  

Agenda Transgênero/LGBTQ+ no Esporte: Drag Queens carregam a Tocha Olímpica nos Jogos de Verão

Fonte: Zero Hedge

Parece “bom senso”, mas hoje vivemos num mundo onde o bom senso [ou tudo que é bom, belo e verdadeiro] está sob ataque. O Comité Olímpico Internacional juntou-se ao programa para promover a propaganda transgênero, primeiro com a remoção das restrições de testes em competidores trans.

Para os Jogos Olímpicos de 2024, os atletas trans não serão mais obrigados a se submeter a testes para comprovar que estão utilizando tratamentos hormonais ou procedimentos de transição. Isso significa que qualquer homem pode simplesmente alegar que é uma “mulher transgênero” e competir na maioria das categorias femininas. Apenas 10 das 48 categorias esportivas dos Jogos Olímpicos de Verão de Paris terão regras contra competidores trans. 

Numerosas associações desportivas em todo o mundo começaram a reforçar as regras que regulam a participação trans, mas os Jogos Olímpicos parecem estar indo na direção oposta, pois esta sendo realizado num país “liberal” em que o primeiro ministro é ativista LGBTQ+, casado com outro homem, que ele próprio indicou para o cargo de ministro das relações exteriores da França.

Atletas mulheres e muitos críticos argumentam que estas políticas destruirão o desporto feminino ao inundar a arena com homens biológicos. Já vimos uma série de competições femininas dominadas por participantes masculinos trans ao longo dos anos e muitas atletas femininas perdendo bolsas de estudo.

Mais de 70% dos americanos querem que os atletas transgênero sejam restritos ao seu sexo biológico. Mais de 70% das atletas femininas no Reino Unido desejam o mesmo. As votações na Europa são mais difíceis, pelo menos 14 países têm leis rigorosas sobre discurso de ódio que poderiam ser usadas contra qualquer pessoa que critique o movimento transgênero LGBTQ+.     

Para alienar ainda mais o público, as Olimpíadas de Paris apresentaram três drag queens carregando a tocha olímpica este ano. Os portadores da tocha são escolhidos pelos patrocinadores e organizadores das Olimpíadas, geralmente porque deram uma contribuição significativa à sua comunidade e porque personificam o tema daquela Olimpíada. O tema das Olimpíadas de Paris é: “Jogos Abertos“.

Por enquanto, parece que o pêndulo está oscilando contra a agenda transgênero/LGBTQ+ nos esportes e é difícil dizer se alguma organização, mesmo uma com enorme alcance global como as Olimpíadas, convencerá a população de que os homens que fingem ser mulheres e destroem o esporte feminino é uma “coisa normal”.

Apesar das críticas, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, reafirmou seu total apoio aos portadores da tocha, afirmando: “Vou repetir: estou orgulhosa e, sim, Paris está orgulhosa de que uma drag queen carregará a tocha e os valores da paz e da humanidade.”

Mas o orgulho é uma fraqueza, não uma virtude.

Supõe-se que os esportes sejam a representação mais refinada da meritocracia em qualquer campo de jogo. A realização não deve ser obtida através de identidade, nepotismo ou fraude. Existe a arena, existe a competição, e apenas um grupo ou pessoa pode estar no topo com base no fair play.

A invasão da política “acordada, transgênero e LGBTQ+ no mundo desportivo simboliza mais do que apenas uma campanha de propaganda LGBTQ+, é uma guerra subversiva ao mérito e às realidades da biologia da humanidade, cuja perpetuação da espécie depende da união entre um homem e uma mulher . . . verdadeiros.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth