Análise: Inevitável Derrota da Ucrânia vai Escancarar a Podridão das Elites Ocidentais ‘Amantes de Guerras’

Uma série de vazamentos relacionados às operações militares e de inteligência de países membros da OTAN na Ucrânia demonstra as tentativas fúteis [dos psicopatas do Hospício] do Ocidente de intimidar a Rússia para que o país imploda, um desejo e agenda acalentados há séculos, principalmente pelos judeus khazares, como aconteceu com a URSS em 1991, disse o analista de Wall Street Charles Ortel à Sputnik.

Análise: Inevitável Derrota da Ucrânia vai Escancarar a Podridão das Elites Ocidentais ‘Amantes de Guerras’

Fonte: Sputnik

vazamento de informação sobre a Luftwaffe (força aérea) da Alemanha desencadeou um acalorado debate na grande imprensa ocidental, com o The Guardian alertando que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) está “se tornando imprudente” em relação à Ucrânia. Além disso, o Politico reconheceu que a conversa da Bundeswehr (forças armadas) alemão não fazia parte de uma operação russa de “desinformação”, mas sim é uma fonte de “informação que eles não conseguiram censurar”.

“O vazamento se soma a pilhas de evidências e suspeitas razoáveis de que os governos-contratantes-beneficiários dos EUA-OTAN-G-7 há muito tempo abandonaram a adesão à busca da verdade, em favor de impor um modelo de governança global por burocratas não eleitos às massas dentro e fora de seus países de origem”, contou o analista de Wall Street e jornalista investigativo Charles Ortel à Sputnik.

“Ignorando verdades duras e inconvenientes sobre a Rússia agora e sobre a sua história, (‘Dementia’ Joe) Biden e a classe permanente de psicopatas de amantes de conflitos ainda parecem acreditar, em seus delírios egocêntricos, que podem intimidar a Federação da Rússia para a implodir como fizeram uma vez com a União Soviética”, destacou.

A divulgação de uma gravação com oficiais de alta patente alemães discutindo a possibilidade de enviar mísseis Taurus à Ucrânia para destruir a Ponte da Crimeia russa ocorreu logo depois que o The New York Times publicou uma matéria sobre a existência de uma rede de 12 bases secretas administradas pela CIA na Ucrânia desde 2014.

Surpreendentemente, alguns agentes da CIA não resistiram ao se gabar da operação logo após o início da operação militar especial russa.

Dan Lamothe, do The Washington Post, publicou no ainda Twitter (atualmente X) em abril de 2022 sobre uma “bonança de informações” que os militares norte-americanos aprenderam sobre as “táticas e procedimentos” da Rússia desde o início de sua operação militar especial na Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022.

Em resposta, Marc Polymeropoulos, um veterano com 26 anos atuando pela CIA que se aposentou em 2019, escreveu em 27 de abril de 2022 na mesma rede:

“Na verdade, tudo começou há muito tempo, […] aprendemos isso entre 2014 e 2022. Não apenas agora. Foi um experimento de laboratório de oito anos sobre Táticas, Técnicas e Procedimentos [TTPs] russos. Sobre guerra eletrônica [EW, na sigla em inglês]. Sobre tudo. É por isso que os ucranianos — com nosso conselho/assistência — “estão indo tão bem”. Pergunte aos membros das comunidades de inteligência [IC, na sigla em inglês] e guerra não convencional [UW, na sigla em inglês]. Aprendemos muito.”

No entanto, apesar de terem aprendido “muita coisa” sobre a estratégia de guerra da Rússia, a CIA não conseguiu evitar uma série de derrotas sofridas pelos militares ucranianos no campo de batalha. Ainda assim, é preciso ter em mente que os agentes da IC dos EUA poderiam ter sido destacados para outras missões, em vez de transformar a Ucrânia em uma fortaleza inexpugnável, segundo Ortel.

Que segredos sujos os “líderes ocidentais” estão escondendo na Ucrânia?

Por exemplo, informações sensíveis sobre uma rede de laboratórios de guerra biológica financiados pelos EUA na Ucrânia, descobertas pelo Ministério da Defesa russo ao longo dos últimos dois anos, sugerem que políticos norte-americanos, bem como agentes militares e de inteligência, estiveram envolvidos em atividades e experiências biológicas potencialmente ilegais no país do Leste Europeu que são estritamente proibidos nos EUA.

“Sobre a Ucrânia, se questiona que trabalho sujo os funcionários e empreiteiros ucranianos podem ter realizado dentro e fora da Ucrânia que não poderia ser facilmente executado dentro dos Estados Unidos, observou o analista de Wall Street.

“Como o Estado Profundo classifica excessivamente a informação e não parece estar sujeito a uma supervisão significativa, provavelmente não saberemos quais os fatores específicos que levaram os EUA e os governos aliados da OTAN/G-7 a incitarem de forma tão agressiva o confronto, pintando a Federação da Rússia como um inimigo, em vez de acolher a Rússia em uma OTAN reconfigurada, como, aparentemente, o próprio Putin sugeriu [em uma entrevista ao jornalista norte-americano Tucker Carlson]. Me parece que muitos no topo dos governos ocidentais veem muito mais vantagens pessoais em explorar o setor público gastando para si mesmos lutando contra intermináveis conflitos reais e imaginários do que veem na elaboração de uma paz duradoura e outras soluções para a mesma”, destacou Ortel.

Famílias de políticos dos EUA, como os Biden, Clinton e outros, lucraram com a Guerra na Ucrânia

Além disso, o analista de Wall Street salientou que famílias de dinastias políticas estabelecidas nos EUA, como os Biden e os Clinton, aproveitaram a oportunidade para lucrar com a situação na Ucrânia. Um exemplo específico que Ortel discutiu com a Sputnik foi a colaboração entre Victor Pinchuk e a sua esposa Alyona com a Fundação Clinton para o combate ao HIV/AIDS na Ucrânia durante o início dos anos 2000. Ortel acredita que a luta contra a AIDS serviu de fachada para atividades de lavagem de muito dinheiro.

“Um projeto louvável conceitualmente, talvez, esse esforço nunca foi legitimamente aprovado nos Estados Unidos olhando através dos registros públicos, mas permitiu que os Clinton e seus aliados desbloqueassem centenas de milhões de dólares em subsídios e doações governamentais para os quais nunca houve uma contabilidade legítima, tal como Hillary Clinton precisava de um fundo de guerra para financiar a sua campanha de reeleição no Senado e as suas ambições presidenciais”, disse o analista.

Mais recentemente, a Fundação Clinton anunciou uma iniciativa de “caridade” igualmente questionável em conjunto com a esposa do presidente ucraniano Vladimir Zelensky, Alyona, observou Ortel, referindo-se às alegações de corrupção que assombram os Zelensky.

Em essência, Ortel acredita que numerosos intervenientes ocidentais, incluindo empresas multinacionais, correm o risco de perder muito no caso da Ucrânia ser derrotada. Consequentemente, alguns líderes ocidentais sugeriram mesmo a ideia de enviar unidades militares da OTAN para a Ucrânia.

‘Guerras eternas’ dos EUA empobrecem os norte-americanos

Não importa o quanto o Ocidente tente vencer a sua guerra por procuração na Ucrânia, o resultado do conflito parece estar selado, afirma Ortel. Além disso, os EUA têm estado repetidamente envolvidos em conflitos militares prolongados no exterior, a maioria dos quais não terminou nos termos de Washington, como no Afeganistão.

“Especialmente no Vietnã, e depois no Oriente Médio, no Afeganistão e na Ucrânia, os ‘decisores políticos’ e os ‘líderes de pensamento’ não conseguiram aprender com os seus erros graves”, disse o analista. “Em vez de procurarem uma paz duradoura ou realmente enfrentarem problemas incômodos, muitos veneram o altar das guerras perpétuas, seguros de que os patronos da indústria e os bilionários egomaníacos vão recompensá-los ricamente ao longo do caminho, e que nunca poderão ser punidos pelos seus erros”, argumentou.

Entretanto, os cidadãos norte-americanos comuns não colheram quaisquer “bonanças” desta economia de guerra que dura há décadas; em vez disso, testemunharam a queda dos seus padrões de vida, como salientou o analista.

“À medida que o mundo se enredava depois de 1988, as margens de lucro do setor privado — em uma contabilidade verdadeira e consistente — caíram, tal como os rendimentos por hora, ajustados aos impostos e à inflação, os burocratas do setor público, em todos os níveis, aprenderam que podiam se apropriar de enormes somas de dinheiro e depois direcionar vastas porções para si próprios através de familiares e outros apoiadores, através de FUNDAÇÕES ‘furadas’, grandes e pequenas”, explicou.

Ortel acredita que, independentemente da OTAN rufar cada vez mais os tambores de guerra sobre o seu conflito por procuração na Ucrânia, “o apoio a mais combates na Ucrânia e contra a Rússia vai diminuir” tanto nos EUA como na Europa. Um potencial prenúncio desta mudança é a decisão da conspiradora golpista de Maidan, a khazar Victoria Nuland, de renunciar ao cargo de subsecretária de Estado para Assuntos Políticos, segundo o analista.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth