Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Antártica registra a temperatura mais quente da história

Antártica atinge temperatura mais alta já registrada na história: A leitura de 18,3 graus Celsius nesta quinta-feira (06 de fevereiro) superou o recorde anterior de 17,5 graus, que ocorreu em março de 2015. Apenas alguns dias após a Terra ter registrado seu mês mais quente de janeiro, a Antártica quebrou sua temperatura mais quente já registrada. Uma leitura de 18,3 graus foi constatada na quinta-feira na Base Esperanza, ao longo da Península da Trindade da Antártica, tornando-a a temperatura mais alta na história já medida do continente, normalmente gelado.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Antártica atinge temperatura mais alta já registrada na história do continente gelado

Fonte:  https://www.washingtonpost.com/weather/2020/02/07/antarctica-just-hit-65-degrees-its-warmest-temperature-ever-recorded/

A base de pesquisa argentina Esperanza fica no extremo norte da Península Antártica. Randy Cerveny, que rastreia extremos da Organização Meteorológica Mundial, considerou a leitura de quinta-feira um “recorde provável”, embora a marca ainda precise ser revisada e certificada oficialmente.

A leitura agradável supera o recorde anterior de 63,5º F [17,5º Celsius], que ocorreu em 24 de março de 2015 .

Uma foto de 2016 da Base Esperanza,. da Argentina(Andrew Shiva)

A Península Antártica, na qual foi registrada a anomalia de quinta-feira, é uma das regiões de aquecimento mais rápido do mundo. Nos últimos 50 anos, as temperaturas subiram surpreendentes e incríveis 5 graus em resposta ao rápido aquecimento da Terra. Cerca de 87% das geleiras ao longo da costa oeste dessa península recuaram nesse período, a maioria em um ritmo acelerado desde 2008.

A OMM observa que as rachaduras na geleira de Pine Island “cresceram rapidamente” nos últimos dias, de acordo com imagens de satélite.

A recente onda de calor deve-se a uma cadeia de alta pressão que permanece na região há vários dias. Os sistemas de alta pressão apresentam ar que afunda, o que favorece temperaturas mais amenas.

Esse efeito foi amplificado em nível local por causa de um vento “inimigo”, caracterizado pelo ar varrer uma montanha que começa a se comprimir à medida que a pressão do ar aumenta perto da superfície da Terra. Isso causa aquecimento adicional.

Temperaturas extremamente quentes até 60 graus F [15,56º C] acima do normal em alguns pontos são esperadas neste fim de semana na Península Antártica. Esta é uma simulação do modelo europeu.  (Weatherbell)

Além disso, uma olhada nos perfis atmosféricos simulados na época em que atingiu o recorde indicava um ar mais quente no ar do que na superfície – o que significa que qualquer ar que se misturasse ao nível do solo poderia ter uma vantagem adicional no aquecimento.

Foi um ano agitado para extremos climáticos, e estamos apenas no dia número 38 do ano 2020. Janeiro foi o mais quente já registrado em todo o mundo, de acordo com o grupo de monitoramento atmosférico Copernicus, com registros quebrados na Europa e na Ásia. Um número de localidades na Europa Oriental e particularmente na Rússia terminaram com mais de 12 a 13 graus acima da média normal.

A recente onda de calor deve-se a uma cadeia de alta pressão que permanece na região há alguns dias. Segundo a OMM (Organização Meteorológica Mundial), isso afetou as rachaduras da geleira de Pine Island, que “cresceram rapidamente”, de acordo com imagens de satélite.

“[Este registro] não é nenhuma surpresa”, escreveu Eric Steig, um glaciologista que estuda as mudanças climáticas na Universidade de Washington. “Embora exista variabilidade década a década, a tendência subjacente na maior parte do continente é o aquecimento”.

Ele diz que esse recorde provavelmente será quebrado novamente em um futuro não tão distante.

“Esse aquecimento foi particularmente rápido na Península Antártica – onde está a base Esperanza – no verão (a estação em que estão agora)”, escreveu Steig. “Portanto, podemos esperar que esse tipo de registro seja estabelecido repetidamente, mesmo que eles não sejam definidos todos os anos. ”

David Bromwich, pesquisador climático da Ohio State University, observou, no entanto, que embora a Península Antártica tenha aquecido fortemente desde o final da década de 1940, as tendências de temperatura no verão foram variáveis ??nas últimas décadas, incluindo um breve período de resfriamento desde 1998“ , esse registro parece ser um evento extremo único que não nos diz nada sobre as mudanças climáticas na Antártica”, ele escreveu em um email.

Ainda assim, é provável que haja um calor extremo na Península Antártica nos próximos dias. Temperaturas entre 4,4 e 10 graus acima do normal são previstas por alguns modelos.

Jason Samenow contribuiu para este relatório.


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se APROXIMA RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. SAIBA MAIS AQUI


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *