Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Apenas 6 homens têm quase tanta riqueza quanto a metade da população mundial

Sim, a desigualdade entre quem tem muito e àqueles que pouco tem, ou seja, os que apenas sobrevivem, está piorando a cada ano. No início de 2016, a Oxfam informou que apenas 62 indivíduos tinham a mesma riqueza que a metade inferior da humanidade. Cerca de um ano depois, a Oxfam informou que apenas oito homens  tinham a mesma riqueza que a metade inferior do mundo. Apenas um pouco tempo atrás, os seis homens mais ricos do mundo tinham US$ 343 bilhões. Eles são os mesmos homens de hoje, embora ligeiramente rearranjados enquanto jogam quem é “o rei da montanha”: Bill Gates, Warren Buffett, Jeff Bezos, Amancio Ortega, Mark Zuckerberg e Carlos Slim Helu (com Larry Ellison disputando a posição)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Apenas 6 homens têm quase tanta riqueza quanto a metade da população mundial

Fonte: https://www.ecowatch.com/

Com base na mesma metodologia e nas fontes de dados usadas pela Oxfam, esse número está agora (em 2018) reduzido a apenas seis indivíduos homens.

Como explicar o aumento dramático da mais flagrante e perversa das desigualdades extremas? Duas razões são bem documentadas:

1. A metade mais pobre (e mais) do mundo continua a perder riqueza; e

2. Os indivíduos mais ricos – especialmente os mais de mil – continuam a acrescentar cada vez mais bilhões de dólares as suas já enormes fortunas.

Negadores de desigualdade e apologistas dizem que a metodologia da Oxfam é falha, mas eles estão perdendo a visão geral. Se são seis pessoas ou 62 indivíduos ou mil não importa realmente. Os dados do Global Dealth Databook (GWD) do banco Credit Suisse e da lista de bilionários da revista Forbes fornecem as melhores ferramentas disponíveis para deixar claro que a desigualdade é extrema e patológica e piora a cada ano.



Como se foi de 62 para seis pessoas com a maior concentração de riquezas em apenas um ano?

Em 17 de fevereiro, os seis indivíduos mais ricos do mundo (todos homens) tinham cerca de US$ 412 bilhões. As tabelas 2-4 e 3-4 da GWD de 2016 revelam que os cinco decis mais pobres da população mundial possuem apenas .16% dos US $ 256 trilhões em riqueza global ou US$ 410 bilhões. Este último valor baseia-se nos dados de meados de 2016, mas desde então o status dos 50% mais pobres não melhorou e, de fato, provavelmente se agravou, à medida que tanto a dívida global quanto a desigualdade global aumentaram.

Apenas um pouco tempo atrás, em 1º de março de 2016 , os seis homens mais ricos do mundo tinham US$ 343 bilhões. Eles são os mesmos homens de hoje, embora ligeiramente rearranjados enquanto jogam quem é “o rei da montanha”: Bill Gates, Warren Buffett, Jeff Bezos, Amancio Ortega, Mark Zuckerberg e Carlos Slim Helu (com Larry Ellison disputando a posição). A riqueza desses seis homens aumentou em US$ 69 bilhões em apenas um ano.

Apenas um ano atrás, de acordo com o GWD 2015, os cinco decis mais pobres da população mundial possuíam muito mais do que hoje, perto de US$ 1,5 trilhão. O que aconteceu? É muito claro: os 10% mais ricos do mundo (a maioria dos 1% mais ricos) ganharam quase US$ 4 trilhões, enquanto todos os outros segmentos da população global perderam riqueza.

Os 6 mais ricos: Zuckerberg (Facebook), Warren Buffet (Berkshire Hathaway), Bill Gates (Microsoft), Amancio Ortega (Zara), Jeff Bezos (Amazon) e Carlos Slim Helu, (Telecon).

Isso merece uma segunda olhada. A riqueza total do mundo é de cerca de US$ 256 trilhões e, em apenas um ano, os 10% mais ricos drenaram quase US$ 4 trilhões do restante da civilização.

Não é apenas a metade de baixo: um auditório de 500 lugares pode ter tanta riqueza quanto 70 por cento da população mundial:

De acordo com a Lista de Bilionários da Forbes, os 500 indivíduos mais ricos do mundo têm US$ 4,73 trilhões em riqueza. As tabelas 2-4 e 3-4 da GWD revelam que os sete decis mais pobres da população mundial possuem apenas 1,86% dos US$ 256 trilhões em riqueza global ou US$ 4,76 trilhões. Isso é mais do que dois terços de todas as pessoas na Terra. Isso significa que 5.000.000.000 de pessoas – cinco bilhões de pessoas – possuem, em média e depois da quitação de sua dívida, cerca de mil dólares cada uma em casa, em propriedade e poupança.



Nos EUA, a lista Forbes-400 possui riquezas iguais aos 60% do povo americano:

Os 60 por cento mais pobres dos americanos, de acordo com a Tabela 6-5 do GWD, possuem três por cento dos US$ 85 trilhões do país em riqueza total ou US$ 2,55 trilhões. A lista dos 400 mais ricos da Forbes-400 possuía US$ 2,4 trilhões em outubro de 2016 e isso tem aumentado constantemente.

Assim, como apologistas como a National Review se referem a “uma crescente classe média alta” de pessoas que ganham mais de US$ 100 mil por ano, eles estão, inadvertidamente, oferecendo uma explicação para o fim da classe média: alguns estão subindo; muitos outros mais estão caindo para a classe média-baixa ou abaixo disso. A classe média estável da América está se dividindo em dois.

Os negadores dessa realidade estão espreitando e negando-a:

Jeff Jacoby, do Boston Globe, considera a análise da Oxfam “irrelevante”. O colaborador da Reuters, Felix Salmon chama isso de “estatística boba” e irrelevante.

A coluna de Jacoby inclui algumas asserções impressionantes. Ele disse: “Assim como o capitalismo tornou possível para Gates, Zuckerberg e os outros alcançarem o degrau mais alto na escala econômica, está possibilitando que bilhões de homens e mulheres subam do nível mais baixo. Os bilionários da Oxfam são mais ricos. do que costumavam ser. Assim é em quase todo mundo”.  E ele cita o escritor Johan Norberg: “A pobreza como a conhecemos está desaparecendo do nosso planeta”.

Bilhões subindo? Quase todo mundo ficando mais rico? A pobreza desaparecendo?

Enquanto continuamos ouvindo sobre a população mundial “saindo da pobreza”, grande parte da suposta melhora se deve ao rápido crescimento econômico na China e à matemática criativa por parte da ONU. E sim, muitos americanos têm riqueza negativa por causa da sua enorme dívida. Um ser humano não precisa viver em uma favela do terceiro mundo para ser considerado pobre.



No entanto, à medida que a desigualdade assola as economias americana e mundial, a negação da desigualdade cresce junto com ela. Michael Tanner, da Cato, sugere que “mesmo que a desigualdade crescesse tão rápido quanto os críticos afirmam, isso não seria necessariamente um problema”George Will , claro, concorda. Mas como os outros negadores, todos eles protestam muito enquanto tentam explicar a realidade.

Paul Buchheit é professor universitário, membro ativo da US Uncut Chicago. Seu último livro é Disposable Americans: Extreme Capitalism and the Case for a Guaranteed Income . Ele também é fundador e desenvolvedor de sites de justiça social e educacional (UsAgainstGreed.org, PayUpNow.org, RappingHistory.org) e o editor e principal autor deAmerican Wars: Illusions and Realities (Clarity Press). Ele pode ser encontrado em paul [at] UsAgainstGreed [dot] org. Lançado com permissão de nossa mídia associada Common Dreams.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Image result for puppet gif

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *