browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As Américas se tornam o epicentro do Caos do Clima

Posted by on 12/07/2021

O rosto de um planeta desfigurado pelo desequilíbrio no clima emergiu nas últimas semanas nas Américas. A do Norte arde num calor sem precedentes, capaz de derreter cabos de alta tensão e rachar o asfalto em cidades dos EUA e do Canadá deflagrando inúmeros incêndios. A América do Sul congela numa massa de ar frio sem precedentes e com força para cobrir a Amazônia e literalmente romper o inverno e invadir o verão, ao ultrapassar a linha do Equador.  

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As Américas se tornam o epicentro do caos do clima, com temperaturas escaldantes no Norte e massa fria no Sul. Eventos extremos estão ficando mais frequentes e severos; temperatura chegou a 45°C no Canadá e a -14,8°C no estado do Rio

Fonte:  O Globo  –  Por Ana Lucia Azevedo

Como se não bastasse, veio Raoni, um quase-furacão, um ciclone subtropical, que subverteu os padrões da natureza e se formou no Atlântico Sul simultaneamente à massa de ar frio. Trata-se do primeiro registro de um ciclone do tipo no inverno do Hemisfério Sul.

Extremos de calor e frio são a marca registrada das atuais mudanças do clima, observa o meteorologista Marcelo Seluchi, coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

O ciclone subtropical Raoni quase atingiu a categoria de furacão nos últimos dias. Imagem: Zoom Earth

— Os extremos do clima estão se tornando mais frequentes, principalmente os de calor, embora as ondas de frio radical também tenham sido previstas e estão se concretizando. Esse é o cenário que a ciência previu e infelizmente estamos vendo acontecer simultaneamente. O que acontece nas Américas hoje dá uma amostra de para onde caminhamos — explica Seluchi.

A nova regra do clima se manifesta em diferentes formas de extremos. A massa fria, chamada de polar, mas que, na verdade, segundo Seluchi, se formou na Patagônia, é um deles. Ela chama a atenção dos cientistas não por recordes de temperaturas baixas — embora -14,8°C tenham sido registrados numa estação meteorológica do Parque Nacional do Itatiaia, no Rio de Janeiro, no dia primeiro de julho. O que impressiona é o tamanho da massa de ar frio e a sua persistência, da frente fria formada semana passada.

Ela se estendeu da Patagônia, no extremo sul do continente, até à Venezuela, fazendo as temperaturas despencarem em cidades normalmente quentes, como Cuiabá e Maceió.

— É muito raro uma frente fria ter força para ultrapassar a linha do Equador. Mas esta saiu do inverno para o verão, se movendo de um hemisfério a outro. Ela teve força para atravessar o Norte da Amazônia e levou a uma queda de 3°C a 4°C. Parece pouco, mas é muito para essa região — explica Seluchi.

Canadá: As ondas de calor no Hemisfério Norte e como alguém morre por causa disso

Trata-se, literalmente, de uma tempestade perfeita. A frente fria se deslocou rapidamente e, assim, não se aqueceu pelo caminho, derrubando as temperaturas por onde passava. Ela também viajou pelo interior do continente, mais frio que o mar. A combinação de rapidez com caminho certeiro fez os brasileiros tiritarem de frio do Chuí ao Oiapoque.

Califórnia é um dos estados americanos mais atingidos pelos incêndios. Imagem mostra uma casa em chamas e um bombeiro trabalhando para conter o fogo.

— O mais extraordinário dessa frente foi ter praticamente atingido todo o Brasil, e coberto a Amazônia. Ela provocou chuvas no Mato Grosso, outra raridade para esta época do ano — afirma Seluchi.

A frente fria no Brasil perde agora perdeu força, mas o calor continua a provocar estragos e mortes na América do Norte e se estende esta semana para a Escandinávia, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).  A onda de calor é sem precedentes, e fez lugares notoriamente frios, como Portland, no Oregon (EUA), e Toronto, no Canadá, sufocarem por dias seguidos de temperaturas superiores a 45°C.

Leia mais: Desmatamento na Amazônia é recorde histórico para o mês de junho, mostra Inpe

O climatologista Larry O’Neill, da Universidade do Oregon, disse ao site Science News que a sequência de recordes de anos mais quentes indica que ondas de calor assim se tornarão mais comuns. Serão o novo normal, para o qual o mundo não está preparado. O’Neill lembrou que, quando os serviços de previsão do tempo alertaram para os recordes de calor, muita gente achou que haviam enlouquecido, mas estavam certos.

Igualmente esquisito, como os próprios meteorologistas têm se referido a ele, é o ciclone Raoni. Ele se formou na noite de 28 de junho, a cerca de 300 quilômetros da costa do Uruguai, e logo mostrou sua bizarrice. Tinha um olho à semelhança dos furacões e surgiu em lugar e época improváveis. Com ventos de 100 km/h, ele não chegou a causar danos porque [ainda] não se aproximou do continente, mas lançou uma ressaca no litoral Sul e Sudeste do Brasil até se desmanchar, em 1º de julho.

Onda de calor leva Canadá a temperaturas extremas.

O meteorologista Scott Duncan explicou que antes desta onda de calor, o recorde nacional canadense era de 45ºC, registrado em julho de 1937. O recorde em questão foi batido no último 27 de junho, quando os termômetros registraram 46.6°C. E esse era apenas o início da onda de calor histórica pela qual o país vem passando. No dia 29, as temperaturas bateram 47,9ºC e, no dia 30, chegaram aos inacreditáveis 49,6ºC.

O professor de meteorologia da Universidade Federal de Santa Maria e especialista em fenômenos extremos Ernani Nascimento explica que ciclones se alimentam de calor e este surgiu não apenas sob uma massa de ar frio intenso quanto fora de época — costumam ocorrer no fim do verão e no início do outono.  Segundo Nascimento, Raoni foi alimentado possivelmente pelas águas excepcionalmente quentes do oceano para esta época do ano.

— Termos ao mesmo tempo neve no Sul do Brasil e um ciclone subtropical no oceano, um fenômeno típico do calor, não é algo que se espere ocorrer normalmente — acrescenta Nascimento.

É um fenômeno bizarro, nas palavras de cientistas, que já começaram a estudá-lo. De tão bizarro, sequer há consenso se é subtropical, como classificaram instituições meteorológicas brasileiras, ou tropical, como considerou a NOAA, a Agência de Oceanos e Atmosfera dos EUA. O ciclone foi batizado de Raoni, ou “grande guerreiro” em tupi-guarani, de acordo com a lista da Marinha brasileira para tempestades atípicas.

Raoni já se desfez no Atlântico Sul, na latitude do Rio de Janeiro, mas no Atlântico Norte, outra tempestade, a Elsa, causa medo e transtornos. Trata-se do primeiro furacão de uma temporada que vai até novembro e promete ser particularmente violento este ano.

Não há a menor dúvida que com ou sem pandemia, o clima voltará a dominar a atenção do mundo — diz Nascimento.


{N.T.“Haverá muitas mudanças  dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas na medida em que o TEMPO DA  GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Vocês vão ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer  fortes TSUNAMIS e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e uma emissão de energia solar que fará importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. FONTE 


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

One Response to As Américas se tornam o epicentro do Caos do Clima

  1. Keanu Reeves

    O diretor-técnico da CNN falou recentemente em vídeo secreto que o próximo tópico da MÍDIA é aterrorizar a população com o clima {ADEUS OMS, SEJA BEM -VINDA OMM}.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.