As Armas Nucleares de Israel em destaque

À medida que a guerra entre Israel e o Hamas entra num momento crítico, uma das principais prioridades de todas as partes envolvidas é evitar que o conflito se expanda regionalmente. As preocupações israelitas sobre o surgimento de uma frente norte com o Hezbollah ao longo da fronteira de Israel com o Líbano levaram os EUA a mobilizar um poder militar significativo para o leste do Mar Mediterrâneo como uma demonstração de força para dissuadir tanto o Hezbollah como o Irã de intervir.

As Armas Nucleares de Israel em destaque

Fonte: Energy Intelligence – Por Scott Ritter 

A perspectiva de uma guerra maior e direta entre Israel e o Irã também lançou uma luz desconfortável sobre a capacidade de armas nucleares de Israel e sobre a possibilidade destas armas serem utilizadas se os combates em Gaza se expandirem regionalmente, num conflito mais amplo no Oriente Médio. Tanto Israel como os EUA acusaram o Irã de prosseguir um programa secreto de armas nucleares, o que o Irã nega veementemente.

Comentários recentes do Ministro do Património israelita, Amichai Eliyahu, quando ele aludiu à possibilidade de que uma das opções de Israel na guerra contra o Hamas/Irã poderia ser a utilização de armas nucleares na Faixa de Gaza, colocaram a realidade do não reconhecido programa de armas nucleares de Israel novamente no centro das atenções internacionais.

Os comentários de Eliyahu foram rapidamente rejeitados pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o ministro israelense do patrimônio foi suspenso de participar em reuniões de gabinete do governo. Eliyahu, membro do partido de extrema direita Otzma Yehudit (Poder Judaico), do ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, fez seus comentários enquanto respondia a uma pergunta durante uma entrevista ao vivo numa rádio.

“Sua expectativa é que amanhã de manhã lançaremos o que equivale a uma espécie de bomba nuclear sobre toda Gaza, arrasando-a e eliminando todos lá?” o entrevistador perguntou. “Essa é uma maneira [a ser usada]”, respondeu Eliyahu.

Deve-se notar que Eliyahu nunca mencionou abertamente as armas nucleares. Da mesma forma, o questionador não falou de uma arma nuclear real, mas sim de algo “que equivale a” uma arma nuclear.

Muitos observadores do conflito em curso em Gaza fizeram comparações com o volume de altos explosivos que foram lançados sobre Gaza pela Força Aérea Israelita desde 7 de Outubro, quando o Hamas lançou um ataque surpresa às infraestruturas militares e civis israelitas em torno de Gaza, matando cerca de 1.400 israelenses, a maioria deles civis.

A tonelagem de explosivos lançados sobre Gaza é estimada em mais de 20.000 toneladas, o equivalente a uma bomba nuclear de 20 quilotons, que é maior do que qualquer uma das bombas atômicas lançadas pelos EUA nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki no final da II Guerra Mundial.

Ambiguidade Nuclear

O fato de a mera alusão à existência e possível utilização de armas nucleares por um funcionário do governo israelita, por mais vaga e indistinta que seja, poder atrair tanta atenção sublinha a controvérsia que rodeia o programa de armas nucleares de Israel.

O programa de armas nucleares israelita data de meados da década de 1950, quando o primeiro primeiro-ministro do país, o polonês judeu khazar David Ben-Gurion, ordenou aos militares israelitas que desenvolvessem um plano de bomba nuclear concebido para compensar a superioridade militar convencional combinada dos vizinhos árabes de Israel.

Desenvolvido em grande segredo com a ajuda da França, o programa israelita centrou-se numa instalação de produção de armas nucleares localizada em Dimona, no deserto de Negev, onde Israel, sob o pretexto de um programa de energia nuclear civil, começou a produzir o plutônio necessário para uma arma nuclear.

O presidente dos EUA, John F. Kennedy, confrontou Ben-Gurion sobre Dimona durante uma reunião em maio de 1961. Sob pressão, Ben-Gurion afirmou que a central de Dimona tinha uma capacidade piloto de extração de plutônio que poderia ser utilizada para fins militares, mas procurou apaziguar as preocupações dos EUA declarando que Israel “não tinha intenção de desenvolver capacidade bélica nuclear naquele momento”.

A administração do presidente Richard Nixon posteriormente trabalhou com Israel para elaborar uma política de ofuscação mútua, onde Israel prometeu que não seria o primeiro a “introduzir” armas nucleares no Oriente Médio, mas baseou-se na noção de que o termo “introduzir” armas nucleares ” significava o reconhecimento da existência de tal arma – em suma, a “introdução” não se referia à posse física, mas ao reconhecimento público dessa posse.

Embora Israel tenha procurado manter assiduamente a sua política de ambiguidade nuclear, registaram-se alguns incidentes notáveis ​​que prejudicam a credulidade desta postura. Em 2004, ao discursar numa reunião de um partido político em Tel Aviv, o primeiro-ministro israelita, Ariel Sharon, fez uma comparação indireta entre as ambições nucleares, reais e imaginárias, da Líbia e do Irã, que ele indicou que deveriam ser travadas, e de Israel, que Sharon disse , “não deve ser tocado no que diz respeito à sua capacidade de dissuasão”.

Numa entrevista em Dezembro de 2006 à televisão alemã, o sucessor de Sharon, Ehud Olmert, pareceu reconhecer abertamente o estatuto nuclear de Israel quando criticou o Irã por aspirar “a ter armas nucleares, como a América, a França, Israel, a Rússia”.

O modelo de dissuasão israelense

Em 1986, Mordechai Vanunu, um técnico nuclear israelita que tinha trabalhado nas instalações de Dimona, tornou públicas informações sobre a capacidade técnica de Israel para produzir o material físsil necessário para armas nucleares. O Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo estima atualmente que o arsenal nuclear de Israel consiste em 80 ogivas atômicas – 50 para entrega através de mísseis balísticos e 30 para entrega por aviões. Acredita-se também que Israel possui um número desconhecido de projéteis de artilharia nuclear e munições de demolição atômica.

Ainda não se sabe como Israel poderá fazer a transição da sua postura de ambiguidade nuclear para um Estado autodeclarado nuclear. No entanto, dada a estreita colaboração de Israel com a África do Sul no desenvolvimento e prováveis ​​testes de armas nucleares, o modelo sul-africano de tornar pública a sua dissuasão nuclear irá provavelmente assemelhar-se à abordagem de Israel. Isto envolve uma estratégia de três fases, sendo a primeira fase a ambiguidade nuclear.

A segunda fase envolve o que é conhecido como condicionamento encoberto, envolvendo uma variedade de métodos não atribuíveis para revelar a capacidade nuclear como meio de indução, persuasão e/ou coerção.

A terceira fase envolve o reconhecimento aberto da posse de capacidade armamentista, seguida por uma série de etapas crescentes — anúncio público, exibição pública, demonstração (por exemplo, um teste nuclear), ameaça de utilização e, por último, a utilização de armas atômicas no campo de batalha.

Ameaça Existencial

No rescaldo do ataque de 7 de Outubro perpetrado pelo Hamas, Israel enfrenta uma crise que a sua liderança descreve como de natureza existencial. Em 2022 e 2023, Israel realizou exercícios militares em grande escala concebidos para testar a capacidade das Forças de Defesa de Israel de responder a ataques simultâneos de todos os inimigos conhecidos de Israel – Hamas, Hezbollah, Síria, Irã, etc.

Embora os resultados oficiais destes exercícios permaneçam segredo de Estado, algumas conclusões foram aludidas por fontes militares israelitas. Em primeiro lugar, qualquer conflito militar entre Israel e o Irã só poderia ser conduzido com assistência militar significativa por parte dos EUA, o que poderá não ocorrer.

Em segundo lugar, o Hezbollah possui capacidade de mísseis suficiente para sobrecarregar as defesas aéreas israelitas, permitindo-lhes infligir danos graves às infraestruturas econômicas, políticas e militares israelitas.

Em terceiro lugar, os exercícios israelitas não previam um grande ataque por parte do Hamas que, em resposta, consumisse grande parte do poder militar convencional de Israel.

Se o atual conflito com o Hamas escalar e envolver tanto o Hezbollah como o Irã, Israel muito provavelmente não terá a capacidade militar convencional para derrotar esta ameaça combinada. Nesta conjuntura, Israel enfrentaria a decisão de iniciar a terceira fase da sua postura de dissuasão nuclear: reconhecimento aberto seguido de medidas de escalada nuclear.

A decisão de declarar publicamente a capacidade nuclear israelita é uma questão de grande sensibilidade política que, se for tomada de forma inadequada, poderá colocar até mesmo o seu aliado dos EUA contra o próprio estado judeu khazar.

É por isso que o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, respondeu tão duramente às ruminações indiscretas de um obscuro ministro israelita. Qualquer passo desta magnitude deve ser conduzido de uma forma muito controlada, com objetivos muito específicos em mente – todos os quais devem estar ligados à dissuasão do potencial de utilização operacional, e não ao seu incentivo.

Scott Ritter é um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA cujo serviço ao longo de mais de 20 anos de carreira incluiu missões na antiga União Soviética implementando acordos de controle de armas, servindo na equipe do general dos EUA Norman Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo e mais tarde como inspetor-chefe de armas da ONU no Iraque de 1991 a 1998. As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth