As Elites do WEF aplaudem as Políticas Adotadas pelos seus Marionetes que prejudicam os menos favorecidos

Enquanto comiam caviar e bebiam um bom vinho e champanhe, as elites ricas, em sua maioria psicopatas, apoiadores do transgenerismo, militantes LGBTQ+, como o khazar Yuval Harari, cruéis e egoístas, reunidos no Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos confraternizaram com o khazar Klaus Scwab e uma variedade de acadêmicos, “especialistas”, oligarcas, seus marionetes políticos e ativistas ambientais para  discutir seus planos  para uma transição global na produção agrícola de alimentos

As Elites do WEF aplaudem suas Políticas Adotadas pelos seus Marionetes que prejudicam os menos favorecidos

Fonte: RealClearMarkets.com – By Chandre Dharma-wardana

Todos concordaram que as práticas convencionais que agora alimentam e sustentam bilhões de pessoas pelo mundo precisam ser descartadas e substituídas pela agricultura de “estilo orgânico”, que, segundo eles, ajudaria a combater as “mudanças climáticas” e tornar os sistemas alimentares mais seguros.

Eles enfatizaram a vinculação da ajuda aos 600 milhões de pequenos agricultores do mundo com esforços para “encorajar” a adoção de métodos orgânicos, que eles descreveram com todas as palavras-chave familiares de sempre, como “regenerativo”, “inclusivo”, “verde” e “sustentável”. Pois agora a nova moda é a “agroecologia”, que não apenas proíbe pesticidas modernos, fertilizantes sintéticos e transgênicos, mas também desencoraja a mecanização da agricultura na produção de alimentos.

Alguém se pergunta se esses [pseudo] líderes [auto] autorizados fizeram uma pausa momentânea em suas deliberações para considerar o sofrimento e a fome contínuos no Sri Lanka, onde o lacaio destas ideias, o idiota ex-presidente Gotabhaya Rajapaksa seguiu esse tipo de conselho e “comprou a fantasia” de se tornar o primeiro país “totalmente orgânico e livre de toxinas” do mundo. O resultado todos nós sabemos.

Em meio a aplausos de eco-extremistas do tipo Davos Boy, Rajapaksa anunciou com orgulho seus planos na Cúpula do Clima de Glasgow em 2021. Quase da noite para o dia, ele proibiu no Sri Lanka o uso dos agroquímicos e forçou os produtores a adotar a agricultura orgânica conforme as ideias de Davos e a ficar “em sincronia” com a natureza em todo o país.

Pouco depois, em julho de 2022, Rajapaksa fugiu para salvar a sua vida em meio a protestos em massa e ao caos, pois a produção agrícola caiu 40% e a inflação e a fome pela alta dos preços e escassez de alimentos atingiu duramente o povo do país. Ainda hoje, mais de 43%  das crianças menores de cinco anos sofrem de desnutrição no país.

As elites de Davos alardeiam a agricultura orgânica como o caminho para acabar com a insegurança alimentar, embora ela produza 35% menos comida por acre em média e não possa sustentar a população planetária atual, muito menos os quase 10 bilhões de população planetária previstos para 2050.  Seus pseudo especialistas reunidos na suíça admitem, e os pesquisadores confirmam que tal absurdo não pode ser ampliado para alimentar nem metade da população mundial atual.

Na verdade, todas as metas de “sustentabilidade” anunciadas em Davos seriam prejudicadas pela mudança radical para a produção orgânica de alimentos. Ser 35% menos produtivo significa 50% a mais de terra necessária para cultivar e colher a mesma quantidade de alimentos. Aumentar maciçamente as terras agrícolas significa derrubar mais florestas e destruir o habitat. Isso devastaria ainda mais a biodiversidade e produziria  de 50% a 70% mais  Gases de Efeito Estufa (GEE).

Os psicopatas promotores da produção orgânica em massa de alimentos devem admitir que os agricultores orgânicos usam muitos pesticidas. Eles são apenas pesticidas mais antigos e menos direcionados, como o sulfato de cobre, que é amplamente tóxico para humanos e para os animais selvagens e devem ser usados ??em quantidades maiores porque são menos eficazes.

Apenas algumas semanas antes da Conferência das “Partes Interessadas” do WEF em Davos deste ano, também conhecida como Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática no Egito ( COP27 ) e Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica em Montreal ( COP15 ), os pseudo líderes auto proclamados estavam cantando a mesma música ruim, pedindo “regeneração da agricultura”, “intensificação sustentável” e a nova palavra que virou moda e agora está na boca de todos: “agroecologia” que surge como surgiram outras ideias estapafúrdias das mesmas mentes doentias, “Build Back Better”, “inclusividade”, “Great Reset”, “ESG”, DEI, “Green New Deal”, “emissão zero carbono”, etc, etc….

Esse coquetel de termos de sustentabilidade é apenas uma agricultura camponesa insustentável no mundo prático de hoje, apenas reformulada com pompa e circunstância, e esses esforços são filhos bastardos de formuladores de políticas infectados com desinformação alimentada por ativistas mentalmente desequilibrados em sua maioria.  

Não é apenas que mais terra é necessária para produzir alimentos orgânicos. As emissões de GEE aumentam porque os agricultores devem arar os campos ou inundá-los para controlar as ervas daninhas, em vez de usar herbicidas modernos. Substituir 100 kg de fertilizante sintético requer 2-3 toneladas de composto orgânico, e adubos orgânicos feitos de resíduos agrícolas contêm  toxinas de metais pesados fitoacumulados dos solos, promovendo escoamento perigoso.

No entanto, o Acordo Verde Europeu  – um excelente exemplo de políticas orgânicas fracassadas   semelhantes às tentadas no Sri Lanka – ainda foi, é claro, elogiado nessas reuniões.

A agricultura convencional  triplicou a produtividade das terras agrícolas entre 1948 e 2019 de forma espetacular. Globalmente, aumentou a produção de cereais em mais de 300%. Embora os conhecedores finjam o contrário, a agricultura convencional adotou muitas práticas verdadeiramente regenerativas

Na agricultura de plantio direto, os agricultores usam herbicidas, como a atrazina e o glifosato, para controlar as ervas daninhas em vez do cultivo mecânico. [o que pode estar oculto nesta nefasta agenda de mudança na forma de produzir alimentos é justamente COMBATER a alta produtividade hoje vista nos campos férteis de diferentes nações, pois a real intenção destes psicopatas é DIMINUIR a população planetária, sendo a fome um dos instrumentos a ser utilizado]

Como disse certa vez o judeu khazar Henry Kissinger, membro do WEFQuem controla o suprimento de alimentos controla as pessoas; quem controla a energia pode controlar continentes inteiros; quem controla o dinheiro pode controlar o mundo.”[parafraseando Mayer Amschel Bauer, criador da dinastia judeu khazar Rothschild, de quem os Rockefellers são instrumentos na América]

E sobre as VACINAS:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é kissinger-vacinas.jpeg
Em 25 de fevereiro de 2009, durante uma reunião [Council of Eugenics] da OMS, o judeu khazar Henry Kissinger declarou: “Uma vez que o rebanho (os bovinamente zumbis) aceita as vacinas obrigatórias, o jogo termina. Eles aceitarão qualquer coisa – doação forçada de sangue ou órgãos – para um bem maior, NÓS PODEMOS MODIFICAR GENETICAMENTE E ESTERILIZAR CRIANÇAS, para um bem maior Controle as mentes das ovelhas e você controla o rebanho. Os fabricantes de vacinas devem ganhar bilhões. E muitos de vocês nesta sala são investidores. É uma grande vitória para todos. Nós reduzimos o rebanho e o rebanho nos paga pelos serviços de extermínio“.

Sim, a atrazina e o glifosato reduzem a erosão e criam um solo de melhor qualidade. Eles também reduzem as emissões de CO2 em 280.000 toneladas métricas e economizam 588 milhões de galões de diesel anualmente – equivalente às emissões de 1 milhão de carros. 

E não, é isso mesmo, esses herbicidas não são ruins para as pessoas e para o meio ambiente. A atrazina não se infiltra nas águas subterrâneas, como a  Health Canada demonstrou em resposta à proibição da atrazina na UE; e o glifosato não causa câncer, conforme evidenciado pelo  maior e mais longo  estudo de saúde do mundo.

As elites ricas de mentes doentias que dirigem o WEF e o COP podem progredir em direção a seus objetivos pseudo louváveis se basearem suas políticas em tais fatos demonstráveis, em vez de fantasias orgânicas da moda discutida em estações de esqui na Suíça.

No entanto, a pseudo-ecologia que assombra a COP27, COP15, o WEF de Davos e a UE canaliza a segurança alimentar do planeta, o gerenciamento da biodiversidade e os esforços de mitigação de GEE para o desastre, como as consequências do Sri Lanka pode atestar.

Assim, esses pseudo líderes auto eleitos e auto engrandecidos voltam para casa em seus jatos particulares emissores de gases do efeito estufa, inconscientes ou [com certeza] indiferentes aos danos humanos e ambientais que suas políticas estão promovendo.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” .


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth