browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As Ligações de Israel (judeus khazares) ao Próspero Movimento Neonazista da Ucrânia

Posted by on 21/03/2022

A (corrupta máquina de propaganda da) mídia ocidental pre$$titute$ tentou negar a existência de neonazistas na Ucrânia, alegando que o objetivo da Rússia de desnazificar Kiev não é possível porque o presidente da Ucrânia é judeu. Mas o que fazer com um judeu khazar israelense que se chama abertamente de co-fundador do Batalhão Neonazista Azov? Embora não haja evidências concretas de uma ligação direta do governo israelense com o Batalhão Azov ou outros grupos neonazistas na Ucrânia, há claramente cidadãos israelenses que os estão ajudando diretamente.

As Ligações de Israel (judeus khazares) ao Próspero Movimento Neonazista da Ucrânia

Fonte: MintPressNews – Por Robert Inlakesh

O infame Batalhão Azov de Kiev, oficialmente parte da Guarda Nacional da Ucrânia, tem sido amplamente reconhecido como uma força paramilitar voluntária neonazista. Também tem sido conectado com organizações estrangeiras de supremacia branca. Além disso, os membros de extrema-direita, neonazistas e nacionalistas brancos em suas fileiras foram criticados por organizações como a Human Rights Watch e as Nações Unidas por abusos dos direitos humanos .

Apesar da história bem documentada de crimes e ataques com motivações raciais à comunidade LGBTQ+ da Ucrânia, o batalhão foi “indireta e continuamente” armado pelas potências ocidentais. Em junho de 2015, os Estados Unidos e o Canadá proibiram o apoio e/ou treinamento de Azov por suas forças, citando especificamente suas conexões neonazistas . No entanto, no ano seguinte, os EUA suspenderam sua proibição devido à pressão do Pentágono. 

Em 2019, a revista The Nation publicou um artigo no qual afirmava que “[p]ost-Maidan Ucrânia é a única nação do mundo a ter uma formação neonazista em suas forças armadas”. Tudo isso para dizer que o Batalhão Azov pode ser rotulado de neonazista de forma conclusiva. Talvez seja por isso que agora estão surgindo relatos de Supremacistas brancos e membros de milícias de extrema-direita migrando para a Ucrânia para lutar ao lado de forças extremistas no país.

Apoio e envolvimento israelense no Batalhão Azov

Antes do Batalhão Azov se tornar parte integrante das forças armadas ucranianas, o grupo foi financiado principalmente por oligarcas ucranianos, sendo o mais conhecido Igor Kolomoisky . Kolomoisky é de origem judaica e é um cidadão israelense e conhecido empresário bilionário. Apesar de ser um judeu [khazar] israelense, ele não teve nenhum problema em despejar dinheiro em milícias voluntárias neonazistas, como o Azov e o Aidar , entre outros grupos de extrema-direita que apresentam elementos hostis ao povo judeu.

Embora o presidente judeu [khazar] da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, seja frequentemente apresentado pela grande mídia ocidental como prova de que não há problema com os neonazistas na Ucrânia, ele mesmo recebeu apoio financeiro do mesmo oligarca judeu khazar – Igor Kolomoisky – que estava financiando o neo-nazismo e nazistas. 

A candidatura presidencial de Zelenskyy em 2019, que o viu ganhar 73% dos votos, foi bem-sucedida porque ele estava concorrendo para combater a corrupção e criar a paz no país, mas, como revelaram os documentos vazados conhecidos como Pandora Papers, ele mesmo estava armazenando fundos em contas bancárias offshore. A campanha de Zelenskyy foi na época impulsionada e financiada pelo bilionário israelense-ucraniano-cipriota-judeu-khazar Kolomoisky – que era ele mesmo acusado de roubar US$ 5,5 bilhões de seu próprio banco .

Pode ser um choque para quem conhece a história recente, mas na verdade há muitos judeus [khazares] israelenses que lutam com grupos ucranianos ultranacionalistas e que se coordenam de perto ou até pertencem a grupos neonazistas como o Azov. Konstantyn Batozsky, por exemplo, que afirmou ter trabalhado como consultor político em Donetsk para o Batalhão Azov entre 2014-15, chegou a defender membros do Azov que tinham tatuagens de símbolos nazistas.

“Eles eram hooligans de futebol e queriam atenção, então sim, fiquei chocado quando vi caras com tatuagens de suástica”disse Batozsky sobre os membros do Batalhão Azov que ele conheceu pessoalmente. Ele então seguiu essa declaração dizendo. “Mas eu falava com eles o tempo todo sobre ser judeu e eles não tinham nada de negativo a dizer. Eles não tinham ideologia antijudaica”. Outro judeu israelense, Daniel Kovzhun, afirma que “havia judeus ortodoxos em Azov”, o que ele alega que todos os membros eram nacionalistas ucranianos e, portanto, o judaísmo não era um problema para os Neonazistas.

Os muçulmanos, no entanto, parecem ser uma questão importante para o Batalhão Azov. A islamofobia presente não apenas no Azov, mas também na Guarda Nacional da Ucrânia, veio fortemente nas mídias sociais quando o site oficial da Guarda Nacional glorificou o Batalhão Azov enquanto eles mergulhavam suas balas em gordura de porco. O vídeo foi dirigido a soldados muçulmanos da Chechênia que estão lutando ao lado da Rússia e foram descritos como “orcs” pela Guarda Nacional no Twitter. No vídeo, um dos combatentes Azov pode ser ouvido dizendo : “Queridos irmãos muçulmanos, em nosso país, vocês não irão para o céu”. É uma crença compartilhada por alguns supremacistas brancos que, se matarem um muçulmano com uma bala coberta de gordura de porco, o muçulmano não entrará no céu.

Embora pouco seja publicado sobre esse fato em inglês, segundo a BBC , um [judeu khazar] israelense-ucraniano chamado Natan Khazin afirma ter cofundado o Batalhão Azov. Em uma entrevista conduzida pela BBC Ucrânia em 2018, que tentou minimizar as alegações de crescente antissemitismo na Ucrânia, Khazin é citado como tendo dito: “Posso dizer que, apesar da situação difícil na Ucrânia e da guerra, o nível de antissemitismo não esta crescendo.  Alguém no Ocidente simplesmente não entende o real estado das coisas na Ucrânia nesta área.”

No The Forward , uma agência de notícias judaica, Khazin é descrito como um “veterano das Forças de Defesa de Israel e um rabino ordenado”. A descrição continua:

[Ele é] representante de muitos jovens judeus ucranianos que são sionistas, religiosamente observadores e ao mesmo tempo fortes patriotas ucranianos. Alguns deles referem-se a si mesmos com humor como Zhido-Banderistas – uma fusão do termo pejorativo para “judeu” com o nome de Stepan Bandera, líder da Organização dos Nacionalistas Ucranianos, que lutou pela independência da Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial. As forças da organização também participaram do massacre de judeus, então o termo Zhido-Banderista é conscientemente irônico.”

Durante uma entrevista, publicada de forma condensada pelo The Forward , perguntam a Khazin: “Se não for confidencial, onde você serviu [enquanto esteve nas forças armadas israelenses]?” Ele responde: “Na Faixa de Gaza. Eu sei como é andar por uma rua com pessoas atirando, atirando pedras ou queimando objetos.”

Todos os exemplos acima de judeus khazares israelenses colaborando ativamente com grupos neonazistas conhecidos na Ucrânia são de cidadãos israelenses privados e [aparentemente] não há conexão direta com o governo israelense. No entanto, o próprio governo israelense parece ter participado, assim como os Estados Unidos e outras nações da OTAN, no fornecimento de armas aos militares ucranianos neonazistas, o que é considerado por alguns como uma forma de armar indiretamente o Batalhão Azov e outros elementos da ultradireita. 

Em 2018, mais de 40 ativistas de direitos humanos entraram com uma petição no Supremo Tribunal de Israel, no qual argumentavam que as armas israelenses estavam sendo enviadas para servir aqueles que defendem crenças neonazistas. Eles citaram “evidências de que a milícia de direita Azov, cujos membros fazem parte das forças armadas da Ucrânia e são apoiadas pelo Ministério de Assuntos Internos do país”, estavam usando as armas, de acordo com um relatório publicado no Haaretz .

Embora não haja evidências concretas de uma ligação direta do governo israelense com o Batalhão Azov ou outros grupos neonazistas na Ucrânia, há claramente cidadãos israelenses que os estão ajudando diretamente. Há, no entanto, relatos que afirmam que as forças israelenses treinaram diretamente o Batalhão Azov e o grupo demonstrou possuir armas fabricadas em Israel. Quando existe claramente tal conexão entre grupos neonazistas e judeus israelenses na Ucrânia, isso por si só deve questionar a sinceridade da tentativa da mídia ocidental de usar a identidade judaica do presidente Zelenskyy para deixar de lado as alegações de que existem elementos nazistas dentro da Ucrânia. Além disso, esses grupos são claramente capazes de coexistir ao lado de cidadãos israelenses, desde que esses judeus khazares israelenses sejam eles próprios nacionalistas ucranianos. Isso não quer dizer que o anti-semitismo não exista nesses grupos, no entanto.

Alinhamento de extrema-direita israelense na Europa

A propensão dos israelenses de direita a se alinharem com os europeus de direita é clara há muito tempo, e essa propensão significou até se aliar a grupos acusados ​​de antissemitismo. O Alternative für Deutschland (AfD) – um partido alemão de direita condenado pelo presidente do Congresso Judaico Mundial Ronald Lauder como sendo “uma desgraça para a Alemanha” e frequentemente acusado de antissemitismo – tem fortes ligações com Israel.

Curiosamente, figuras consideradas de extrema-direita – como Geert Wilders na Holanda, Marine Le Pen da França, Nigel Farage da Grã-Bretanha e Viktor Orbán da Hungria – estão todos registrados como pró-Israel e fizeram esforços para se alinhar com o Estado judeu. O ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu também deixou claro que se reuniria e se alinharia com figuras acusadas de antissemitismo, como Orbán.

Netanyahu tentou arduamente cimentar a aliança de Israel com o bloco de Visegrad – Polônia, Hungria, Eslováquia e República Tcheca – que a revista Foreign Policy descreveu como formando “uma entidade comum imbuída de hostilidade aos valores do Iluminismo, aos direitos humanos, à conceito de nação como comunidade de cidadãos, ao princípio da igualdade e, em geral, aos estrangeiros”. Claro, quando se trata de esforços do governo israelense, há um incentivo pragmático para Israel, e tais alianças com a extrema-direita não devem ser tomadas como um relacionamento puramente amoroso. Mas o fato de que essas relações existiram e continuam existindo deve indicar que os israelenses de direita podem coexistir prontamente com a extrema-direita europeia.

Quanto aos supremacistas brancos nos Estados Unidos, há muitos que se alinham abertamente com Israel. Um exemplo disso é o líder nacionalista branco Richard Spencer, que é um defensor aberto de Israel e saiu em 2018 para apoiar o Projeto de Lei do Estado-Nação de Israel , que afirmou que “a realização do direito à autodeterminação nacional em Israel é exclusiva do povo judeu.” O projeto de lei foi amplamente considerado racista e Spencer disse que ele tem “grande admiração pela Lei do Estado-Nação de Israel. Os judeus estão, mais uma vez, na vanguarda, repensando a política e a soberania para o futuro, mostrando um caminho a seguir para os europeus”

O sistema de supremacia racial de Israel é visto com grande admiração por muitos supremacistas brancos, que procuram modelar seu próprio sistema em linhas semelhantes, de acordo com pessoas como Richard Spencer.

Esse tipo de mentalidade, que alinha Israel e a extrema-direita ocidental, não pode ser simplesmente ignorada e demonstra por que não é necessariamente um ponto válido dizer que a presença de indivíduos judeus na luta da Ucrânia contra a Rússia desmascara as alegações de elementos neonazistas existir. Como demonstrado acima, esses grupos não apenas existem apesar da presença de indivíduos judeus, mas em alguns casos até apresentam judeus israelenses em suas fileiras.

Robert Inlakes h é analista político, jornalista e documentarista atualmente baseado em Londres, Reino Unido. Ele relatou e viveu nos territórios palestinos ocupados e apresenta o programa ‘Palestine Files’. Diretor de ‘Roubo do Século: A Catástrofe Palestina-Israel de Trump’. Siga-o no Twitter @falasteen47

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a política editorial do MintPress News.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.