Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

As Novas Rotas da Seda: A Revolução Silenciosa

No distante 1904, Sir Halford Mackinder deu uma palestra na Royal Geographical Society em Londres, na qual estabeleceu um plano para a mudança na pegada geopolítica mundial. A peça central da visão de Mackinder era a grande, rica e vasta massa de terra que ele chamou de Euro-Ásia, agora mais conhecida como Eurásia. O coração desta grande massa de terra, uma “ilha mundial”, era [é] uma área de terras que se estendia, na visão de Mackinder, desde o Golfo Pérsico [Irã] até ao rio Yangtze (China). 

As Novas Rotas da Seda: A Revolução Silenciosa (chinesa e russa)

Fonte: New Dawn Magazine

O falecido analista geopolítico australiano James O’Neill escreveu este artigo para a revista New Dawn 155, publicado em 2016. Como voce irá ler, James analisou e previu com precisão os acontecimentos que estão a desenrolar-se hoje.

Sabemos agora que esta vasta região vai de Vladivostok ao distante Mar Báltico. Quem governar o coração desta região, argumentou Mackinder, governará a “Ilha Mundial”. Quem governar a Ilha Mundial “governará o mundo”.

Na visão de Mackinder, os hemisférios menos importantes fora desta massa terrestre controladora incluíam os Estados Unidos e a Austrália. Pode argumentar-se que Mackinder subestimou a ascensão ao domínio dos EUA nos cem anos que se seguiram ao seu discurso, mas esse domínio pode ser visto, no âmbito mais amplo da história, como uma aberração (“acordada”, LGBTQ+, Transgênero, Transhumanista, Emissão Zero, et caterva).

O poder americano, tão dominante na segunda metade do século XX, está desaparecendo rápido, sendo substituído pelo ressurgimento da Eurásia como centro do poder econômico, financeiro e geopolítico. A autodenominada “nação excepcional” (os EUA) tem um problema fundamental em aceitar a realidade dessa mudança.

Diz-se reemergência porque o domínio do poder marítimo, colonial e militar das nações ocidentais existiu durante um período relativamente breve, de meados do século XVI até ao final do século XX.

A política externa americana pós-Segunda Guerra Mundial tem procurado manter o controle dos recursos mundiais através da construção de um sistema abrangente de bases militares que atualmente totalizam entre 800 e 1.000 bases, dependendo da definição, espalhadas em todo o mundo. Quando vista num mapa mundial, a rede de bases europeia, asiática e pacífica pode ser vista como efetivamente um cerco à massa terrestre eurasiana, especialmente destinada a “conter” qualquer expansão da influência chinesa e russa.

As bases militares dos EUA foram complementadas por uma série de alianças militares, das quais as mais conhecidas são a OTAN, SEATO e ANZUS. Os seus denominadores comuns são o controle americano e o serviço aos interesses americanos. Os australianos gostam de pensar no ANZUS como o baluarte da sua rede de defesa, mas o tratado apenas exige que as partes se “consultem” no caso de um ataque contra eles. É uma das ilusões mais perigosas da Austrália.

Em levantamento mais recente, de 2021, os EUA apresentam 742 bases americanas fora dos Estados Unidos, o que inclui instalações terrestres e marítimas. A lista também apresenta outras 53 bases não confirmadas.

Guerra Assimétrica

Mais importante do que as alianças militares, que são publicamente retratadas como de carácter defensivo, são os enormes esforços e recursos dedicados à guerra assimétrica contínua. Isso assume muitas formas. Uma forma é a utilização de organizações quase governamentais, como o National Endowment for Democracy dos EUA, para financiar e organizar grupos de oposição com o objetivo de “mudança de regime” para garantir um governo no país alvo que seja receptivo aos interesses imperiais americanos. Sabe-se que mais de 70 países, desde a Segunda Guerra Mundial, foram alvo desse tipo de atenção.

Outra forma que esta guerra assimétrica assume é a realização de ataques de bandeira falsa que podem ser atribuídos (geralmente) a grupos de esquerda, garantindo assim a retenção do poder de governos conservadores pró-americanos. A Operação Gladio na Itália é a mais bem documentada deste tipo de subversão.

Uma terceira técnica preferida é a utilização de grupos extremistas por procuração, dos quais a atual encarnação são os islamistas radicais. No entanto, este não é um fenômeno novo, uma vez que as suas origens remontam, pelo menos, à Operação Ciclone. Essa operação específica começou no Paquistão na década de 1980, onde radicais muçulmanos (incluindo o mais cedo agente da CIA Osama bin Laden) foram treinados pelos americanos para se infiltrarem e perturbarem governos não conformes com os ditames de Washington DC.

Um alvo óbvio era o governo nacionalista de esquerda do Afeganistão, mas na verdade os alvos pretendidos de infiltração, subversão, sabotagem, assassinatos e caos geral incluíam o Irã, as então repúblicas soviéticas ao norte do Afeganistão e a região muçulmana chinesa de Xinjiang.

A CIA foi a fonte de muitas destas políticas. O financiamento das operações [Black Ops], que tiveram de ser protegidas do escrutínio do Congresso dos EUA, veio em grande parte do controle da produção, distribuição e venda de narcóticos ilegais [pois a CIA é o maior traficante de drogas do planeta].

Tal como Peter Dale Scott, Alfred McCoy e outros documentaram, o controle da CIA sobre o comércio mundial de narcóticos pode ser atribuído ao Triângulo Dourado do Sudeste Asiático, para o qual a Guerra Americana no Vietnam proporcionou tantas oportunidades lucrativas, e acesso e controle à heroína do Afeganistão. Este último fornecia 93% do abastecimento mundial. O governo talibã praticamente eliminou essa indústria durante o seu período no poder na década de 1990. 

Não foi coincidência que, após a invasão e ocupação do Afeganistão pelos EUA e seus aliados, incluindo a Austrália, uma das primeiras grandes mudanças tenha sido o restabelecimento da indústria da heroína. A gigantesca base aérea de Bagram, ao norte de Cabul, tornou-se o principal ponto de partida para a distribuição de heroína. Camp Bond Steel, no Kosovo, a maior base americana na Europa, mas quase completamente ausente das páginas da imprensa ocidental, funciona, entre outras coisas, como um importante ponto de trânsito de heroína para a Europa.

A cocaína colombiana desempenha função semelhante no mercado americano. Daniel Hopsicker expôs de forma brilhante as interligações entre a cocaína colombiana, a CIA e os políticos americanos até os mais altos níveis do governo de ambos países.

Existem sete grandes pontos de estrangulamento. Em cada um deles existe controle direto dos EUA (por exemplo, o Canal do Panamá); uma presença militar americana significativa que controla o ponto de estrangulamento (Golfo Pérsico, Estreito de Malaca, Estreito de Ormuz); ou tem uma presença militar significativa (aérea, marítima e terrestre) nas proximidades. A 6ª Frota dos EUA no Mediterrâneo (Canal de Suez) e a 7ª Frota no Bahrein complementam as bases terrestres também nas proximidades.

Tal domínio unipolar e ameaças militares reais ou implícitas são claramente intoleráveis ​​para as outras grandes potências da Eurásia – a Rússia e a China. A pressão para responder tornou-se cada vez mais aguda nos últimos anos, à medida que os EUA, através do seu braço da OTAN, se deslocaram continuamente para Leste, em contradição direta com as garantias dadas à Rússia no final da Guerra Fria. O golpe de Estado organizado e efetivado em 2014 pelos EUA na Ucrânia ultrapassou claramente a linha vermelha no que diz respeito aos russos.

O componente final desta estratégia era que a Marinha dos EUA controlasse os grandes “pontos de estrangulamento” marítimos do mundo. Estas são as estreitas rotas marítimas através das quais deve passar a grande preponderância do comércio marítimo mundial.

Um Cinturão, Uma Estrada

A resposta da China e da Rússia a estas intermináveis ​​provocações assumiu muitas formas, que, individual ou coletivamente, equivalem a uma revolução silenciosa que está remodelando fundamentalmente a estrutura geopolítica pós-Segunda Guerra Mundial. Esta revolução está sendo alcançada sem um único tiro, golpe, invasão, revolução, atos de subversão ou assassinato de um líder hostil. Muito menos existem ameaças ou sanções. A revolução baseia-se naquilo que o presidente chinês, Xi Jinping, gosta de chamar de política “ganha-ganha” para todas as partes. 

Xi apresentou pela primeira vez a sua visão de uma política de One Belt & One Road (Belt and Road Initiative (BRI), Um Cinturão, Uma Rota num discurso ao parlamento indonésio em Outubro de 2013. As tentativas chinesas de reformar as instituições financeiras e comerciais existentes foram repetidamente paralisadas ou rejeitadas. As políticas externas dos EUA, do tipo acima referido, não mostraram qualquer inclinação para mudanças no status quo. Para que a China não fosse eventualmente apanhada pelo laço cada vez mais apertado dos EUA, era necessária uma nova iniciativa ousada.

Desde então, os acontecimentos relativos às Novas Rotas da Seda (Belt and Road Initiative (BRI), como a política é conhecida no Ocidente, avançaram com uma velocidade vertiginosa. Dificilmente se passa uma semana sem novos anúncios importantes, e qualquer listagem rapidamente se tornaria obsoleta. O quadro para a iniciativa de Xi já estava em vigor, conforme discutido abaixo. O leitor interessado pode facilmente verificar detalhes das rotas terrestres e marítimas que estão incorporadas no plano.

O foco principal aqui é colocar as Novas Rotas da Seda no seu contexto geopolítico e, em seguida, examinar as implicações para a atual e caótica ordem mundial em mudança e os desafios que ela coloca para países como a Austrália. Cronologicamente, o primeiro desenvolvimento foi a criação da Organização de Cooperação de Xangai (OCS) em 1996. Existem atualmente seis países membros: China, Cazaquistão, Quirguizistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão.

Existem mais seis estados com “estatuto de observador”: Afeganistão, Bielorrússia, Índia, Irã, Mongólia e Paquistão. A Índia e o Paquistão tornaram-se membros e tornar-se-ão formalmente membros de pleno direito em 2016.

A adesão do Irã ao estatuto pleno tem sido dificultada por sanções de inspiração ocidental. A razão ostensiva para as sanções foi o “programa de armas nucleares” do Irã que ameaçam os, sempre vitimas, Israel. Todas as 16 agências de inteligência dos EUA concluíram em duas ocasiões que tal programa não existia.

Isso não impediu a beligerância habitual de Israel, um verdadeiro Estado com armas nucleares, que a imprensa ocidental evita cuidadosamente reconhecer. Nem diminuiu o regime de sanções imposto pelo Ocidente [ Nota do editor : Em janeiro de 2016, o Ocidente levantou as sanções contra o Irã após a implementação de um acordo negociado em 2015. Em 2018, sob o presidente Trump, os EUA renegaram o acordo e reimpuseram sanções ao Irã]. 

A verdadeira razão para as sanções teve mais a ver com o apaziguamento de Israel e da Arábia Saudita e com a persistente antipatia pelo Irã por parte dos americanos por terem tido a ousadia de derrubar o ditador apoiado pelos EUA. O Xá foi imposto ao Irã na sequência do golpe organizado pela CIA-MI6 contra o governo secular de Mosaddegh em 1953. O golpe foi em nome da Anglo-American Oil Company (agora a britânica BP), cujos ativos tinham sido nacionalizados pelo governo iraniano.

Tal como acontece com grande parte da política do Sudoeste Asiático, uma compreensão da geopolítica só é verificável quando se aprecia o papel central dos recursos de petróleo e gás, e o desejo insaciável do Ocidente de controlar esses recursos para seu próprio benefício.

O execrável regime saudita só é tolerado pelo Ocidente porque é a maior fonte mundial de petróleo. A sua importância para o Ocidente foi reforçada pelo então acordo secreto celebrado em 1973 entre os sauditas e os americanos, segundo o qual todas as vendas de petróleo deveriam ser denominadas em dólares americanos, criando assim o Petrodólar. Este último fato tem sido a principal razão pela qual o dólar dos EUA tem sido capaz de desafiar a lógica econômica e manter a sua posição, até muito recentemente, como a única moeda de reserva mundial, pois isto também esta mudando rapidamente.

As decisões de Saddam Hussein no Iraque e de Muammar Kadafi na Líbia de apenas aceitar o pagamento de petróleo e gás em outros valores que não dólares americanos foram, sem dúvida, um fator importante na mudança ilegal de regime imposta aos seus países em 2003 e 2011, respectivamente. O fato de ambos os países terem uma das maiores reservas conhecidas de petróleo e gás do mundo também foi um fator significativo. O efeito negativo dessas duas intervenções desastrosas repercute ainda hoje. 

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (os BRICS) foram o próximo grande agrupamento geopolítico a ser criado. As discussões preliminares começaram em 2006, embora a primeira cimeira formal só tenha ocorrido em 2009. A África do Sul aderiu em 2010.

China, Índia e Rússia são a base comum de adesão tanto à SCO como ao BRICS. Entre eles, representam aproximadamente 40% da população mundial. A China, a Índia e a Rússia são componentes importantes, tanto em termos geográficos como populacionais, da “Ilha Mundial” [Eurásia] de Mackinder. O Brasil é de longe a maior nação da América do Sul e a África do Sul foi até 2015 a nação africana mais rica. Tanto a América do Sul como a África são elementos-chave da diversificação da China no fornecimento das suas matérias-primas.

Banco BRICS e AIIB

Um acontecimento importante mas pouco noticiado, pelo menos na imprensa ocidental, é a formação do Banco BRICS e a decisão dos seus membros de negociar nas suas próprias moedas e não através do dólar americano. Este é um movimento significativo numa série mais ampla de movimentos para alterar fundamentalmente o sistema financeiro ocidental [controlado pelos judeus khazares Rothschild] baseado no dólar que dominou o comércio mundial na era pós-Segunda Guerra Mundial.

O terceiro grande desenvolvimento da Eurásia foi a criação da União Econômica da Eurásia (EEU), cujo tratado de estabelecimento formal foi assinado em maio de 2014, com a união aduaneira a entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2015. Os seus membros são a Arménia, a Bielorrússia, o Cazaquistão, o Quirguistão e a Rússia. Mais uma vez, a sobreposição com a adesão à SCO é facilmente aparente.

Alguns observadores ridicularizaram este desenvolvimento como uma tentativa do presidente russo, Vladimir Putin, de recriar o antigo bloco soviético. Isto é típico do comentário ideologicamente orientado que passa pela análise no que diz respeito à Rússia. A liderança russa tentou durante alguns anos ingressar na União Europeia numa grande zona de comércio livre desde “Lisboa a Vladivostok”. Foi só quando estes esforços foram repetidamente rejeitados que nasceu a EEU.

Já existiram ligações formais estabelecidas entre a EEU e a SCO, abrangendo uma vasta gama de áreas de cooperação. Mais uma vez, um dos desenvolvimentos mais significativos é que as relações comerciais entre os países membros dos dois grupos são denominadas em outros valores que não o dólar americano.

O quarto desenvolvimento neste contexto de enorme importância é a criação do Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas (AIIB), liderado pela China. Foi formada em 2014 e já aderiram 57 países, incluindo Austrália, Alemanha, França, Itália, Nova Zelândia e Reino Unido.

Os ausentes conspícuos das nações fundadoras são o Japão e os Estados Unidos. As nações europeias, a Austrália e a Nova Zelândia, assinaram o acordo face à significativa pressão americana para não o fazerem. Este foi um raro exemplo de países que agem em defesa dos seus próprios interesses nacionais, em oposição aos interesses imperialistas americanos.

Uma das funções do AIIB será financiar os enormes projetos de infraestruturas que são um elemento central da visão do Presidente Chinês Xi para uma ordem mundial alternativa àquela que é gerida por e em nome dos Americanos do Hospício Ocidental do G-7.

Não é surpresa para ninguém que os americanos não tenham consentido silenciosamente neste realinhamento fundamental de um mundo unipolar para um mundo multipolar. A resposta deles assumiu diversas formas, duas das quais podem ser brevemente mencionadas aqui. 

A resposta americana

A primeira é uma série de movimentos militares e políticos destinados a exercer pressão sobre a Rússia e a China em particular. No caso da Rússia, isso incluiu a demonização quase sem paralelo da Rússia em geral e do Presidente Putin em particular. 

O golpe na Ucrânia mencionado acima foi seguido em rápida sucessão pela reunificação da Crimeia com a Rússia e pelo abate sobre o leste da Ucrânia do voo MH17 da Malásia. Apesar da longa história da Crimeia como uma parte importante da Rússia, e de a decisão da Crimeia de deixar a Ucrânia e candidatar-se a aderir à Federação Russa ter seguido um esmagador voto popular a favor desse caminho, o país é consistentemente retratado nos meios de comunicação ocidentais como um exemplo de agressão”, uma “anexação” russa e uma demonstração das alegadas ambições imperialistas do Sr. Putin.

Apesar das fortes evidências de que o abate do avião do voo MH17 foi levado a cabo pelas forças ucranianas, os meios de comunicação ocidentais retrataram-no como “o míssil de Putin”. Todas as provas em contrário, como aconteceu com o recente relatório do Conselho de Segurança Holandês sobre o acidente, são simplesmente ignoradas ou deturpadas. O Apêndice T do Relatório, por exemplo, afirma que o míssil foi disparado de uma área contestada tanto pelos separatistas como pelas forças ucranianas. O Relatório também afirmou que não havia provas de que os separatistas possuíssem mísseis BUK ou capacidade técnica para dispará-los.

Apesar desta evidência clara, a [então] Ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Julie Bishop, afirmou que separatistas de uma área controlada pelos separatistas tinham disparado o míssil. Esta deturpação flagrante foi simplesmente relatada pela mídia sem correção ou comentário.

As sanções lideradas pelos EUA contra a Rússia pelas suas alegadas transgressões na Ucrânia prejudicaram mais as nações europeias do que a Rússia. Uma consequência direta destas políticas mal concebidas foi a aceleração da cooperação e da assistência mútua entre a Rússia e a China. Ao longo de 2014 e 2015, estes dois países assinaram uma infinidade de acordos em comércio, defesa e desenvolvimento de infraestruturas que valem significativamente mais de dois trilhões de dólares.

Na região Ásia-Pacífico, a resposta americana tem sido intensificar o seu chamado pivô para a Ásia. Na realidade, isto não é mais do que uma continuação da interferência americana de longa data na região. A devastação causada no Camboja, no Laos e no Vietnam entre as décadas de 1950 e 1970 é apenas um exemplo.

A política atual consiste claramente em envolver-se numa série de provocações contra a China no Mar da China Meridional. Quando se olha para um mapa das bases americanas nas proximidades da China e para a concentração de forças navais, aéreas e terrestres nessas bases, é imediatamente óbvio quem está sendo beligerante e provocativo.

As Novas Rotas da Seda

Uma das características mais importantes da política das Novas Rotas da Seda que está sendo desenvolvida a um ritmo rápido pela China e pelos seus países aliados nos BRICS, na EEU e na SCO, é que os vastos recursos energéticos e minerais da Rússia, da Mongólia e de outros nestes grupos, são capazes de satisfazer todas as necessidades da China sem recorrer aos recursos australianos e ocidentais. A China também tem a opção de obter as suas necessidades energéticas, alimentos e minerais a partir das suas ligações em rápida expansão na África e na América Latina.

Quando a China contempla novas compras em grande escala de minério de ferro, cobre, bauxita, etc., será mais provável que se volte para os seus vizinhos terrestres e outras nações amigas na África e na América Latina, ou continuará a comprar a uma Austrália que persiste na sua adesão servil aos imperativos da política externa dos EUA? A resposta a essa pergunta é algo que deveria preocupar seriamente os políticos australianos.

As Novas Rotas da Seda são, portanto, muito mais do que apenas o maior projeto de infraestruturas do mundo. É muito mais do que a ligação, através de múltiplas ligações ferroviárias de alta velocidade ao longo de 12.000 quilômetros da massa terrestre da Eurásia, desde Vladivostok a Berlim.

Por mais importantes e francamente entusiasmantes que sejam estes enormes projetos de infraestruturas, o significado a longo prazo reside no desenvolvimento de uma estrutura financeira totalmente diferente. Os principais instrumentos da hegemonia econômica ocidental, o FMI e o Banco Mundial, o BIS, SWIFT, o sistema de crédito interbancário e muitos outros, revelaram-se incapazes de reforma. Uma série de instituições financeiras novas está a substituí-los progressivamente em acordos criados pela SCO, BRICS e EEU.

Talvez o mais significativo de tudo seja o fato de os países que comercializam nas suas próprias moedas, ou através de Direitos de Saque Especiais que agora incluem o Yuan, estarem a substituir constantemente o dólar americano. A luta dos centros financeiros tradicionais, como Londres e Frankfurt, para fazerem parte desta revolução financeira é um indicador muito claro de que pelo menos reconhecem a realidade geopolítica emergente.

A questão geopolítica primordial é se as chamadas nações ocidentais, como a Austrália, reconhecem estas realidades em mudança e se adaptam em conformidade, ou se permanecem atoladas no velho e demente mundo anglo-americano [o Hospício Ocidental] e nas suas certezas cada vez mais irrelevantes. Fazer as escolhas certas ditará se o futuro será de prosperidade como uma componente ativa e vital da “Ilha Mundial” de Mackinder, ou como um dos perdedores num confronto nuclear que as políticas ocidentais existentes quase certamente prenunciam. Este artigo foi publicado em New Dawn 155 .


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *