As “vacinas” mRNA contra a Gripe Aviária H5N1 estão chegando

A inquietante realidade da Gripe Aviária H5N1 que circula em rebanhos de vacas leiteiras em várias partes dos Estados Unidos está aumentando os “níveis de ansiedade” [e a propagação do medo] sobre se esse “vírus perigoso” H5N1, que tem assombrado o sono de pessoas que se preocupam com pandemias de gripe há mais de 20 anos, poderia estar no ar, num caminho para adquirir a capacidade de infectar pessoas fácil e amplamente.

As “vacinas” mRNA contra a Gripe Aviária H5N1 estão chegando

Fonte: Statnews.com

Para ser claro, não há provas de que este seja o caso atualmente – o único caso humano confirmado foi relatado no Texas há três semanas num trabalhador agrícola que teve contato com gado infectado. Não há forma de prever se o vírus adquirirá a capacidade de se espalhar entre as pessoas, ou quando e em que condições daria esse salto fatídico se o fizesse.

Mas os primeiros sinais de que o vírus H5N1 – ou qualquer novo vírus da gripe – estaria começando a espalhar-se de pessoa para pessoa desencadearia uma corrida à produção de grandes quantidades de vacina para tentar mitigar os danos que uma pandemia de gripe pelo vírus H5N1 poderia causar.

Embora se estime que a pandemia de H1N1 de 2009 tenha matado cerca de um quarto de milhão de pessoas em todo o mundo – temporadas de gripe severas às vezes matam mais – acredita-se que a pandemia de gripe espanhola de 1918 tenha matado entre 50 milhões e 100 milhões de pessoas, muitas vezes mais do que a Covid-19.

A boa notícia: o mundo produz muitas vacinas contra a gripe e já o faz há décadas. As agências reguladoras possuem sistemas bem lubrificado$ para permitir que os fabricantes atualizem os vírus que as vacinas visam sem ter que procurar novas licenças. Os Estados Unidos têm até algumas vacinas H5 num estoque que acreditam oferecer proteção contra a versão do vírus H5N1 que infecta o gado leiteiro, embora não existam doses suficientes para toda a população do país.

A má notícia: a atual capacidade de produção global não é nem de perto adequada para vacinar uma grande parte da população mundial no primeiro ano de uma pandemia global. E lotes de vacina contra a gripe, muitas vezes (embora nem sempre) produzidos com ovos de galinha , levam meses para serem produzidos.

A pandemia Covid fez com que os fabricantes de vacinas em todo o mundo produzissem quantidades sem precedentes de vacinas num período de tempo extraordinariamente curto. Em Fevereiro de 2022, 14 meses após o início dos esforços de vacinação, estimou-se que 11 bilhões de doses de vacina tinham sido produzidas e entregues.

Esse recorde poderia ser igualado – quebrado? – se o H5N1 iniciar uma pandemia?

Será que a profunda desigualdade na distribuição da vacina contra a Covid, que fez com que os países ricos fossem inundados de doses enquanto os países de baixos rendimentos esperavam pelos fornecimentos, seria remediada ou repetida?

Os “especialistas” entrevistados pelo STAT sugeriram que, em alguns aspectos, o mundo está melhor posicionado para produzir vacinas contra uma gripe pandêmica, se necessário. Mas vários alertaram que seria imprudente presumir que o sucesso da produção da vacina contra a Covid influenciaria automaticamente a velocidade e a escala da produção da vacina contra a gripe pandêmica.

“Você simplesmente tem um sistema [de produção] de vacinas contra a gripe diferente daquele que desenvolvemos instantaneamente para a Covid”, disse Richard Hatchett, CEO da Coalition for Epidemic Preparedness Innovations, mais conhecida como CEPI, uma organização internacional encarregada de estimular o desenvolvimento de medicamentos e contramedidas para doenças que podem causar epidemias e pandemias. “E o… sistema que desenvolvemos para a Covid não pode ser reaproveitado apenas para a gripe.”

Vamos explorar algumas das maneiras pelas quais o mundo talvez esteja melhor preparado do que estava no passado e alguns dos obstáculos que poderiam retardar os esforços de proteção contra uma pandemia perigosa.

Qual seria a necessidade

Para obter proteção contra a gripe sazonal, a maioria das pessoas é vacinada com uma dose da vacina. As crianças pequenas que nunca foram vacinadas contra a gripe são uma exceção; crianças de 6 meses a 8 anos devem receber duas doses da vacina, com pelo menos quatro semanas de intervalo, na primeira vez que forem vacinadas.

Por que? Porque são considerados “ingênuos” em relação à gripe e os seus sistemas imunológicos precisam de ser preparados (introduzidos aos vírus da gripe) e depois reforçados. É provável que qualquer pessoa com mais de 8 anos já tenha contraído gripe antes; eles já foram preparados. Uma dose é suficiente para familiarizar o sistema imunológico com as versões evoluídas dos vírus da gripe sazonal encontrados anteriormente.

Mas com um novo vírus da gripe – e o H5N1 definitivamente se enquadra nessa categoria para os humanos – todos serão ingênuos [sem imunidade natural]. Portanto, a suposição dos planejadores da pandemia é que todos precisariam de duas doses de vacina na primeira temporada de vacinação contra o H5N1. (Durante a pandemia de H1N1 de 2009, o novo vírus estava remotamente relacionado com aquele que circulou durante grande parte do século anterior, e uma dose era adequada para proteção. Não há expectativa de que isso seria verdade com uma pandemia de H5N1.)

Essa matemática é assustadora: 8,1 bilhões de pessoas em todo o mundo vezes dois equivalem a 16,2 bilhões de doses. Os bebés com menos de 6 meses de idade não são vacinados contra a gripe – os seus sistemas imunológicos ainda não estão suficientemente desenvolvidos para que ela seja eficaz – pelo que esse número seria um pouco menor. Mas há sempre desperdício na entrega de vacinas, por isso os 16 bilhões provavelmente não estão longe.

Quem está em maior risco?

Falando em crianças, há uma dinâmica em jogo com o H5N1 que não foi vista na pandemia de Covid, e que aumenta a complexidade da vacinação do planeta numa pandemia de gripe.

A grande maioria das mortes por Covid ocorreu em adultos mais velhos; houve relativamente poucas mortes em crianças. Mas as infecções por gripe são mais difíceis em adultos mais velhos e crianças pequenas. Na pandemia de H1N1 de 2009, estima-se que cerca de 1.300 crianças com menos de 17 anos morreram nos Estados Unidos, um número elevado quando comparado com uma época típica de gripe. E 2009 foi ameno, em termos pandêmicos.

Além disso, as crianças amplificam a transmissão da gripe nas comunidades, disse Hatchett, observando que a onda de outono da pandemia de 2009 nos EUA começou no final do verão, quando os estados do sul voltaram à escola. Uma pandemia muito grave poderia mudar rapidamente a opinião pública, mas atualmente parece improvável que houvesse muita vontade de fechar escolas para retardar a propagação de um novo vírus da gripe. O fechamento de escolas é uma das medidas de contenção mais criticadas que foram utilizadas na pandemia de Covid.

“A doença é diferente. Ele se comporta de maneira diferente. Tem diferentes padrões de mortalidade e diferentes padrões de transmissão. E estaríamos numa situação difícil porque sairíamos da Covid com uma mentalidade e preconceitos da Covid que comprometeriam a nossa capacidade de fazer a coisa certa se houvesse uma pandemia de gripe H5N1”, disse Hatchett.

Assim, enquanto os Estados Unidos esperaram até 2022 antes de começarem a vacinar as crianças contra a Covid – e alguns países nem sequer vacinaram as crianças – as crianças estarão no grupo de pessoas que precisam ser vacinadas quando a próxima pandemia de gripe chegar.

“A Moderna está atualmente testando uma vacina H5N1, do subconjunto 2.3.4.4b de vírus, em pessoas. Esse teste começou no verão passado.”

Mas a listagem do ensaio no banco de dados Clinicaltrials.gov é cautelosa quanto às dosagens que a Moderna está testando, chamando-as simplesmente de dose número 1, 2 e 3.

Os reguladores vão querer mais dado$ antes de adotarem as vacinas mRNA como uma solução numa pandemia de gripe aviária H5N1 – embora ele e outros tenham notado que, numa verdadeira crise, “todas as apostas estão canceladas”.

“Penso que se fizermos os investimentos adequados, poderemos muito em breve chegar ao ponto em que saberemos qual deve ser a dose e ter vacinas de mRNA contra estirpes aviárias como parte do nosso arsenal e aumentá-las rapidamente. ”

Qual é a capacidade de produção atual

Uma avaliação da capacidade do mercado publicada pela Organização Mundial de Saúde em Janeiro estimou que a oferta global combinada era de 1,2 bilhões de doses trivalentes de vacina contra a gripe, que visam três estirpes do vírus da gripe de cada vez. Durante uma pandemia, a vacina produzida teria como alvo um único vírus, o novo.

Assim, em teoria, 1,2 bilhões de doses de vacina poderiam tornar-se 3,6 bilhões de doses de vacina. Mais de 85% dessas doses são produzidas por sete produtores, afirma a análise da OMS, e mais de 95% das doses de vacinas sazonais são utilizadas em países de rendimento alto e médio alto, que quase certamente terão a prioridade nas vacinas pandêmicas.

De quanta vacina cada pessoa precisaria?

As 3,6 bilhões de doses seriam suficientes para 1,8 bilhões de pessoas. Mas isso só aconteceria se a mesma quantidade de vacina usada para proteger contra os vírus da gripe sazonal protegesse contra o H5N1. E aí nos deparamos com outro problema.

Uma pesquisa realizada em meados da década de 2000 descobriu que o vírus H5N1 é pouco imunogênico em pessoas; não desencadeia uma resposta imunológica forte, a menos que seja administrado em grandes quantidades ou com um composto estimulante conhecido como adjuvante que estimula amplamente o sistema imunológico.

Numa vacina contra a gripe sazonal, cada componente contém 15 microgramas de antígeno ou vacina. Nesse estudo, publicado no New England Journal of Medicine, foram necessárias duas doses de 90 microgramas – 12 vezes a quantidade usada para proteger contra uma cepa da vacina sazonal – para induzir o que se acredita ser uma resposta protetora em pouco mais de metade dos voluntários. Num mundo onde a necessidade superará a oferta, essa é uma dosagem totalmente impraticável.

Desde então, vários estudos foram realizados para verificar se os adjuvantes poderiam diminuir a quantidade de antígeno necessária e aumentar os suprimentos. Eles conseguem. Alguns estudos sugeriram até que doses fracionadas, com um adjuvante, poderiam ser eficazes.

Por exemplo, a CSL Seqirus, que fornece vacina contra a gripe ao mercado dos EUA e tem uma vacina contra a pandemia H5N1 licenciada no Estoque Nacional de Vacinas dos EUA contra a Gripe Pré-Pandemia (NPIVS), mostrou que 7,5 microgramas, com um adjuvante, gerariam o que se pensa ser um resposta protetora em uma parcela de adultos.

Os estudos foram pequenos, portanto o intervalo das estimativas é amplo, mas entre 28% e 64% dos voluntários com idades entre 18 e 64 anos e 17% a 57% dos voluntários com 65 anos ou mais desenvolveram o que se acredita ser um nível protetor de anticorpos da dose de 7,5 microgramas.

Mas nem todos os fabricantes de vacinas contra a gripe usam ou possuem adjuvantes patenteados. A CSL Seqirus e GSK sim; A Sanofi, um grande produtor de vacinas contra a gripe, atualmente não o tem. E o fornecimento global de adjuvantes poderá constituir um estrangulamento em qualquer esforço para vacinar o mundo contra o H5N1, dizem os especialistas.

“Eu ficaria muito curioso para saber qual seria a capacidade de produção global dos adjuvantes relevantes para os quais temos dados. E suspeito que seria muito insuficiente para o que é necessário”, disse Hatchett.

Os EUA têm reservas de adjuvantes no NPIVS, disse David Boucher, diretor de preparação e resposta a doenças infecciosas da Administração de Preparação e Resposta Estratégica (ASPR), uma divisão do Departamento de Saúde e Serviços Humanos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth