Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Atividade Sísmica ‘Incomum’ é detectada na Antártica por cientistas

“Algo” esta acontecendo na Antártica: Especialistas da Universidade do Chile informaram que uma “atividade sísmica incomum” foi detectada na península Antártica, no seu extremo mais próximo da América do Sul. Ao longo de três meses, foram registrados milhares de terremotos de maior e menor intensidade em uma área relativamente pequena. As medições realizadas por sismógrafos através de um procedimento automático estimaram terremotos de magnitudes entre 0,9º a 5,6º na escala Richter.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Atividade sísmica incomum é detectada na Antártica

Fonte:  Sputnik

Segundo dados fornecidos pelo Centro Sismológico Nacional (CSN) da Universidade do Chile, foram detectados mais de 30.000 terremotos no estreito de Bransfield, adjacente à península Antártica, entre os meses de agosto e novembro de 2020.

As medições realizadas por sismógrafos através de um procedimento automático estimaram terremotos de magnitudes entre 0,9º a 5,6º na escala Richter.

Sismógrafo
Sismógrafo – © AFP 2020 / STRINGER

Os terremotos registrados automaticamente correspondem aos eventos “mais evidentes”, ou seja, aos mais detectáveis. De acordo com a CSN, estudos mais detalhados poderiam indicar números maiores de tremores.

O maior número de sismos no período observado foi registrado principalmente durante o mês de setembro, quando foram detectados mais de 1.000 terremotos diariamente. Em novembro, a atividade sísmica começou a diminuir.

Segundo a CSN, o fenômeno se deve a um conjunto de processos tectônicos complexos que ocorrem em uma área relativamente pequena da península Antártica.

“A movimentação tectônica em torno da península Antártica é complexa já que existem diferentes processos de convergência, divergência e deslizamento lateral de segmentos de placas de gelo em uma área relativamente reduzida”, cita a CSN.

Além disso, foi revelado que houve uma importante mudança na velocidade de expansão do estreito de Bransfield.

“A separação da ilha do Rei Jorge da península Antártica aumentou drasticamente de oito milímetros para 15 centímetros por ano, no final de agosto”, concluiu.

O Estreito de Bransfield (63° S 59° O) é a parte do oceano Glacial Antártico que se encontra entre as ilhas Shetland do Sul, ao norte, e a península Antártica, ao sul. O estreito é denominado Mar de la Flota pelos argentinos. Possui cerca de 100 km de largura e 300 km de extensão (sentido nordeste-sudoeste).


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas na medida em que o TEMPO da GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais: AQUI


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *