Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Bancos franceses são invadidos por Lavagem de Dinheiro e ‘Fraude Fiscal Gigante’

Suspeitas de fraude fiscal gigante: buscas massivas em CINCO BANCOS na França. Os banqueiros franceses são suspeitos de ajudar os investidores a evitar o pagamento de impostos sobre os seus dividendos. Essas operações são realizadas por 150 investigadores de Bercy, 16 magistrados franceses e 6 alemães.  Segundo fonte familiarizada com o assunto, trata-se dos bancos BNP Paribas, Exane, Société Générale, Natixis e [o onipresente banco do ópio, o britânico] HSBC.

Bancos franceses são invadidos por Lavagem de Dinheiro e ‘Fraude Fiscal Gigante’

Fontes: Le FigaroExecutiveDigest.sapo.pt

A maior operação da história do PNF: a Procuradoria-Geral das Finanças da França realiza esta terça-feira buscas massivas em cinco grandes bancos da França, no âmbito das investigações sobre suspeitas de evasão fiscal agravada e “branqueamento” [lavagem de dinheiro sujo] de capitais agravado de evasão fiscal agravada, disse o PNF na terça-feira, confirmando informações do jornal Le Monde.

A operação diz respeito a práticas de fraude sobre o pagamento de dividendos, batizadas de “CumCum”.  E aconteceu numa escala sem precedentes: 16 investigadores do PNF, 150 investigadores do serviço de investigação judicial financeira (SEJF), bem como seis promotores alemães do Ministério Público de Colônia foram enviados aos escritórios dos bancos BNP Paribas, Exane (gerente de fundos, subsidiária BNP), Société Générale, Natixis e HSBC

Os dois primeiros são alvo de investigações do PNF por suspeitas de sonegação agravada e lavagem de dinheiro de sonegação agravada, após denúncias das autoridades fiscais. Os outros três estão sob investigação por lavagem de dinheiro agravada e sonegação agravada. Todas estas investigações foram abertas em meados de dezembro de 2021, segundo o PNF. Com exceção do Societe Generale, os demais bancos não confirmaram as buscas.

Recuperação para 1 bilhão de euros

De acordo com fonte familiarizada com o assunto, o BNP e a Exane foram alvo, respetivamente, de uma denúncia obrigatória e de uma denúncia da administração tributária (Direção Geral de Finanças Públicas, DGFip), permitindo a instauração de processos por evasão fiscal. Os outros três bancos não foram alvo de tal denúncia mas fazem parte dos estabelecimentos visados ??no final de 2018 por uma denúncia apresentada por um coletivo “Cidadãos num bando organizado” em torno do chefe dos deputados do PS Boris Vallaud.

Em tuíte, ele “congratulou-se” com a investigação do PNF na terça-feira após uma denúncia que “finalmente está dando frutos“. Um grupo de dezesseis meios de comunicação revelou em 2018 através dos “Arquivos CumEx” essas suspeitas de fraude fiscal gigante, que foram objeto de investigações na França pela administração tributária desde 2017.

O montante dos prejuízos aos cofres franceses, inicialmente avaliado pelo consórcio em $ 55 bilhões de euros para dez países, tinha sido significativamente aumentado em 2021 por estes meios, subindo para $ 140 bilhões de euros ao longo de vinte anos.

Mas a fonte familiarizada com o assunto moderou a avaliação dos prejuízos das autoridades fiscais francesas, explicando que o valor total dos ajustamentos fiscais destes cinco bancos ultrapassou “apenas” $ 1 bilhão de euros. Questionado pela AFP, o DGFip não se pronunciou. Nem a alfândega nem Bercy responderam imediatamente.

A prática do “CumCum”

A chamada prática “CumCum”, no jargão financeiro, consiste em escapar do pagamento de imposto sobre dividendos que, em princípio, deve ser pago por estrangeiros detentores de ações de empresas francesas listadas na bolsa.

Para usufruir do regime, estes acionistas, pequenos investidores ou grandes fundos de investimentos, confiam os seus títulos a um banco no momento da cobrança do imposto, escapando assim à tributação. Os bancos teriam desempenhado o papel intermediário, cobrando uma comissão dos detentores de suas ações.

Citado pela imprensa entre os bancos que poderão ter utilizado este esquema, o Crédit Agricole através da sua subsidiária Cacib não foi um dos estabelecimentos visados ??pelas buscas na manhã de terça-feira, segundo fonte próxima.

Durante revelações anteriores em 2021, o grupo Crédit Agricole havia dito à AFP que “não oferece acordos aos seus clientes para fins de arbitragem de dividendos nem realiza por conta própria operações de arbitragem de dividendos, mas que realizou operações de cobertura em conformidade com as normas legais, fiscais e regulamentares em vigor”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *