Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Berlim vai até Pequim – Qual o Verdadeiro Negócio ?

Com seu talento inimitável para a análise econômica mergulhado em profundidade histórica, o último ensaio do professor Michael Hudson, originalmente escrito para um público zumbi alemão, apresenta um paralelo impressionante entre as Cruzadas e a atual “ordem internacional baseada em regras” [o que quer que isto signifique] imposta pelos psicopatas e políticos lacaios do Hegemon do Hospício ocidental.

A caravana da Alemanha capitaneada por Scholz foi a Pequim para estabelecer os primeiros passos preparatórios para a elaboração de um Acordo de Paz com a Rússia, tendo a China como mensageira e intermediária privilegiada…

Fonte: Zero Hedge

O professor Hudson detalha como o papado em Roma conseguiu travar o controle unipolar sobre os reinos seculares (toca um sino?) quando o jogo era tudo sobre a precedência papal sobre os reis, acima de todos os imperadores alemães do Sacro Império Romano-Germânico. Como sabemos, meio em tom de brincadeira, o Império não era propriamente Sagrado, nem Alemão (talvez um pouco Romano), e nem mesmo um Império.

Uma cláusula nos ditados papais dava ao Papa a autoridade de excomungar quem “não estivesse em paz com [não se submetesse] a Igreja Romana”. Hudson observa nitidamente como as sanções dos EUA são o equivalente moderno da excomunhão papal daqueles tempos.

Indiscutivelmente, existem as duas principais datas em todo o processo.

O primeiro seria o Terceiro Concílio Ecumênico de 435: foi quando à apenas [a podridão de] Roma (itálico meu) foi atribuída autoridade universal (itálico meu).Alexandria e Antioquia, por exemplo, estavam limitadas à autoridade regional dentro do Império Romano.

A outra data principal é 1054 – quando Roma e Constantinopla se separaram para sempre. Ou seja, a Igreja Católica Romana se separou da Ortodoxia oriental [praticada hoje pela “conservadora” RÚSSIA] , o que nos leva à Rússia, e Moscou como a Terceira Roma – e a animosidade secular do “Ocidente” contra a Rússia.

Um Estado de Lei Marcial

O professor Hudson então investiga a viagem da delegação do chanceler Scholz, o “Linguiça de Fígado” à China nesta semana para “exigir que desmonte seu setor público e pare de subsidiar sua economia, ou então a Alemanha e a Europa imporão sanções ao comércio com a China”[uma grande bravata do hospício europeu].

Bem, na verdade isso é apenas uma ilusão infantil, expressa pelo Conselho Alemão de Relações Exteriores em um artigo publicado no Financial Times (a plataforma de propriedade japonesa na cidade de Londres). O Conselho, conforme descrito corretamente por Hudson, é “o braço ‘libertário’ neoliberal da OTAN exigindo a desindustrialização [e adoção da ideologia LGBTQ+, o Transgenerismo, o ‘Wokism’ acordado, Transhumanismo, “Build Back Better”, “The Great Reset” do WEF, Quarta Revolução, et caterva] e a dependência alemã” dos psicopatas dos EUA [mas voce será feliz e não possuirá nada . . .].

Assim, o FT, previsivelmente, está imprimindo os sonhos molhados da OTAN.

O contexto é essencial. O presidente federal alemão, Frank-Walter Steinmeier, em um discurso no Castelo de Bellevue, admitiu que Berlim está quebrada: “Uma era de ventos contrários está começando para a Alemanha – anos difíceis e de dificuldades estão chegando para nós. A Alemanha está na crise mais profunda desde a sua reunificação”.

No entanto, a esquizofrenia e a loucura desenfreada, mais uma vez, reina suprema no hospício ocidental, como Steinmeier, depois de uma completa façanha ridícula em Kiev – posando como um ator inconsciente encolhido em um bunker – anunciou num folheto extra: mais dois lançadores de foguetes múltiplos MARS e quatro obuses Panzerhaubitze 2000 a serem entregues aos [marionetes nazistas e JUDEUS KHAZARES, O HOSPÍCIO REALMENTE ESTA CRESCENDO] ucranianos.

Portanto, mesmo que a economia “mundial” – na verdade somente o hospício da UE – esteja “tão fragilizada” que os estados membros não possam mais ajudar Kiev sem prejudicar suas próprias populações, e a UE esteja à beira de uma crise energética catastrófica, lutando por [pela FALTA de] “nossos valores” em País 404 [‘acordado’] supera tudo.

O contexto Big Picture também é fundamental. Andrea Zhok, Professor de Filosofia Ética da Universidade de Milão, levou o conceito de “Estado de Exceção” de Giorgio Agamben a novos patamares.

Zhok propõe que [as populações do] o Ocidente coletivo zumbificado agora seja completamente subjugado a um “Estado de Lei Marcial” – onde um ethos de Guerra Eterna é a prioridade máxima para os psicopatas das elites globais rarefeitas [e danem-se os povos de todas as nações. . . ].

Todas as outras variáveis ??– desde o trans-humanismo ao despovoamento e até mesmo ao cancelamento da cultura, ideologia LGBTQ+, transgenerismo, pedofilia, satanismo – estão subordinadas ao Estado de Lei Marcial e são basicamente inessenciais. A única coisa que importa é exercer controle absoluto, total e bruto sobre a massa de zumbis europeus.

O Novo Eixo: Berlim – Moscou – Pequim

As sólidas fontes empresariais alemãs contradizem completamente a “mensagem” transmitida pelo Conselho Alemão de Relações Exteriores na viagem de Scholz à China. Segundo estas fontes, a caravana de Scholz deslocou-se a Pequim essencialmente para estabelecer os passos preparatórios para a elaboração de um acordo de paz com a Rússia, tendo a China como mensageiro privilegiado.

Isso é – literalmente – tão explosivo, geopolítica e geoeconomicamente, quanto possível. Como apontei em uma de minhas colunas anteriores, Berlim e Moscou mantinham um canal secreto de comunicação – via interlocutores de negócios – até o momento em que os suspeitos de sempre, em desespero, decidiram explodir os gasodutos Nord Streams, a ponte da Crimeia e atacarem Sebastopol.

Dica para o agora notório SMS do iPhone de [The Clown] Liz Truss para Little Tony Blinken, um minuto após as explosões: “Está feito”.

Há mais: a caravana de Scholz pode estar tentando iniciar um longo e complicado processo de eventualmente substituir os EUA pela China como um aliado chave. Nunca se deve esquecer que o principal terminal de comércio/conectividade da BRI na UE é a Alemanha (o vale do Ruhr).

Segundo uma das fontes, “se esse esforço for bem-sucedido, Alemanha, China e Rússia podem se aliar e expulsar os EUA da Europa”[finalmente].

Outra fonte deu a cereja do bolo: “Olaf Scholz está sendo acompanhado nesta viagem por industriais alemães que realmente controlam a Alemanha e não vão ficar sentados vendo a si mesmos e ao seu próprio povo serem destruídos”.

Moscou sabe muito bem qual é o objetivo imperial quando se trata da UE reduzida ao papel de vassalo totalmente dominado – e desindustrializado, exercendo soberania zero. Afinal, os canais traseiros não estão em frangalhos no fundo do mar Báltico. Além disso, a China não deu nenhuma indicação de que seu comércio maciço com a Alemanha e a UE está prestes a desaparecer.

O próprio Scholz, um dia antes de sua caravana chegar a Pequim, enfatizou à mídia chinesa que a Alemanha não tem intenção de se dissociar da China, e não há nada que justifique “os apelos de alguns para isolar a China”.

Paralelamente, Xi Jinping e o novo Politburo comunista chinês estão muito cientes da posição do Kremlin, reiterada repetidamente: permanecemos sempre abertos a negociações, enquanto Washington finalmente decidir falar sobre o fim da expansão ilimitada da OTAN encharcada de russofobia.

Portanto, negociar significa que o Império Hegemon dos pés de barro assina na linha pontilhada do documento que recebeu de Moscou em 1º de dezembro de 2021, focado na “indivisibilidade da segurança”. Caso contrário, não há nada a negociar.

E quando temos o lobista do Pentágono Lloyd “Raytheon” Austin aconselhando os ucranianos a avançar [e morrer em massa] sobre Kherson, fica ainda mais claro que não há nada para se negociar.

Então, tudo isso poderia ser a pedra fundamental do corredor geopolítico/geoeconômico trans-Eurásia Berlim-Moscou-Pequim? Isso significará Bye Bye Hospício do Império das Mentiras. Mais uma vez: não acabou até que a ‘gorda’ vá para “Gotterdammerung” (o Crepúsculo dos “deuses“, com pés de barro. . . ]

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *