BRICS – O Projeto do Século

As PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação ocidentais estão dando prioridade ao conflito na Ucrânia, no Oriente Médio, à “Emissão Zero CO²”, à revolução “Acordada”, às ideologias Transgênero e LGBTQ+. À sombra desta cobertura midiática, os BRICS estão silenciosamente mudando o mundo. A seguir uma análise onde apresentamos os números mais recentes e os situamos no ambiente geopolítico atual.

BRICS – O Projeto do Século

Fonte: VoiceOfRussia.com – De autoria de Peter Hanseler

Introdução

Um dos principais temas deste blog é o BRICS. Escrevemos numerosos artigos, acompanhamos e analisamos o desenvolvimento desta organização. Significativamente, a primeira postagem independente neste blog foi dedicada aos BRICS em 18 de novembro de 2022 “A ascensão imparável do Oriente”.

Nosso último artigo dedicado apenas ao BRICS de 24 de setembro de 2023 “BRICS mudará o mundo – lentamente” deu uma visão geral do desenvolvimento e resumiu os resultados da cúpula do BRICS na África do Sul em agosto de 2023. Este artigo foi publicado por ZeroHedge, o GloomBoomDoom relatório do Dr. Marc Faber e Weltwoche (impresso e online).

Pela densidade da nossa cobertura, fica claro que atribuímos importância primordial aos BRICS para o desenvolvimento geopolítico e geoeconômico do mundo. Com base nos fatos, chegamos à conclusão de que os BRICS mudarão o mundo mais do que todos os outros desenvolvimentos dos últimos 100 anos juntos.

Os desenvolvimentos em torno dos países membros do BRICS já desencadearam uma mudança tectônica no equilíbrio geopolítico de poder; o conflito na Ucrânia e a crescente crise no Oriente Médio são apenas peças do mosaico, em comparação com o resto.

As PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação ocidentais estão definindo as suas prioridades de forma diferente e concentrando-se em tópicos que acreditamos serem de menor importância: o Irã, a Rússia, o conflito na Ucrânia, no Oriente Médio, à “Emissão Zero CO²”, à revolução “Acordada”, às ideologias Transgênero e LGBTQ+.

A reportagem sobre os BRICS no Ocidente, se é que ocorre, limita-se a retratar os BRICS como um instrumento da China para alcançar o poder mundial – como a PRE$$TITUTA Financial Times afirmou,

«Como as nações BRICS correm o risco de se tornarem satélites da China» FINANCAL TIMES – 26 DE JULHO DE 2023

ou banalizar o sucesso dos BRICS – de acordo com o NZZ,

“Explicamos no vídeo porque esta extensão promete apenas um sucesso limitado.” NZZ, 14 DE DEZEMBRO DE 2023

Observações preliminares sobre os números

Procedemos como sempre fazemos e desenvolvemos uma base baseada em fatos para uma discussão deste tópico.

O número de países membros dobrou em 1º de janeiro

Desde 1º de janeiro, Arábia Saudita, Irã, Emirados Árabes Unidos, Egito e Etiópia juntaram-se aos membros existentes (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) como novos membros.

Argentina recusa sua adesão

Em agosto de 2023, a Argentina foi convidada a se tornar país membro do BRICS. No entanto, o novo presidente da Argentina, Javier Milei, decidiu não aceitar este convite e contar com os EUA e ‘Dementia’ Joe para resgatar a sua economia, ao mesmo tempo que expressou o desejo de se converter ao judaísmo, tendo como seu “mestre” um rabino de Buenos Aires.

É impossível avaliar neste momento se esta decisão se revelará acertada. Para o segundo maior país da América do Sul, que já foi um dos países mais ricos do mundo e hoje não passa de uma república das bananas, espera-se que Milei consiga tirar a carroça do lamaçal profundo. Milei está lutando contra o establishment na Argentina, que levou o país economicamente à lona.

Esses ex-governantes são adversários sérios que lutam pelas sinecuras que Milei deve arrancar deles se quiser salvar a Argentina. Esperamos que Javier Milei consiga prevalecer e desejamos-lhe todo o sucesso e boa sorte. Os primeiros sinais de sucesso parecem estar a surgir: o país conseguiu reportar um orçamento positivo pela primeira vez no mês passado. Parece estar caminhando na direção certa.

Arábia Saudita

De acordo com relatos das PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação ocidentais, a Arábia Saudita ainda não está totalmente a bordo do BRICS. O ministro das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, teria dito à Reuters que “a Arábia Saudita ainda não respondeu ao convite para aderir ao BRICS. Ainda está sendo considerado”.

A Arábia Saudita, ou melhor, a família governante Saud, é aliada dos EUA desde o fim da Segunda Guerra Mundial, e esta relação foi ainda mais fortalecida desde o acordo do “ Petrodólar” em 1974. Desde que o senil Presidente ‘Dementia’ Joe Biden assumiu o poder, a relação com os EUA sofreu enormemente, ao mesmo tempo que a cooperação dos sauditas com a China e a Rússia se fortaleceu a um nível sem precedentes.

O problema que a Arábia Saudita tem agora são os investimentos gigantescos que o Estado e os seus investidores particulares têm feito, particularmente nos EUA e no Reino Unido. Os investimentos governamentais só nos EUA ascendem a mais de  35 bilhões de dólares  e os investimentos no Reino Unido rondam  os 75 bilhões de dólares .

Devido à situação geopolítica no mundo e à agressiva política de sanções do Ocidente, as preocupações da Arábia Saudita de que estes investimentos possam ser confiscados no caso de uma adesão aos BRICS são definitivamente justificadas. Como a Arábia Saudita é importante para os BRICS e a China ultrapassou os EUA como o maior parceiro comercial da Arábia Saudita, esperamos que os sauditas se juntem aos BRICS assim que a China possa assumir compromissos com os Sauditas no caso de expropriação via sanções do ocidente.

BRICS+5 em números – Mapa

Verde escuro BRICS até agosto de 2023 – verde claro – os novos membros do BRICS – Fonte: VoicefromRussia

Números

Nos nossos números, comparamos o BRICS+5 com o [a BESTA do] G-7 e o mundo como um todo para lhe dar uma ideia dos rácios. Os parâmetros que utilizamos são população, PIB (ajustado pelo poder de compra), produção de petróleo, produção de gás e produção de ouro.

Mostramos o produto nacional bruto ajustado pelo poder de compra. Se usarmos o dólar americano como medida do PIB, o poder econômico de um país fica distorcido: se quisermos medir a solidez financeira de forma realista, faz uma grande diferença se, por exemplo, um Big Mac em dólares americanos custar o dobro. em um lugar como em qualquer outro lugar.

O chamado Índice Big Mac é razão suficiente para usar números ajustados ao poder de compra ao comparar os números do PIB. A razão pela qual as PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação ocidentais utilizam os números não ajustados é puro marketing para disfarçar a desvalorização do dólar americano e fazê-lo parecer mais forte do que realmente é.

Gráficos

Representação gráfica das figuras – Fonte: VoicefromRussia.

Resultado provisório

Todos os fatores mostram que os BRICS+5 ultrapassam em muito o [a BESTA do] G-7 e parece incompreensível que o Ocidente esteja simplesmente suprimindo este fato. Uma olhada abaixo da superfície revela fatos que reforçam a impressão das figuras nuas.

Avaliação desses números

Produção de óleo

Os seguintes fatos adicionais devem ser tidos em consideração na avaliação dos números da produção de petróleo:

Em primeiro lugar, embora os EUA continuem a ser o maior produtor de petróleo do mundo, representando cerca de 18% da produção mundial, são também os que mais consomem petróleo, com uma quota superior a 20%. Isto significa que os EUA não conseguem atualmente cobrir o seu próprio consumo. Este fato por si só é uma razão convincente para os EUA pressionarem a Arábia Saudita a não aderir aos BRICS.

Em segundo lugar, os principais membros produtores de petróleo dos BRICS têm uma grande influência ou mesmo controle sobre a OPEP. Como os BRICS também controlam a OPEP e, portanto, controlam o preço e a distribuição de uma grande proporção do petróleo global, pode-se dizer que os BRICS têm uma posição de monopólio (indireta) da energia.

Em terceiro lugar, os custos de produção do petróleo dos EUA são cerca de 2,5 vezes superiores aos custos de produção do petróleo saudita. Estes fatores somados fortalecem, portanto, ainda mais a posição de poder dos BRICS no que diz respeito ao petróleo, inclusive com a OPEP tendo convidado a BRASIL a se filiar à mesma.

Gás natural

No que diz respeito ao gás natural, importa referir que com a adesão do Irã aos BRICS, os dois maiores produtores de gás natural do mundo são membros conjuntos dos BRICS: a Rússia e o Irã.

O maior produtor de gás não BRICS é o Qatar, que (ainda) é aliado dos EUA. Os BRICS são, portanto, também um verdadeiro centro de poder quando se trata de gás natural.

Ouro

No que diz respeito a produção de ouro, deve ser brevemente mencionado que a China e a Rússia são os números 1 e 2 na produção mundial de ouro, respetivamente. Menciono o ouro aqui porque há uma boa probabilidade de que o ouro volte a desempenhar um papel importante nos futuros sistemas monetários em algum momento – mais sobre isto abaixo.

Rússia ocupa a presidência dos BRICS em 2024

Mais de 220 conferências do BRICS serão realizadas na Rússia ao longo de 2024. Os temas são diversos: ciência, alta tecnologia, saúde, proteção ambiental, cultura, esporte, intercâmbio de jovens e sociedade civil.

As declarações do Presidente Putin no início do ano, no evento de abertura do BRICS 2024 em Moscou, foram interessantes. Mencionou diversas vezes a cooperação mais estreita entre os membros em questões de segurança. Parece que os BRICS+5 irão, portanto, não se concentrar apenas nos aspectos econômicos, mas também cada vez mais nos aspectos relacionados com a segurança e geopolítica. A aparente coordenação dos estados BRICS em relação ao atual conflito [Genocídio palestino] no Oriente Médio na ONU em Nova Iorque indica claramente uma estreita cooperação em questões não econômicas.

Várias fontes não oficiais relataram que a SCO (Organização de Cooperação de Xangai) está aproximando-se dos BRICS+5 e poderá até fundir-se com ele. Além da China, Índia, Cazaquistão, Quirguizistão, Paquistão, Rússia, Tajiquistão e Uzbequistão, o Irã também é membro da SCO desde Julho de 2023.

Isto é extremamente importante devido às crescentes tensões geopolíticas e aos dois grandes conflitos na Ucrânia e no Oriente Médio. Se estas duas organizações se fundissem, haveria um novo e enorme contrapeso à OTAN-G-7. A OTAN já é cada vez mais caracterizada pelos especialistas como um mero clube de conversa, especialmente devido ao seu desempenho no conflito na Ucrânia, que não foi um sucesso. Como resultado, a OTAN quase perdeu o seu potencial ameaçador. Se a fusão BRICS-SCO se tornar realidade, a OTAN acabaria por degenerar numa concha vazia “Acordada”, “Emissão Zero CO²”, ideologias Transgênero, transhumanista e LGBTQ+.

Pedidos formais de novos países para admissão ao BRICS+5

Candidatos

Argélia, Bahrein, Bangladesh, Bolívia, Cazaquistão, Cuba, Kuwait, Nigéria, Paquistão, Palestina, Senegal, Tailândia, Venezuela, Vietnam, e Bielorrússia [e por último a Colômbia] solicitaram formalmente a sua adesão.

Verde: BRICS 10 (verde claro Arábia Saudita) – Amarelo: pedidos formais de adesão

Figuras

Gráficos

Avaliação

Deve-se notar nesta lista de novos países que provavelmente nem todos os candidatos formais serão admitidos em 2024. Esta ilustração mostra o máximo e o amplo interesse formal nesta organização. Os pedidos de admissão de alguns países apresentam grande potencial de conflito com os EUA.

Na minha opinião, o maior potencial de conflito do ponto de vista americano é a possível adesão do México, de Cuba e da Venezuela e Colômbia. A adesão do México seria vista pelos EUA da mesma forma que o estacionamento soviético de mísseis nucleares em Cuba em 1962 – “inimigo à porta dos EUA”. Esta é provavelmente também a razão pela qual foi relatado em 3 de Março que o México ainda não tinha apresentado um pedido formal de adesão ao BRICS+5. O medo respira no pescoço dos mexicanos e os EUA exercem pressão nos bastidores.

Na Venezuela, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo, os EUA tentam há anos derrubar o presidente Maduro e instalar mais um fantoche. Em Agosto passado, não foi  suficiente obter a admissão e os EUA farão tudo o que estiver ao seu alcance para impedir a adesão deste gigante petrolífero. No entanto, os EUA estão em desvantagem com a população venezuelana, pois estão impondo sanções ao país sitiado para provocar um colapso e a aceitar que o povo venezuelano sofre de fome.

A lista de pedidos formais de novos países para admissão poderá, portanto, mudar consideravelmente entre agora e outubro, quando serão tomadas as decisões sobre quem será convidado para a cúpula anual do BRICS+5 em Kazan, na Rússia. O que é certo, porém, é que a BESTA do G-7 – especialmente os Estados Unidos – está dedicando enormes energias para abrandar o desenvolvimento dos BRICS+5. Na minha opinião, porém, esta organização já é demasiado poderosa para ser enfraquecida pelos psicopatas e loucos do Hospício do Ocidente.

BRICS+5 dá as costas ao dólar americano – O petrodólar – Fim do dólar americano como moeda de reserva internacional

O maior perigo desta comunidade cada vez mais forte é para com os EUA e seu mundo unipolar e imperialista. Discutimos muitas vezes que o petrodólar é o verdadeiro fundamento da supremacia americana e não das forças armadas americanas. É de importância existencial para os EUA que o comércio internacional, especialmente o comércio de energia, acima da de mercadorias, seja conduzido em dólares americanos. Explicamos o porquê.

O dólar americano como moeda comercial global significa que praticamente todos os países têm de manter dólares americanos em reserva para poderem liquidar as suas faturas comerciais. Isto torna o dólar americano uma moeda de reserva.

Contudo, os bancos centrais não detêm o dólar dos EUA em dinheiro, mas sim em títulos do governo dos EUA para ganhar juros. Isto faz dos bancos centrais mundiais os maiores compradores de títulos do governo dos EUA, independentemente de considerarem que são um bom investimento. Como resultado, os EUA podem refinanciar a sua dívida em termos que não se baseiam na força da economia dos EUA, mas sim nestas compras sistêmicas. O presidente francês, Giscard d’Estaing, descreveu acertadamente o petrodólar na década de 1970 como um “privilégio exorbitante”, pois leva ao refinanciamento automático do imperialismo dos EUA.

Abuso deste privilégio exorbitante

No entanto, os EUA têm abusado deste privilégio há décadas. Sempre que um país implementa algo que os EUA não gostam, ele fica isolado do dólar americano. Os EUA podem implementar isto sem problemas, já que todas as transações em dólares americanos passam pelos EUA. As consequências para o país em causa são catastróficas, uma vez que está efetivamente banido do comércio de mercadorias, excetuando-se a Rússia, que esta passando imune às sanções dos psicopatas do Hospício Ocidental.

Roubo de reservas do banco central russo

No entanto, ao bloquear as reservas de moeda estrangeira do banco central russo de US$ 300 bilhões em Março de 2023, os EUA ultrapassaram todos os limites, porque agora todo o Sul Global tem medo de deter dólares americanos, pois podem sofrer o mesmo destino. Embora todos os peritos jurídicos declarem que o congelamento já foi realizado sem uma base jurídica internacional, o Ocidente está prestes a dar um passo em frente e a preparar o confisco. Esta é a declaração inequívoca feita por Janet Yellen em 27 de fevereiro:

“Também acredito que é necessário e urgente que a nossa coligação encontre uma forma de desbloquear o valor destes ativos imobilizados para apoiar a resistência contínua da Ucrânia e a reconstrução a longo prazo.” JANET YELLEN NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA ANTES DO G-20 EM 27 DE FEVEREIRO DE 2024

A UE sob a liderança da vovó psicopata Ursula von der Leyen e até mesmo expoentes na Suíça estão preparando-se para pôr em prática este ataque roubo descarado planejado e, assim, não só continuar a bloquear estes fundos, mas também a roubá-los.

A desdolarização já está aqui

Até 2022, a Rússia conduziu 80% do seu comércio em dólares americanos e euros, 50% em dólares americanos. Hoje são apenas 13% e reduzindo. No mesmo período, a atividade comercial da Rússia em rublos e yuan aumentou de 3% para 34% em ambas as moedas.

Estes números são claramente o resultado das sanções contra a Rússia. No entanto, é um objetivo declarado de todos os países BRICS+5 não mais negociar entre si em dólares americanos, mas sim nas suas respectivas moedas nacionais.

Se olharmos para o tamanho actual dos BRICS – 36% do PIB global – isto irá anunciar uma revolução e desenvolvimento tectônico que se afasta do dólar americano; se somarmos os candidatos formais, esse número sobe para 42% do PIB global, será catastrófico para os EUA.

Segundo a Bloomberg, a utilização do dólar americano como moeda de reserva já está em colapso.

A queda do dólar – Fonte: Bloomberg

Consequências para os EUA

A desdolarização representa uma ameaça existencial para os EUA, uma vez que resultará na perda de compradores de títulos do governo dos EUA e, portanto, na capacidade dos EUA de refinanciar o seu orçamento nacional altamente deficitário. Dado que as obrigações do governo dos EUA são um produto como qualquer outro, cujo preço é determinado pela oferta e pela procura, um colapso na procura também leva a um colapso no preço dos títulos do governo dos EUA. À medida que a taxa de juro das obrigações se move inversamente ao preço, a taxa de juro das obrigações e, portanto, a inflação aumentarão.

A dívida nos EUA está atualmente acelerando a um ritmo sem precedentes. A dívida ascende atualmente a mais de 34 trilhões de dólares. Em breve, levará apenas um mês para acumular o próximo bilhão de juros das dívidas – apocalíptico.

Quando o Presidente Reagan estava no poder, a dívida total dos EUA ascendia a menos de 1 trilhão. Portanto, foram necessários pouco menos de 200 anos desde a sua independência para acumular o primeiro trilhão de dívidas; em breve esse montante de dívida será realidade dentro de APENAS um mês.

Uma das razões para isto é que os EUA já terão de pagar cerca de 1 trilhão de dólares (1.000.000.000.000) em pagamentos de juros da sua própria dívida só este ano. Isto é mais do que os EUA gastam em todas as suas despesas militares, o que é gigantesco por si só, uma vez que os EUA gastam mais dinheiro nas suas forças armadas do que os próximos 13 países juntos.

Se a vontade dos países do Sul Global, e em particular dos membros do BRICS+5, de comprar os seus títulos diminuir, os EUA, mais cedo ou mais tarde, encontrar-se-ão numa situação existencialmente perigosa ao extremo.

Moeda própria dos BRICS

Moeda de negociação

Fala-se muito sobre uma nova moeda que serviria como instrumento de pagamento e financiamento para os BRICS. Houve vozes – incluindo  James Rickards  – que estavam convencidas, em Agosto passado, de que uma moeda única dos BRICS seria criada já em 2023. Estávamos céticos quanto a este momento e acreditamos que levaria mais tempo, e tínhamos razão. No entanto, isso não significa que James Rickards estava errado, ele só chegou um pouco adiantado.

Vimos acima que os países BRICS já não utilizam o dólar americano entre si, utilizando antes as suas moedas nacionais.

Uso de moedas nacionais

A consequência disto é que os membros do BRICS acumulam moedas dos seus parceiros comerciais ao longo de um ano comercial se venderem mais bens do que compram. Exemplo: A Rússia e a Índia utilizam Rublos e Rúpias no seu comércio. Como a Rússia vende mais à Índia (especialmente matérias-primas) do que a Índia vende à Rússia, os russos estão sentados com grandes quantidades de rúpias no final do ano. Este problema surge regularmente em toda a região dos BRICS entre os vários membros do comércio bilateral quando se acumulam déficits ou excedentes.

Liquidação com ouro

Acredito que a utilização bilateral das moedas nacionais continuará por enquanto, mas que o primeiro passo será procurar um mecanismo para equilibrar estes excedentes ou déficits no final de um ano comercial.

O ouro é uma escolha óbvia aqui, não o ouro calculado em dólares americanos, rúpias ou rublos, mas o ouro em unidades de peso. As diferenças comerciais no final de um ano ou mês seriam liquidadas em ouro (kg ou toneladas). Se, neste caso, o ouro é realmente entregue fisicamente ou meramente registrado num livro-razão, depende da confiança entre as partes. Presumo também que, nesse caso, seriam abertos armazéns de ouro em vários locais da região dos BRICS, onde os países membros armazenariam o seu ouro e as suas participações seriam confirmadas por uma empresa de auditoria do BRICS.

Uma questão final seria então determinar a taxa de câmbio das moedas locais. Este parece ser um dos principais pontos de discórdia até agora.

Indicações de que a tendência é para o ouro

As evidências sempre vêm dos fatos. O mundo produz cerca de 3.000 toneladas de ouro por ano. De acordo com o Conselho Mundial do Ouro, os bancos centrais são compradores líquidos de ouro desde 2010 e a tendência nas compras de ouro dos BCs tem aumentado de forma constante nos últimos anos, especialmente em, países membros do BRICS.

É muito possível – e na minha opinião provável – que as reservas de ouro da China e da Rússia sejam muito maiores do que o relatado oficialmente pelos seus governos.

É evidente que os bancos centrais estão comprando mais ouro do que desde a década de 1960. Isto é uma indicação de que não estão apenas se armando contra a inflação, mas também para a liquidação de commodities e o colapso iminente do dólar.

Será interessante ver o que acontecerá exatamente este ano, mas presumo que na próxima cúpula dos BRICS, que terá lugar em Kazan, em Outubro, serão feitos anúncios que surpreenderão o Ocidente. Além dos novos membros, acredito que um sistema de compensação comercial como descrito acima ou ainda mais está dentro do campo de possibilidade de novas surpresas negativas para o ocidente.

Futuro dos BRICS – muitos novos membros. Observações preliminares

Olhando para o futuro, os BRICS têm o potencial de unir muitos países do Sul Global e eclipsar completamente o Hospício do Ocidente, a Besta do G-7/OTAN, “Acordada”, “Emissão Zero CO²”, ideologias Transgênero, transhumanista e LGBTQ+.

Compilamos os dados dos países que têm interesse em aderir ao BRICS. Isto é para o futuro, mas em tempos de tensões geopolíticas e conflitos militares, a história ensina-nos que muita coisa pode acontecer num curto espaço de tempo, especialmente depois de décadas, sem grandes mudanças. Por esta razão, estamos apenas fornecendo um quadro abaixo e não estamos fazendo quaisquer previsões relativamente ao cronograma, mas sim a deixar os números falarem por si e a abster-nos de comentar nesta fase.

Mapas

Verde: BRICS 10 – Amarelo: pedidos formais de adesão – Azul: países que demonstram interesse

Números

Gráficos

Conclusão

Depois de os BRICS se terem tornado BRICS+5 em Agosto passado, duplicando o número de membros e ultrapassando até agora o anterior colosso econômico G-7, o ano em curso deverá continuar a passos gigantescos. A distância em relação ao G-7 irá certamente aumentar ainda mais após a cúpula dos BRICS em Kazan. Ainda não se sabe quais dos países candidatos formais serão realmente convidados e, assim, se tornarão novos membros em 1º de janeiro de 2025.

Em nossa opinião, porém, uma coisa já é um fato: a hegemonia dos EUA chegará ao fim como resultado da desdolarização. A combinação de dívidas astronômicas, novos empréstimos desenfreados e o fato de cada vez mais países no Sul Global estarem a afastar-se do dólar dos EUA está acelerando o desaparecimento da hegemonia e imperialismo que ascendeu ao trono em 1945 e está prejudicando-se cada vez mais através da sua abordagem geopolítica agressiva.

Nenhuma potência mundial alguma vez saiu voluntária e pacificamente de sua condição. A postura agressiva dos EUA em relação à Rússia e à China e a sua adesão à aliança com um estado pária como Israel são de fato uma prova do comportamento agressivo da hegemonia doente.

Esta atitude poderá levar a uma guerra entre a Rússia e a OTAN na Ucrânia, onde ainda decorre um conflito local, tanto mais que os americanos têm estado até agora a caminho de incitar a França, a Grã-Bretanha e a Alemanha a travar uma guerra contra o urso gigante da Eurásia.

No Oriente Médio, a atitude é francamente perversa. Para não alienar os lobbies judeus nos EUA, que tradicionalmente têm uma grande influência controle total das eleições presidenciais, os EUA apoiam um genocídio dos palestinos em Gaza que foi claramente designado como tal pelo Tribunal Internacional de Justiça contra um país pária que NUNCA respeitou qualquer decisão de instancias superiores se forem contra os seus desígnios.

Além de considerações puramente eleitorais nos EUA, os EUA também apoiam Israel para não perder a sua última base de poder no Oriente Médio. Estes dois fins justificam obviamente os meios – e o meio é o genocídio dos palestinos pelo “povo eleito”. O ataque israelita ao Hezbollah no Líbano já começou, contra o Irã está em curso e por isso há cada vez menos possibilidades de um Oriente Médio não entrar em convulsão generalizada.

Finalmente, também os controladores dos EUA estão tentar provocar um conflito com a China sobre Taiwan – um conflito que seria travado entre chineses e que seria, portanto, uma guerra civil. A intenção da China de chegar a um acordo diplomático com Taiwan nos próximos 20 a 30 anos – esse era o plano – está em perigo devido à posição agressiva dos psicopatas em Washington.

O comportamento dos EUA é, infelizmente, típico – a queda está predeterminada, é inexorável, os fatos e números neste artigo provam-no. Ainda não se pode adivinhar se o fogo latente que já arde na sociedade americana provocará uma mudança e se será agressivo ou mais equilibrado. Teremos que esperar pelas eleições presidenciais nos EUA, mas muita coisa ainda pode acontecer até Novembro, inclusive a erupção de uma 3ª Guerra Mundial.

Para um geopolítico, o mundo dificilmente poderia ser mais emocionante – mas para a humanidade, um pouco menos de tensão e pressão seria uma bênção. Afinal, as pessoas sob pressão, especialmente os políticos, têm tendência a cometer grandes erros, pois são manipulados dos bastidores por um punhado de satânicos psicopatas.


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth