Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Cem funcionários do DoS assinam memorando dissidente dizendo que Biden é ‘Cúmplice do Genocídio’ em Gaza

Surgiu ainda outro memorando de dissidência maior do Departamento de Estado, que critica a forma como o presidente Biden esta lidando com a crise Israel-Gaza. O memorando obtido pelo Axios  é assinado por 100 funcionários do Departamento de Estado e da USAID e afirma sem rodeios que os Estados Unidos apoiam os “crimes de guerra” de Israel no genocídio da Faixa de Gaza.

Cem funcionários do DoS assinam memorando dissidente dizendo que Biden é ‘Cúmplice do Genocídio’ em Gaza

Fonte: AxiosZero Hedge

Axios observa que o memorando foi organizado por um oficial de relações exteriores que no passado recente fez declarações públicas dizendo que Biden é “cúmplice do genocídio” – dado o crescente número de mortos de civis palestinos, agora em mais de 11.200 habitantes de Gaza mortos desde 7 de outubro. O memorando caracteriza o ataque aéreo e terrestre israelita da seguinte forma:

“todos constituem crimes de guerra e/ou crimes contra a humanidade ao abrigo do direito internacional” – mas diz que é agravado pelo fato de os EUA duplicarem “a nossa inabalável assistência militar ao (governo israelita) sem linhas vermelhas claras ou acionáveis.

O contundente memorando vai diretamente contra [‘Dementia’ Joe] Biden, dizendo que ele está “espalhando desinformação” e que, em seu apoio sem reservas a Israel, o presidente é “cúmplice de crimes de guerra”. Quanto à acusação de “desinformação”, o memorando critica a Casa Branca por recentemente “questionar o número de mortes” emitido pelo Ministério da Saúde de Gaza .

Um memorando separado foi divulgado na semana passada pelo Politico que apresentava críticas semelhantes, mas este último memorando dissidente é o mais significativo até à data, dado o número de funcionários envolvidos.

Como solução potencial para a crise, os 100 funcionários do Departamento de Estado/USAID apelam à Casa Branca para pressionar pelo cessar-fogo. “Recomendamos fortemente que (o governo dos EUA) defenda a libertação de reféns tanto pelo Hamas como por (Israel)”, afirma, ao mesmo tempo que sublinha os “milhares” [mais de dez mil] de palestinos detidos em Israel, e muitos detidos “sem nenhuma acusação” legal.

O memorando também vai contra a equipe de segurança nacional de Biden no NSC. “Os membros da Casa Branca e (do Conselho de Segurança Nacional-NSC) demonstraram um claro desrespeito pelas vidas dos palestinos, uma relutância documentada em desescalar a escalada e, mesmo antes de 7 de Outubro, uma falta imprudente de visão estratégica”, afirma.

Axios fala sobre o contexto e como o memorando surgiu :

Desde a Guerra do Vietnam, o Departamento de Estado tem mantido um “canal dissidente” para dar aos diplomatas – em embaixadas distantes e na sede do departamento – uma forma de registrar a sua oposição às políticas do governo.

Desde o11 de setembro como unidade de medida até Dresden. Não tenho certeza se esta é a comparação que ele procurava aqui, já que o atentado de Dresden é frequentemente visto como um crime de guerra.

Separadamente, no início da semana, a CNN  informou  que diplomatas americanos no Oriente Médio enviaram um telegrama, entretanto divulgado, à Casa Branca alertando que o apoio total dos EUA à campanha militar de Israel  “está fazendo nós perdermos a simpatia do público árabe, pela próxima geração”. 

Semelhante ao novo memorando de dissidência, o telegrama ligava a política dos EUA à “culpabilidade material e moral naquilo que consideram possíveis crimes de guerra de Israel”. Afirmou também que, à medida que aumenta o número de mortos palestinos,  “estamos perdendo muito no campo de batalha das mensagens”. O telegrama também dizia: “A crueldade e o desrespeito do presidente Biden pelos palestinos excederam todos os presidentes anteriores dos EUA”.

Entretanto, a Casa Branca manteve-se inabalável no seu pedido ao Congresso para aprovar 14 bilhões de dólares em ajuda de segurança adicional para Israel para apoiar as suas operações militares de extermínio em Gaza.


“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores”.  Mateus 24:6-8


0 resposta

  1. É tanta loucura…tanta demência… tanta canalhice… Israel está defendendo-se… toma medidas preventivas antes de atacar… informando antecipadamente o ataque e criando rotas de fuga… quem usa hospitais… creches… escolas.. são os terroristas… quem bloqueia a saída/fuga dos habitantes de Gaza… são os mesmos terroristas… canalhice à enésima potência… desses defensores de terroristas que fecham os olhos para toda imundície e atos contra a humanidade… todos que estão fingindo se de mortos para encobrir as atrocidades também são co-terroristas…. quem cala, consente e apoia… portanto é também responsável…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *