Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

China Impõe confinamento para 51 milhões de chineses à medida que o Covid recrudesce

A China está enfrentando sua “pior crise de COVID” desde o início de 2020, quando o mundo testemunhou pela primeira vez uma população inteira bloqueada para conter o coronavírus em Wuhan e na província vizinha. Dois anos depois, agora está novamente colocando dezenas de milhões de pessoas em confinamento em toda a província de Jilin, no nordeste, onde vivem 24 milhões de pessoas, e nas cidades do sul de Shenzhen e Dongguan, com 17,5 milhões e 10 milhões, respectivamente, totalizando incríveis 51 milhões de chineses.

China Impõe confinamento para 51 milhões de chineses à medida que o Covid recrudesce

Fonte: abcnews.com

A China, o último grande país a perseguir incansavelmente uma política Covid-zero, registrou 1.437 casos [significa apenas 0,00284% da população de 51 milhões de zumbis, ops, habitantes bloqueados pelo PCC chinês !!! ] em dezenas de cidades na segunda-feira. Isso é um salto de quatro vezes em uma semana.

Embora os números recordes de casos estejam testando a resiliência da abordagem de não tolerância da China, não há sinal de que o país esteja disposto a ‘viver com o vírus’.

FOTO: Trabalhadores montam leitos para converter um centro de exposições em um hospital improvisado, após o surto de COVID-19 em Changchun, província de Jilin, China, em 12 de março de 2022.
Stringer/via ReutersTrabalhadores montam leitos para transformar um centro de exposições em um hospital improvisado em Changchun.

O epicentro do surto da variante omicron é a província de Jilin, no nordeste, onde foram registrados 895 casos, mas também há surtos e medidas de contenção em Xangai, a potência financeira, e Shenzhen, o centro de tecnologia do sul.

As autoridades anunciaram na tarde de segunda-feira que todas as 24 milhões de pessoas na província de Jilin entrariam em confinamento, incluindo a cidade anteriormente fechada de Changchun. É o primeiro bloqueio provincial desde Wuhan e Hubei em janeiro de 2020.

No domingo, a China ordenou a todos os 17,5 milhões de habitantes de Shenzhen um bloqueio de sete dias, com três rodadas de testes. Todo o transporte público está parado e todos os negócios, exceto os serviços essenciais, estarão fechados até 20 de março.

Como resultado, a Foxconn, fornecedora da Apple, fechou duas de suas fábricas na área e transferiu a produção para outro lugar.

O bloqueio e os surtos ameaçam a fabricação e a produção de tecnologia em Shenzhen, conhecida como Vale do Silício da China. É o lar da Huawei e da Tencent e abriga um dos principais portos do país.

FOTO: Moradores passeiam com seu cachorro por lojas fechadas na área de Huaqiangbei, o maior mercado de eletrônicos do mundo, em Shenzhen, província de Guangdong, no sul da China, em 14 de março de 2022.
Chinatopix Via AP. Moradores passeiam com seu cachorro por lojas fechadas na área de Huaqiangbei, o maior mercado eletrônico da cidade de Shenzen.

O professor Heiwai Tang, da Universidade de Hong Kong, disse à ABC News que não espera que esses bloqueios de uma semana tenham um impacto significativo no produto interno bruto do país.

Parece que os bloqueios serão mais curtos desta vez com mais rastreamento, o que significa uma pequena interrupção no trabalho e na produção”, disse Tang. “Se acabar por semanas, é outro problema, incluindo riscos de inflação”.

O professor Michael Song, da Universidade Chinesa de Hong Kong, estimou que o bloqueio de dois meses em Wuhan custou à China 2% de seu PIB.

Há imensa pressão sobre as autoridades locais para conter o vírus, com a mídia estatal relatando que o prefeito da cidade de Jilin e o chefe da comissão de saúde da cidade de Changchun foram demitidos de suas funções no fim de semana.

FOTO: Um homem é submetido a testes durante um teste em massa em toda a cidade para COVID-19 em Changchun, província de Jilin, China, em 13 de março de 2022.
Stringer/via Reuters. Um homem é submetido a testes durante um teste em massa em toda a cidade para COVID-19 em Changchun, província de Jilin 

O virologista de Xangai Zhang Wenhong chamou o surto de “o momento mais difícil nos últimos dois anos” dos esforços da China para acabar com o vírus. Até agora, Xangai evitou um bloqueio em grande escala.

Do outro lado da fronteira de Shenzhen, a vizinha Hong Kong também está enfrentando sua onda mais mortal até agora, impulsionada pela Omicron. Hong Kong registrou 26.908 casos e mais 286 mortes na segunda-feira, disseram autoridades. A taxa de mortalidade de Hong Kong é a mais alta do mundo desenvolvido, em parte por causa das baixas taxas de vacinação entre os idosos. MAIS: Hong Kong dobra a política ‘Zero COVID’, à medida que a taxa de mortalidade sobe para a mais alta do mundo

Mega instalações de isolamento estão sendo construídas em Hong Kong para pessoas com casos leves. Uma unidade, com 3.900 leitos, foi construída em uma semana. A ABC News testemunhou vários ônibus cheios de pessoas chegando à instalação de toda a cidade.

FOTO: Um voluntário desinfeta a área enquanto neva durante o bloqueio do COVID-19 em Changchun, na província de Jilin, nordeste da China, em 12 de março de 2022.
Chinatopix Via AP. Um voluntário desinfeta a área enquanto neva durante o bloqueio do COVID-19 em Changchun.

Autointitulada “cidade mundial da Ásia”, Hong Kong está passando por rigorosas medidas de distanciamento social e ainda tem medidas rígidas de fronteira, levando a um êxodo de expatriados. Muitas empresas estão fechadas até o final de abril.

A tensão de saúde mental do bloqueio estrito também se tornou aparente. No mês passado, a polícia relatou três tentativas de suicídio em 27 horas em um dos campos de quarentena.

A China registrou 1.437 casos de COVID em dezenas de cidades na segunda-feira, o que equivale a um aumento de quatro vezes no período de uma semana, não houve divulgação de número de mortos, aumento de hospitalizações, etc, apenas os comunistas fecharam uma parte do pais de novo em nome do “combate à pandemia” . . .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *