browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cientista alerta NASA sobre o perigo de asteroides ‘furtivos’ destruidores de civilizações

Posted by on 05/10/2019

BENNU é um asteroide Apollo descoberto pela LINEAR em 11 de setembro de 1999. O asteroide é o alvo planejado da sonda OSIRIS-REx que foi lançada em 2016 e irá retornar à Terra com algumas amostras para um estudo aprofundado. A previsão é que a sonda Osiris-Rex retorne em setembro de 2023. O asteroide possui um grande potencial de atingir a Terra e está listado na Tabela de Risco Sentry.  Com um diâmetro de aproximadamente 500 metros, o Bennu é observado extensivamente com o radar planetário do Arecibo Observatory e o Deep Space NetworkGoldstone. Um recente estudo dinâmico feito por Andrea Milani e seus colaboradores localizaram uma série de oito impactos potenciais com a Terra entre os anos de 2169 e 2199.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Extinção humana: Cientista alerta NASA sobre asteroides ‘furtivos’ destruidores de civilizações

Fonte:  https://br.sputniknews.com/  –  https://www.express.co.uk/

Um aviso foi emitido à NASA sobre as possíveis implicações de se tentar desviar um asteroide vindo em direção à Terra, caso este passe furtivamente pelas defesas da agência espacial e rume para um impacto profundo com alguma região do planeta.

A NASA está constantemente observando os céus, categorizando quaisquer Objetos Próximos à Terra (NEOs) como Objetos Potencialmente Perigosos (PHO), caso possam constituir uma ameaça à vida no nosso planeta, escreve o tabloide britânico Express.

Natalie Starkey warned NASA over their plan

A cosmoquímica Dra. Natalie Starkey alertou a NASA sobre seu plano de interceptação de asteroides (Imagem NATALIE STARKEY)

Embora aqueles que têm a capacidade de passar pela defesa da NASA não acabem com a vida na Terra, eles têm o potencial de destruir cidades e afetar milhões de pessoas.

Impactador cinético

A cosmoquímica Dra. Natalie Starkey enviou um terrível aviso à humanidade, explicando como a agência espacial norte-americana pode deixar passar despercebido um pedaço de rocha espacial no céu.

“No caso de termos, no máximo, alguns meses de aviso de um impacto iminente, precisaríamos nos concentrar nas medidas menos precisas e mais drásticas de desvio ou destruição […] Se quisermos explodir algo que ruma para impactar à Terra, então precisamos pensar nos estilhaços que seriam produzidos pela explosão, o tamanho deles e onde eles iriam parar”, conta a especialista.

Hollywood, sempre “bem informada”, já produziu obras que alertam aos que estão “despertando” para o que iremos enfrentar muito em breve:

Starkey sugere que se pode “considerar projetar um grande impactador cinético, como uma bala de canhão, um míssil em direção ao objeto para alterar drasticamente seu rumo ou destruí-lo completamente em pedaços“.

Efeito adverso

No entanto, a cientista enviou um aviso à NASA revelando que o seu plano pode ter um efeito adverso.

“A NASA sugere que um simples impactador cinético é ‘a abordagem mais madura’ para desviar um NEO, desde que consista de um corpo pequeno e único […] Dependendo da composição do objeto espacial, este pode se fragmentar em pequenos pedaços com tamanho de poeira, que poderiam cair e chover sobre a Terra, ou pode partir-se em apenas alguns pedaços grandes que, se se dirigirem para um impacto com a Terra, podem piorar a situação”, afirma.

Segundo a Drª Starkey, um dia assistiremos um evento de asteroide “destruidor de vida” semelhante ao que exterminou os dinossauros.
Four asteroids that pose a threat

“Há uma ameaça de que nós, como humanos, poderíamos ser extintos se um asteroide colidisse com a Terra […] A perspectiva de o nosso planeta sofrer um impacto devastador e destruidor de vidas por um cometa ou um asteroide pode parecer altamente improvável, mas é algo que quase certamente vai acontecer em algum momento no futuro”, conclui a cosmoquímica.

Ela disse ao Universe Today ainda em 2010 “A probabilidade total de impacto do Asteroide Bennu 1999 RQ36 pode ser estimada em 0,00092 aproximadamente uma chance em mil, mas o mais surpreendente é que mais da metade dessa chance (0,00054) corresponde ao ano 2182″

No entanto, como todos os asteroides que representam uma ameaça à vida na Terra, a NASA desenvolve um plano para combatê-lo. A agência espacial está atualmente executando uma missão com sua espaçonave OSIRIS-REx para descobrir mais sobre essa imensa rocha com cerca de 560 metros de diâmetro.

A sonda OSIRIS-REx passou dois anos perseguindo Bennu antes de orbitar o asteroide por mais dois anos, inclusive colhendo amostras para se descobrir a sua composição. Então, no ano de 2023, o imenso asteroide Bennu voltará à Terra para permitir que cientistas de todo o mundo o estudem.

A equipe da missão OSIRIS-REx está particularmente interessada em aprender o papel que asteróides como o Bennu – primitivo escuro e aparentemente rico em carbono – podem ter desempenhado um papel na criação e/ou destruição da vida na Terra. Também ajudará os cientistas a refinar seus cálculos para determinar as chances de um ataque na Terra e assim poder evitá-lo.


Elemento químico demonstraria que Terra sofreu ‘impacto cósmico’ 12.800 anos atrás. {comprovando que o risco de queda de um grande asteroide é muito verdadeiro, pois já aconteceu, em vários momentos na história de nosso planeta.}

Fonte: https://br.sputniknews.com/

Um grupo de cientistas encontrou um excesso de platina no material sedimentar extraído de depósitos localizados na África do Sul, o que demostraria que a Terra sofreu “um impacto cósmico” cerca de 12.800 anos atrás.

Segundo uma recente publicação na revista científica Palaeontologia Africana, o material sedimentar extraído de depósitos de turfa localizados em Wonderkrater (Limpopo, África do Sul) demostraria que a Terra sofreu “um impacto cósmico” 12.800 anos atrás.

Recentemente tivemos uma amostra dos efeitos da queda de um asteroide na Terra no evento registrado em Chelyabinski, nos montes Urais, na Rússia, que causou grandes estragos e feriu cerca de 1500 pessoas apenas com os efeitos da onda de choque da explosão do objeto ao penetrar na atmosfera da Terra.FONTE

Esta descoberta apoia a teoria segundo a qual o cometa Clovis colidiu com o nosso planeta cerca de 13 milênios atrás e que isso deu início a uma etapa de resfriamento no fim do Pleistoceno, entre 12.800 e 11.500 anos, provocando a extinção de muitas espécies animais.

A platina analisada costuma estar presente em meteoritos e corresponderia a esse período. A equipe dirigida por Francis Thackerey afirma que o impacto de “um objeto desintegrado suficientemente grande” poderia ter espalhado esse elemento químico por todo o mundo.

Descobertas similares

Os cientistas já tinham encontrado restos similares na América, Europa e no Oriente Médio, mas é a primeira vez que se encontra uma possível evidência desse acontecimento na África.

Os Mamutes foram um dos animais extintos durante este último evento há cerca de 13 mil anos atrás.

‘Hipóteses controversas’

“Nossa descoberta apoia, pelo menos parcialmente, a hipótese muito controversa do impacto do Dryas Recente [breve fase de clima frio no final do Pleistoceno]”, mas é preciso “investigar seriamente” se a queda de um asteroide em algum lugar da Terra provocou alterações climáticas globais e contribuiu para a extinção de grandes animais após a última Idade do Gelo, explica Thackeray.

Por sua parte, o geólogo estadunidense Allen West destaca a importância desta investigação porque sugere que o Dryas Recente “teve efeitos globais“, enquanto outros cientistas que não concordam com a teoria argumentam que existe uma “discrepância” de datas entre os vários lugares analisados.


{N.T.: Nos registros de um antiquíssimo Templo budista em LHASA, no TIBET, há para ser visto uma antiga inscrição caldéia inscrita cerca de 2.000 anos a.C. (ou mais antiga ainda…) onde se pode ler:

Quando a estrela Baal caiu sobre o lugar onde agora é só mar e céu (Oceano Atlântico Norte), as sete cidades com suas portas de ouro e seus templos transparentes (Atlântida) tremeram e balançaram como as folhas de uma árvore na tempestade. E eis que um dilúvio de fogo e fumaça surgiu a partir dos palácios, a agonia e os gritos da multidão preencheram o ar. Eles procuraram refúgio em seus templos e cidadelas e o sábio Mu, o hierático sacerdote de Ra-Mu, se levantou e lhes disse:

“Será que eu não previ tudo isso”?

fluxo-piroclássico-vesuvio-pompeia-movimento

E as mulheres e os homens em suas roupas brilhantes e elegantes, usando suas pedras preciosas se lamentavam:

“Mu, salve-nos.”

E Mu respondeu:

“Vocês morrerão junto com os seus escravos e suas riquezas materiais e de suas cinzas surgirão novas nações. E se eles (a civilização ATUAL) também se esquecerem que são superiores, não por causa do que eles usam ou possuem, mas do (bem e a Luz) que eles colocarem para fora de si mesmos, a mesma sorte  vai cair sobre eles!”

As chamas e o fumo sufocaram as palavras de Mu. A terra das sete cidades e seus habitantes foram despedaçados e engolidos para as profundezas do oceano revolto em poucos dias”.}

Deus é a Verdade e a Luz é Sua sombraPlatão


Mais informações sobre ATLÂNTIDA-AGHARTA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Cientista alerta NASA sobre o perigo de asteroides ‘furtivos’ destruidores de civilizações

  1. Silvio J. B. Maia

    Mesmo em verdadeira cegueira paranormal alvo das advertências de Cristo (Conhecereis a verdade e ela vos libertará) e de Kardec (Armem-se do conhecimento) entre outros toques, incrível como à luz da lógica e do bom senso a imbecilidade cientificista possa supor estejam os corpos celestes todos ao léu para chocarem-se por conta do acaso aqui e ali!
    NADA, ABSOLUTAMENTE NADA, PODE OCORRER FORA DO CONTROLE SIDERAL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.