browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cientista de Harvard preso por transferência de segredos para laboratório de Wuhan na China

Posted by on 19/02/2020

O governo Trump está adotando táticas cada vez mais agressivas em sua tentativa de combater o roubo chinês de segredos intelectuais, comerciais com a prisão de um proeminente professor de Harvard Univesity e investigações de alto perfil nas principais universidades. 

De fato, Trump informou aos chineses que os EUA prendeu três indivíduos em conexão com o ataque de armas biológicas à China, incluindo o… judeu khazar Dr. Charles Lieber, 60 anos, presidente do Departamento de Química e Biologia Química da Universidade de Harvard .

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

EUA visam professor e Harvard University a respeito de “financiamento chinês” em meio a medo crescente de vazamentos de propriedade intelectual

Fonte:  https://www.scmp.com/news/china/article/3051226/us-sets-sights-harvard-professor-and-universities-over-chinese-funding

Por Mark Magnier

  • Cientista Charles Lieber, esta sendo acusado de mentir sobre seus laços com a China, recebia US$ 50.000 por mês e US$ 1,5 milhão para iniciar um laboratório de pesquisa em Wuhan, alegam os promotores
  • “Esta é uma nova frente”, diz um especialista. “Este alerta é muito mais alto por causa de quem é essa pessoa, sua etnia [um judeu khazar] e a instituição para a qual ele trabalha”
  • Em 28 de janeiro de 2020, Lieber foi preso por acusações de fazer falsas declarações ao Departamento de Defesa dos EUA e a investigadores de Harvard sobre sua participação no Programa de Mil Talentos da China. O programa foi criado pelo governo chinês para pagar a cientistas estrangeiros o acesso a suas pesquisas. Além disso, sua casa foi invadida pelo FBI .

A ação contra um dos principais cientistas do país – Charles Lieber, presidente do departamento de química de Harvard – e a ameaça de acusações criminais contra as instituições de Harvard, Yale e outras “universidades de prestígio” por denunciar violações causaram ondas de choque no meio científico.

Ao contrário de muitos outros casos recentes envolvendo cientistas de ascendência chinesa, Lieber é um caucasiano judeu khazar. Ele e as principais universidades também estão sendo acusadas de não divulgar laços com a China, em vez de espionagem ou roubo industrial.

“Qualquer um que tenha colaborado com colegas chineses pode se tornar um alvo. E uma vez que você se torna um alvo, não é bonito”.  –  Xiaoxing Xi, professor de física da Temple University

“Agora isso afeta a todos”, acrescentou Koizumi, “não apenas chineses ou outros asiáticos como eu”.

Mas a posição de endurecimento do governo Trump também está questionando o custo da competitividade americana, se os pesquisadores intimidados pararem de colaborar com os principais talentos estrangeiros, especialmente estudantes e cientistas chineses.

“Eles não querem ser a próxima manchete”, disse Toby Smith, diretor de políticas da Associação Americana de Universidades. “Isso pode ter um efeito realmente assustador.”

Andrew Lelling, advogado dos EUA do distrito de Massachusetts, que interpôs o caso contra Lieber, disse em entrevista que o Departamento de Justiça não procurou o caso. “Não escolhemos a pessoa, escolhemos a conduta dele”, disse ele.

Lelling reconheceu, no entanto, que teve um efeito dissuasor bem-vindo. Isso foi ampliado pelas investigações do Departamento de Educação dos EUA sobre as principais faculdades e universidades por não divulgarem cerca de U $ 6,5 bilhões em doações estrangeiras da China e de outros países, em uma clara violação à lei federal dos EUA.

O caso Lieber virou manchete e ponta de lança em parte por causa das enormes somas que a China está disposta a gastar para “atrair os melhores talentos” americanos e usar [ou “comprar” para quem estiver disposto a vender, como parece ter sido o caso de Lieber] os seus conhecimentos.

De acordo com a acusação criminal, Charles Lieber recebia US$ 50.000 por mês em salário, até US$ 158.000 em despesas anuais e mais de US$ 1,5 milhão para iniciar um laboratório de pesquisa na Universidade de Tecnologia de Wuhan (WUT). Segundo informações, isso foi planejado através do Plano de Mil Talentos de Pequim, lançado em 2008 para “recrutar” cientistas estrangeiros.

Charles Lieber deixa o tribunal federal em Boston em 30 de janeiro, depois que ele foi acusado de mentir sobre seus supostos vínculos com o governo chinês. Foto: Reuters

Cientista Dr. Charles Lieber deixa o tribunal federal em Boston em 30 de janeiro, após pagar fiança de US$ 1 milhão, depois que ele foi acusado de mentir sobre seus supostos “vínculos” com o governo chinês. Foto: Reuters

“É o suficiente para chamar minha atenção e de todos os outros”, disse Koizumi. “Você poderia dizer que perdeu um orçamento de viagem de US$ 5.000 para Pequim. Mas ninguém perde um laboratório inteiro em Wuhan”.

A revelação inadequada das universidades de doações estrangeiras pelas universidades parece mais um resultado de relatórios negligentes do que subterfúgios intencionais, disseram analistas. Mas as evidências sugerem fortemente que Lieber, que publicou mais de 340 artigos em revistas especializadas, e que em 2011, Lieber foi reconhecido pela Thomson Reuters como o principal químico do mundo na década 2000-2010, com base no impacto de suas publicações científicas. Mas ele escondeu dos organismos dos EUA conscientemente os seus vínculos, trabalho e financiamento na China, disse Lelling.

Segundo a acusação, ele recebeu metade do dinheiro em moeda americana e manteve o restante no exterior em uma conta bancária chinesa. “Ajudaremos você a trocar o dinheiro quando você vier a Wuhan”, escreveu o representante de Wuhan em 2017, diz a acusação.

A acusação alega ainda que Lieber negou a Harvard em 2018 e, posteriormente, ao Departamento de Defesa que ele trabalhava para Pequim como um “cientista estratégico” desde 2012. A negação foi repassada aos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), que financia US$ 39 bilhões na pesquisa americana anualmente.

“Perdi muito sono me preocupando com todas essas coisas na noite passada”, escreveu Lieber a um pesquisador associado em 2018, diz o documento de cobrança. “Terei cuidado com o que discutir com a Universidade de Harvard, e nada disso será compartilhado com investigadores do governo”.

Na mesma época em que trabalhava para os chineses, sendo muito bem pago, ele recebeu US$ 15 milhões em financiamento dos órgãos de pesquisa dos EUA, do NIH e do Departamento de Defesa, acrescentou.

A experiência de Charles Lieber em nanotecnologia, a manipulação de moléculas, promete revolucionar o consumo de energia, a manufatura e as tecnologias verdes, potencialmente afetando muitos setores estratégicos do projeto “Made in China 2025” de Pequim para melhorar sua economia.

Ele foi acusado de um crime por fazer declarações falsas para agências do governo dos EUA e pode pegar até cinco anos de prisão e uma multa máxima de US$ 250.000. Ele ainda não entrou com um pedido e está livre após pagar uma fiança de US$ 1 milhão.

Lieber não foi encontrado e seus advogados não responderam a um pedido de comentário. O WUT também não respondeu; seu site diz “sem conteúdo” sob o título “Recrutamento de especialistas estrangeiros”. 

A prisão de Lieber se encaixa na agressiva “Iniciativa China” de Washington, que começou em 2018. No início deste mês, o governo Trump lançou uma estratégia de contra-inteligência de “toda a sociedade” para se proteger ainda mais de Pequim por “estar roubando nossa tecnologia e propriedade intelectual, em um esforço para corroer a superioridade econômica e militar dos Estados Unidos”, afirmou o governo [algo que foi feito em larga escala durante o governo de Clinton e Obama].

O roubo chinês de propriedade intelectual custa aos Estados Unidos até US$ 600 bilhões por ano, segundo dados de representantes comerciais dos EUA. Os funcionários do FBI caracterizam o “establishment científico da academia” como um elo fraco em seus esforços para conter as perdas.

“O governo chinês não segue as mesmas regras de justiça e liberdade acadêmica” disse  diretor do FBI Christopher Wray em discurso em 7 de fevereiro. “Eles [os chineses] estão fazendo o possível para explorar a abertura do nosso sistema”.  Acadêmicos e especialistas jurídicos reconhecem a crescente ameaça da China e admitem que precisam de mais salvaguardas para evitar se tornar “um peão” nas mãos de Pequim.

Mas transformar universidades em fortalezas e zelosamente proteger a pesquisa básica é contraproducente, ameaçando minar a liderança econômica e a inovação que Washington busca, argumentam eles. Os observadores acadêmicos dizem que há muito tempo alertam os pesquisadores de que os padrões estão sendo mais rigorosos – até agora, os programas de talentos estrangeiros eram vistos como prestigiados – à medida que a desconfiança de Washington em relação a Pequim aumentava. Mas suas advertências eram frequentemente ignoradas, acrescentam.

“O caso Lieber foi a maior ajuda possível”, disse Mary Sue Coleman, presidente da Associação Americana de Universidades. “Antes dessa visão, se você não é um cidadão chinês, não é um cidadão americano naturalizado, isso não afetava você.”

Entradas em ação, as universidades estão se esforçando para definir melhor os conflitos de interesse, monitorar mais de perto os visitantes dos campus universitários, integrar melhor os departamentos de viagens e segurança, lidar com pedidos de subsídios por meio de um único escritório e examinar com mais atenção os “presentes” estrangeiros.

Susan Wyatt Sedwick, uma veterana administradora de subsídios federais para pesquisa nas universidades dos EUA, disse que todos os principais escândalos acadêmicos levam a mais burocracia e restrições de financiamento que irritam os cientistas. “Acho que pastorear gatos pode ser mais fácil”, disse ela. “É como pastorear peixes.”

A maioria dos maus atores tende a ser motivada por dinheiro, ideologia, ego ou por ter sido comprometida, mas as alegações do laboratório criado nas sombras por Lieber e os enormes pagamentos ocultos que ele recebeu diferenciam esse caso [os valores significam que “ALGO” importante se passou para os chineses], acrescentou. “Acho que isso é mais sobre ego do que sobre dinheiro”, disse ela. Mas os acadêmicos também apontam problemas com a ciência americana.

A atração de realizar pesquisas básicas de ponta e bem financiadas no exterior sem toda “a burocracia” dos EUA, embora dificilmente seja uma desculpa, é atraente. Isso é especialmente verdadeiro porque o NIH e outros financiadores evitam projetos de alto risco e alta recompensa, acrescentam alguns críticos.

“Estamos ouvindo muitas reclamações de pesquisadores norte-americanos de que pouca porcentagem das doações é financiada”, disse Ali Nouri, presidente da Federação de Cientistas Americanos. “Mas a China também precisa seguir as regras.”  Um estudo de 2018 da Federal Demonstration Partnership, um grupo de doadores e beneficiários, descobriu que os cientistas passavam 44,3% de seu tempo em tarefas administrativas que não são de pesquisa, contra 42,3% em 2012.

Enquanto as alegações contra Lieber parecem condenatórias e com base, o Departamento de Justiça pode ter sua própria agenda, disse Xiaoxing Xi, professor de física da Universidade Temple. “Na minha própria experiência, o que eles dizem não é necessariamente verdade”, disse ele. “Não ouvimos o lado de Charles Lieber da história”.

Preso por agentes do FBI à mão armada na frente de sua esposa e filha em 2015, Xi foi acusado de roubar tecnologia de ponta para impulsionar a indústria de semicondutores da China. Alguns meses depois, seu caso foi arquivado, aparentemente por evidências insuficientes.

O NIH reconheceu em um e-mail que os pedidos de financiamento podem ser onerosos, mas negou que os EUA punam os pesquisadores por “erros honestos”. “Quando um pedido de subvenção deturpa, fabrica ou falsifica informações ou dados, pode ser considerado uma violação grave da Lei”, acrescentou.

Lelling disse de maneira mais franca: “Você pode receber dinheiro dos chineses. Mas você não pode mentir sobre isso. Se você mente, e está no processo de concessão de subsídios do NIH, isto é um crime”.  Embora o FBI e o Departamento de Justiça tenham perseguido processos de espionagem econômica contra a China há muito tempo, agora eles têm os recursos e o momento para atingir a “massa crítica”, disse ele.

Agentes do FBI estão investigando cerca de 1.000 casos relacionados à China em seus 56 escritórios de campo, disse Wray, enquanto advogados dos EUA em cinco cidades supervisionam seus processos. As autoridades policiais prenderam 19 pessoas nesses casos desde outubro, em comparação com 24 no ano anterior.

Lelling negou qualquer viés de administração na escolha de quais casos relacionados à China investigariam e processariam. Investigar muitos estudantes chineses de Lieber sem causa específica, por exemplo, seria problemático, disse ele. “Este não é um perfil racial”, disse o advogado dos EUA. “Você tem um estado-nação rival composto por quase 100% dos chineses han. Infelizmente, haverá uma tremenda sobreposição. Estamos procurando primeiro a conduta, depois a pessoa”.

O Departamento de Justiça dos EUA está ciente da resistência que enfrentou nos casos da Iniciativa Chinesa, e sua acusação muito detalhada de Lieber, de 17 páginas, é uma resposta consciente a esse ceticismo, disse Lelling. Ele está fazendo mais divulgação e espera que as universidades americanas denunciem voluntariamente circunstâncias suspeitas relacionadas a Pequim, disse ele.

O caso Lieber colocou os holofotes sobre o “programa” Mil Talentos da China e outros programas de “recrutamento”.  Matt Brazil, co-autor de Espionagem Comunista Chinesa: Uma cartilha de inteligência , disse que foi apenas a mais recente de muitas tentativas cada vez mais bem financiadas, desde a revolução de 1949 e anteriores, de impulsionar o desenvolvimento usando [a compra, roubo, cópia, etc, de] tecnologias estrangeiras.

Francis Boyle é professor de direito internacional na Faculdade de Direito da Universidade de Illinois. Ele elaborou a legislação de implementação doméstica dos EUA para a Convenção de Armas Biológicas, conhecida como Lei Antiterrorismo de Armas Biológicas de 1989, que foi aprovada por unanimidade pelas duas Casas do Congresso dos EUA e sancionada pelo presidente George H.W. Bush. FONTE

Em um primeiro golpe, Qian Xuesen, um famoso cientista de foguetes da Califórnia, retornou à China em 1955, depois de ter sido alvo durante a era antimaccartista de McCarthy para se tornar o pai do programa de mísseis da China. Mas eles também incluem esforços desastrosos como o Grande Salto Adiante, acrescentou o senhor Brazil.

Ele disse que Pequim agora parece estar direcionando mais dinheiro e impulso para o “recrutamento” de talentos estrangeiros mais do que nunca, a julgar pelas recentes acusações contra Charles Lieber e outros. “Se a culpa for estabelecida, suspeito que este caso não seria apenas um caso extremo”, afirmou Brazil.  Koizumi, que passou anos nas negociações sino-americanas na Casa Branca, disse esperar que Pequim mude táticas e métodos de recrutamento, dada toda a atenção em seus programas de talentos estrangeiros, acrescentando: “Eles sempre foram bastante adaptáveis”.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e PESTES, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”Mateus 24:6-13


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com

 

One Response to Cientista de Harvard preso por transferência de segredos para laboratório de Wuhan na China

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.