Clima: O gelo da Antártida está diminuindo drasticamente e não sabemos por que ?

Estudo, publicado segunda-feira no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, foi baseado em dados do satélite meteorológico Nimbus 7, lançado pela Nasa em 1978. Ele mostra o contraste entre a cobertura recorde da Antártida em 2014 e baixas recordes registradas em 2017.  “Foi apenas três anos depois que tivemos uma baixa recorde, o que é uma mudança bastante rápida”, disse Parkinson. “A magnitude dessa redução de 2014 para 2017 foi maior do que a diminuição que aconteceu no Ártico em mais de 30 anos”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O gelo do mar antártico está diminuindo drasticamente e não sabemos por que ?

Fonte:  https://www.newscientist.com/

Décadas de expansão do gelo marinho na Antártida foram aniquiladas por três anos de declínios súbitos e degelos dramáticos, deixando os cientistas intrigados sobre o motivo pelo qual a situação da cobertura do gelo na região virou tão drástica e abruptamente.

Uma nova análise de satélite revela que, entre 2014 e 2017, a extensão do gelo marinho no hemisfério sul sofreu uma redução anual sem precedentes, deixando a área coberta pelo gelo marinho no seu ponto mais baixo em 40 anos. Os declínios foram tão grandes que superaram as perdas no Árctico de derretimento rápido durante o mesmo período. “É muito surpreendente. Nós simplesmente nunca vimos diminuições assim em nenhum dos hemisférios”, diz Claire Parkinson, do Centro Espacial Goddard, da NASA, que realizou a análise.

No entanto, os pesquisadores alertaram contra a fixação das mudanças na mudança climática e disseram que é muito cedo para dizer se o encolhimento é o início de uma tendência de longo prazo ou um pontinho.

“Houve um período na década de 1970, quando a Antártida também teve uma queda enorme no gelo marinho e que depois aumentou. Então, pode ser que essa queda enorme ao longo de alguns anos [2014-2017] seja revertida ”, diz Parkinson. Houve um aumento modesto entre 2017 e 2018, mas a extensão do gelo do mar, desde então, caiu novamente e hoje está em um recorde abaixo para esta época do ano, pois é o meio do inverno no hemisfério sul.

O declínio pode ser apenas a variabilidade natural, impulsionada pela mudança nos padrões de vento que influenciam a extensão do gelo do mar Antártico, diz Mark Serreze, diretor do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos EUA. “Argumentar que esta recente queda é uma evidência do início de um declínio a longo prazo, impulsionado pelo aquecimento do efeito estufa, ainda é prematuro”.

Os padrões de vento, o buraco na camada de ozônio e o fenômeno climático El Niño desempenham um papel fundamental na afetação do gelo marinho antártico que, ao contrário do Ártico, vinha crescendo há décadas.  Pesquisadores estão tentando descobrir por que a tendência mudou, diz Kaitlin Naughten, da British Antarctic Survey.

O derretimento do gelo marinho antártico não aumenta a elevação do nível do mar porque o gelo já está na água. No entanto, o fenômeno é ruim para a vida selvagem, como pinguins que dependem dele. Também contribui para o aquecimento global, porque o gelo do mar reflete grande parte da energia do sol de volta ao espaço, enquanto a água escura o absorve, aquecendo-a. “O gelo do mar {quando derrete} tem um enorme impacto no clima a esse respeito”, diz Parkinson.

gelo marinho
A quantidade de cobertura do gelo do mar Antártico está caindo rápido Stephen Alvarez / Getty

Mas os cientistas concordaram que mais pesquisas são necessárias para entender melhor o aumento e a diminuição do gelo marinho.

“Agora temos 40 anos de dados, para que possamos olhar de forma mais holística para as interações entre os trópicos e as regiões polares, o gelo e a atmosfera”, disse Julie Arblaster, cientista da Monash University em Melbourne, Austrália, que não estava envolvido com o novo estudo.

Os pesquisadores também estão interessados ??em entender o impacto do aumento da temperatura global no gelo marinho. Meehl disse que a mudança climática provavelmente amplificou as mudanças naturais nos níveis de gelo do mar, mas disse que mais dados e melhores modelos climáticos serão necessários antes que os cientistas possam entender completamente a possível conexão.

“Não temos registros muito longos nesta região, o que torna isso difícil”, disse Arblaster, acrescentando que quatro décadas representaram uma pequena janela de tempo. “Mas a questão de como as mudanças climáticas estão interagindo com a variabilidade natural é uma questão que precisamos enfrentar. Até agora, nossa compreensão é de que tem havido surtos de variabilidade natural que levam ao que vimos, mas quanto mais tempo passa e quanto mais o gelo marinho permanece em níveis recordes, a questão da mudança climática tem que entrar nisso ”.


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se APROXIMA RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. SAIBA MAIS AQUI


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth