Clube de Roma: Como A ‘Histeria Climática’ Está Sendo Usada Para Criar Governança Global

No início da década de 1970, os EUA e grande parte do mundo ocidental estavam entrando em uma crise econômica estagflacionária. Nixon removeu completamente o dólar do padrão-ouro em 1971 com a ajuda do Federal Reserve (ou talvez sob a direção do Fed), o que acabou aumentando as pressões inflacionárias. O boom do pós-guerra na Europa chegou a um fim abrupto, enquanto os preços dos bens (e petróleo/gasolina) nos EUA dispararam até 1981-1982, quando o Federal Reserve elevou as taxas de juros para cerca de 20% e criou uma queda deliberada da recessão.

Clube De Roma: Como A ‘Histeria Climática’ Está Sendo Usada Para Criar Governança Global

Fonte: Alt-Market.us

Curiosamente, o FMI criou o sistema SDR [Special Drawing Rights-Direitos Especiais de Saque] em 1969, pouco antes do fim do padrão-ouro (o mesmo SDR que o FMI está prestes a usar como base de um  mecanismo global de moeda digital CBDC). E o WEF-Fórum Econômico Mundial foi fundado em 1971.

O período daquele tempo é frequentemente retratado em filmes como uma era despreocupada de musica disco, drogas, hippies e rock n’ roll, mas a realidade é que o início dos anos 1970 foi o começo do fim para o ocidente – foi o momento que nossos fundamentos econômicos foram sabotados e a riqueza da classe média foi lenta mas seguramente roubada pela inflação.

Em meio a esse “mal-estar” econômico, que Jimmy Carter mais tarde chamou de “crise de confiança”, as Nações Unidas e os grupos globalistas associados à Mesa Redonda trabalharam arduamente para desenvolver um esquema para convencer a população a adotar a centralização global do poder [a já conhecida New World Order] . Seus objetivos eram bastante diretos. Eles queriam:

  • Uma justificativa para o controle governamental dos números da população humana.
  • O poder de limitar a produção da indústria.
  • O poder de controlar a produção e ditar quais as fontes de energia.
  • O poder de controlar ou limitar a produção de alimentos e a agricultura.
  • A capacidade de microgerenciar indivíduos em nome de algum “bem maior” definido posteriormente.
  • Uma sociedade robotizada na qual o direito individual à propriedade é abandonado.
  • Um sistema econômico mundial que eles administrariam.
  • Um sistema monetário mundial.
  • Um governo mundial gerenciando um punhado de regiões separadas.

Uma das citações mais reveladoras da agenda vem do vice-secretário de Estado da administração Clinton, Strobe Talbot, que afirmou na revista Time que:

“ No próximo século, as nações como as conhecemos serão obsoletas; todos os estados reconhecerão uma única autoridade global… A soberania nacional não foi uma boa ideia, afinal.”

Para entender como a agenda funciona, ofereço uma citação do membro globalista do Conselho de Relações Exteriores Richard Gardner em um artigo da revista Foreign Affairs em 1974 intitulado ‘ The Hard Road To World Order’ :

“ Em suma, a “casa da ordem mundial” terá de ser construída de baixo para cima e não de cima para baixo. Parecerá uma grande “confusão estrondosa e barulhenta”, para usar a famosa descrição da realidade de William James, mas um fim em torno da soberania nacional, corroendo-a peça por peça, realizará muito mais do que o antiquado ataque frontal.

Em outras palavras, os globalistas sabiam que o incrementalismo seria a única maneira de alcançar uma estrutura de poder mundial que governe ABERTAMENTE, em vez de esconder o domínio dos elitistas por trás de organizações clandestinas e políticos fantoches. Eles querem um império global no qual se tornem os ungidos “Reis Filósofos” descritos na República de Platão. Seus super egos narcisistas não podem deixar de desejar a adoração das massas que eles odeiam secretamente.

Mas mesmo com o incrementalismo, eles sabem que eventualmente o público descobrirá o plano e tentará resistir enquanto nossas liberdades são corroídas. Estabelecer um império é uma coisa; mantê-lo é outra. Como os globalistas poderiam sair de seu armário autoritário, eliminar as liberdades individuais e governar o mundo sem uma rebelião que acabaria por destruí-los?

A única maneira de tal plano funcionar é se o povo, os ‘camponeses’ e zumbis deste império, ABRAÇAREM a sua própria escravidão. O público teria que ser levado a ver a escravidão como uma questão de solene dever e sobrevivência, não apenas para si, mas para toda a espécie. Dessa forma, se alguém se rebelar, será visto como um monstro pela colméia. Eles estariam colocando todo o coletivo em perigo ao desafiar a estrutura de poder central.

Assim, os globalistas vencem. Não apenas por hoje, eles venceriam para sempre porque não haveria mais ninguém para se opor a eles.

Tivemos um grande gostinho desse tipo de guerra psicológica durante o susto da [pseudo] pandemia, em que todos nós fomos informados de que um vírus com uma pequena taxa de mortalidade por infecção em torno de 0,23% era suficiente para apagar a maioria de nossos direitos humanos. 

Felizmente, um grupo suficientemente grande de pessoas se levantou, disse NÃO e lutou contra os mandatos, vacinas, lockdows e passaportes. Dito isso, há uma agenda de “bem maior” muito maior em jogo que os globalistas planejam explorar, ou seja, a chamada “crise climática”.

Para ser claro, há ZERO evidência de uma crise climática causada por emissões de carbono feitas pelo homem ou emissões de gases de “estufa”. Não há eventos climáticos fora do comum em termos da linha do tempo histórica do clima da Terra. Não há evidências para apoiar as teorias do “ponto de inflexão” sobre as temperaturas. 

E as temperaturas da Terra subiram menos de 1°C em 100 anos. O registro oficial de temperatura remonta apenas à década de 1880, e essa linha do tempo estreita é o que os cientistas climáticos financiados pela ONU, psicopatas oligarcas e seus lacaios políticos de governo usam como ponto de referência para suas reivindicações.

Eu explico por que isso é ciência fraudulenta em meu artigo ‘O susto do fogão a gás é uma fraude criada por autoritários da mudança climática‘. A questão é que a ONU tem promovido a histeria por causa de um falso cenário climático apocalíptico criado intencionalmente, assim como o WEF e a OMS promoveram a histeria e o medo por causa de uma não-ameaça como a covid. E tudo começou no início dos anos 1970 com um grupo ligado à ONU chamado The Club of Rome.

Os globalistas planejam usar o ambientalismo como desculpa para a centralização de mais poder desde pelo menos 1972, quando o Clube de Roma publicou um tratado intitulado ‘Os limites do crescimento’.  Financiando um estudo limitado da indústria e dos recursos em um projeto conjunto com o MIT, as descobertas pareciam ter sido planejadas com bastante antecedência – o fim do planeta estava próximo, a menos que nações e indivíduos sacrificassem sua soberania. Quão conveniente para os globalistas que “financiaram” o estudo…

Vinte anos depois, eles publicariam um livro intitulado ‘A Primeira Revolução Global’. Nesse documento, eles discutem especificamente o uso do aquecimento global como um veículo para formar uma governança supranacional:

“ Na busca por um inimigo comum contra o qual possamos nos unir, tivemos a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e coisas do gênero seriam adequadas. Em sua totalidade e suas interações, esses fenômenos constituem uma ameaça comum que deve ser enfrentada por todos juntos. Mas, ao designar esses perigos como inimigos, caímos na armadilha, sobre a qual já alertamos os leitores, ou seja, confundir os sintomas com as causas. Todos esses perigos são causados ??pela intervenção humana em processos naturais, e é somente através de atitudes e comportamentos modificados que eles podem ser superados. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade.”

Ao tornar a própria existência da humanidade uma pseudo grande ameaça, os globalistas pretendiam unificar o público em torno da ideia de se manterem sob controle. Ou seja, o público teria que sacrificar suas liberdades e se submeter ao controle na crença de que a espécie humana é muito perigosa e irresponsável para ter liberdade.

O seguinte especial de notícias do Australian Public Broadcasting Service foi ao ar em 1973, não muito depois da fundação do Clube de Roma. É surpreendentemente direto sobre os propósitos da organização:

O que podemos extrair dessa transmissão e de sua mensagem? Os globalistas querem acima de tudo dois resultados específicos – eles querem o fim da soberania nacional e o fim da propriedade privada por meio do minimalismo socialmente incentivado. Os mesmos objetivos exatos que o Clube de Roma delineou na década de 1970 são as políticas motrizes da ONU e do Fórum Econômico Mundial hoje. O conceito de “economia compartilhada” que Klaus Schwab e o WEF freqüentemente promovem com orgulho não foi pensado por eles, foi pensado pelo Clube de Roma há 50 anos.

É uma profecia auto-realizável: eles passam meio século inventando uma crise, instigam o terror público e depois oferecem as mesmas soluções que queriam impor décadas atrás.

Afinal, a agenda climática não tem nada a ver com ambientalismo e tudo a ver com economia e controle. O plano começou em meio a uma crise estagflacionária muito real, um momento em que a população de classe média estava com mais medo do futuro e os preços subiam rapidamente. Essa crise não foi causada pela escassez de recursos, foi causada pela má gestão do sistema financeiro. Não é uma coincidência que o ponto culminante do esquema de aquecimento global esteja ocorrendo hoje exatamente quando outro desastre de estagflação e crise financeira está sobre nós.

O Clube de Roma é agora uma casca de sua antiga glória cheia de hippies tolos e idiotas, provavelmente porque a ONU e outros think-tanks globalistas assumiram o papel que o grupo costumava desempenhar. No entanto, a sombra do Clube original está sempre presente e sua estratégia de espalhar o medo climático está sendo usada agora para justificar a crescente supressão governamental de energia e agricultura.

Se não forem impedidos pelo público, os mandatos totalitários de carbono se tornarão a norma. A próxima geração, vivendo na pobreza projetada, aprenderá desde a infância que os globalistas “salvaram o mundo” de uma calamidade que nunca existiu. Eles serão informados de que a escravização da humanidade é algo para se orgulhar, um presente que mantém a espécie viva, e qualquer um que questione essa escravidão é um vilão egoísta que deseja a destruição do planeta.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.325 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth