‘Cofre do Armagedom’: o imponente e impenetrável Banco Mundial de Sementes em Svalbard, na Noruega

Quase tudo que se planta e se colhe ao redor do planeta está lá no cofre subterrâneo, embaixo do gelo, à temperatura de cerca de -18º C. São sementes idênticas às que os países de origem guardam nos seus respectivos territórios. É na gelada Noruega, terra dos vikings e dos fiordes, que foi criado um bunker para um banco mundial de sementes, o Svalbard Global Seed Vault (ou Silo Global de Sementes de Svalbard).

‘Cofre do Armagedom’: o imponente e impenetrável Banco Mundial de Sementes na Noruega

Fonte: GloboG1

Atualmente, estão armazenadas lá cerca de 1,2 milhão de amostras de sementes, vindas de quase todos os países do planeta, mas o local tem capacidade para 4,5 milhões de variedades de culturas. Cada pacote possui, em média, 500 sementes. O objetivo, segundo o site oficial, é guardar toda essa “coleção” para “garantir a base do nosso futuro alimentar”.

Quase tudo que se planta e se colhe ao redor do planeta está lá. São sementes idênticas às que os países guardam nos seus respectivos territórios. O local, com arquitetura à prova de catástrofes, imponente e enigmática, foi cenário da série “Noite Adentro” (2020/Netflix), quando um grupo, diante de uma catástrofe mundial, viaja para lá na expectativa de encontrar comida.

Entrada do Svalbard Global Seed Vault (ou Silo Global de Sementes de Svalbard)

Também chamado de “arca de Noé dos vegetais”, “cofre do apocalipse”, “nações unidas das sementes”, “congelador mais importante do mundo” ou “plano B da humanidade”, o banco mundial de sementes é uma construção com ar futurista e jeitão de bunker, tudo no meio do gelo.

Tem semente brasileira lá? Sim, e muitas! Afinal somos um dos maiores produtores de alimentos do mundo. Tem sementes de vários tipos de arroz, feijão, caju, maracujá, sementes forrageiras (para alimentação animal).

“Nós já mandamos mais de 5.000 amostras”, diz Juliano Gomes Pádua, supervisor do Banco Genético de sementes da Embrapa. A primeira remessa foi em 2012 e a mais recente em 2022.

“E esse ano estão indo mais amostras. A gente vai mandar em meados do ano para chegar lá e pegar a abertura de outubro. O banco abre apenas três vezes no ano”, explica Juliano em entrevista ao g1. “A gente vai mandar milho, arroz, feijão, trevo, que serve para alimentação animal…”

Imensas instalações subterrâneas foram escavadas na rocha bruta em SVALBARD

Há outras sementes da América Latina: amostras de milho e feijão da Venezuela; de café da Colômbia; e de arroz da Guatemala e da Bolívia.

Por que guardar sementes? Desastres e guerras são algumas preocupações, mas não as únicas. As mudanças climáticas também vão exigir que as plantas se adaptem a mudanças extremas de temperatura, como falta de chuva ou chuva em excesso. Além disso há, ainda, a preocupação de armazenamento adequado e em temperaturas corretas, algo que nem sempre pode ser feito no país de origem das sementes.

Como as sementes são guardadas? Elas são fechadas em embalagens personalizadas de três camadas, que são lacradas dentro de caixas e armazenadas em prateleiras dentro do chamado cofre de sementes. Os baixos níveis de temperatura de menos -18° C e umidade dentro do Svalbard Global Seed Vault garantem baixa atividade metabólica, mantendo as sementes viáveis ​​por longos períodos.

Por quanto tempo elas podem sobreviver? A resposta depende da espécie e de como é tratada a semente. O trigo pode ficar fértil por mais de mil anos. Já a alface, por exemplo, não dura mais que 50 anos.

Quem mantém o local? O Svalbard Global Seed Vault é de propriedade da Noruega e gerido em parceria entre o Ministério da Agricultura e Alimentação norueguês, o banco genético regional NordGen e o Crop Trust. Ele foi inaugurado em 2008. Nenhum país precisa pagar para manter sementes lá. Nações europeias bancaram a construção, mas o consenso é que ninguém é oficialmente dono do local.

Instalações subterrâneas do banco de sementes Svalbard Global Seed Vault na Noruega 

Por que o cofre é localizado em Svalbard ?

  • É remoto, mas acessível;
  • É geologicamente estável;
  • Está acima do nível do mar, protegido de inundações oceânicas (uma preocupação crescente com o avanço das mudanças climáticas);
  • Por ser um local muito frio, já oferece um congelamento natural, o que é mais econômico;
  • É a prova de desastres como terremotos e inundações.

É possível visitar o local? Presencialmente… Não. Mas é possível fazer uma visita virtual pelo site. E o g1 o visitou. É uma construção retangular “de pé”. Por dentro, há um longo túnel que termina com uma porta “secreta” (antes dela, é preciso passar por outras cinco). É depois dessa última porta, trancada com chave, que as sementes ficam armazenadas em caixas etiquetadas.

Por lá, não há nenhum conflito diplomático: sementes da Rússia estão bem colocadas ao lado da caixa com sementes da Ucrânia, por exemplo.

Alguém pode tirar as sementes de lá? Sim. As caixas com as sementes são armazenadas em “condições de caixa preta”, como explicado no site. Os países depositantes são os únicos que podem retirar as suas próprias sementes. Quando as sementes são depositadas lá, a sua propriedade legal não é transferida. Isto significa que um depositante que opte por armazenar sementes no cofre de sementes ainda é o proprietário delas e o único que pode retirá-las do local.

Como funciona?

O Cofre de Sementes é a melhor apólice de seguro para o abastecimento alimentar mundial, garantindo milhões de sementes que representam todas as variedades de culturas importantes disponíveis no mundo hoje e oferecendo opções para as gerações futuras superarem os desafios das alterações climáticas, desastres naturais e do crescimento populacional.

Uma temperatura de -18°C é necessária para um armazenamento ideal das sementes. O terreno permafrost e a rocha espessa garantem que as amostras de sementes permanecerão congeladas mesmo sem energia. As sementes são lacradas em embalagens personalizadas de três camadas, que são lacradas dentro de caixas e armazenadas em prateleiras dentro do Cofre de Sementes. Os baixos níveis de temperatura e umidade dentro do Seed Vault garantem baixa atividade metabólica, mantendo as sementes viáveis ​​por longos períodos de tempo.

O Svalbard Global Seed Vault tem capacidade para armazenar 4,5 milhões de variedades de culturas. Cada pacote de sementes consiste em uma média de 500 sementes, portanto, um máximo de 2,5 bilhões de sementes podem ser armazenadas no Cofre Mundial de Sementes.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth