Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Coisas que devemos compreender: a ‘Elite’ está ‘Comendo’ os Zumbis

A imensa maioria das pessoas (especialmente a maioria dos norte americanos) ainda parece ver os eventos do último meio século como mais ou menos aleatórios, do tipo ‘acidentes’. Explosões e quedas irrompendo do nada, empobrecendo a todos, exceto um punhado de “sortudos” membros das elites aristocratas. Crises políticas que acabam por dividir em vez de unir. Guerras sem fim que custam fortunas e nada resolvem. Tudo é ruim e nada está relacionado a qualquer outra coisa.

Coisas que devemos compreender: a ‘Elite’ está ‘Comendo’ os Zumbis

Fonte: Rubino.Substack.com

Mas é claro que isso não é verdade. Cada um dos eventos anteriores serve ao mesmo propósito: enriquecer uma aristocracia moderna de oligarcas psicopatas, intelectuais LGBTQ+ ‘acordados’, transgêneros, et caterva, às custas de todos os outros. E o final do jogo parece ainda pior.

Para ver o golpe acontecer, vamos voltar a 1995. Duas décadas antes, em 1971, os EUA e, por extensão, o mundo abandonaram o dinheiro lastreado em [Padrão] ouro em favor de moedas “fiduciárias” que seus governos, por meio de seus bancos centrais, poderia criar em quantidades infinitas do nada. O resultado foi o aumento da inflação e o caos cambial na década de 1970 e o aumento dos déficits governamentais na década de 1980.

Na década de 1990, ficou claro para os políticos que dirigiam os principais governos e os oligarcas das grandes corporações que dinheiro insalubre levaria a dívidas insustentáveis, que por sua vez desestabilizariam o mundo financeiro e provocariam uma depressão hiperinflacionária seguida por um ajuste de contas no estilo da Revolução Francesa para os [ir]responsáveis.

As elites daquela geração ficaram assim com duas escolhas:

  1. Retornar ao padrão-ouro e evitar o colapso monetário – mas ao custo de desistir da capacidade de criar dinheiro à vontade.
  2. Ou usar suas moedas fictícias e fraudulentas para roubar o máximo possível de riqueza real dos camponeses e deixar as futuras elites lidarem com o eventual colapso de todo o castelo de areia.

Eles, como os psicopatas que agora sabemos que são, escolheram a segunda estratégia.

Vejamos como eles conseguiram isso:

Greenspan colocou em funcionamento:  Na segunda metade da década de 1990, ocorreu uma série de minicrises que, em retrospectiva, parecem quase imperceptíveis, mas na época foram grandes o suficiente para fornecer um pretexto para intervenção. Rússia, México, países emergentes asiáticos e um fundo de hedge chamado Long Term capital Management, todos entraram em default ou ameaçaram custar grandes quantias de dinheiro aos grandes bancos dos EUA. Em cada caso, Alan Greenspan, do Federal Reserve, juntamente com o Tesouro dos Estados Unidos, resgatou os bancos ameaçados com dinheiro ou garantias de empréstimos.

Isso deixou claro para [os judeus khazares de] Wall Street e seus clientes favoritos que qualquer risco, por mais ultrajante que fosse, compensaria de uma forma ou de outra. Se uma aposta funcionasse no cassino que se transformou o mercado de capitais, haveria taxas e ganhos de capital. Se uma aposta falhasse – como nas minicrises dos anos 1990 – o Fed interviria e salvaria os seus amigos inteiros. E assim o “Greenspan put” – nomeado para um instrumento financeiro que os comerciantes usam para se proteger contra perdas – passou a dominar o cassino do mundo financeiro de Wall Street pelos próximos vinte anos.

A bolha pontocom e o 11 de setembro.  Com os cassinos, ops, bancos agora livres para financiar praticamente qualquer coisa, eles escolheram na segunda metade da década de 1990 inflar uma bolha de ações de tecnologia na qual praticamente qualquer empresa com um “.com” em seu nome ou declaração de missão poderia obter financiamento quase infinito. Essa “bolha pontocom” expandiu-se além de qualquer coisa que os mercados de ações dos EUA já haviam visto e estourou espetacularmente em 2000.

Um ano depois, veio o ataque ao World Trade Center (que, para uma narrativa simplificada, assumiremos que foi um evento terrorista real, não um ataque de bandeira falsa arquitetado pelo próprio governo de Bush), que abalou profundamente a psique nacional já abalada.

A aristocracia respondeu cortando as taxas de juros para mínimos recordes enquanto expandia drasticamente os gastos militares. Isso foi um golpe duplo, enriquecendo os bancos ao tornar os empréstimos mais lucrativos e os empreiteiros militares dos conglomerados do Complexo Industrial Militar ao aumentar os pedidos de armamento. Os vencedores alegremente canalizaram parte de seus ganhos inesperados para as campanhas de reeleição de políticos pró-guerra e pró-dinheiro fácil. A diferença entre ricos e não ricos aumentou para um novo recorde.

A bolha das hipotecas e a explosão do mercado imobiliário. Em meados dos anos 2000, as taxas de juros de baixas recordes mencionadas anteriormente inflaram outra bolha, desta vez no setor imobiliário. Mantendo sua estratégia favorita de emprestar a qualquer pessoa com pulso, arrecadando taxas enormes e despejando os riscos em investidores inocentes [ignorantes], os bancos de Wall Street fizeram fortunas escrevendo e securitizando hipotecas subprime (veja o filme The Big Short para uma divertida olhada naquele breve momento de insanidade financeira e cultural). 

Então os preços das casas e apartamentos subiram a níveis inacessíveis e o mercado de hipotecas implodiu, a economia afundou e os bancos foram à falência. Ao que o governo vis FeD respondeu com um salvamento de vários trilhões de dólares, permitindo que os bancos, com arrogância absolutamente descarada, pagassem aos seus principais funcionários bônus recordes de fim de ano em 2009. Enquanto isso, o Fed introduziu a política mágica de “quantitative easing” (QE), por meio do qual criou trilhões de novos dólares e os usou para empurrar as taxas de juros ao longo da curva de rendimentos para níveis recordes de baixa.

[Nota lateral: como exatamente as baixas taxas de juros empobrecem as pessoas normais e enriquecem os que já são ricos? Primeiro, as baixas taxas de juros tornam difícil para as pessoas normais que estão tentando construir um pé-de-meia ou sobreviver na aposentadoria com CDs bancários e fundos do mercado monetário. À medida que as taxas caem, esses instrumentos pagam menos até que, como nos últimos anos, pagam quase nada. Ao mesmo tempo, as baixas taxas de juros tornam os ativos financeiros como ações, títulos e imóveis alavancados – a maioria dos quais pertencentes aos 10% mais ricos da população – mais valiosos. Então… em um ambiente de baixa taxa de juros, os ricos ficam mais ricos e os não-ricos ficam para trás. Assim como a aristocracia pretende.]

A bolha de tudo.  O QE acabou por ser uma ferramenta extremamente eficaz para transferir a riqueza da base da sociedade para o topo da pirâmide. A partir de 2009, os salários estagnaram enquanto os lucros corporativos e os preços das ações, títulos e imóveis dispararam. Esta foi a “bolha de tudo”, onde as grandes tecnologias [Big Techs], criptomoedas, títulos do governo, SPACs, empréstimos alavancados e NFTs atraíram quantidades insanas de financiamento. A festa durou uma década sólida, até 2019, e o número de bilionários disparou.

A pandemia.  Então o golpe tomou um rumo ainda mais sinistro. (Dica: você notou quem ficou de fora das festas anteriores? Isso mesmo, os grandes laboratórios farmacêuticos, a Big Pharma.)

Em 2020, tudo estava extremamente supervalorizado e uma grande quebra estava claramente à vista no horizonte à curto prazo. Mas antes que isso pudesse acontecer, um vírus, desenvolvido com engenharia genética e financiamento dos EUA por um laboratório chinês, “escapou” de suas instalações e causou uma pandemia global, ainda que fake, porque sua letalidade é risível. 

Os políticos lacaios corruptos dos governos do mundo responderam bloqueando suas economias (devastando pequenas empresas, criando desemprego em massa, enquanto enriqueceram gigantes do comércio eletrônico como Google e Amazon) e coagindo seus cidadãos a tomar múltiplas doses de vacinas mRNA experimentais, com graves efeitos colaterais, e assim canalizando literalmente centenas de bilhões de dólares para a Pfizer, BionTEch, a Moderna, J&J, e outros. Assim, a Big Pharma finalmente teve sua fatia no bolo.

A seguir a guerra da Ucrânia. Ao longo das últimas décadas, os EUA iniciaram e/ou se juntaram a guerras em países sem nenhum valor óbvio de segurança nacional. Por que? Porque a guerra consome armas que devem ser substituídas e assusta aqueles que não estão em guerra a se armarem para evitar ser a próxima vítima do Império. Tudo isso torna os grandes conglomerados do Complexo Industrial Militar muito mais rico. Mas nenhuma dessas guerras anteriores se compara ao que os EUA estão fazendo na Ucrânia. 

Aparente, mas certamente, tendo decidido que a Rússia precisa ser destruída literalmente a qualquer custo, Washington injetou mais de US$ 100 bilhões em “ajuda” em seu novo exército proxy ucraniano, a maioria dos quais é imediatamente reciclada por meio da General Dynamics, Raytheon, Boeing, et al. Que então, é claro, financiam as campanhas de políticos pró-guerra de ambos os partidos.

COMPLEXO INDUSTRIAL MILITAR e seus vampiros . . .

Qual é o próximo EVENTO que esta sendo “fabricado” ?
Quando visto desta forma (isto é, com precisão), a realidade do golpe é difícil de descartar. Portanto, a única questão é o que eles tentarão a seguir, agora em 2023. O que parecer ser o mais provável é UMA NOVA PANDEMIA, CRISE ALIMENTAR E UMA NOVA GUERRA ENVOLVENDO A CHINA . . .

Continua…


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


…mas [eles] receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro [Cristo], e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis“.Apocalipse 17:12-14

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *