browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Como Mario Draghi Quebrou a Itália (à serviço de seus ‘Mestres’)

Posted by on 26/07/2022

Uma Grave Crise está se formando nas ruas dos países [o Hospício] da Europa. A defenestração de Mario Draghi do governo deixou o establishment italiano – e de fato europeu – cambaleando de horror. Isso não é surpreendente. Quando ele foi nomeado primeiro-ministro da Itália no início do ano passado, as “elites” políticas e econômicas da Europa receberam sua chegada como um milagre. 

Como Mario Draghi quebrou a Itália (à serviço de seus ‘Mestres’). A ESTÁTUA de NABUCODONOSOR começa a RUIR !

Fonte: Unhert.com – Por Thomas Fazi

Praticamente todos os partidos no parlamento italiano – incluindo os dois partidos anteriormente “populistas” que venceram as eleições em 2018, o Movimento Cinco Estrelas e a Liga – ofereceram seu apoio ao ‘salvador’. O tom da discussão foi bem captado pelo poderoso governador da região da Campânia, Vincenzo De Luca (PD), que comparou Draghi ao próprio “Cristo”.

Todos concordaram: um governo Draghi seria uma bênção para o país, uma oportunidade final para redimir seus pecados e “tornar a Itália grande novamente”. Draghi, disseram eles, simplesmente em virtude de seu “carisma”, “competência”, “inteligência” e “influência internacional”, manteria os mercados de títulos sob controle, decretaria reformas muito necessárias e relançaria a economia estagnada da Itália.

Infelizmente, a realidade não correspondeu exatamente às expectativas: Draghi [Dragões em italiano, e seu próprio nome indica “QUEM” são os seus mestres] deixa para trás um país em frangalhos. A última previsão macroeconômica da Comissão Europeia previu que a Itália experimentará o crescimento econômico mais lento do bloco no próximo ano, com apenas 0,9%, devido a um declínio nos gastos do consumidor devido ao aumento dos preços e ao menor investimento empresarial – resultado do aumento dos empréstimos e dos custos de energia , bem como as interrupções no fornecimento de gás russo.

A Itália também está experimentando uma das taxas de inflação que mais crescem na Europa – atualmente em 8,6%, o nível mais alto em mais de três décadas. As taxas de juros dos títulos do governo italiano também vêm subindo constantemente desde que Draghi chegou ao poder, quadruplicando sob seu comando; hoje estão no nível mais alto em quase uma década.

E essa “policrise” afetou a sociedade italiana: 5,6 milhões de italianos – quase 10% da população, incluindo 1,4 milhão de menores – vivem atualmente na pobreza absoluta, o nível mais alto já registrado. Muitos deles não estão trabalhando, e esse número deve aumentar à medida que os salários reais na Itália continuam caindo no ritmo mais alto do bloco europeu. Enquanto isso, quase 100.000 pequenas e médias empresas (PMEs) estão em risco de insolvência – um aumento de 2% em relação ao ano passado.

Tanta realização para o “Super Mario”, então. Claro, pode-se argumentar que outros países estão enfrentando problemas semelhantes, mas seria um erro deixar Draghi fora do gancho. Ele foi um dos mais firmes defensores das medidas que levaram a essa situação, tendo sido uma força motriz para pressionar por duras sanções da UE contra Moscou – sanções que estão paralisando as economias da Europa, e deixando a Rússia praticamente ilesa .

Draghi até se gabou das medidas ousadas adotadas pela Itália para afastar o país do gás russo – o resultado é que a Itália é agora o país que paga os preços mais altos de eletricidade no atacado em toda a UE. O absurdo dessas políticas torna-se aparente quando consideramos sua tentativa de reduzir a dependência da Itália do gás russo revivendo várias usinas a carvão – carvão que a Itália importa em grande parte da Rússia, isso mesmo, seria hilário se não fosse trágico.

Pior ainda, Draghi fez pouco ou nada para proteger os assalariados, as famílias e as pequenas empresas do impacto dessas políticas. De fato, as poucas medidas “estruturais” decretadas por seu governo visavam promover a privatização, a liberalização, a desregulamentação e a consolidação fiscal – como abrir à privatização aqueles poucos serviços públicos que permaneceram fora do escopo do mercado, além de “flexibilizando” a regulamentação do trabalho, colocando praias privadas em leilões públicos pela primeira vez em décadas, ou tentando expandir os serviços de táxi para incluir operadoras de compartilhamento de caronas como Uber, provocando protestos em massa de taxistas italiano, enfim, tudo que seria lucrativo e produtivo foi vendido.

Para quem tem uma noção da ideologia de Draghi, isso não é surpreendente. Como argumentei antes , Mario Draghi é a encarnação corporal do “neoliberalismo” selvagem [do político servil e lacaio dos interesses supranacionais de um pequeno grupo de oligarcas e corporações transnacionais]. Tampouco é surpreendente que essas políticas não tenham dado resultado, uma vez que a lógica neoliberal da UE, baseada na privatização, austeridade fiscal e compressão salarial – que Draghi  tem desempenhado um papel crucial na implementação desde o início dos anos 90 – é a principal razão pela qual a Itália está uma bagunça para começar. 

Draghi também fortaleceu ainda mais o domínio da UE sobre a economia italiana, propagando incansavelmente a narrativa de que a Itália precisava desesperadamente dos fundos europeus de recuperação do Covid-19 para impulsionar sua economia e que, para acessar esses fundos, precisava implementar diligentemente as reformas exigidas por Bruxelas.

No entanto, em termos macroeconômicos, os fundos em questão são uma ninharia e não chegam nem perto do que seria necessário para ter um impacto significativo na economia da Itália. Mas eles vêm com condicionalidades muito rígidas

Em última análise, é disso que trata o “fundo de recuperação” da UE Next Generation da UE: aumentar o controle de Bruxelas sobre as políticas orçamentárias dos estados membros e fortalecer o regime de controle tecnocrático e autoritário da UE. E quem melhor do que o servil réptil Draghi poderia ser confiável para impor tais medidas? Como ele mesmo observou, o “caminho da reforma” estabelecido por seu governo significava que “criamos as condições para que o trabalho [de recuperação da UE] continue, independentemente de quem esteja [no governo]” – garantindo assim que os futuros governos não desviem-se do caminho da justiça.

Draghi, no entanto, não deixa apenas para trás uma economia italiana arrasada, mas também uma sociedade profundamente fraturada e dividida. Ele é o responsável por conceber as políticas de vacinação em massa mais punitivas, discriminatórias e segregadoras do Ocidente, que não só excluíram milhões de pessoas não vacinadas – incluindo crianças – da vida social, estendendo os passaportes vacinais a praticamente todos os espaços públicos, mas também restringiu muitas pessoas de trabalhar. Ele também ajudou a tornar os não vacinados alvo de discurso de ódio sancionado institucionalmente, como quando ele afirmou: “Você não é vacinado, você fica doente, você morre. Ou você mata.”

Tudo isso pode oferecer uma indicação de por que uma pesquisa recente mostrou que 50% dos italianos não estavam satisfeitos com o trabalho do seu [des]governo. E, no entanto, apesar desses resultados bastante inexpressivos, quando Draghi anunciou inicialmente sua intenção de renunciar, o establishment italiano entrou em um ataque apoplético. 

No que ficará para a história como uma das mais patéticas demonstrações do bovino conformismo bajulador da sociedade italiana, quase todas as categorias profissionais que você possa imaginar correram para lançar seu próprio apelo, implorando que Draghi continuasse – não apenas empresários ricos, como já era esperado, mas também médicos, farmacêuticos, enfermeiros, prefeitosreitores de universidadesONGsintelectuais ‘acordados’ liberais progressistas e até mesmo a CGIL, o maior sindicato de trabalhadores do país. [portanto, CADA POVO MANIPULADO E CONTROLADO TEM O GOVERNO QUE MERECE]

Ainda mais lamentável, a mídia pre$$titute$ italiana deu cobertura maciça a várias “manifestações pró-Draghi” – contando não mais do que algumas dezenas de pessoas. Talvez o mais cômico e trágico, uma das maiores agências de notícias do país, Adnkronosaté falou sobre como vários moradores de rua sem-teto saíram para mostrar seu apoio a Draghi. Um deles foi citado dizendo:

“Draghi está fazendo a diferença. A Itália recuperou prestígio e credibilidade graças a ele. Como sem-teto, posso testemunhar o fato de que há uma maior atenção para nós agora e isso é graças a Draghi.”

O establishment internacional ocidental também deu todo o seu peso a Draghi. Todos, desde o Financial Times ao Guardian e o comissário de Economia da UE, Paolo Gentiloni, vieram explicar que imensa tragédia perder Draghi seria para a Itália – e, de fato, para a Europa como um todo. Gentiloni chegou a dizer que “uma tempestade perfeita” varreria o país se Draghi fosse embora; enquanto o Guardian se limitou a instruir os parlamentares italianos que Draghi “deveria ficar por enquanto”. 

New York Times afirmou sem ironia que a saída de Draghi poria fim ao “breve período dourado” que ele inaugurou para a Itália. Falamos de “atores estrangeiros” se intrometendo nos assuntos da Itália.

Então, por que, apesar de tais pressões maciças, três partidos efetivamente desligaram seu governo na semana passada? Parte da explicação está na medida em que Draghi conseguiu alienar partidos como o Movimento Cinco Estrelas e a Liga – recusando-se a se envolver com eles em quase nenhuma das políticas de seu governo, ou a reconhecer até as críticas mais tímidas. Em mais de uma ocasião, Draghi deixou bem claro o que considerava ser o papel do parlamento: o de apenas carimbar servilmente as decisões tomadas pelo seu governo. Isso é evidente também no abuso de Draghi do instrumento do voto de confiança.

Em seu discurso no Senado na semana passada, Draghi foi ainda mais explícito: depois de dizer que decidiu reconsiderar sua renúncia porque “é isso que o povo quer”, ele essencialmente disse ao Parlamento que estava disposto a permanecer como primeiro-ministro apenas enquanto as partes concordariam em não interferir em nenhuma das decisões futuras do seu governo. Para muitos dos presentes no Parlamento, a arrogância e a megalomania do discurso [de marionete] de Draghi foram um passo longe demais – e, além disso, alguns dizem que Berlusconi estava esperando o momento certo para vingar a vez em que foi destituído por Draghi, em 2011, quando este foi presidente do BCE.

No entanto, não se deve exagerar a importância da revolta anti-Draghi do Parlamento. Em última análise, Draghi fez pouco mais do que expor uma verdade desconfortável para todas as partes: “Vocês não têm poder real, apenas aceitem” o que lhes é imposto. 

Mas essa é uma verdade cristalina que os partidos políticos não estão dispostos a aceitar. Em última análise, eles não estão dispostos a enfrentar a contradição fundamental entre a arquitetura institucional formal do país – a de uma democracia parlamentar – e o que podemos chamar de sua arquitetura institucional “realmente existente”, na qual o Parlamento e, por definição, os partidos políticos quase não têm poder algum, porque o próprio governo, no contexto da zona do euro, tem pouca ou nenhuma autonomia econômica. Os partidos sabem disso, mas não estão dispostos a admiti-lo (para eles mesmos, mas principalmente para os seus zumbis eleitores).

Isso os deixa em um estado de dissonância cognitiva permanente, levando ao que podemos chamar de “o ciclo político da restrição externa”. Como nos países “normais”, os partidos disputam o consenso com base em diferentes plataformas eleitorais – e, como muitas vezes acontece, os partidos que prometem “mudança” vencem. No entanto, ao contrário dos países “normais”, os partidos que chegam ao governo logo descobrem que carecem dos instrumentos “normais” de política econômica necessários para realmente mudar qualquer coisa em termos socioeconômicos. Na verdade, eles têm pouca escolha a não ser seguir o que Bruxelas e Frankfurt dizem, e se eles não jogam esse jogo de subserviência, o BCE está sempre pronto para aumentar a pressão. Nesse ponto, se o governo não recuar, o BCE irá arquitetar uma crise financeira total (pense na Itália em 2011 ou na Grécia em 2015) – o que geralmente leva os partidos políticos a recorrer a tecnocratas apoiados pela UE para consertar um problema que a própria UE criou em primeiro lugar.

No entanto, mesmo que o governo ceda, a crescente tensão entre as exigências do constrangimento externo e as demandas e os interesses dos cidadãos, que as partes carecem de ferramentas para remediar, leva-os a recorrer aos tecnocratas para resolver o impasse, fazendo com que implementem as medidas que as partes não querem assumir a responsabilidade. Então, a certa altura, geralmente à medida que novas eleições se aproximam, os partidos políticos sentem a necessidade de se relegitimar aos olhos dos eleitores e, assim, colocar o gênio tecnocrático e tirânico de volta na garrafa – até a próxima crise, que estabelece um novo ciclo no movimento sem fim.

Esta é em grande parte a história do que aconteceu entre 2018 e a expulsão de Draghi, quando o Movimento Cinco Estrelas e a Liga passaram do populismo anti-UE para Draghi ao longo de apenas alguns anos. E as próximas eleições iniciarão um novo ciclo, possivelmente saudado por um governo de centro-direita liderado por Giorgia Meloni. Mas, à medida que a situação social e econômica continua a piorar, esses ciclos também devem ficar cada vez mais curtos. Um futuro governo de centro-direita – “populista” ou não – teria pouca ou nenhuma capacidade de resolver as crises deixadas por Draghi.  Como sempre, os tiros serão decididos em Bruxelas e Frankfurt.

Com o lançamento de seu recente Instrumento de Proteção de Transmissão (TPI), o BCE dotou-se de uma ferramenta que tecnicamente lhe permite fazer “o que for preciso” para fechar os spreads do euro, potencialmente evitando futuras crises financeiras. Tal intervenção, no entanto, está condicionada ao cumprimento do quadro fiscal da UE e das “reformas” delineadas nos planos de “fundo de recuperação” de cada país – já estabelecidos por Draghi. Mas isso não fará nada para acabar com a crise social e econômica que se desenrola; na verdade, eles certamente irão piorá-la. 

Em outras palavras, o próximo governo italiano, se quiser se manter financeiramente à tona, terá pouca escolha a não ser seguir os ditames econômicos da UE – ou algo pior. Em tal contexto, quanto tempo antes que os últimos resquícios de legitimidade democrática em países como a Itália se desfaçam? E o que acontece então? Em última análise, é muito mais provável que a próxima crise do euro ecloda nas ruas da Europa do que nos mercados financeiros.

{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Como Mario Draghi Quebrou a Itália (à serviço de seus ‘Mestres’)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.