Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Consultor do WEF afirma que planeta não precisa mais da ‘Grande Maioria’ da população

O principal conselheiro do Fórum Econômico Mundial (WEF), o judeu khazar Yuval Noah Harari, declarou recentemente que o mundo “não precisa da grande maioria” da população atual devido aos avanços tecnológicos. Harari fez a declaração ousada em uma entrevista com Chris Anderson, chefe do popular grupo de mídia TED, ecoando  previsões anteriores de uma “classe inútil” de seres humanos “inimpregáveis”.

Consultor do WEF afirma que planeta não precisa mais da ‘Grande Maioria’ da população

Fonte: LifeSiteNews

Harari sugeriu que, em um afastamento do século 20, quando os “grandes heróis” das narrativas predominantes dos sistemas políticos eram sempre “as pessoas comuns”, agora no século 21, as pessoas “não fazem mais parte da história do futuro”. Em vez disso, de acordo com Harari, elas foram substituídas por inteligência artificial (IA) e substituídos por uma economia de alta tecnologia.

O historiador judeu khazar e ativista LGBTQ+ apresentou a Anderson a “hipótese” de que a ansiedade de ser substituído na economia futura pela IA e uma classe “tecnológica” altamente educada está parcialmente na raiz da “desilusão e reação contra a ordem liberal” do mundo.

“Parte do que pode estar acontecendo é que as pessoas percebem – e elas estão corretas ao pensar que, ‘O futuro não precisa de mim. … Talvez se “eles” forem legais, joguem algumas migalhas para mim, como renda básica universal.’ Mas psicologicamente é muito pior sentir que você é inútil do que se sentir explorado”, disse Harari.

“Agora, avancemos para o início do século 21, quando simplesmente não precisamos da grande maioria da população, continuou Harari, “porque o futuro é desenvolver tecnologias cada vez mais sofisticadas, como inteligência artificial [e] bioengenharia”.

Harari acrescentou que “essas tecnologias tornarão cada vez mais redundante” “tudo o que as pessoas ainda estão fazendo que seja útil” e, portanto, “tornará possível substituir as pessoas”.

Embora tenha admitido a Anderson que tecnologias como IA abrirão empregos novos e “mais interessantes”, Harari argumentou que “não está claro se muitos humanos serão capazes de fazê-los, porque exigirão altas habilidades e muita educação”.

Anderson propôs obstinadamente modos pelas quais os seres humanos poderiam – e ele ainda sugeriu,  deveriam – continuar a desempenhar um papel valioso na economia mundial, ou pelo menos dentro da sociedade.

“Então, novamente, tentando desesperadamente aplicar algum tipo de visão mais esperançosa sobre isso … muitos dos empregos que estão sendo substituídos são, na verdade, trabalhos chatos que realmente não tocam no cerne do que é o ser humano”, disse Anderson.

Ele continuou apontando que “quando você recua, não faltam coisas que precisam ser feitas”, incluindo abordar os “milhões de pessoas solitárias” do mundo.

“As pessoas são realmente boas em fazer com que pessoas solitárias não se sintam solitárias, e praticamente qualquer um pode fazer isso”, observou Anderson. “Você sabe, as comunidades são uma bagunça. Praticamente qualquer pessoa que viva em algum lugar poderia fazer, em princípio, algo para tornar uma comunidade melhor. Eles poderiam pintar uma cerca, ou fazer algum serviço voluntário, ou qualquer outra coisa.”

Uma mente doentia do WEF e suas ideias a respeito da humanidade:

Harari, por sua vez, argumentou que, para “reconhecer atividades como construção de comunidades e criação de famílias como empregos, precisamos de um novo modelo econômico e social”.

Quando Anderson perguntou a Harari se ele via “alguma solução para esse problema além de” mais redistribuição de impostos pelo governo, Harari respondeu: “Esse é o papel tradicional do governo.  Quando o mercado não é eficiente o suficiente para redistribuir a riqueza, então este é o trabalho do governo.”

Harari chegou a sugerir que a riqueza precisaria ser redistribuída globalmente, para que os lucros das empresas de tecnologia nos EUA e na China pudessem beneficiar pessoas em países menos avançados no domínio da tecnologia.

“Eu diria que o maior problema de longe não está no nível nacional. É em nível global”, disse Harari, que acrescentou que, embora possa imaginar a redistribuição da riqueza de “gigantes da tecnologia na Califórnia” para “mães na Pensilvânia”, ele não vê essa riqueza sendo redistribuída para “Honduras, México ou Brasil. ”

Eventualmente, Anderson apontou para o papel insubstituível dos seres humanos, perguntando a Harari:

“Existe algum cenário em que poderíamos nos escrever de volta nesta história de uma maneira bastante importante como sendo os únicos seres no universo que conhecemos que são realmente capazes das coisas que mais importam na criação – ou seja, expressar amor, alegria, criatividade, aquela sensação de paz de que você mesmo [Harari] falou.

A tecnologia não pode nos aconselhar sobre quais são as coisas mais profundas em nossos corações. Não devemos permitir, devemos manter o controle, de fato, colocar nossa tecnologia a serviço da humanidade. E, de certa forma, a relação entre a tecnologia e nós – [a tecnologia] deveria considerar as coisas sencientes como deuses, que têm superpoderes dos quais [a tecnologia, a IA] nada conhece.  Não?  Isso é ridículo?

Harari não abordou diretamente o ponto de Anderson, mas se concentrou na “questão da senciência e da consciência” como “a questão mais importante a esse respeito” e “o maior enigma da ciência”.

A evasão de Harari à questão pode derivar de sua visão menos transcendente dos seres humanos, conforme refletido em sua afirmação de que “o Homo sapiens governa o mundo porque é o único animal que pode acreditar em coisas que existem puramente em sua própria imaginação, como deuses , estados, dinheiro e direitos humanos”, uma ideia central de seu livro “Sapiens: Uma Breve História da Humanidade”.

Essa ideia ecoa em sua famosa afirmação de que “devemos nos acostumar com a ideia de que não somos mais almas misteriosas”, mas “agora somos animais hackeaveis”.

Como um dos principais conselheiros do chefe e fundador do WEF, o também judeu khazar Klaus Schwab, a visão de Harari de que o mundo agora possui uma abundância de pessoas “inúteis”, juntamente com a sua degradação aberta dos seres humanos como equivalentes aos animais, levanta a questão de saber se os objetivos do WEF são moldado por tal visão [doentia de um psicopata] e, em caso afirmativo, em que medida.

De fato, o WEF sem dúvida coloca o meio ambiente, e não os seres humanos per se, no centro de suas prioridades. Ele fez parceria com as Nações Unidas (ONU) fortemente pró-aborto e pró-contracepção, e a agenda do Great Reset do WEF levantou preocupações de danos colaterais aos meios de subsistência e ao bem-estar das pessoas em todo o mundo.

Por exemplo, alguns argumentam que o WEF busca a renúncia prematura de fontes de combustível fóssil em favor de fontes de energia “verdes”, mas caras e não confiáveis, de maneira a reduzir o uso geral de energia e prejudicar economias inteiras por meio de um efeito cascata.

Mais evidência de tal visão de mundo é o endosso do WEF aos bloqueios do COVID, que resultaram em ondas de perda de empregos, picos maciços de depressão, aumento da violência doméstica e outros efeitos prejudiciais e graves efeitos colaterais de uma pseudo vacina. De fato, o WEF pediu bloqueios “mais rigorosos”, apesar da miséria mundial, e elogiou os bloqueios por seu efeito de redução nas emissões de gases de efeito estufa e poluição.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. DE UMA COISA EU TENHO CERTEZA, O MUNDO PRECISA AINDA MENOS DE CANALHAS DESGRAÇADOS COMO ESTES PARASITAS DO FÓRUM ECONÔMICO DE DAVOS!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *