Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘Contraofensiva’ ucraniana se Esfacela na Parede Defensiva da Rússia, afirma ex-oficial de inteligência dos EUA

O especialista militar, ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, William Scott Ritter, analisou para a Sputnik a ofensiva ucraniana com duas de suas brigadas mecanizadas mais bem treinadas e equipadas contra defensores russos, ao longo dos últimos dias, nas linhas de frente de Zaporozhie. A má avaliação da OTAN e da Ucrânia sobre a capacidade militar russa refletiu suas próprias avaliações exageradas das unidades ucranianas encarregadas de atacar as defesas russas em Zaporozhie, ou seja, as 33ª e 47ª Brigadas Mecanizadas. 

‘Contraofensiva’ ucraniana se Esfacela na parede defensiva russa, afirma ex-oficial de inteligência dos EUA

Fonte: Sputnik

Essas duas brigadas foram escolhidas a dedo para este trabalho, tendo sido equipadas com tanques ocidentais modernos e veículos de combate de infantaria, apoiados por artilharia fornecida pelo Ocidente e usando táticas específicas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) moldadas pela inteligência fornecida pela Aliança Atlântica e pelo seu planejamento operacional.

Em suma, essas duas brigadas representavam uma capacidade de nível superior da OTAN, o epítome do nexo entre a Ucrânia e o Coletivo [do hospício] Ocidental em sua guerra contínua para destruir a Rússia. Eles falharam miseravelmente.

Enquanto o mundo enfrenta as imagens de veículos de combate de infantaria M-2 Bradley fabricados nos EUA destruídos e tanques Leopard 2A6 de fabricação alemã abandonados e queimando nas estepes ucranianas, a dura verdade sobre a futilidade de seus projetos maiores — a derrota estratégica da Rússia — está começando a afundar.

A realidade, no entanto, é que a Ucrânia nunca alcançaria seu objetivo declarado de perfurar as defesas russas para cortar a ponte de terra que liga a Crimeia à Rússia propriamente dita. Este foi o pensamento utópico promulgado pelos apoiadores ocidentais da Ucrânia para motivar os ucranianos a cometer o equivalente a um suicídio em massa para infligir baixas igualmente proibitivas entre os defensores russos.

esperança ocidental era que a Rússia ficasse desmoralizada por essas baixas e aceitasse um fim negociado para o conflito em termos aceitáveis tanto para a Ucrânia quanto para seus aliados ocidentais. Até agora, a Ucrânia e seus aliados ocidentais fracassaram.

A gênese dessa falha pode ser atribuída a duas coisas. Primeiro, a baixa opinião e nenhum respeito que a Ucrânia e seus aliados da OTAN tinham sobre as capacidades de combate do Exército russo e, em particular, as forças destacadas na região de Zaporozhie e, segundo, as expectativas irrealistas atribuídas ao treinamento e equipamento da OTAN que foram fornecidos às forças ucranianas designaram a tarefa de romper as defesas russas.

A área selecionada pela Ucrânia e seus parceiros da OTAN como foco de esforço para a contraofensiva foi mantida firme pela 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados da Guarda russa, parte do 58º Exército de Armas Combinadas.

O Instituto para o Estudo da Guerra (ISW, na sigla em inglês), um think tank baseado nos EUA com laços estreitos com os EUA e a OTAN, afirmou que as tropas da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados da Guarda “eram compostas predominantemente por recrutas e voluntários mobilizados e, portanto,  provavelmente enfrentarão alguns problemas com treinamento e disciplina ruins.”

Além disso, acusou pelo menos um dos regimentos subordinados – o 70º Regimento de Fuzileiros Motorizados – de mau desempenho durante as fases iniciais da operação militar especial em 2022.

Portanto, é razoável acreditar que os planejadores militares da OTAN e da Ucrânia, usando avaliações de inteligência ocidental que destacaram a percepção de [pseudo] fraquezas de comando e controle e moral baixo entre as forças russas que, quando combinadas com desempenho anterior ruim, acreditavam que as defesas russas no setor de Zaporozhie mantidas pela 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados da Guarda entraria em colapso sob o peso ucraniano de um ataque ao estilo da OTAN, permitindo que as forças ucranianas penetrassem profundamente nas defesas russas.

Embora a luta em Zaporozhie ainda não tenha terminado, os resultados iniciais no campo de batalha demonstram que, ao contrário das expectativas da Ucrânia e de seus parceiros da OTAN, os homens da 42ª Divisão de Fuzileiros da Guarda desempenharam suas tarefas de maneira profissional, derrotando decisivamente o ataque das forças ucranianas. O 70º Regimento de Fuzileiros Motorizados foi apontado como tendo um desempenho muito bom em circunstâncias difíceis.

O mesmo pode ser dito do 291º Regimento de Fuzileiros Motorizados e do 71º Regimento de Fuzileiros Motorizados, juntamente com soldados da 22ª Brigada das Forças Especiais da Rússia. Analistas do ISW, ao avaliar os sucessos iniciais dos defensores russos, observaram que “as forças russas parecem ter executado sua doutrina defensiva tática formal em resposta aos ataques ucranianos”.

O Ministério da Defesa da Rússia acaba de divulgar imagens de veículos de combate da infantaria ucraniana Bradley capturados e um tanque Leopard 2.

Isso, é claro, não deveria ter pego ninguém de surpresa, já que o indivíduo no comando das forças russas na área de Zaporozhie é o coronel-general Aleksandr Romanchuk, o homem responsável por conceber a moderna doutrina defensiva russa. Em abril de 2023, Romanchuk, que na época servia como reitor da Academia de Armas Combinadas das Forças Armadas da Federação da Rússia (o equivalente à Escola de Comando e Estado-Maior do Exército dos Estados Unidos em Fort Leavenworth), e coautor de um artigo intitulado “Perspectivas para Melhorar a Eficiência das Operações Defensivas do Exército”.

No artigo, Romanchuk observou que a principal missão de uma força de defesa “é neutralizar a iniciativa do inimigo que avança, ou seja, levá-lo ao estado de impossibilidade de continuar avançando com as forças destacadas. Em última análise, isso permite reduzir sua atividade e tomar a iniciativa passando para uma contraofensiva decisiva para derrotar o inimigo com grupos de choque.”

Isso representa uma reafirmação da doutrina da era soviética. De fato, Romanchuk baseia-se na derrota das operações ofensivas dos nazistas alemães nas proximidades do lago Balaton, em março de 1945, como representando uma implementação ideal dessa doutrina, ressaltando “uma manobra ousada das reservas […] especialmente a artilharia, o uso habilidoso das reservas antitanque, destacamentos vigilantes de obstáculos e o arranjo de emboscadas de fogo” pelas forças russas para derrotar o ataque alemão.

Romanchuk, no entanto, não reiterou simplesmente a velha doutrina em seu artigo. Em vez disso, ele enfatiza o conceito de “forças dispersas” na construção de um esquema defensivo capaz de prevalecer no campo de batalha moderno. “Uma operação defensiva dispersa deve se tornar uma resposta lógica a um inimigo superior”, escreve Romanchuk.

Tal operação de defesa “baseia-se na retenção de áreas, objetos e centros de transporte importantes em direções separadas mais importantes” e é “caracterizada por uma distribuição uniforme de forças e recursos em áreas e uso descentralizado de formações e unidades militares das forças armadas e forças especiais”.

Romanchuk então descreveu o esquema de implantação ideal para essas “forças dispersas” — que se concentra em três “zonas de responsabilidade de defesa” separadas por distâncias entre oito e 12 quilômetros. Essas lacunas são cobertas pela artilharia russa.

 - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2023
Forças russas destroem depósitos de munições, drones e equipamentos estrangeiros na Ucrânia

A primeira zona é a de “cobertura”, cuja tarefa é definir os eixos principais do avanço do inimigo. A próxima zona é a “linha principal de defesa”, que é projetada para deter os ataques inimigos usando cintos de obstáculos e poder de fogo (artilharia e ataques aéreos).

A última zona é a “reserva”, que é responsável pela montagem de contra-ataques destinados a empurrar as forças atacantes de volta às suas posições originais. A doutrina de Romanchuk foi o modelo para o esquema defensivo russo empregado em Zaporozhie.

De fato, Romanchuk foi retirado de seu cargo de professor na Academia de Armas Combinadas e colocado no comando militar do setor Zaporozhie. Em outras palavras, o local escolhido pela OTAN e pela inteligência ucraniana como o “ponto fraco” no esquema defensivo russo foi projetado pelo maior especialista da Rússia em combate defensivo e colocado sob seu comando direto.

OTAN e a Ucrânia apostaram que a Rússia carecia de capacidade militar para implementar com sucesso sua própria doutrina militar, acreditando que as equipes de comando russas careciam das comunicações necessárias para coordenar as operações complexas necessárias para implementar essa doutrina de defesa, e que as forças russas — especialmente aquelas que foram mobilizadas recentemente — não tinham o treinamento e a moral necessários para um bom desempenho em condições difíceis e estressantes de combate. Eles estavam errados em ambos os casos.

A má avaliação da OTAN e da Ucrânia sobre a capacidade militar russa refletiu suas próprias avaliações exageradas das “bravas” unidades ucranianas encarregadas de atacar as defesas russas em Zaporozhie, ou seja, as 33ª e 47ª Brigadas Mecanizadas. 

Ambas as unidades receberam equipamentos modernos da OTAN, incluindo tanques Leopard da Alemanha (a 33ª) e veículos de combate de infantaria Bradley dos EUA (a 47ª). Os oficiais e homens de ambas as unidades receberam o melhor treinamento que a OTAN poderia fornecer em relação às modernas operações de armas combinadas, incluindo semanas de treinamento especializado na Alemanha, que se concentrou em táticas e operações de pelotão, companhia e batalhão, integrando poder de fogo e manobra enquanto realizavam operações ofensivas.

As tropas ucranianas, trabalhando lado a lado com seus instrutores da OTAN, começaram usando  simulações de computador para apresentá-los às complexidades do campo de batalha moderno, antes de irem para o campo para treinamento prático realista usando o próprio equipamento fornecido pela OTAN que eles usariam contra os russos.

“Especialistas” dos EUA, como Mark Hertling, um general aposentado do Exército dos EUA, acreditavam que a combinação de equipamento militar ocidental avançado e táticas [pseudo] superiores ao estilo da OTAN “permitirá que as equipes emergentes de armas combinadas da Ucrânia conduzam manobras de alto ritmo” capazes de sobrepujar os defensores russos na Ucrânia. Ele TAMBÉM estava errado.

Hertling e seus irmãos ativos psicopatas da OTAN teriam feito bem em ouvir as palavras do general Christopher Cavoli, o comandante supremo e aliado do bloco militar na Europa, ao falar antes de uma conferência de defesa sueca em janeiro passado.

“A escala desta guerra [ou seja, o conflito russo-ucraniano] está fora de proporção com todo o nosso pensamento militar recente”, observou Cavoli.

A conclusão desta revelação é que a OTAN não está treinada nem equipada para travar o tipo de luta que eles estão exigindo que a Ucrânia execute contra a Rússia. A triste verdade é que não existem forças da OTAN capazes de executar com sucesso as tarefas ofensivas atribuídas à Ucrânia.

Ninguém duvida da coragem e do compromisso das forças ucranianas que foram lançadas contra a barreira defensiva do coronel-general Romanchuk. Mas a coragem e o empenho por si só não podem superar a realidade de que a OTAN carece de capacidade, tanto em termos de equipamento como de doutrina, para derrotar com sucesso a Rússia em uma confrontação força contra força, especialmente uma em que a Rússia joga com a sua força doutrinária (operações defensivas) enquanto a OTAN procura fazer algo (um ataque contra defesas preparadas) que não tem experiência em fazer.

Além disso, a OTAN e o alto comando ucraniano jogaram as brigadas ucranianas nas garras da motosserra defensiva russa sem apoio de fogo adequado e sem nenhum apoio aéreo, o que significa que os russos estavam livres para maximizar sua superioridade em artilharia e poder aéreo para neutralizar e destruir as forças de ataque ucranianas antes que eles pudessem gerar sequer o impulso esperado da “manobra de alto ritmo”.

O resultado final: a realidade da superioridade militar avassaladora da Rússia superou a frágil teoria dos psicopatas da OTAN no campo de batalha, e são as Forças Armadas da Ucrânia que mais uma vez pagaram o preço mais alto. Além disso, não há razão para acreditar que esta situação vá mudar tão cedo, se é que vai mudar, fato este que deve ser um mau presságio para o futuro da Ucrânia, da OTAN e, especialmente dos militares dos EUA daqui para a frente.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *