browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Criptomoeda Libra do Facebook: ‘Cavalo de Tróia’ para um novo sistema financeiro global?

Posted by on 27/06/2019

Alguns têm proclamado o novo ‘mergulho’ de Zuckerberg em moedas digitais como (um dos) impulsionadores do recente renascimento em criptomoedas (como a escala vai para o mainstream); outros temem que a criptomoeda Libra do Facebook seja um ‘cavalo de troia’ para o controle centralizado da riqueza de bilhões de pessoas (não descentralizado) e uma aceleração da pressão por uma sociedade sem dinheiro (na medida que a taxas são negativas quase globalmente e os formuladores de políticas perderam o controle do status quo financeiro).

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A criptomoeda Libra lançada pelo Facebook é o cavalo de Tróia para um novo projeto de SDR(*)  do sistema financeiro global?

Fonte:  https://www.zerohedge.com/

Wim Boonstra do Rabobank quebra os argumentos de ambos os lados , argumentando que a Libra poderia ser “potencialmente uma adição bem-vinda ao sistema financeiro”, mas terminando sinistramente em uma meta totalitária …

{(*) SDR (Special Drawing Rights) = Direitos de Saque Especiais (SDR) – O que são Direitos Especiais de Saque ?  –  Direitos de saque especiais (DSE) referem-se a um tipo internacional de moeda de reserva monetária criada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em 1969, que opera como um complemento às reservas monetárias existentes nos países membros. Criados em resposta às preocupações sobre as limitações do ouro e do dólar como o único meio de liquidar as contas internacionais, os SDR aumentam a liquidez internacional suplementando as moedas de reserva padrão }

Resumo

Um consórcio liderado pelo Facebook anunciou recentemente a introdução de uma nova criptomoeda, a Libra. Ao contrário da maioria das outras criptomoedas, a Libra será totalmente coberto por ativos financeiros (uma cesta de moedas). Um dos objetivos da Libra é conectar bilhões de pessoas que ainda não têm acesso a serviços financeiros ao sistema financeiro atual. Os efeitos da Libra, portanto, serão sentidos primeiramente nos mercados emergentes, mas logo essa criptografia também pode se manifestar em outro lugar. Se a Libra realmente decolar, ela potencialmente também terá um impacto maior no sistema financeiro do que outras criptomoedas.

Introdução

Um consórcio liderado pelo Facebook lançou recentemente uma iniciativa para uma nova moeda criptografada, a Libra. A primeira recepção na mídia e com os políticos foi bastante cética, chegando a ser hostil. Isso está relacionado à imagem ruim que o Facebook criou para si nos últimos anos. A combinação do nome “Facebook” e as palavras “nova criptomoeda” em uma sentença parece desencadear muita emoção. O que é uma pena. Porque a Libra não é uma criptomoeda típica e, igualmente importante, o Facebook é apenas um dos muitos iniciadores da Libra. Estudar os documentos subjacentes mostra que esta é uma iniciativa muito interessante.

Para começar, o consórcio organizado pelo Facebook, a Associação Libra, é certamente impressionante. Ele inclui um número de grandes empresas conceituadas no campo das transações de pagamento (Mastercard, Visa, Paypal), novos modelos de negócios (eBay, Uber), telecomunicações (Vodafone) e Fintech. Tudo somado, há muito conhecimento (e muita TI) por trás dessa iniciativa. Em parte por causa disso, à primeira vista, o conceito de Libra parece ser mais inteligente do que muitas outras criptomoedas. Por exemplo, o Bitcoin foi dito imediatamente ser tecnicamente avançado, mas economicamente obsoleto (Economist, 2011). Essa crítica não se aplica ao Libra, já que o lado econômico também foi cuidadosamente considerado. Mais sobre isso depois.

Outra diferença importante entre muitas moedas criptográficas e o Libra é que, desde o início, a Associação Libra procura cooperação com legisladores e reguladores no campo da proteção ao consumidor e a prevenção do abuso do Libra para transações criminosas (Catalani et al, 2019). A Associação Libra, portanto, “parece” não se opor ao sistema regulador (como muitas criptomoedas fazem), mas se considera um acréscimo valioso ao sistema existente e, portanto, quer participar plenamente dele. É notável, no entanto, que o White Papers da Libra não menciona se os reguladores monetários e bancários também foram abordados.

Como veremos, ficará claro que a Libra, se bem-sucedida, poderia fortalecer consideravelmente a competição dentro do sistema e, além disso, pode crescer em relevância sistêmica. O que, claro, alertará todas as autoridades de supervisão do mundo

A criptomoeda Libra é garantida por ativos

A maioria das moedas criptográficas não tem nenhuma garantia real. Isso significa que, em última análise, o valor subjacente é zero. Essa é uma das razões pelas quais elas flutuam muito em valor, já que não há valor subjacente que possa servir como referência na formação de preços. A volatilidade {devido à especulação} dos preços resultante faz com que uma moeda criptografada como o Bitcoin seja altamente inadequada como dinheiro normal. A Libra, por outro lado, será totalmente coberta por ativos financeiros de alta qualidade, tais como títulos públicos de curto prazo de boa qualidade e boa liquidez. Se o uso da Libra crescer, os ativos subjacentes também crescerão. Se, por outro lado, as pessoas entregarem Libras em massa, isso levará a uma diminuição no tamanho do sistema da Libra, mas a liquidez da cobertura terá um efeito relativamente limitado sobre o preço.

Um circuito impulsionado pela demanda

O tamanho do circuito Bitcoin é predeterminado e os Bitcoins devem ser “extraídos”. Como resultado, não há correlação lógica entre a quantidade de atividade econômica e o tamanho do circuito Bitcoin. A Libra faz isso de forma diferente. Não prossegue uma política monetária, argumenta o White Paper, não vai influenciar ativamente a quantidade de Libra. O tamanho do circuito de Libra é precisamente orientado por questões. Mais Libra entra em circulação quando as pessoas compram Libra e, assim, entregam ativos com valor real no mercado convencional para sua garantia; o oposto acontece quando as pessoas compram de volta esses ativos e devolvem Libra para esse fim. Desta forma, o possuidor de Libras é administrado como um conselho monetário, em que a oferta monetária de um país se move automaticamente cara-a-cara com o tamanho das reservas cambiais. As transações reais passam por partes especialmente designadas (“vendedores autorizados”), que devem garantir a liquidez da Libra. Aqui as pessoas também podem negociar Libra entre si, de modo que o tamanho da quantidade total pendente de Libra só muda se a demanda exceder a oferta ou vice-versa.

Um complemento ao sistema existente

O Libra não é lançado como uma moeda mundial, que deve substituir outras moedas. Por outro lado, deve ser visto apenas como um complemento das moedas existentes. Sabe-se da literatura especializada sobre áreas monetárias ótimas que todo o conceito de moeda mundial universal é absurdo (Mundell, 1961). Na estrutura da Libra, os países mantêm suas próprias moedas nacionais. O circuito de Libra o domina, por assim dizer, como uma espécie de cesta de moedas, segundo a qual a composição dos ativos subjacentes determina o valor da cesta de moedas. A taxa de câmbio da Libra contra as moedas participantes será, portanto, relativamente estável, mas não é inteiramente certa. É, por assim dizer, uma média ponderada das taxas de câmbio dos títulos financeiros incluídos nas reservas subjacentes. A este respeito, a Libra pode ser comparado ao ECU, a cesta de moedas européia que precedeu o euro (Boonstra, 2018). No entanto, é provável que a Libra tenha uma composição mais ampla do que a ECU, que naturalmente incluía apenas moedas européias. Outra comparação é com um fundo do mercado monetário, que emite passivos negociáveis ​​e os cobre integralmente com títulos do mercado monetário de curto prazo.

Uma moeda criptográfica relativamente estável, mas apenas em relação aos valores subjacentes

Obviamente ainda não está claro de que moedas os ativos garantidores da Libra serão constituídos. Como dito, suas taxas de câmbio determinarão a taxa da Libra. Ao mesmo tempo, a Associação Libra quer garantir um alto grau de negociabilidade da Libra. Isso também significa que os ativos garantidores devem ter um alto grau de liquidez. A consequência lógica é que a Libra só pode ser coberta por ativos em moedas totalmente conversíveis. Os países fracos não podem entregar os ativos de alta qualidade usando sua própria moeda que a Libra cobre. Isso limita consideravelmente a escolha, porque muitas moedas não são totalmente conversíveis e, portanto, não possuem controles de capital. O renminbi chinês, por exemplo, ainda não se qualifica nesse aspecto.

O que precede significa que a taxa da Libra é, portanto, determinada principalmente como uma média ponderada das taxas de câmbio das moedas conversíveis, predominantemente ocidentais. Visto de uma moeda fraca, a Libra tenderá a apreciar estruturalmente. Isso torna atraente para os residentes de países com uma moeda fraca e / ou alta inflação para armazenar seus ativos em Libra. Isto é no pressuposto de que eles encontrarão contrapartes que estão dispostas a entregar Libra em troca de suas moedas fracas. Isso também poderia significar que, se o circuito de Libra pudesse escapar das restrições reguladoras dos países aos movimentos de capital, a posse da criptomoeda Libra  poderia desempenhar um papel na fuga de capitais.

Modelo de ganhos ainda não completamente claro

O modelo de negócios por trás da Libra ainda não está claro, o que talvez seja uma das razões pelas quais muitos observadores reagem de maneira suspeita a essa iniciativa. Os ativos nos quais os investimentos são feitos têm rendimento relativamente baixo. No entanto, os custos serão cobrados do usuário por transação. Os custos do Libra serão determinados, entre outras coisas, pelo projeto do sistema de pagamento subjacente (que será baseado na tecnologia blockchain) e pelos custos que deverão ser incorridos para cumprir todas as leis e regulamentos relevantes. Talvez a Associação Libra espere ganhar dinheiro com a venda de dados de transações para terceiros. Aqui a atual reputação do Facebook pode não ser muito útil para o sistema.

Possível impacto

Se a Libra decolar, isso pode ser uma má notícia para muitas criptomoedas existentes. O design inteligente e o poderoso consórcio de empresas por trás do sistema (algo inexistente nas demais criptomoedas) tornam o Libra potencialmente superior às atuais moedas de criptografia. Por enquanto, o preço do Bitcoin não respondeu realmente ao anúncio do Libra. Na verdade, aumentou em valor, o que é surpreendente, para dizer o mínimo. Se a Libra ganhasse terreno e alcançasse grandes volumes, a demanda por ativos financeiros de alta qualidade, líquidos e de curto prazo para cobri-lo pode levar a uma pressão ascendente sobre o preço de tais ativos e, portanto, uma melhoria adicional na curva de rendimento.

A Libra tem a ambição de conectar os cerca de 1,7 bilhões de pessoas que ainda não têm conta bancária no sistema financeiro. Para ser bem sucedida, a Libra deve dar-lhes acesso a um sistema de pagamento barato e eficiente, com margens baixas e previsíveis entre os preços de compra e venda. Eles começam com o grupo de pessoas que ainda não têm uma conta bancária, mas que já possuem um telefone celular. Isso já seria um potencial de cerca de 1 bilhão de pessoas. Além disso, segundo a Associação Libra, meio bilhão de pessoas que não tem acesso a serviços financeiros, mas tem acesso à internet. Desta forma, o Libra pode contribuir para acelerar o grande grupo de pessoas que ainda não têm acesso a serviços financeiros. Isso permite que a moeda tenha um papel importante nos países em desenvolvimento. Este será certamente o caso se o blockchain da Libra também puder processar transações em moeda local. A chance de isso acontecer é real. Isso ocorre porque a Libra terá um caractere aberto, por exemplo, onde o código-fonte é completamente transparente. Isso significa que as partes podem criar seus próprios aplicativos e integrá-los ao Libra. Como resultado, as moedas locais também podem desempenhar um papel e uma integração mais próxima com a economia existente é viável.

Mas as conseqüências da chegada do Libra não se limitarão aos países emergentes é obvio. O usuário da Libra também pode desempenhar um papel importante na eliminação de ineficiências de pagamento em países economicamente mais desenvolvidos. Em geral, pode-se dizer que quanto mais ineficiente é o sistema de pagamento doméstico, mais rápido e mais robusto poderiam ser sentidos os efeitos da Libra. Essa é uma boa notícia para os prestadores de serviços de pagamento em nosso país, porque a Holanda tem um sistema de pagamento eletrônico eficiente e eficaz, embora isso não deva levar à complacência. Porque sob pressão da inovação e da competição, o objetivo deve ser constantemente melhorar as coisas.

Parceiros criptomoeda Facebook. FONTE THE BLOCK

Conclusão

Pessoalmente, não gosto de criptomoedas. Na minha opinião, elas são sensacionalistas, não têm valor (garantia) real nenhum e, na sua forma atual, a maioria delas não terá futuro. É preciso muito convencimento para me entusiasmar com qualquer coisa que se pareça vagamente com uma criptomoeda. Além disso, também não gosto do Facebook. No entanto, a criptomoeda Libra me deixa animado como economista. Em suma, se esse projeto for lançado, o mundo receberá uma nova criptomoeda, mas desta vez é uma criptomoeda que pode potencialmente fazer com que seu impacto seja sentido não apenas no mundo financeiro, mas também no mundo real. Pode também tornar a maioria dos outros criptos irrelevantes. Eu a aplaudo por isso.

Até agora, a Libra existe apenas no papel. Este é um aviso importante. No entanto, no papel, o design da Libra parece muito bom. O tempo terá que dizer se este consórcio conseguirá ou não lançar essa nova criptomoeda seguindo as linhas esboçadas no white paper subjacente.  Se o fizerem, potencialmente pode marcar o início de um grande redesenho do sistema financeiro global. Goste você ou não.

Deixando uma questão importante: por que o FMI nunca considerou lançar o SDR (Special Drawing Rights) = Direitos de Saque Especiais (SDR) dessa maneira? Isso realmente teria sido um divisor de águas …

Autor: Wim Boonstra do Rabobank


Mais informações, leitura adicional:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.