Cumprindo uma ‘Promessa Verdadeira’: um relato dum Insider sobre o Ataque do Irã a Israel

O deputado iraniano Mahmoud Nabavian revela a estratégia calculada, a intriga diplomática e a ousada proeza militar que evidenciaram os ataques com mísseis de Teerã em 13 de Abril contra o território de Israel que criou uma “nova realidade” no Oriente Médio, especialmente para os sionistas judeus khazares.

Cumprindo uma ‘Promessa Verdadeira’: um relato dum Insider sobre o Ataque do Irã a Israel

Fonte: The Cradle

Após o sucesso estratégico da operação de retaliação de drones e mísseis do Irã “True Promise” em resposta ao ato de guerra pelo bombardeamento israelita do mês passado ao consulado iraniano em Damasco, o The Cradle apresenta uma narrativa privilegiada exclusiva fornecida pelo membro iraniano do Parlamento Mahmoud Nabavian, um principista que venceu a maioria dos votos em Teerã durante as eleições de março no país. 

O seu relato dos ataques de retaliação contra o estado sionista judeu khazar oferece uma visão sem paralelo dos acontecimentos de 13 a 14 de Abril. Com acesso a fontes militares, o testemunho de Nabavian serve como a visão mais detalhada até à data feita por um funcionário do governo iraniano sobre a resposta do Irã ao ataque de Israel, que expôs gravemente as vulnerabilidades dos sistemas de defesa aérea de Israel, sempre considerado “inexpugnável”. 

Numa publicação fechada no Telegram, Nabavian explicou que o ataque “covarde” de Israel, que levou ao assassinato de líderes proeminentes do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC), ocorreu “no nosso solo” – uma referência à missão diplomática iraniana em Damasco: 

“Como disse o Imam [Ali Khamenei], os inimigos cometeram um erro. ”Os ataques de retaliação total do Irã, afirma ele, foram justificados e legais nos termos do artigo 51.º da Carta das Nações Unidas.

Abaixo está uma transcrição (editada em extensão) das importantes revelações de Nabavian sobre os ataques militares do Irã contra Israel e a enxurrada de tentativas de acordos internacionais que os precederam:

Duas horas depois do ataque ao consulado em Damasco, o Conselho de Segurança Nacional iraniano reuniu-se e afirmou a inevitabilidade de uma resposta e deu um prazo de 10 dias para tomar as medidas diplomáticas necessárias e para as forças armadas prepararem o seu plano de resposta.

Diplomaticamente, o primeiro passo foi ir ao Conselho de Segurança da ONU, embora soubéssemos que isso seria inútil. Mas foi necessário apresentar uma queixa sobre o ataque às nossas terras, fazer valer o nosso direito natural à autodefesa e solicitar uma sessão do Conselho de Segurança. Como não somos membros do Conselho, tivemos de falar com os Estados-membros para solicitar a realização da sessão. 

China, Rússia e Argélia concordaram. A Rússia apresentou o pedido e a sessão foi realizada, mas os EUA, a Alemanha, a Grã-Bretanha e a França não permitiram que fosse emitida uma declaração condenando Israel. Os chefes das nossas missões no estrangeiro também foram ativos em informar os países em causa que iríamos responder à entidade sionista.

Devido a estas pressões, Israel negou ter atacado um edifício diplomático e que os alvos não fossem diplomatas. O edifício do consulado, quatro dos seus cinco andares, foi adquirido há 45 anos e foi destinado ao trabalho diplomático. Na verdade, era um edifício diplomático.

Depois de garantirmos à comunidade internacional o nosso direito de resposta, alguns países, como os EUA, a Alemanha, a Inglaterra, a França, o Canadá e o Egito, tentaram convencer-nos a não o fazer e confirmaram a sua disponibilidade para satisfazer os pedidos do Irã. Por exemplo, alguns destes países que anteriormente não estavam dispostos a conceder vistos de entrada aos nossos diplomatas ou funcionários decidiram subitamente fazê-lo imediatamente.

Quando os EUA perceberam que estávamos falando sério, enviaram uma ameaça de que, se a resposta fosse lançada a partir do território iraniano, os EUA poderiam atacar o Irã. A nossa resposta foi que os EUA não estão entre os nossos alvos, mas se decidirem envolver-se na defesa de Israel, responderemos atacando-os também e, como sabem, há muitas bases americanas à nossa volta [no Golfo Pérsico]. 

Apesar disso, os EUA, a Grã-Bretanha, a França e a Alemanha insistiram na mesma mensagem, mas a nossa resposta foi que Israel ultrapassou a linha vermelha. Então, disseram, que se tivermos de responder, que seja de fora do território iraniano.

Por que insistiram que o ataque não fosse de dentro do Irã? Porque há muito tempo que assassinam os nossos cientistas nucleares e realizam operações de sabotagem no reator nuclear de Natanz. Só nos últimos seis meses, assassinaram 18 membros das nossas forças armadas e sempre respondemos através dos nossos aliados [no Eixo da Resistência], mas se assim o fizéssemos desta vez, perderíamos prestígio.

Se o Hezbollah libanês tivesse respondido a Israel, os sionistas poderiam ter bombardeado Beirute, e as potências ocidentais teriam aproveitado isso para dizer: ‘Se esta é uma guerra entre o Irã e Israel, porque é que o Hezbollah se envolveu nela?’ Eles também o responsabilizariam pelos subsequentes distúrbios no Líbano.

Portanto, a insistência de que a resposta iraniana deveria ser feita através dos aliados do Irã pretendia distorcer a reputação do Hezbollah e levar Israel a atacar o Hezbollah e outras forças de resistência na região e a retratá-las como mercenários do Irã. Lemos bem estas sutis intenções ocidentais e, consequentemente, foi tomada a decisão de responder a partir do próprio território iraniano.

Na noite do Eid al-Fitr, realizou-se uma reunião com os chefes das missões diplomáticas dos países da região, e informamos-lhes que estamos interessados ​​na boa vizinhança, mas se os EUA usarem algum dos seus países para levar a cabo uma ação contra nosso pais, nós atacaríamos as bases dos EUA nas vossas terras.

Esta mensagem foi transmitida a Washington e eles perceberam que o Irã estava falando sério. Eles nos pediram para exercermos “moderação“. Os EUA, a Alemanha, a Inglaterra, a França e o Canadá – estes mesmos países que apoiam a brutalidade e o crime no mundo e fornecem as armas com as quais o povo palestino de Gaza é bombardeado e assassinado – pedem-nos que nós exerçamos contenção. 

[O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido] David Cameron ligou na noite seguinte ao ataque iraniano e disse que não “conseguiu dormir” na noite passada. Este é o malicioso secretário de Relações Exteriores britânico. Por que? Porque enviamos 300 drones e mísseis sobre as cabeças dos sionistas israelitas. O funcionário iraniano que falou com ele disse: ‘Durante seis meses, foguetes caíram sobre o povo de Gaza e você dormiu bem todas as noites.’ Esta é a mesma Grã-Bretanha maliciosa que encorajou os EUA a lançar ataques contra o Iémen.

O importante é a coordenação a todos os níveis antes de responder, política, diplomaticamente e nos meios de comunicação social. Depois do Líder [Ali Khamenei] ter afirmado no seu sermão do Eid al-Fitr que certamente disciplinaremos o inimigo, chegaram-nos mensagens solicitando que a resposta fosse proporcional e não contundente

A nossa resposta foi clara: primeiro, atacaríamos definitivamente Israel; segundo, que o ataque seria direto do território iraniano; e terceiro, que o Conselho de Segurança Nacional decidiu que a resposta seria um elemento dissuasor.

Entretanto, o Azerbaijão informou-nos que tinha informações de que iríamos bombardear a embaixada israelita em Baku e pediu-nos que não realizássemos qualquer ação no seu território. Penso que esta foi uma mensagem de que poderiam fechar os olhos aos ataques a alvos israelitas num país vizinho, mas já estávamos cientes disso. 

As mensagens que recebemos não se limitaram aos EUA e aos países europeus, mas também recebemos mensagens de alguns países da região. Tentamos aproveitar a situação para chegar a um cessar-fogo em Gaza e dissemos a todos que esta poderia ser uma solução para o problema. 

Perguntaram-nos se um cessar-fogo em Gaza significava que nos abstiveríamos de responder atacando Israel. Respondemos que atacaríamos Israel de qualquer maneira, mas talvez uma decisão como esta ajudasse a reduzir a gravidade do ataque. Eles pediram que lhes déssemos alguns dias.

Pedimos às nossas forças militares que adiassem a resposta por 24 horas e demos aos países do mundo a oportunidade de cumprirem as suas obrigações estipuladas nas leis internacionais e a Israel se comprometer a não atacar as forças e interesses iranianos na região e no mundo.

Em relação ao pedido iraniano para concluir uma trégua permanente, completa e imediata na Faixa de Gaza: o presidente dos EUA, Joe Biden, enviou uma mensagem afirmando que ele próprio trabalharia para alcançá-la, mas estabeleceu uma condição maliciosa, que é que a resistência palestina libertasse todos os prisioneiros israelenses em troca de Israel libertar 900 prisioneiros palestinos, após o que começaria a implementação da trégua. 

É claro que o Hamas não concordou com a questão e esta foi a decisão correta. Compreendemos que eles [os americanos] não levam a sério a obtenção de uma trégua e que procuram apenas alcançar os seus objetivos malignos.

Todos perceberam que atacaríamos Israel. Os EUA, a França, a Grã-Bretanha e até a Itália aproveitaram todas as suas capacidades militares no Qatar, ao lado dos EAU, da Arábia Saudita e da Jordânia para ajudar Israel. 

Eles equiparam seis lançadores de mísseis nas águas da região com um alcance entre 2.000 e 3.000 quilômetros. Aproveitaram todos os satélites e radares modernos, deslocaram 103 aeronaves para o espaço aéreo da região para atacar os nossos mísseis e colocaram todos os sistemas de defesa aérea sob comando unificado, sob a supervisão dos EUA, para confrontar os mísseis iranianos em várias fases. 

Ou seja, se os mísseis iranianos conseguissem ultrapassar qualquer linha de defesa, seriam alvejados e abatidos na próxima.

O que é interessante é que o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, 24 horas antes da operação iraniana ter sido realizada, telefonou-nos e implorou que não atingíssemos Israel a partir do interior do território iraniano. Ele disse que nossos mísseis não seriam capazes de ultrapassar os obstáculos e linhas de defesa que haviam preparado para interceptar nossos mísseis e que os EUA estavam usando 70 drones no Iraque para isso, e aumentariam o número para 700.

Eles monitoravam os movimentos dos nossos soldados, mísseis e drones e acreditavam que nenhum dos mísseis iranianos alcançaria Israel. Eles estavam confiantes de que os nossos mísseis não seriam capazes de penetrar nos sistemas de defesa aérea de Israel. 

Na base turca de Incirlik, que inclui 5.000 soldados, um grande número de aviões AWACS e 15 aviões bloqueadores foram aproveitados para repelir o nosso ataque.

Como tal, todos ficaram surpreendidos com a forma como o Irã conseguiu escapar às enormes camadas de defesa que tinham ativado, e o que os surpreendeu ainda mais foi que demoraram cinco horas e meia a sete horas para os drones chegarem à entidade sionista, e a sua velocidade não era grande, o que significava que seriam fáceis de abater.

Vinte e quatro horas antes da operação, Washington enviou uma mensagem firme afirmando que se decidíssemos atacar Israel a partir do nosso território, eles responderiam militarmente contra o Irã. Desta vez, não falaram sobre possibilidades, mas disseram que atacariam definitivamente o território iraniano. A nossa resposta foi decisiva: atacaremos definitivamente Israel a partir dos nossos territórios e, se os EUA cometerem algum erro, atacaremos todas as suas bases na região.

Informamos a Arábia Saudita e os países da região que, se o território iraniano for atacado a partir do seu território, responderemos definitivamente. A Arábia Saudita anunciou que não permitiria a realização de qualquer operação contra o Irã a partir do seu território, e as autoridades de Chipre também nos comunicaram uma mensagem semelhante.

Sabíamos que o espaço aéreo iraquiano e jordaniano estava completamente sob controle dos EUA. Pensamos nos alvos israelitas que iriamos atingir e enfrentaríamos dois obstáculos: o primeiro era que as suas defesas aéreas eram muito fortes e tínhamos de encontrar uma forma de os nossos drones e mísseis os ultrapassarem, e o segundo era não tomar medidas que nos levassem à condenação pública. 

A decisão foi atacar dois alvos militares: o primeiro foi o aeroporto [Nevatim], de onde decolou o avião F-35 que bombardeou o consulado iraniano em Damasco, e o segundo foi um centro de inteligência israelita nas colinas de Golã. Por coincidência, o caça que tinha como alvo o consulado disparou os seus mísseis de cima deste quartel-general da inteligência.

Os nossos drones, num total de cerca de 130, foram lançados, a maioria dos quais nos pertencia, e entre dois e três foram enviados pelas nossas forças aliadas. Também lançámos mísseis que transportavam ogivas explosivas, um grande número dos quais desviou as defesas aéreas do seu caminho. 

Não vou falar muito sobre o número de ataques que alvejamos, mas dos 17 mísseis, 15 atingiram os seus alvos em solo de Israel, o que significa 89 por cento. Todo o Ocidente estava lá ajudando os sionistas e assistindo, e entregamos uma mensagem importante ao mundo.

No rescaldo da operação, 15 países nos contactaram e disseram que procuravam um cessar-fogo em Gaza e pediram a Israel que não respondesse ao nosso ataque. 

Os ministros dos Negócios Estrangeiros britânico e alemão contactaram-nos e disseram que o direito internacional não inclui o termo “punição”. Respondemos-lhes: se isso não existe no direito internacional, porque é que propuseram punir o Hamas depois de 7 de Outubro? As ligações continuaram perguntando se atacaríamos Israel novamente. Dissemos que se fôssemos atacados, responderíamos dez vezes mais.

Os países da região agora “compreenderam” as capacidades de ataque do Irã e parece que procurarão melhorar significativamente as suas relações com nosso país. Os sionistas de Israel perceberam que quando o espírito de desespero tomar conta, como diz Ben Gurion, “começaremos a cair na encosta   que conduz ao abismo”, e isto tornou-se claro para o mundo. 

Como expressa o mestre da resistência [Hasan Nasrallah do Hezbollah], “Israel é mais fraco que uma teia de aranha” [mas arrogante ao extremo] e, se Deus quiser, esta operação será um elemento dissuasor contra os assassinatos que estavam ocorrendo contra nós. Agora, esta é a única coisa que Israel pode fazer, e devemos estar mais vigilantes, e devemos incutir esperança nos povos da região e não nos preocupar com os governantes.

O relato de Mahmoud Nabavian não só expõe o planejamento meticuloso por detrás da resposta da República Islâmica, mas também revela uma determinação em defender a sua soberania e impor uma dissuasão credível contra futuras violações – a todo o custo. 

A resposta militar de Teerã deve ser interpretada para além da atual guerra regional centrada em Gaza e assinala uma ampla recalibração da dinâmica de poder na Ásia Ocidental. À medida que os estados ocidentais e vizinhos avaliam as implicações da nova postura militar assertiva do Irã, as alianças e estratégias exigirão uma reconsideração cuidadosa. de todas as partes, especialmente para os sionistas, o “povo eleito”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth