Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Da Pandemia Global ao ‘Pandemônio’ Geral

Os últimos dois anos foram os anos da pandemia global. Até agora, 2022 está parecendo um ano de Pandemônio global. Começou com a invasão da Ucrânia pela Rússia e passou a apresentar crescentes tensões entre os EUA e a China, o colapso do acordo nuclear com o Irã e uma crise econômica que desencadeou espirais inflacionárias, pânicos financeiros e até convulsões políticas em todo o mundo, [mas especialmente no Hospício ocidental]

Em meio à guerra na Ucrânia, aumento da inflação, escassez, alto custo da energia e tensões com a China, os governos buscam os interesses nacionais acima dos valores transnacionais.

Fonte: Wall Street Journal

Presas entre as crescentes tensões geopolíticas e a deterioração das perspectivas econômicas, nenhuma das principais potências do mundo está em boa situação hoje. A China, onde políticas agressivas de zero Covid em grandes centros populacionais continuam a exigir enormes custos sociais e econômicos, com a China enfrentando sua mais grave crise financeira enquanto luta para administrar a maior bolha imobiliária da história mundial. 

O ministro das Relações Exteriores do Japão disse a pensadores de Washington na semana passada que a “lógica da força bruta” estava substituindo o estado de direito na parte japonesa do mundo, mesmo com o crescimento lento, o declínio demográfico e uma moeda fraca levantando dúvidas sobre as perspectivas de longo prazo do Japão.

O aumento generalizado dos custos dos alimentos, energia e combustíveis representa grandes problemas para a economia da Índia. Com o Paquistão debaixo d’água e o Sri Lanka envolvidos em crises políticas e econômicas, a China pressionando na fronteira, o Afeganistão em ebulição e o conflito civil de Mianmar cada vez mais sangrento e amargo, a região da Índia está menos estável do que em qualquer outro momento desde a guerra de independência de Bangladesh em 1971.

A Europa não está se saindo melhor. A guerra na Ucrânia mergulhou o continente em sua pior crise em décadas. A Alemanha está olhando para o colapso dos pressupostos econômicos e geopolíticos que orientaram suas políticas e garantiram sua prosperidade desde o fim da Guerra Fria. A França não pode se reformar nem moldar o ambiente político além de suas fronteiras. 

Os apoiadores do Brexit no Reino Unido esperavam que, em um mundo em rápida globalização, uma Grã-Bretanha livre das restrições dos regulamentos da União Europeia pudesse se tornar um centro financeiro offshore vital, desfrutando de relações estreitas com empresas russas e chinesas. No mundo desglobalizante de hoje, esse sonho se desvaneceu e não está claro como ou se a Grã-Bretanha pode fazer o Brexit funcionar.

O governo [do marionete ‘Dementia’ Joe] Biden até agora lutou para estar à altura da ocasião [pondo mais lenha na fogueira]. Infelizmente, essa dificuldade pode estar conosco por um tempo. Os índices abismais de aprovação do presidente nas pesquisas e a perspectiva de perder pelo menos uma câmara do Congresso no meio do mandato limitam a autoridade política da Casa Branca em casa e minam seu poder no exterior. 

A combinação de muitas más notícias econômicas domésticas e eventos desafiadores no exterior não é um bom presságio. Poucos observadores pensam que um governo sitiado pode aprovar no Congresso muitos mais projetos de ajuda de US$ 40 bilhões para a Ucrânia. Como, na ausência de tal ajuda, Washington pode ajudar Kyev a levar sua guerra contra a Rússia a uma conclusão bem-sucedida é uma questão sem respostas fáceis.

Especialmente impressionante é a virtual ausência de uma forte liderança econômica americana em um momento de crise global, um verdadeiro Pandemonium. Em crises econômicas mundiais passadas, vozes de americanos como Paul Volcker, James Baker e Robert Rubin forneceram liderança intelectual e política crucial. Se a Casa Branca ou o Departamento do Tesouro têm uma agenda convincente e prática para colocar a economia global de volta no curso, isso ainda precisa ser revelado a um mundo ansioso.

Parte do problema é estrutural. O que Charles Krauthammer chamou de “momento unipolar” na história mundial, a era da supremacia americana que se seguiu à Guerra Fria, acabou definitiva e irrevogavelmente, e é mais difícil para qualquer presidente americano moldar os eventos mundiais quando confrontado com adversários ativos e poderosos dispostos a se separar da [des]ordem americana. 

Mas o problema também é intelectual [e moral]. Muitos dos veteranos do governo de Obama que ocupam cargos importantes no [des]governo de Biden ainda estão mergulhados nas ideias da era Obama que são ainda menos adequadas às condições atuais do que há oito anos.

Para dar apenas um exemplo, a mera existência de ameaças comuns não inspira as nações da terra a uma ação comum. A pandemia de 2020 tornou os governos mais nacionalistas e introspectivos. Até agora, o Pandemônio global de 2022 está tendo o mesmo efeito. Os países respondem a ameaças como o programa nuclear iraniano, as mudanças climáticas e o ataque da Rússia à Ucrânia com base em sua avaliação de seus interesses nacionais muito mais do que em seu respeito aos valores globais.

Tanto os governos Obama quanto ‘Dementia’ Joe supervalorizaram a importância da doce razão dos EUA nos assuntos internacionais. Os estrangeiros, mesmo os amigáveis, muitas vezes ficam menos impressionados com os argumentos americanos sobre interesses comuns e objetivos globais do que com suas avaliações do poder, astúcia e vontade americanas. Boas intenções importam menos que o sucesso.

O presidente marionete ‘Dementia’ Joe ainda pode colocar seu governo, o país e o mundo em um rumo mais esperançoso [duvidamos]. Mas você não pode resolver um problema até reconhecer que tem um e/ou que pare de criá-los intencionalmente. Até e a menos que a Equipe do marionete ‘Dementia’ Joe possa se livrar das suposições e hábitos fracassados ??dos anos Obama, a política externa americana parece fadada a fracassar à medida que os ventos geopolíticos e econômicos da tempestade continuam a aumentar.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *