browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Descoberta de exoplaneta gigante orbitando ‘jovem Sol’ 20 vezes mais longe que Júpiter surpreende cientistas

Posted by on 20/04/2021

Descoberta de Planeta gigante a uma grande distância de estrela semelhante ao Sol intriga astrônomos: Uma equipe de astrônomos liderada por cientistas holandeses captou imagens diretas de um exo-planeta gigante, seis vezes maior que Júpiter, orbitando a uma grande distância em torno de uma jovem estrela semelhante ao nosso Sol. A estrela que acompanha o exo-planeta tem apenas 14 milhões de anos e se parece com nosso Sol no período de sua infância. O estudo foi publicado na revista Astronomy & Astrophysics.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Descoberta de exoplaneta gigante orbitando ‘jovem Sol’ 20 vezes mais longe que Júpiter surpreende cientistas

Fonte:  Phys.Org  –  Sputnik

Por que este planeta é tão maciço e como sua localização se encontra a uma distância tão grande da estrela permanece um mistério, escreve o Phys.org.

O planeta em questão é o YSES 2b, e se encontra a 360 anos-luz da Terra em direção à constelação austral da Musca (mosca em latim, bem próxima da Constelação do Cruzeiro do Sul), e orbita a estrela a uma distância cerca de 110 vezes maior do que a Terra está do Sol, ou 20 vezes a distância entre o Sol e Júpiter.

A estrela que acompanha o exoplaneta tem apenas 14 milhões de anos e se parece com nosso Sol no período de sua infância. O estudo foi publicado na revista Astronomy & Astrophysics.

A grande distância entre o planeta e a estrela apresenta um enigma para os astrônomos, pois parece não se encaixar em nenhum dos modelos mais conhecidos para formação de grandes planetas gasosos. Se o planeta tivesse crescido em sua localização atual, longe da estrela por meio da acreção do núcleo, seria pesado demais, porque não há material suficiente para criar um planeta enorme a uma distância tão grande da sua estrela.

Se o planeta foi criado pela chamada instabilidade gravitacional no disco planetário, ele não parece ser suficientemente pesado.

Uma terceira possibilidade é que o planeta YSES 2b tenha se formado perto da estrela por acreção do núcleo, e, em seguida, tenha migrado para longe. No entanto, tal migração exigiria a influência gravitacional de um segundo planeta, que ainda não foi encontrado pelos pesquisadores.

“Ao analisar mais exoplanetas semelhantes a Júpiter no futuro próximo, aprenderemos mais sobre os processos de formação de planetas gigantes gasosos em torno de estrelas semelhantes ao nosso Sol”, disse o pesquisador principal do estudo, Alexander Bohn, da Universidade de Leiden, nos Países Baixos.

Os astrônomos conduziram suas observações em 2018 a 2020, usando o Telescópio VLT do Observatório Europeu do Sul (OES, na sigla em inglês) no deserto de Atacama, na Cordilheira dos Andes, no Chile.

Nebulosas, constelações e eventos sobre Antu | Nebulosa carina, Nebulosa, Nebulosas

O Very Large Telescope ou VLT é uma instalação do European Southern Observatory – ESO, que consiste na construção e no funcionamento do maior conjunto de telescópios ópticos do mundo em uma única localização. Estes telescópios estão erguidos no Observatório Paranal, localizado em Cerro Paranal, no deserto de Atacama, no norte do Chile. O centro de operações da ESO está em Garching bei München, Alemanha.

Os astrônomos continuarão a investigar os arredores deste planeta incomum e sua estrela em um futuro próximo e esperam aprender mais sobre o sistema, e eles continuarão a procurar por outros planetas gasosos ao redor de estrelas jovens como o sol. Os telescópios atuais ainda não são grandes o suficiente para realizar imagens diretas de  semelhantes à Terra ao redor de estrelas semelhantes ao sol.

Mais informações: Descoberta de um planeta com imagem direta para o jovem análogo solar YSES 2. Por: Alexander J. Bohn et al. Aceito para publicação em Astronomy & Astrophysics , www.aanda.org/10.1051/0004-6361/202140508 Pré-
impressão (PDF): www.astronomie.nl/upload/files… /Bohn-et-al-2021.pdf



Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.