Disney e a sua longa lista de fracassos LGBTQ+, DEI, ESG e Wokism com o próximo lançamento do programa Gay ‘Star Wars’

Um elemento-chave para a compreensão das libertinagens intelectuais da esquerda “acordada” é que eles são completamente incapazes de fazer qualquer coisa “criativa” sem corrompê-la, sexualizá-la e politizá-la. A sua identidade [e psicose] coletiva gira em torno de quem desejam ser, de como sinalizar a “virtude” para o rebanho e de quem é supostamente o “mais oprimido”.

Fonte: Zero Hedge

Remova essas coisas de suas vidas diárias e não sobrará muito para ser visto, ou nada. Eles poderiam desaparecer amanhã junto com todos os seus produtos de mídia, ideias, conceitos, libertinagem, permissividade, toda a sua baboseira e o mundo não sentiria a menor falta deles, mesmo, nenhuma.  

E quando uma empresa opta por atender a essa pequena margem da população, há muito pouco lucro a ser obtido. Há alguns anos, os empréstimos ESG [governança ambiental, social e corporativa (do inglês, Environmental, Social & Governance] eram o “grande motivador” para as empresas promoverem a ideologia de extrema esquerda – com cada produto progressista, política comercial progressiva e política de emprego progressiva, essas empresas aumentavam a sua pontuação ESG global.

A dívida barata de conglomerados globais como a gigante dos fundos de investimentos judeu khazar [Rothschild] Blackrock criou o combustível que tornou possível o movimento “acordado”. No entanto, com o advento dos aumentos das taxas de juro por parte da Reserva Federal, os empréstimos ESG deixaram de ser viáveis ​​e o capital de risco secou.

Por outras palavras, as empresas acordadas costumavam distribuir propaganda apesar da ampla oposição e rejeição por parte dos seus próprios consumidores. Eles poderiam produzir todo o DEI [Diversidade, Equidade e Inclusão, ou Divide Et Impera] que desejassem, alienar a maior parte de sua base de clientes e não se preocupar. Agora, esses dias acabaram.

Caso em questão – Os numerosos, dispendiosos e espetaculares fracassos da Disney.

Outrora um rolo compressor da mídia que não podia ser detido, a empresa está atualmente nas cordas após uma lista interminável de bombas acordadas, LGBTQ+, etc. A jornada deles para a autodestruição realmente começou com a tentativa de subverter a poderosa franquia “Guerra nas Estrelas”; talvez e até então a franquia mais popular da história do cinema.

A adição de políticas feministas, a diversidade forçada, ideologia gay e um ódio óbvio pelos personagens originais afastaram o público até que não restasse mais nada. Em termos de receitas de bilheteria, depois de dez anos a Disney ainda não recuperou os US$ 4 bilhões que pagou a George Lucas para obter os direitos por Star Wars.

Quase todos os filmes e programas de streaming que a “acordada” Disney lançou em relação a “uma galáxia gay muito, muito distante” encontraram crescente desdém público. A decadência “acordada” se espalhou até mesmo pelos projetos dos parques temáticos da Disney. Eles certamente prefeririam que as pessoas esquecessem tudo sobre seu embaraçoso hotel “Galactic Star Cruiser”, uma experiência Star Wars LARP que custa cerca de US$ 6.000 ou mais para uma família por apenas dois dias.  

Sob a orientação de Kathleen Kennedy e da Lucasfilm, o hotel recusou-se a usar temas dos filmes originais. O projeto implodiu um ano depois de ter sido completamente ridicularizado pelos fãs.

Aparentemente não desanimada pela humilhação abjeta, Kathleen Kennedy avançou com várias outras iterações cada vez mais políticas do clássico da ficção científica. Este esforço está ligado à cultura geral de “wokificação” [subversão] da Disney, determinada a saturar o entretenimento ocidental com DEI, ESG e ideologia LGBTQ+. Kennedy rejeitou todas as críticas até que os criadores de South Park a dissecaram de forma hilariante. O movimento anti-woke agora era oficialmente popular e a Disney “acordada” tornou tudo isso possível, e risível.

Hoje, há quase zero chance de uma história de sucesso para um filme ou série de TV “acordada”. Para cada ‘Barbie’ existem cem bombas como Furiosa ou The Marvels. É claro que as produções de filmes e séries de streaming geralmente são iniciadas pelo menos alguns anos antes do seu lançamento. Assim, mesmo com a mudança radical na consciência pública sobre a propaganda “acordada”, empresas de mídia como a Disney ainda estão presas aos projetos de lixo “acordado” nos quais já investiram e perderam muito dinheiro em 2022-2023.  

É por isso que agora temos ‘The Acolyte’ para aguardar – Outra caricatura de Star Wars com representação lésbica, um gráfico de diversidade [DEI] perfeito e a diretora Leslye Headland, ex-assistente pessoal do condenado Harvey Weinstein.

Headland observou que esta versão de Star Wars romperá com as raízes do bem versus o mal da franquia e, em vez disso, explorará personagens “moralmente” relativos. Verdadeiramente, deverá ser um [des]prazer para todos…e mais um fracasso de bilheteria.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth