DoD dos EUA Controla Secretamente a Produção de Vacinas Covid-19 e ‘não pode ser rastreado’

Uma análise recente de documentos obtidos por ações judiciais sob a lei de liberdade de informação [FOIA] revela que fabricantes de “vacinas” COVID-19, como Pfizer, Moderna e Janssen, são apenas “figuras de proa” na produção de injeções experimentais que são realmente produzidas e totalmente controladas e distribuídas pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD).

DoD dos EUA Controla Secretamente a Produção de Vacina Covid-19 e ‘não pode ser rastreado’

Fonte: LifeSiteNews

Médico australiano colocou gotas de “vacina” covid-19 da Pfizer-BioNTech e sangue de pacientes vacinados sob um microscópio de campo escuro e filmou “estruturas metálicas bizarras e estranhas que se parecem com circuitos e microchips” que parecem responder a campos eletromagnéticos.

A pesquisa conduzida pela executiva aposentada da indústria farmacêutica Alexandra Latypova descobriu que “como um iceberg” esses produtos biológicos são “feitos por um consórcio de empresas” que são “fornecedores tradicionais e não tradicionais do Departamento de Defesa” dos EUA.

Embora o público veja Pfizer, Moderna e Janssen sendo representadas em todos os lugares como fabricantes dos produtos, na realidade elas “estão envolvidas [apenas] um pouco em algumas partes [do processo de produção]”, disse Latypova ao Dr. Peter McCullough em uma entrevista ao America Out  Loud lançada em 8 de novembro.

Além disso, “a posse [do produto] nunca é tomada por ninguém além do governo federal dos EUA”, disse ela, resultando em uma situação em que os métodos de produção e o conteúdo desses produtos “não podem ser rastreados”.

Além disso, esses produtos biológicos não são apenas produzidos nesta “caixa preta opaca”, mas permanecem propriedade do governo dos EUA “até que sejam injetados nas pessoas”, o que significa que qualquer americano que obtenha os frascos para estudar o conteúdo pode ser processado por “roubar propriedade do governo” ou algo semelhante. E continua sendo uma violação contratual para os governos de outros países testar esses produtos.

O DoD ‘não é um distribuidor de farmácia licenciado’ e, portanto, não ‘precisa cumprir nenhuma lei’

Além disso, como a estrutura organizacional do projeto explicitamente nomeia o DoD como “o diretor operacional de toda a operação” e eles “não são distribuidores farmacêuticos licenciados”, Latypova disse que “eles não precisam cumprir nenhuma lei” que regem essa indústria.

Portanto, embora esses produtos não sejam “vacinas” ou, de acordo com Latypova, não são nem mesmo remédios, o público naturalmente presumiu que existissem salvaguardas padrão da indústria para tais produtos, quando esse não era o caso.

Por exemplo, a distribuição desses produtos “não passa pelos distribuidores de farmácias licenciados, que estão sujeitos a um conjunto de regulamentos denominados de ‘boas práticas de distribuição’”, disse o cientista.

Portanto, embora os hospitais não saibam ou possam verificar o conteúdo ou o processo de fabricação desses produtos, eles apenas “essencialmente obtêm a caixa preta e, em seguida, devem injetá-la nas pessoas. Como médico, você entende como isso é ilegal” [e perverso], disse ela a McCullough.

Variabilidade severa em Reações Adversas Graves entre DIFERENTES LOTES da “vacina” aponta para Grave Violação da Lei

O consórcio de empresas utilizadas pelo DoD que fabrica tais produtos inclui centenas de nomes como National ResilienceSnapdragonPatheonBecton, DickinsonCorningGrand RiverSio2 , Texas A&M University e muitas outras universidades, disse Latypova.

Também inclui a Emergent Biosolutions, que era o “fabricante exclusivo da vacina contra o antraz” do DoD, que também enfrentou enormes problemas de segurança, embora sua vacina “não tenha sido forçada a todas as pessoas no mundo … [mas apenas] para as nossas forças armadas por um tempo”, ela disse.

Além disso, a ex-executiva identificou a Catalent como “outro fabricante que é fornecedor da Moderna”, que recentemente foi considerado uma violação dos requisitos de boas práticas de fabricação (GMP) do FDA.

Latypova, que trabalhou por 20 anos co-fundando e gerenciando empresas que serviam nos campos de ensaios clínicos, coleta e análise de dados, disse ao LifeSite em janeiro que as leis de GMP são “projetadas para garantir a segurança e a consistência de produtos farmacêuticos que devem ser produzidos em grandes quantidades para padrões muito exigentes de pureza, estabilidade, consistência, etc.”

“As violações dessas práticas historicamente resultaram em casos trágicos de medicamentos adulterados, contaminados ou envenenados, que resultaram em perda de vidas e ferimentos graves”, escreveu ela em uma correspondência por e-mail na época.

De acordo com uma apresentação anterior, ela mostrou como as leis GMP incluem expectativas de que cada novo lote fabricado [de um produto] seja “quase o mesmo” que todos os lotes anteriores e que as vacinas de diferentes fabricantes “para uma indicação de doença sejam ‘as mesmas ‘ ou o mesmo produto intercambiável.”

Citando o regulamento específico, Latypova disse: “’O descumprimento (dessas práticas) … fará com que tal droga seja adulterada’, e isso é um crime bastante significativo, o de vender produtos adulterados.”

Dada a enorme variabilidade da maioria dos lotes dessas injeções experimentais de COVID-19 (70% a 80%), que mostraram apenas uma ou duas reações adversas graves “oficialmente” relatadas, em comparação com 4% a 5% que revelaram milhares, “não conformidade grave” com os padrões GMP são claramente indicados “e devem ser investigados”, concluiu Latypova.

Conflito de interesses da FDA, projeta e aprova produtos, as inspeções são ‘teatro’

Como o DoD é o diretor operacional do projeto, documentos recentes também mostram que a Food and Drug Administration (FDA) é identificada como o diretor científico da empresa. “Portanto, a FDA, de fato, é responsável pelo projeto, desenvolvimento, ensaios clínicos e aprovação deste produto”, relatou Latypova, enfatizando o claro potencial conflito de interesses.

Por exemplo, embora o FDA não tenha realizado inspeções desses fabricantes em 2020 (devido a supostas restrições do COVID), sua recente descoberta na Catalent sendo, como Latypova descreve, “completamente não compatível com GMP”, incluindo “um monte de observações que são apenas horríveis e normalmente resultariam no fechamento de uma instalação até que possam ser resolvidos”, não houve fiscalização do FDA e “a fabricação na Catalent continua como antes”.

A Emergent Biosolutions também foi identificada como não conforme, o que significa, segundo o ex-executivo, “toda a sua cadeia [de produção] não [conforme]”. Essas inspeções parecem ser “essencialmente teatrais”, disse ela. “O inspetor vai anotar as observações, mas nada acontece. Não há fiscalização alguma”, e esses contratados do DoD foram autorizados a simplesmente continuar sua produção [de venenos em série].

No entanto, houve apenas uma exceção a isso que aconteceu no exterior, onde, após inspeção, os reguladores japoneses encontraram “metal, aço, aço inoxidável e outras partículas” contidos na substância da injeção [pseudo vacina] e devolveram esses lotes contaminados à Moderna, ela relatou. Mas este é o único exemplo que Latypova está ciente de onde um regulador de um governo no exterior fez algo sobre essas questões.

Estruturas metálicas descobertas nas vacinas covid-19 da Pfizer ‘parecem responder a campos eletromagnéticos’ [5G]

Embora os indivíduos americanos possam ser indiciados por examinar o conteúdo desses frascos, não está claro se e/ou como esse regulamento se aplica àqueles em nações estrangeiras.

Assim, o Dr. David Nixon, um clínico geral australiano de Brisbane, decidiu examinar mais de perto o produto da Pfizer para ver o que poderia descobrir sobre o seu conteúdo.

Conforme relatado pelo Spectator, o médico australiano colocou “gotículas de vacina e sangue de pacientes vacinados sob um microscópio de campo escuro” e filmou o que havia ali. De acordo com Rebecca Weisser, do outlet, a descoberta “é bizarra para dizer o mínimo”.

“Dentro de uma gota de vacina existem estranhas estruturas mecânicas. Eles parecem imóveis no início, mas quando Nixon usou a fotografia de lapso de tempo para condensar 48 horas de filmagem em dois minutos, mostrou o que parecem ser braços mecânicos montando e desmontando estruturas retangulares brilhantes que se parecem com circuitos e microchips”, escreveu Weisser.

Questionada se ela poderia estar familiarizada com esse fenômeno, Latypova disse ao LifeSiteNews em uma correspondência por e-mail em 17 de novembro que ela conhece Nixon e falou com ele várias vezes.

Sua descoberta de “estruturas inexplicáveis ??na “vacina covid-19” da Pfizer não é única, disse ela, e também foi observada por outros. “Merece investigação séria.”

“Não posso dizer o que são essas coisas, apenas sabemos que o tamanho por si só é problemático, uma vez que são observáveis ??ao microscópio óptico padrão, portanto, são estruturas muito grandes. Eles se formam muito rapidamente e também parecem responder a campos eletromagnéticos, como um roteador WIFI no escritório”, escreveu ela.

“Isso não é algo declarado no rótulo do produto e, portanto, precisa ser explicado pelo fabricante que sabemos que não está ansioso para explicar nada sobre seu produto e está muito mais ansioso para injetar em todos sem o consentimento informado de qualquer cidadão”, concluiu ela.

Picos acentuados de mortes resultantes de vacinas baseadas em genes COVID corroboradas por muitas fontes

Seja qual for o conteúdo dessas injeções, o que está claro é um aumento acentuado de lesões graves [efeitos colaterais] causadas por essas “pseudo” vacinas e taxas gerais de mortalidade em correlação com sua introdução. Esta conexão pode ser verificada em muitos pontos de dados em todo o mundo.

Por exemplo, em janeiro passado, Scott Davison, o presidente da seguradora OneAmerica em Indianápolis, chamou a atenção para o aumento de pagamento de 40% do setor de seguros de vida nas taxas de mortalidade no terceiro trimestre de 2021, que foram as mais altas que a empresa “viu na história do negócio de seguros de vida”.

“Só para se ter uma ideia de como isso é ruim, uma catástrofe três sigma ou uma em 200 anos seria um aumento de 10% no número de mortes em relação à pré-pandemia”, disse ele. “Então, 40% é algo inédito.”

Logo após essa revelação, o ex-empresário que se tornou jornalista Steve Kirsch analisou os números e forneceu um extenso argumento de por que esse excesso de mortes não relacionadas ao COVID foi provavelmente causado pelas vacinas COVID. O graduado do MIT explicou que tal catástrofe só aconteceria por puro acaso a cada 2,8 e 32 anos, o que é “basicamente nunca”.

“Em outras palavras, o evento que aconteceu [para provocar isso] não é um ‘acaso’ estatístico. Algo causou uma mudança muito grande [no aumento exponencial do número de mortos]”, disse ele.

Os aumentos significativos nas mortes também são corroborados por um relatório de janeiro de 2022 emitido pelo Society of Actuaries Research Institute (SOA), mostrando que o excesso de reivindicações de seguro de vida por morte aumentou 37,7% no terceiro trimestre de 2021 em relação a uma linha de base pré-pandêmica (2017-2019). Esse número incluía uma divisão aproximada de 50-50 entre reivindicações  relacionadas ao COVID-19 e aquelas causadas por outros fatores.

Além disso, Andreas Schöfbeck, membro do conselho da seguradora de saúde alemã BKK ProVita, emitiu uma carta em fevereiro que enviou às autoridades governamentais de seu pais indicando “uma subnotificação muito considerável de casos suspeitos de efeitos colaterais da vacinação depois que [pacientes] receberam a vacina COVID -19.”

De acordo com dados internos de sua empresa, “cerca de 4% a 5% dos vacinados estavam sob tratamento médico para efeitos colaterais”, escreveu ele, uma taxa cerca de 10 vezes maior do que o governo alemão vinha relatando.

Além disso, em junho, registros obtidos do Departamento de Seguros e Serviços Financeiros de Michigan mostraram que a Lincoln National Life Insurance Company pagou 163% a mais em benefícios por morte para clientes ativos de 18 a 64 anos em 2021 em relação ao ano pandêmico anterior de 2020.

Nos Estados Unidos, embora o Sistema de Relato de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) passivo do Centro de Controle de Doenças tenha recebido apenas cerca de 150 relatórios anuais de óbitos antes de 2021, atualmente mostra 1.458.322 relatos de eventos adversos após vacinas COVID administradas entre 14 de dezembro de 2020 e 4 de novembro de 2022. Esses dados incluem um total de 31.961 notificações de óbitos, 182.907 internações e 59.831 incapacidades permanentes.

E, como as descobertas do BKK ProVita, há muitas evidências de que essa é apenas a “ponta do iceberg”, considerando um estudo executado em Harvard em 2010 e encomendado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) que descobriu que “menos de 1% dos eventos adversos da vacina são relatados” no VAERS.

Outro estudo encomendado pelo fabricante de vacinas Connaught Laboratories calculou que é provável uma “subnotificação de eventos adversos cinquenta vezes maior.

Com a imposição das campanhas experimentais de vacinas baseadas no gene COVID-19 sendo amplamente implementadas em 2021, incluindo o extenso programa do empregador e os mandatos educacionais impostos à população, aos militares dos EUA e suas famílias, todos experimentaram picos de aumento ao longo de uma linha de base de cinco anos em doenças neurológicas (1.048% de aumento), hipertensão arterial (2.281%), ataques cardíacos (pelo menos 269%), coágulos sanguíneos pulmonares (467%) e câncer (296%).

Médicos e cientistas previram aumentos acentuados de mortes após a aplicação da vacina

Na verdade, já em março de 2021, o patologista certificado pelo conselho Dr. Ryan Cole relatou que estava vendo um “aumento” maciço em várias doenças autoimunes e cânceres em pacientes que foram vacinados com COVID. “Desde janeiro [2021], no laboratório, estou vendo um aumento de 20 vezes de câncer de endométrio em relação ao que vejo anualmente”, disse ele.

Para muitos médicos que examinaram essas injeções experimentais de COVID-19, o aumento das taxas de mortalidade não é surpreendente.

Geert Vanden Bossche , ex-funcionário sênior da Fundação Bill e Melinda Gates, chamou atenção significativa em março de 2021, quando emitiu uma carta aberta e um vídeo alertando sobre uma “catástrofe global sem igual” devido aos programas experimentais de vacinação contra a COVID-19.

Na mesma época, o ex-vice-presidente da Pfizer e cientista-chefe para alergias e doenças respiratórias, Dr. Michael Yeadonafirmou :

“Se alguém desejasse prejudicar ou matar uma proporção significativa da população mundial nos próximos anos, os sistemas de vacinas sendo impostos agora irá permitir isso.” “É minha opinião ponderada que é inteiramente possível que este [sistema de vacinação generalizada baseada em genes] seja usado para despovoamento em grande escala”, disse ele.

Outros disseram que essas injeções são uma “tecnologia projetada para envenenar pessoas”, e o Dr. Shankara Chetty, da África do Sul, concluiu que o objetivo da pandemia e das campanhas de vacinas é “controlar e matar uma grande proporção de nossa população sem que ninguém suspeite. que fomos envenenados.” [e ainda pagamos, e caro, para sermos eliminados . . ]

Além disso, “as mortes que se seguirão às vacinas nunca poderão ser atribuídas ao veneno. Eles serão muito diversos, haverá muitos motivos diferentes e estarão em um período de tempo muito amplo para que possamos entender que fomos envenenados”.

Um documento de 1974 emitido pelo Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Memorando de Estudo de Segurança Nacional 200, iniciou o controle populacional como um projeto proposto envolvendo os militares dos EUA, e uma curiosa previsão de 2018 da “empresa de fachada da CIA” a Deagel que previu que os EUA sofreriam um despovoamento de aproximadamente 70% de sua população até 2025.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth