Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

É hora de lutar contra as Pre$$tituta$ e os Censores publicitários

Estamos nos estágios finais do domínio da [das Pre$$tituta$ da] grande mídia? Ao longo dos últimos 15 anos, o mercado mudou certamente – a lenta adoção da tecnologia nascente pelo mainstream e o alcance cada vez maior dessa tecnologia abriram a porta a novos meios de comunicação. A propaganda, a manipulação, o preconceito e a falta de integridade [das Pre$$tituta$ da] grande mídia estão se desfazendo. O que impediu a grande mídia de fazer as perguntas mais pertinentes e relevantes? Os acontecimentos recentes destacam a falta de integridade jornalística ou, o que é mais preocupante, a captura ideológica e do bolso deles.

É hora de lutar contra os censores publicitários

Fonte: Dailysceptic.org – De autoria de Lee Taylor

Demora muito tempo para que uma baleia levada à praia se decompor e se transformar em apenas ossos. Os necrófagos vasculham a carcaça podre durante anos antes que ela finalmente desapareça.  Pode-se argumentar que, desde 2020, a decadência da grande mídia acelerou. 

O preconceito e a falta de integridade da grande mídia estão se desfazendo. Quer tenha sido o fracasso das Pre$$tituta$ do mainstream em interrogar a narrativa Covid, a cobertura unilateral e muitas vezes equivocada dos protestos do movimento BLM após o assassinato de George Floyd ou a falta de interesse e depois o encobrimento de um determinado laptop [de Hunter Biden], a fraude nas eleições em 2020, a percepção de imparcialidade é difícil de justificar.

O que impediu a grande mídia de fazer as perguntas mais pertinentes e relevantes? Os acontecimentos recentes destacam a falta de integridade jornalística ou, o que é mais preocupante, a captura ideológica e do bolso deles. O New York Times já não é o jornal oficial, aparentemente divulgando literalmente os comunicados de imprensa do Hamas. A outrora grande BBC parece estar mais interessada em ensinar sobre os privilégios dos brancos, enquanto a Associated Press é agora o braço de comunicações do lobby das “Alterações Climáticas”.

Opiniões divergentes, pontos de vista alternativos e independentes e valores tradicionais estão SENDO desconstruídos [E CENSURADOS E CANCELADOS] a um grau alarmante. Isto fez com que muitas pessoas se sentissem invisíveis e sem prioridade no atual ambiente do debate e a conversa cultural.

Os números de leitura, visualização e audição estão em baixa no mainstream. O público está abandonando os veículos de “desinformação e propaganda” do mainstream em massa. Mas a questão é: para onde eles estão indo? 

Os números mostram que eles estão migrando para novas mídias alternatívas [AltMédia]. Joe Rogan é agora indiscutivelmente o jornalista mais poderoso do mundo; sua popularidade se deve em grande parte ao fato de ele oferecer conteúdo longo, onde os espectadores e ouvintes entendem melhor os problemas do que conseguiriam com manchetes ou trechos clickbait. Matt Taibbi, um autor, jornalista, podcaster americano e ex-editor colaborador da Rolling Stone, quebrou os arquivos do Twitter em seu Substack, e o Dr. Carl Heneghan e o Dr. Tom Jefferson, dois pesquisadores médicos cujos conselhos sobre a Covid foram diferentes dos do governo, podem revisar e responder ao Inquérito sobre a Covid do Reino Unido em Substack.

Financiamento

Tradicionalmente, o mainstream era financiado por anunciantes privados. As empresas colocariam anúncios das marcas de seus produtos e serviços nas páginas das publicações e pagariam pelo propaganda. Os clientes potenciais veriam os anúncios e comprariam os produtos ou serviços. Com a digitalização das notícias, isso passou para os anúncios nos sites e depois levou à centralização do inventário de anúncios. Tudo funcionou muito bem para todos. Mas então…

Os meios de comunicação independentes representam uma dupla ameaça para o mainstream estabelecido. Em primeiro lugar, o mainstream com a sua venalidade e parcialidade está causando uma hemorragia de leitores, espectadores e ouvintes; os anunciantes pagam por impressão no mundo digital, portanto, menos impressões significam menos receita publicitária. Em segundo lugar, e de forma mais perigosa, os sites de meios de comunicação alternativos estão subvertendo o controle da narrativa por parte das pre$$tituta$ dos grandes meios de comunicação social.

Homens mais sábios escreveram sobre o complexo industrial da censura, uma frase cunhada por Matt Taibbi e Michael Shellenberger; é um setor crescente, internacional e multibilionário. O establishment tem uma série de táticas para censurar e impedir editores independentes. Alguns são fáceis de detectar, enquanto outros são mais secretos.

YouTubers e podcasters podem simplesmente ser retirados das plataformas: Jordan Peterson teve vários episódios retirados do YouTube e o Dr. Robert W. Malone foi completamente banido. É um pouco mais difícil impedir os editores de notícias independentes. Uma forma é o Índice Global de Desinformação (GDI) e outras ONG, como a NewsGuard e a Graphika, considerarem os websites de notícias alternativas “inseguros” porque publicam “desinformação” ou “manipulação” – muitas vezes contando com ridículos “verificadores de fatos” financiados pelos principais rivais desses sites – eliminando assim sua capacidade de vender espaço publicitário. 

A Media Matters monitoriza os meios de comunicação em busca de “desinformação conservadora” e depois notifica os jornalistas ativistas para que possam tomar “ações diretas contra instituições de comunicação social pseudo ofensivas”. Às vezes, eles fazem isso de maneiras nefastas – como revelado no recente processo de Elon Musk que deu um golpe brutal no cerceamento de opiniões ao comprar o Twitter e liberá-lo do controle do establishment.

As grandes plataformas de mídia social oferecem uma nova maneira de se conectar com os usuários. Mas, com exceção de X, eles não toleram a liberdade de expressão. Chamar um homem vestido de mulher de homem fará com que você seja banido do Facebook e do Instagram mais rápido do que você consegue dizer “XY”. O YouTube tem o que chama de política de “discurso de ódio”, que é aplicada de forma tão arbitrária que é quase impossível adivinhar que conteúdo irá tolerar e o que será removido porque é “discurso de ódio”. 

O Twitter anterior dizia que não era um banimento oculto, mas os arquivos do Twitter revelaram que isso era claramente uma mentira. O Twitter 2.0 era Musk é melhor que o Twitter 1.0, mas ainda proíbe alguns conteúdos sob uma política descrita como “liberdade de expressão, não de alcance” e sabemos que o Google ajusta seus algoritmos para promover conteúdo que aprova e suprimir conteúdo que não aprova.

A grande mídia e os seus apoiadores estão fazendo tudo o que podem para suprimir e desmonetizar os criadores de mídia independentes, como este blog que voce esta lendo. 

Financiamento de mídia independente 

No entanto, contra todas as probabilidades, os canais de comunicação social independentes estão prosperando, atraindo milhões de visualizações de páginas, novos leitores, telespectadores e ouvintes. Sem acesso aos anunciantes e com a espada de Dâmocles pairando sobre eles, os criadores de conteúdo independente são forçados a contar com doações de apoiadores e fãs ou modelos de assinatura de conteúdo premium. 

A mídia independente é o que dizem, independente, e tentar colocá-los todos em um só lugar é um pouco como pastorear gatos. No entanto, agora existe uma maneira de anunciar perfeitamente em todos os editores independentes. Através da nova plataforma de publicidade da minha agência, você pode alcançar simultaneamente os leitores do Daily Skeptic ou Spiked, acessar os espectadores do Triggernometry ou do Real America’s Voice, ou patrocinar o Zero Hedge Debates . 

Uncommon Ad Space, é uma nova plataforma de publicidade criada por minha agência, representa uma oportunidade única de promover sua marca para um público inexplorado de milhões de pensadores independentes e ferozmente leais e grandes compradores. A missão é reunir meios de comunicação independentes em um só lugar para que marcas e anunciantes que desejam atingir esse mercado possam fazê-lo com facilidade. As marcas não só podem ter acesso a um público em rápido crescimento, como também podem ajudar a apoiar os criadores de conteúdos independentes e a contornar os esforços do complexo industrial da censura para os desmonetizar. 

À medida que os ideólogos globalistas utópicos abandonam tudo o que é de valor, beleza, a verdade, a moral, a ética, justiça e mérito genuíno, criam enormes oportunidades para websites independentes e criadores de conteúdos honestos. As novas mídias são o futuro. Antigos dinossauros de mídia estão rapidamente se acumulando na lata de lixo da história. 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp