Economia e finanças: Até o melhor cenário é bastante sombrio

Digamos que o presidente Trump esteja realmente certo sobre o surto do coronavírus nos EUA estar  desaparecendo   “milagrosamente”  à medida que as temperaturas aumentam com o começo da primavera em março e depois quando entrarmos no verão. 

As coisas voltarão ao antigo normal da globalização, do livre comércio e do “crescimento” orientado pelas finanças [ou pela especulação financeira do cassino de Wall Steet] ? Quase certamente não, porque o dano psicológico já foi causado e agora existe desconfiança generalizada. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Até o melhor cenário é bastante sombrio

Nas últimas duas semanas, a moderna “economia globalizada”, com suas cadeias de suprimentos multinacionais e sistemas de inventário just-in-time, foi forçada a reconhecer que esse sistema funciona apenas em um ambiente quase perfeito. Veja o iPhone: Ele é projetado nos EUA, suas matérias-primas constituintes são extraídas e processadas em vários outros países e os componentes resultantes são enviados para montagem em vastas fábricas chinesas.

Quebre qualquer elo nesta cadeia de produção e tudo para como aconteceu desde o começo do surto do Covid-19 na China. Uma mercadoria ou componente indisponível, uma planta de montagem fora de serviço, um país com fronteiras fechadas ou distúrbios civis fora de controle e um fluxo de receita de vários bilhões de dólares evaporam instantaneamente.

Em vários e diferentes graus, a mesma ameaça paira sobre praticamente todos os principais produtos e SERVIÇOS atualmente, com empresa aérea já tendo decretado sua falência. Outro exemplo, na área de produção de remédios, a maioria dos componentes farmacêuticos do mundo vem da China e da Índia, por exemplo. As peças de carros são fabricadas em vários países antes de serem enviadas para as montadoras próximas aos consumidores. 

Praticamente tudo isso depende de um ambiente em que os fluxos comerciais não sejam prejudicados, o capital é livre para encontrar sua casa mais eficiente e a remessa é isenta de atritos. Esse é o sistema que os mundos desenvolvido e em desenvolvimento colaboraram para construir nas últimas décadas. E agora – num piscar de olhos – todos reconhecem isso como ridiculamente frágil e, portanto, muito arriscado para ser mantido por mais tempo.

Coloque-se no lugar de um CEO de uma empresa multinacional. Você está olhando para o abismo nesta segunda-feira de manhã, rezando para a sua versão de Deus e prometendo que, se Ele deixar você fora do gancho desta vez, você consertará seus caminhos. 

Você simplificará essas linhas de fornecimento, trará o máximo de ação possível que sua empresa gera de volta para casa e encerrará sua dependência de “plataformas de manufatura global” endividadas com sistemas de saúde pública não confiáveis. E você começará a fazer um estoque contra o que agora entende ser interrupções futuras inevitáveis.

Essas não são promessas ociosas, a serem esquecidas no minuto em que a crise passar. O conselho de administração de sua empresa e a maioria de seus acionistas agora entendem que globalização significa “risco excessivo” e, embora possam dar a você algumas comparações ruins de ganhos em 2020, eles não aceitarão um desempenho repetido nos próximos anos.

Então … grandes empresas em praticamente todos os setores industriais serão forçadas a reduzir a produção de partes de seus produtos na Ásia e no resto do mundo em desenvolvimento e se aproximar muito mais dele internamente ou, pelo menos, fisicamente. 

À primeira vista, isso é uma coisa boa para os EUA e talvez para a Europa, mas será mais do que compensado por seu impacto devastador no vasto e massivamente endividado setor manufatureiro da China e nos países mais hiper alavancados.

O que significa que o melhor cenário é a tão esperada crise financeira chinesa. E com o resto do mundo tão super alavancado quanto a China, é difícil prever detalhadamente as implicações da segunda maior economia do mundo que passa para o reverso e possivelmente para o caos, mas é fácil de visualizar a situação geral que advirá como consequência: turbulência nas moedas, na renda fixa e quebras nas bolsas de valores que forçam os governos a empurrar as taxas de juros para territórios negativos e geram déficits que superam os da Grande Recessão. 

Se alguma moeda importante ainda estiver funcionando no final deste processo, esse será o verdadeiro milagre. Estamos numa situação em que o “ponto de retorno” ficou muito distante nessa estrada que termina num abismo…


 “E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarãoE surgirão muitos FALSOS PROFETAS, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”.  Mateus 24:6-13

 

 

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.325 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth