browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Entrevista do Ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov à Mediaset da Itália

Posted by on 04/05/2022

Pergunta: Depois de sua declaração sobre a possibilidade de uma guerra nuclear, da terceira guerra mundial, o mundo inteiro está se perguntando: existe um risco real disso acontecer?

Sergey Lavrov: Parece que por todo o mundo você quer dizer a mídia e os políticos ocidentais. Não é a primeira vez que noto com que habilidade o Ocidente distorce o que dizem os representantes da Rússia . . .  

A entrevista do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov à Mediaset, rede de televisão italiana, em 1º de maio de 2022 (é quente!)

Fonte: Ministério das Relações Exteriores – Rússia

. . . Perguntaram-me sobre as ameaças que estão crescendo atualmente e sobre quão real é o risco da terceira guerra mundial. Respondi literalmente o seguinte: a Rússia nunca cessou seus esforços para chegar a acordos que garantissem a prevenção de uma guerra nuclear. Nos últimos anos, foi a Rússia que propôs persistentemente a seus colegas americanos que repetimos o que Mikhail Gorbachev e Ronald Reagan fizeram em 1987: adotar uma declaração reafirmando que não pode haver vencedores em uma guerra nuclear e, portanto, nunca deve ser desencadeada .

Não conseguimos convencer a administração Trump, porque ela tinha suas próprias ideias sobre essa questão. No entanto, o governo Biden concordou com nossa proposta. Em junho de 2021, em uma reunião entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente dos EUA, Joseph Biden, em Genebra, foi adotada uma declaração sobre a inadmissibilidade de uma guerra nuclear. Deixe-me enfatizar: isso foi feito por nossa iniciativa.

Em janeiro de 2022, cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU adotaram uma declaração semelhante no mais alto nível, também por nossa iniciativa: não pode haver vencedores em uma guerra nuclear. Nunca deve ser desencadeada. Para atingir esse objetivo, o presidente Vladimir Putin propôs a convocação de uma cúpula dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. Esta proposta foi apoiada por nossos colegas chineses e pela França. Os Estados Unidos e o Reino Unido, que sempre se submetem a isso, estão atrasando por enquanto este importante evento.

Depois que eu disse isso, pedi a todos que tivessem o máximo de cautela para não escalar as ameaças existentes. Referia-me à declaração feita pelo Presidente Vladimir Zelensky em Fevereiro de que tinha sido um erro a Ucrânia desistir das suas armas nucleares e que era necessário adquiri-las novamente.  Houve também uma declaração feita pela liderança da Polônia sobre sua prontidão para implantar armas nucleares americanas em seu território e muito mais.

De alguma forma, não houve questionamentos da mídia [ocidental] sobre as declarações feitas por Vladimir Zelensky e pela Polônia. Ou depois da declaração do ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, que disse de repente: “Não esqueçamos que a França também tem armas nucleares”. Isto é o que eu estava falando. Quando os jornalistas ocidentais tiram as palavras do contexto e distorcem o significado do que eu ou outros representantes russos realmente dissemos, isso não lhes dá crédito.

Pergunta: Vários dias atrás, o presidente Vladimir Putin disse que a Rússia tinha “armas incomparáveis”. O que ele quis dizer?

Os mísseis hipersônicos alcançam de Mach 5 a Mach 10 (6.174 km/hora a 12.348 km/hora)– ou seja, voam de cinco a dez vezes mais rápido do que o som. O tipo usado pela Rússia para destruir o depósito de Deliatyn é um “Kinzhal” (“adaga” em russo), de oito metros de comprimento. Segundo algumas fontes, esse foguete alcança 6 mil quilômetros por hora, o que seria Mach 5, outros lhe atribuem velocidade Mach 9 ou até Mach 10. Seja como for, é muito rápido. Tanto, que “a pressão do ar na frente da arma forma uma nuvem de plasma que absorve ondas de rádio”, explicam os peritos armamentistas do website americano Military.com. Isso dificulta muito a detecção dos “Kinzhal” e outras armas hipersônicas por sistemas de radar.

Sergey Lavrov:Todos sabem bem disso. Há três anos, durante seu discurso na Assembleia Federal, o presidente Vladimir Putin apresentou as últimas inovações russas. Em primeiro lugar, incluíam armas hipersônicas. Ele deu uma explicação franca e detalhada de que a Rússia começou a desenvolvê-las depois que os Estados Unidos se retiraram do Tratado de Mísseis Antibalísticos. Naquela época, o presidente George W. Bush, respondendo à pergunta por que seu país estava destruindo esse documento essencial, que garantia a estabilidade global em grande medida, disse ao presidente Vladimir Putin que iriam se retirar do tratado para criar um sistema antimísseis que não seria dirigido contra a Rússia. Ele disse que eles estavam preocupados com a Coreia do Norte e o Irã, e “você pode fazer o que quiser em resposta”. Eles também considerarão que isso não visa os Estados Unidos.

Não tivemos escolha a não ser trabalhar em armas hipersônicas porque sabíamos perfeitamente que o sistema de defesa antimísseis dos EUA não seria direcionado à Coréia do Norte e ao Irã, mas contra a Rússia e depois a China. Precisávamos de armas que garantissem dominar as defesas antimísseis. Caso contrário, um país que possui sistemas de defesa antimísseis e armas ofensivas pode ser tentado a lançar o primeiro ataque pensando que uma resposta será suprimida por seus sistemas de defesa antimísseis.

Foi assim que desenvolvemos essas armas. Eles são descritas em detalhes em publicações especializadas. Não escondemos que as temos. Estávamos até dispostos a conversar com os EUA sobre a inclusão de uma discussão sobre os novos sistemas que já foram desenvolvidos ou serão desenvolvidos no futuro no tratado de estabilidade estratégica que substituiria o atual Novo START.  Hoje os americanos suspenderam todas essas negociações. Contaremos com nossos próprios recursos.

Pergunta: Quando o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, estava visitando Kiev, a cidade foi atingida por ataques de mísseis. O que você diria em resposta à mídia ocidental e ao presidente Vladimir Zelensky, que consideram esses ataques uma provocação contra a ONU?

Sergey Lavrov: Demos avisos constantes. Quando anunciou o lançamento da operação militar especial, o presidente Vladimir Putin disse que ela será direcionada contra a infraestrutura militar na Ucrânia usada para oprimir civis no leste do país e criar uma ameaça à segurança da Rússia. Eles sabem muito bem que estamos atacando alvos militares para privar os radicais ucranianos e o regime de Kiev da oportunidade de receber reforços [do ocidente] na forma de armas e munições.

Por outro lado, não ouvi o presidente Vladimir Zelensky dizer uma palavra sobre uma situação que não esteja de forma alguma relacionada a uma planta militar (seja lá como for chamada) ou a qualquer outra instalação militar. Refiro-me aos ataques com mísseis Tochka-U no centro de Donetsk nas últimas semanas, ou a estação ferroviária civil em Kramatorsk e vários outros lugares, incluindo Kherson (anteontem). O motivo desses ataques foi claramente aterrorizar os civis e impedir que as pessoas que vivem nessas regiões decidissem seu destino. A maioria das pessoas está cansada da opressão que vem sofrendo todos esses anos do regime de Kiev, que está se tornando cada vez mais uma ferramenta nas mãos dos neonazistas, dos Estados Unidos e de seus aliados mais próximos.

Aqueles que chegaram ao poder após um sangrento golpe inconstitucional lançaram uma guerra contra seu próprio povo e contra tudo que é russo, proibindo a língua, a educação e a mídia russas.  Eles adotaram leis que promoviam as teorias e práticas nazistas. Nós os avisamos. Todos os nossos avisos encontraram uma parede de silêncio. Como entendemos agora, naquela época o Ocidente liderado pelos Estados Unidos já pretendia encorajar os líderes ucranianos (Petr Poroshenko e Vladimir Zelensky, que veio depois dele) de todas as maneiras possíveis em seu desejo de criar ameaças para a Rússia.

Nossos alertas emitidos em novembro e dezembro de 2021 sobre a necessidade de interromper a expansão imprudente da OTAN para o leste e concordar com garantias de segurança de que isso não estará relacionado à adesão de novos países ao bloco político-militar foram rejeitados. Eu diria até que a resposta que recebemos não foi muito educada: “Não é da sua conta”, “vamos expandir a OTAN como quisermos” e “não vamos pedir sua permissão”.

Ao mesmo tempo, o regime ucraniano reuniu cerca de 100.000 soldados ao longo da linha de conflito com Donbass e intensificou os ataques, violando assim os acordos de Minsk e o cessar-fogo. Não tivemos escolha a não ser reconhecer essas duas repúblicas, assinar um acordo de assistência mútua com elas e, a seu pedido, defendê-las dos militares e nazistas que florescem na Ucrânia de hoje.

Pergunta: É assim que você vê, enquanto Vladimir Zelensky coloca de forma diferente. Ele acredita que a desnazificação não faz sentido. Ele é um judeu. Os nazistas, Azov – são muito poucos (vários milhares). Vladimir Zelensky refuta sua visão da situação. Você acredita que Vladimir Zelensky é um obstáculo à paz?

Sergey Lavrov: Não faz diferença para mim o que o presidente [judeu khazar] Vladimir Zelensky refuta ou não refuta. Ele é tão inconstante quanto o vento, como dizem. Ele pode mudar de posição várias vezes ao dia. Eu o ouvi dizer que eles nem discutiriam desmilitarização e desnazificação durante as negociações de paz. 

Primeiro, eles estão torpedeando as negociações, assim como fizeram os acordos de Minsk por oito anos. Em segundo lugar, há nazificação lá: os militantes capturados, bem como os membros dos batalhões Azov e Aidar e outras unidades usam suásticas ou símbolos dos batalhões da Waffen-SS nazistas em suas roupas ou os tatuam em seus corpos; eles leem e promovem abertamente o livro de Hitler “Mein Kampf. Seu argumento é: como pode haver nazismo na Ucrânia se Zelensky é judeu?  Posso estar enganado, mas Adolf Hitler também tinha sangue judeu [seu avô foi um Rothschild]. Isso não significa absolutamente nada. O sábio povo judeu diz que os anti-semitas mais ardentes são geralmente judeus. “Toda família tem sua ovelha negra”, como dizemos.

RELACIONADO: Hitler era um judeu khazar Rothschild !!!

Quanto a Azov, há evidências sendo publicadas agora confirmando que os americanos e especialmente os canadenses desempenharam um papel de liderança no treinamento das unidades ultra-radicais e claramente neonazistas na Ucrânia. Durante todos esses anos, o objetivo era inserir neonazistas nas tropas regulares ucranianas. Assim, os membros do Batalhão Azov desempenhariam um papel de liderança em cada unidade (batalhão ou regimento). Eu li tais relatórios na mídia ocidental. O fato de o batalhão Azov ser claramente uma unidade neonazista foi reconhecido pelo Ocidente sem qualquer hesitação até a situação no início de 2022, quando eles começaram a mudar de ideia como se estivessem na hora. O Japão até se desculpou recentemente com Azov por tê-lo listado como uma organização terrorista há alguns anos por causa de sua ideologia neonazista.

Jornalistas (de algum meio de comunicação ocidental) entrevistaram Vladimir Zelensky e lhe perguntaram o que ele pensava sobre Azov e as ideias que Azov prega e coloca em prática. Ele disse que havia muitos desses batalhões e “eles são o que são”. Gostaria de enfatizar que esta frase – “eles são o que são” – foi recortada pelo jornalista e não foi incluída na entrevista que foi ao ar. Isso significa que o jornalista entende o que essa pessoa diz e pensa. Ele pensa em como os neonazistas podem ser usados ​​para combater a Rússia.

Pergunta: Existem vários milhares ou talvez dezenas de milhares de militantes neonazistas. A presença deles pode desculpar a desnazificação de um país com 40 milhões de habitantes? Existem batalhões como o Grupo Wagner, que também se inspiram nas ideias neonazistas, servindo com as tropas russas.

Sergey Lavrov: Já discutimos várias vezes o Grupo Wagner com os interessados ​​neste tema. Wagner é uma empresa militar privada que não tem nada a ver com o Estado russo. Também explicamos isso aos nossos colegas franceses; começaram a ficar nervosos quando o Grupo Wagner concordou com o governo do Mali em fornecer serviços de segurança. Em setembro de 2021, meu estimado colega Jean-Yves Le Drian, assim como Josep Borrell, disseram diretamente que a Rússia não tinha negócios na África, nem como Estado nem com empresas militares privadas, porque a África é a zona da UE e da França. Isto é o que me disseram quase palavra por palavra.

Também explicámos a situação na Líbia, cujas autoridades convidaram esta companhia militar privada para a cidade de Tobruk, onde está situado o parlamento líbio. A Itália conhece muito bem a situação da Líbia. Eles estão lá em termos comerciais, como no Mali. Não há nada parecido na Ucrânia, que tem um grande número de mercenários de países ocidentais. Acredito que a conversa sobre a presença do Grupo Wagner na Ucrânia não passa de um truque para distrair a atenção do que nossos colegas ocidentais estão fazendo. A situação em torno do confronto na fábrica Azovstal em Mariupol, bem como o desejo teimoso e até histérico de Vladimir Zelensky,

Você perguntou se a eliminação de várias dezenas (até milhares) da influência nazista vale a pena colocar em risco um país com uma população de 40 milhões. Esta pergunta não está totalmente correta. Trata-se dos interesses fundamentais de segurança da Rússia. Temos falado sobre isso há várias décadas. Muito antes do golpe, o Ocidente veio à Ucrânia (isso foi há 20 anos) e começou a dizer-lhes que na véspera de cada eleição eles devem decidir de que lado estão: da Europa ou da Rússia. Mais tarde, eles começaram a encorajar as iniciativas que a liderança ucraniana promovia para serem o mais diferentes possível da Federação Russa. Mencionei a perseguição à língua russa e aos meios de comunicação russos, o encerramento dos canais de televisão de língua russa, a proibição da venda de quaisquer produtos impressos em russo (tanto da Rússia quanto os publicados na Ucrânia), a Igreja Ortodoxa Russa, que é uma instituição sagrada em nosso estado e sociedade, e a adoção de leis para promover as teorias e práticas nazistas. Essas leis não são adotadas apenas para várias dezenas de milhares de militantes em batalhões radicais, mas para todo o país.

A Ucrânia Ocidental parou de comemorar a vitória na Grande Guerra Patriótica. Aconteceu há muito tempo. Os últimos desenvolvimentos não têm nada a ver com isso. Eles começaram a destruir monumentos para aqueles que libertaram a Ucrânia dos nazistas quando começaram a comemorar os aniversários daqueles que colaboraram com Hitler como feriados nacionais (Shukhevich, Bandera e outros, combatentes das Waffen-SS). Começaram a celebrar como feriado nacional o dia em que foi criado o Exército Insurgente Ucraniano, que foi considerado culpado de colaborar com os nazistas no Tribunal de Nuremberg. Isso não aconteceu nos últimos dois ou três meses, mas começou há muitos anos. Antes mesmo do golpe.

Bandeira nazista de Hakenkreuz acenada por uma equipe de combatentes do Batalhão Azov da Ucrânia (Fonte da imagem: Twitter)

O golpe ocorreu um dia depois de os ministros das Relações Exteriores francês e polonês garantirem um acordo pacífico em fevereiro de 2014. Na manhã seguinte, quando a oposição derrubou o governo, declarou uma caça ao presidente e ocupou o prédio administrativo, perguntamos por que eles poderiam não usar o poder, a influência e a autoridade da UE para forçar a oposição a cooperar. A resposta era incompreensível: Viktor Yanukovych havia deixado Kiev. Muitas pessoas deixaram suas capitais. Nesse mesmo ano, em 2014, houve um golpe no Iêmen. O presidente Abdrabbuh Mansur Hadi também deixou a capital. A diferença foi que Viktor Yanukovych deixou Kiev para outra cidade [na Ucrânia], enquanto Abdrabbuh Mansur Hadi fugiu para a Arábia Saudita. Desde aquela época e até recentemente, por oito longos anos, toda a humanidade progressista liderada por nossos liberais europeus exigiu que o presidente Abdrabbuh Mansur Hadi voltasse como o líder legítimo do Iêmen.  Mas na Ucrânia, quando o presidente deposto foi para outra cidade, não havia mais necessidade de fazer nada. Observamos que a primeira declaração feita por aqueles que deram o golpe foi sobre a abolição do status regional da língua russa. Eles convocaram militantes armados (também ultra-radicais) para invadir o Conselho Supremo da Crimeia. Foi assim que tudo começou. Ninguém quer se lembrar disso agora. A UE foi humilhada pelos bandidos que tomaram o poder em Kiev após o golpe, assim como a UE agora é humilhada por não cumprir sua decisão de criar uma comunidade de municípios sérvios em Kosovo. Com a mediação da UE, Pristina e Belgrado concordaram com isso em 2013,

Pergunta: Qual você acha que é o papel da Itália agora?

Sergey Lavrov: A Itália está na vanguarda daqueles que não apenas adotam sanções anti-russas, mas também apresentam todos os tipos de iniciativas. Foi muito estranho para mim ver isso, mas agora nos acostumamos com o fato de que a Itália pode ser assim. Eu pensei que a Itália e o povo italiano tivessem uma visão ligeiramente diferente de sua história e justiça no mundo, que eles podem dizer a diferença entre preto e branco. Não quero ser impreciso, mas de qualquer forma algumas declarações feitas por políticos, para não falar de artigos na mídia, vão além de toda propriedade diplomática e política e muito além da ética jornalística.

Pergunta: Você poderia nos dizer a que e a quem você está se referindo?

Sergey Lavrov: Nossa embaixada nos enviou esses materiais e até entrou com uma ação judicial porque houve uma violação da lei italiana. Não quero entrar em detalhes agora ou repetir as coisas desagradáveis ​​que estão sendo discutidas. Pelo menos não o associo ao povo italiano, por quem tenho os sentimentos mais calorosos.

Pergunta: Falemos do papel dos Estados Unidos. Joe Biden continua a apoiar abertamente a Ucrânia, fornecendo-lhe dinheiro e armas; ele diz que há um agressor e a Ucrânia está sob ataque.

Sergey Lavrov: Li muitas coisas na mídia americana e europeia sobre as conexões entre a família de Joe Biden e a Ucrânia, então sua atenção à situação atual não é surpresa. No entanto, para além do seu interesse pessoal, não posso excluir que se trate também do fato de Washington estar ciente do fracasso da sua estratégia a longo prazo de transformar a Ucrânia numa ameaça real para a Federação Russa e de assegurar que a Ucrânia e a Rússia não estão unidos e as relações entre eles não são amigáveis.

Na verdade, não se trata apenas de Joe Biden. Quando a União Soviética se desfez, toda a elite americana foi guiada pelo “legado” de Zbigniew Brzezinski, que disse que a Rússia sem a Ucrânia é apenas uma potência regional, nada sério. Eles foram guiados por essa lógica quando bombardearam a Ucrânia com armas ofensivas, incentivando sua militarização com um claro viés anti-Rússia de todas as maneiras possíveis e atraindo-a para dezenas de exercícios militares anuais sob os auspícios da OTAN. Muitos desses exercícios foram realizados na Ucrânia. Em 90% dos casos, eles foram direcionados contra a Rússia. Também podemos ver agora que os Estados Unidos querem concluir seu projeto “anti-Rússia” (como disse o presidente Vladimir Putin). Estamos ouvindo cada vez mais declarações de que “a Rússia deve ser derrotada”, “devemos derrotar a Rússia”, “a Ucrânia deve vencer” e “a Rússia deve perder”.

Concordamos com as conversas a pedido de Vladimir Zelensky, e elas começaram a ganhar força. Em março, acordos foram delineados em uma reunião de negociadores em Istambul, com base no que Vladimir Zelensky disse publicamente. Ele disse que a Ucrânia está pronta para se tornar um país neutro, não-bloco e não-nuclear se receber garantias de segurança. Estávamos prontos para trabalhar nesta base, dado o entendimento de que o acordo prevê que as garantias de segurança não se aplicam à Crimeia e Donbass, como os próprios ucranianos sugeriram. Imediatamente após essa proposta deles, que eles assinaram e nos entregaram, eles mudaram de posição. Agora eles estão tentando manter as negociações de uma maneira diferente. Em particular, eles querem primeiro receber garantias de segurança do Ocidente,

Quando Vladimir Zelensky disse que estava pronto para o status neutro de não-bloco da Ucrânia, ele deu um sério passo à frente, que saudamos. No entanto, depois disso, seus ministros e o presidente do Parlamento da Ucrânia começaram a dizer que deveriam receber garantias de segurança, mas o objetivo de ingressar na OTAN (como declarado em sua constituição) permanecerá. Agora, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, e os britânicos começaram a dizer que se os ucranianos quiserem preservar esse objetivo, eles têm o direito de fazê-lo. É disso que estou falando.

Agora mesmo a OTAN não combina com os americanos. Eles não realizaram suas últimas reuniões no âmbito da OTAN (um encontro de apoio à Ucrânia), mas simplesmente reuniram delegações, porque as decisões da OTAN são tomadas por consenso, e eles precisam decidir sobre todas as questões rápida e sozinhos.

Pergunta: Talvez o comportamento deles tenha sido afetado pelo que aconteceu em Mariupol e Bucha. Em ambos os casos, você falou sobre uma produção encenada, uma performance. Mas, por exemplo, há alguns dias a CNN transmitiu um vídeo gravado por um drone em 13 de março, que mostra que havia tropas russas naquelas ruas com os corpos. Isso poderia ter causado uma mudança em sua abordagem? Onde está a verdade sobre esses crimes de guerra?

Sergey Lavrov: Há apenas uma verdade aqui. Em 30 de março, as tropas russas deixaram Bucha. No dia seguinte, em 31 de março, o prefeito de Bucha, Anatoly Fedoruk, proclamou vitória diante das câmeras de televisão dizendo que a cidade havia voltado à vida normal. Apenas três dias depois começaram a mostrar fotografias desses corpos. Eu nem quero entrar em detalhes, porque é tão obviamente falso que qualquer observador sério pode ver de relance.

Não sei o que afetou os EUA. Quando os EUA declaram solene e dramaticamente que é impossível suportar “tudo isso”, ninguém se lembra de como os EUA decidiram que havia uma ameaça à sua segurança a 10.000 quilômetros de suas fronteiras: no Iraque, Afeganistão, Líbia ou Iugoslávia em 1999. Ninguém tem dúvidas de que os EUA têm o direito de neutralizar essas ameaças inventadas (como no Iraque, onde acabou sendo falsa) da maneira que quiser.

Advertimos muitas vezes ao longo dos anos que eles representam uma ameaça para as fronteiras russas, que esta é uma linha vermelha; temos dito isso por muitos anos. Eles apenas assentiram. Mas agora acredito que eles pensavam que o mundo deveria apenas ouvir os EUA, porque a OTAN e toda a União Européia aceitaram que seu mestre ficasse em Washington. E Washington decidiu que o mundo deveria ser unipolar. Se você ler as declarações feitas pelo secretário do Tesouro, por exemplo, eles dizem isso diretamente.

Pergunta: Há alguns dias, seu ministério publicou uma foto de seu predecessor, Andrey Gromyko, reunido com o Papa Paulo VI. Este é um apelo para que o Papa Francisco atue como mediador?

Sergey Lavrov: Acho que foi simplesmente o aniversário de seu encontro. O ministério das Relações Exteriores está postando fotos de eventos de 20, 30 ou 40 anos atrás em suas redes sociais.

Pergunta: Quem pode trazer a paz? Existe tal pessoa, instituto ou país? O presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan, o presidente da França Emmanuel Macron e o primeiro-ministro da Itália Mario Draghi tentaram. Quem pode iniciar um processo de paz que resultará na assinatura de um tratado pela Rússia, o Ocidente e a Ucrânia?

Sergey Lavrov: É uma boa pergunta, mas muito atrasada. Todos os problemas poderiam ter sido resolvidos pacificamente por Pietr Poroshenko, eleito em 2014 sob o slogan “Paz no Donbass”. Então ele começou a guerra. Poderia ter sido resolvido por Vladimir Zelensky. Durante sua campanha eleitoral, ele se apresentou como o “presidente da paz”. Em dezembro de 2019, ele prometeu cumprir os acordos de Minsk e adotar uma lei que concede um status especial ao Donbass dentro da integridade territorial ininterrupta da Ucrânia. Ele teve todas as chances. Todas as cartas e até os trunfos estavam em suas mãos.

Vladimir Zelensky optou por dizer publica e arrogantemente que nunca cumprirá os acordos de Minsk porque supostamente isso significaria a queda da nação e do estado ucraniano. Todos os que redigiram e aprovaram os acordos de Minsk no Conselho de Segurança da ONU ficaram em silêncio. Eles disseram que ele poderia parar de implementá-los se quisesse, mas a Rússia deveria continuar. É quem poderia ter trazido a paz.

Vladimir Zelensky também pode trazer a paz agora se parar de dar ordens ilegais aos seus batalhões neonazistas e os fizer libertar todos os civis e parar de resistir.

Pergunta: Você quer que Vladimir Zelensky se renda? Esta é a condição para a paz?

Sergey Lavrov: Não estamos exigindo que ele se renda. Estamos exigindo que ele dê a ordem para libertar todos os civis e parar de resistir. Nosso objetivo não inclui a mudança de regime na Ucrânia. Esta é a especialidade dos EUA. Eles fazem isso em todo o mundo.

Queremos garantir a segurança das pessoas no leste da Ucrânia, para que não sejam ameaçadas pela militarização e nazificação e que nenhuma ameaça contra a Federação Russa emane do território ucraniano.

Pergunta: A Itália está preocupada que a Rússia esteja suspendendo o fornecimento de gás. O que está acontecendo?

Sergey Lavrov: Uma coisa simples que todos os críticos de nossas ações e todos que nos condenam hoje em dia não querem falar por algum motivo. O dinheiro foi roubado de nós (mais de US$ 300 bilhões). Apenas roubado. Uma grande parte da soma foi o pagamento de fornecimento de gás e petróleo. Só foi possível porque a Gazprom teve que manter dinheiro em contas em bancos ocidentais (de acordo com suas regras). Eles queriam punir a Rússia, então eles o roubaram.

Agora eles sugerem que continuemos negociando como antes, e o dinheiro permanece em suas contas. Eles vão roubá-lo novamente quando quiserem. Esta é a razão. De alguma forma, ninguém fala sobre isso. O que aconteceu com o jornalismo honesto? [morreu há décadas]

O que estamos agora propondo é que os fornecimentos sejam considerados pagos não quando o Gazprombank recebe euros ou dólares, mas quando são convertidos em rublos, que não podem ser roubados. Essa é toda a história. Nossos parceiros sabem muito bem disso. Observe que nada muda para os compradores. Eles ainda pagam as quantias especific das no contrato em euros e dólares. Ele é convertido depois disso. Não temos o direito de decepcionar nosso próprio povo e permitir que o Ocidente continue com seus hábitos de ladrões.

Pergunta: Há muita especulação no Ocidente sobre a saúde do presidente Vladimir Putin.

Sergey Lavrov: Por favor, pergunte aos líderes estrangeiros que conversaram com o presidente Putin recentemente, incluindo o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. Acho que você vai ver o que quero dizer.

Pergunta: 9 de maio está se aproximando. Você estará comemorando a libertação do nazismo em 1945. Moscou está realizando um desfile. O que acontecerá a esta altura? O fim da “guerra” está próximo?

Sergey Lavrov: Havia uma tradição na União Soviética, de fazer algo grande e barulhento para algumas férias. Nossas ações na Ucrânia estão focadas apenas nos objetivos que mencionei. Eles foram estabelecidos pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin: para proteger os civis e garantir sua segurança, e neutralizar ameaças a eles e à Rússia relacionadas a armas ofensivas e nazificação, que o Ocidente está tentando minimizar.

Vi reportagens na NBC e li a revista americana National Interest. Artigos sérios estão começando a aparecer lá, alertando e advertindo contra o flerte com o nazismo como em 1935-1938.

Pergunta: O conflito terminará em 9 de maio? Há alguma razão para esperar que sim?

Sergey Lavrov: Nossos militares não irão cronometrar artificialmente suas ações para qualquer data, incluindo o Dia da Vitória. Observaremos solenemente o 9 de maio, como sempre fazemos.  Lembraremos de todos os que morreram para libertar a Rússia e outras ex-repúblicas da URSS, para libertar a Europa da praga nazista. O ritmo da operação na Ucrânia depende, em primeiro lugar, da necessidade de minimizar os riscos para civis e militares russos.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Entrevista do Ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov à Mediaset da Itália

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.