Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Estados árabes reagem ao ataque surpresa contra Israel e a escalada do conflito

Várias colunas de fumaça sobem sobre Khan Younis, na Faixa de Gaza, depois de um bombardeio da aviação israelense

Países membros da comunidade árabe internacional pediram moderação enquanto as IDF retaliam contra os palestinos na Faixa de Gaza. Vários estados árabes apelaram à “contenção” e à redução da violência após o lançamento do maior ataque do Hamas em anos em território israelita na manhã de sábado. Segundo a imprensa internacional, os serviços de emergência já confirmaram que ao menos 532 pessoas morreram, sendo 300 em Israel e 232 na Faixa de Gaza — essas últimas tendo sido mortas na retaliação israelense.

Estados árabes reagem ao ataque surpresa contra Israel e a escalada do conflito

Fonte: Rússia Today

O Qatar, um estado do Golfo que não tem relações diplomáticas com Israel, emitiu uma declaração através do seu Ministério dos Negócios Estrangeiros no sábado, na qual afirmou que a responsabilidade final pela chamada operação ‘Tempestade Al-Aqsa’ conduzida pelo Hamas cabe ao governo de Israel.

Doha acrescentou na sua declaração o desejo de que ambos os lados do conflito exerçam moderação e apelou à comunidade internacional para garantir que Israel não utilize o acontecimento como desculpa para uma resposta “desproporcional” contra os palestinos em Gaza.

A Arábia Saudita, outro estado que atualmente não tem laços formais com Israel, também divulgou um comunicado no X (antigo Twitter) para dizer que estava “acompanhando de perto os desenvolvimentos sem precedentes” entre “as facções palestinas e as forças de ocupação israelitas”.

Um tanque Merkava israelense destruído na fronteira Israel-Gaza na Faixa de Gaza, Gaza, em 7 de outubro de 2023. ©  Getty Images / Agência Anadolu / Abed Rahim Khatib

O Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita também disse que tinha repetidamente “alertado sobre os perigos” que poderiam ocorrer “como resultado da ocupação contínua de terras árabes” e de “privar o povo palestino dos seus direitos legítimos”.

Nas últimas semanas, a liderança tanto da Arábia Saudita como de Israel sinalizaram o desejo de normalizar as relações, entendendo-se que os Estados Unidos estão negociando ativamente os detalhes. No início desta semana, o Hamas expressou a sua “posição inabalável de rejeição de todas as formas de normalização e contato com a ocupação israelense”.

Na manhã de sábado, militantes do Hamas entraram em território israelita e pareceu ganhar uma posição de controle em algumas comunidades no sul de Israel. As autoridades israelenses disseram que mais de 2.000 foguetes foram lançados de Gaza. Pelo menos 300 pessoas foram mortas, disse o Ministério de Saúde de Israel que afirmou que pelo menos 1.104 pessoas foram levadas a hospitais para serem atendidas. Dessas, há 17 em estado crítico. Os relatórios também afirmam que um número desconhecido de cidadãos e soldados israelitas foram feitos prisioneiros.

Entretanto, o Egito alertou para as “consequências potencialmente graves” que poderão surgir de uma nova escalada das tensões entre Israel e os palestinos. O seu Ministério dos Negócios Estrangeiros também apelou a ambos os lados para que exercessem “a máxima contenção e evitassem expor os civis a maiores perigos”.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse no sábado, durante um congresso do seu partido AK em Ancara, que ambos os lados do conflito “devem abster-se de atos agressivos”. Ele também alertou contra “qualquer tipo de tentativa” de danificar ou prejudicar o “status histórico e religioso” da mesquita de Al-Aqsa no território ocupado de Jerusalém Oriental.

O grupo militante Hezbollah baseado no Líbano também emitiu uma declaração no sábado para indicar que estava “em contato direto com a liderança da resistência palestina”. Acrescentou que o ataque do Hamas poderia ser visto como uma “resposta decisiva à contínua ocupação de Israel de terras árabes e uma mensagem para aqueles que procuram a normalização das relações com Israel”.

No entanto, a declaração do Hezbollah não chegou a expressar a intenção de apoiar militarmente o ataque.


“… Existem três portões para o INFERNO, um está no deserto, um esta no oceano e o outro esta em JERUSALEM”.  – Jeremias XIX, Talmud


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *