browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

EUA Assassinou mais de 20 Milhões de Pessoas em 37 “Nações Vítimas” do Imperialismo desde a II Guerra Mundial

Posted by on 07/07/2022

Este artigo cuidadosamente pesquisado por James A. Lucas  documenta as mais de 20 milhões de vidas perdidas resultantes de guerras lideradas pelos EUA, golpes militares e operações de inteligência realizadas em inúmeros países na esteira do que é eufemisticamente chamado de “ era pós-guerra” (1945-). A extensa perda de vidas no Líbano, Síria, Iêmen e Líbia não está incluída neste estudo. Guerra contínua liderada pelos EUA (1945- ): não houve “era pós-guerra. E agora, um cenário de Terceira Guerra Mundial está na prancheta dos psicopatas do Pentágono.

EUA Assassinou mais de 20 Milhões de Pessoas em 37 “Nações Vítimas” do Imperialismo desde a II Guerra Mundial

Fonte: Global Research

Nota do Editor GR  .

Vamos colocar isso em perspectiva histórica: a comemoração da Guerra para Acabar com Todas as Guerras reconhece que 15 milhões de vidas foram perdidas no curso da Primeira Guerra Mundial (1914-18). A perda de vidas na Segunda Guerra Mundial (1939-1945) foi em uma escala muito maior, quando comparada à Primeira Guerra Mundial: 60 milhões de vidas tanto militares quanto civis foram perdidas durante a Segunda Guerra Mundial. (Quatro vezes os mortos durante a Primeira Guerra Mundial).

As maiores baixas da Segunda Guerra Mundial foram na China e na União Soviética, 26 milhões na União Soviética, a China estima suas perdas em aproximadamente 20 milhões de mortes. 

Ironicamente, esses dois países (aliados dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial) que perderam uma grande parte de sua população durante a Segunda Guerra Mundial estão agora sob o governo Biden-Harris classificados como “inimigos da América”, que estão ameaçando o mundo ocidental.

As forças da OTAN-EUA estão às portas da Rússia. Uma chamada “guerra preventiva” contra a  China e a Rússia está  atualmente contemplada. 

A Alemanha e a Áustria perderam aproximadamente 8 milhões de pessoas durante a Segunda Guerra Mundial, o Japão perdeu mais de 2,5 milhões de pessoas. Os EUA e a Grã-Bretanha perderam, respectivamente, mais de 400.000 vidas. 

Este artigo cuidadosamente pesquisado por James A. Lucas   documenta as mais de 20 milhões de vidas perdidas resultantes de guerras lideradas pelos EUA, golpes militares e operações de inteligência realizadas em inúmeros países na esteira do que é eufemisticamente chamado de “ era pós-guerra” (1945-).

A extensa perda de vidas no Líbano, Síria, Iêmen e Líbia não está incluída neste estudo.

Guerra contínua liderada pelos EUA (1945- ): não houve “era pós-guerra. E agora, um cenário da Terceira Guerra Mundial está na prancheta do Pentágono.

Michel Chossudovsky , Pesquisa Global, 23 de maio de 2022

Após os ataques catastróficos de 11 de setembro de 2001, uma tristeza monumental e um sentimento de raiva desesperada e compreensível começaram a permear a psique americana. Algumas pessoas naquela época tentaram promover uma perspectiva equilibrada, apontando que os Estados Unidos também foram responsáveis ​​por causar esses mesmos sentimentos em pessoas de outras nações, mas dificilmente produziram uma onda. Embora os americanos compreendam em abstrato a sabedoria das pessoas ao redor do mundo que simpatizam com o sofrimento umas das outras, tal lembrança dos erros cometidos por nossa nação foi pouco ouvida e logo foi ofuscada por uma acelerada “Guerra ao Terrorismo”.

Mas devemos continuar nossos esforços para desenvolver compreensão e compaixão no mundo. Espero que este artigo ajude-nos a fazer isso, abordando a questão “Quantos 11 de setembro os Estados Unidos causaram em outras nações desde a Segunda Guerra Mundial?” Este tema é desenvolvido neste relatório que contém um número estimado de tais mortes em 37 países, bem como breves explicações de por que os EUA são considerados culpados.

As causas das guerras são complexas. Em alguns casos, outras nações além dos EUA podem ter sido responsáveis ​​por mais mortes, mas se o envolvimento de nossa nação parecia ter sido uma causa necessária de uma guerra ou conflito, ela era considerada responsável pelas mortes. Em outras palavras, eles provavelmente não teriam ocorrido se os EUA não tivessem usado a mão pesada de seu poder. O poder militar, político e econômico dos Estados Unidos foi crucial.

Este estudo revela que as forças militares dos EUA foram diretamente responsáveis ​​por cerca de 10 a 15 milhões de mortes durante as guerras da Coréia [1950-1953] e do Vietnã [1959-1976] e as duas guerras do Iraque. A Guerra da Coréia também inclui mortes chinesas, enquanto a Guerra do Vietnã também inclui mortes no Camboja e no Laos.

O público americano provavelmente não está ciente desses números e sabe ainda menos sobre as guerras por procuração pelas quais os Estados Unidos também são responsáveis. Nas últimas guerras houve entre nove e 14 milhões de mortes no Afeganistão, Angola, República Democrática do Congo, Timor Leste, Guatemala, Indonésia, Paquistão e Sudão.

Mas as vítimas não são apenas de grandes nações ou de uma parte do mundo. As mortes restantes foram em menores números que constituem mais da metade do número total de nações. Praticamente todas as partes do mundo foram alvo da intervenção dos EUA.

A conclusão geral a que se chega é que os Estados Unidos provavelmente foram responsáveis, desde a Segunda Guerra Mundial, pela morte de 20 a 30 milhões de pessoas em guerras e conflitos espalhados pelo mundo.

Para as famílias e amigos dessas vítimas, faz pouca diferença se as causas foram ação militar dos EUA, forças militares por procuração, fornecimento de suprimentos ou assessores militares dos EUA ou outras formas, como pressões econômicas aplicadas por nossa nação. Eles tiveram que tomar decisões sobre outras coisas, como encontrar entes queridos perdidos, se tornarem refugiados e como sobreviver.

E a dor e a raiva se espalham ainda mais. Algumas autoridades estimam que há até 10 feridos para cada pessoa que morre em guerras. Seu sofrimento visível e contínuo é um lembrete contínuo para seus compatriotas.

É essencial que os americanos [e demais povos do planeta] aprendam mais sobre esse assunto para que possam começar a entender a dor que os outros sentem. Alguém uma vez observou que os alemães durante a Segunda Guerra Mundial “escolheram não saber”. Não podemos permitir que a história diga isso sobre o nosso país. A pergunta feita acima foi “Quantos 11 de setembro os Estados Unidos causaram em outras nações desde a Segunda Guerra Mundial?” A resposta é: possivelmente cerca de 10.000.

Comentários sobre como reunir esses números

De um modo geral, o número muito menor de americanos que morreram não está incluído neste estudo, não porque não sejam importantes, mas porque este relatório se concentra no impacto das ações dos EUA sobre seus adversários.

Uma contagem precisa do número de óbitos não é fácil de ser alcançada, e essa coleta de dados foi realizada com plena percepção desse fato. Essas estimativas provavelmente serão revisadas posteriormente para cima ou para baixo pelo leitor e pelo autor. Mas, sem dúvida, o total permanecerá na casa dos muitos milhões.

A dificuldade de reunir informações confiáveis ​​é mostrada por duas estimativas nesse contexto. Por vários anos, ouvi declarações no rádio de que três milhões de cambojanos foram mortos sob o domínio do Khmer Vermelho. No entanto, nos últimos anos, o número que ouvi foi de um milhão. Outro exemplo é que o número de pessoas que se estima terem morrido no Iraque devido a sanções após a primeira Guerra do Iraque dos EUA foi superior a 1 milhão, mas em anos mais recentes, com base em um estudo mais recente, uma estimativa mais baixa de cerca de meio milhão emergiu.

Muitas vezes, as informações sobre guerras são reveladas apenas muito mais tarde, quando alguém decide falar, quando mais informações secretas são reveladas devido aos esforços persistentes de alguns ou depois que comitês especiais do Congresso fazem relatórios.

Tanto as nações vitoriosas quanto as derrotadas podem ter suas próprias razões para subnotificar o número de mortes. Além disso, em guerras recentes envolvendo os Estados Unidos, não era incomum ouvir declarações como “não fazemos contagens de corpos” e referências a “danos colaterais” como um eufemismo para mortos e feridos. A vida é barata para alguns, principalmente para aqueles que manipulam as pessoas no campo de batalha como se a vida fosse um mero tabuleiro de xadrez.

Dizer que é difícil obter números exatos não é dizer que não devemos tentar. Foi necessário esforço para chegar aos números de seis milhões de judeus mortos durante a Segunda Guerra Mundial, mas o conhecimento desse número agora é generalizado e alimentou a determinação de evitar futuros holocaustos. Essa luta continua.

O autor pode ser contatado em  jlucas511@woh.rr.com

AS 37 NAÇÕES VÍTIMAS DO IMPERIALISMO NORTE AMERICANO

Afeganistão

Os EUA são responsáveis ​​por entre 1 e 1,8 milhão de mortes durante a guerra entre a União Soviética e o Afeganistão, atraindo a União Soviética para invadir aquela nação. (1,2,3,4) A União Soviética mantinha relações amistosas com seu vizinho, o Afeganistão, que possuía um governo laico. Os soviéticos temiam que, se esse governo se tornasse fundamentalista [ISLÂMICO] , essa mudança poderia se espalhar para a União Soviética.

Em 1998, em entrevista à publicação parisiense Le Novel Observateur, Zbigniew Brzezinski, conselheiro do presidente Carter, admitiu ter sido o responsável por instigar a ajuda aos Mujahadeen no Afeganistão, o que causou a invasão soviética. Em suas próprias palavras:

Segundo a versão oficial da história, a ajuda da CIA aos Mujahadeen começou em 1980, ou seja, depois que o exército soviético invadiu o Afeganistão em 24 de dezembro de 1979. Mas a realidade, guardada secretamente até agora, é completamente outra. De fato, foi em 3 de julho de 1979 que o presidente Carter assinou a primeira diretiva de ajuda secreta aos opositores do regime pró-soviético em Cabul. E naquele mesmo dia, escrevi uma nota ao presidente em que lhe explicava que, na minha opinião, essa ajuda iria induzir uma intervenção militar soviética. (5,1,6)

Brzezinski justificou a colocação dessa armadilha, pois disse que ela deu à União Soviética seu Vietnã e causou a dissolução da União Soviética. 

“Arrepender do quê?” ele disse. “Aquela operação secreta foi uma excelente ideia. Isso teve o efeito de atrair os russos para a armadilha afegã e você quer que eu me arrependa? (7)

A CIA gastou de 5 a 6 bilhões de dólares em sua operação no Afeganistão para sangrar a União Soviética. (1,2,3) Quando essa guerra de 10 anos terminou, mais de um milhão de pessoas estavam mortas e a heroína afegã havia conquistado 60% do mercado norte americano [através da própria CIA]. (4)

Os EUA foram responsáveis ​​diretamente por cerca de 12.000 mortes no Afeganistão, muitas das quais resultantes de bombardeios em retaliação aos ataques a propriedades dos EUA em 11 de setembro de 2001. Posteriormente, tropas americanas invadiram aquele país. (4)

Angola

Uma luta armada dos nativos contra o domínio português em Angola começou em 1961. Em 1977, um governo angolano foi reconhecido pela ONU, embora os EUA fossem uma das poucas nações que se opunham a essa ação. Em 1986, o Tio Sam aprovou a assistência material à UNITA, um grupo que tentava derrubar o governo. Ainda hoje esta luta, que às vezes envolveu muitas nações, continua.

A intervenção dos EUA foi justificada ao público norte-americano como uma reação à intervenção de 50.000 soldados cubanos em Angola. No entanto, de acordo com Piero Gleijeses, professor de história da Universidade Johns Hopkins, o inverso era verdadeiro. A intervenção cubana veio como resultado de uma invasão secreta financiada pela CIA através do vizinho Zaire e uma unidade na capital angolana pelo aliado dos EUA, África do Sul1,2,3). (Três estimativas de mortes variam de 300.000 a 750.000 pessoas. (4,5,6)

Argentina: Veja América do Sul: Operação Condor

Bangladesh: ver Paquistão

Bolívia

Hugo Banzer foi o líder de um regime repressivo na Bolívia na década de 1970. Os EUA ficaram perturbados quando um líder anterior nacionalizou as minas de estanho e distribuiu terras aos camponeses nativos. Mais tarde, essa ação para beneficiar os pobres foi revertida.

Banzer, que foi treinado na Escola das Américas operada pelos EUA no Panamá e mais tarde em Fort Hood, Texas, voltava do exílio com frequência para conversar com o major da Força Aérea dos EUA, Robert Lundin. Em 1971, ele encenou um golpe bem-sucedido com a ajuda do sistema de rádio da Força Aérea dos EUA. Nos primeiros anos de sua ditadura, ele recebeu duas vezes mais assistência militar dos EUA do que nos doze anos anteriores juntos.

Alguns anos depois, a Igreja Católica denunciou um massacre do exército contra trabalhadores de estanho em greve em 1975, Banzer, auxiliado por informações fornecidas pela CIA, conseguiu atingir e localizar padres e freiras esquerdistas. Sua estratégia anticlerical, conhecida como Plano Banzer, foi adotada por outras nove ditaduras latino-americanas em 1977. (2) Ele é acusado de ser responsável por 400 mortes durante seu mandato. (1)

Brasil: Veja América do Sul: Operação Condor

Camboja

O bombardeio dos EUA ao Camboja já estava em andamento há vários anos em segredo sob as administrações de Johnson e Nixon, mas quando o presidente Nixon começou abertamente a bombardear em preparação para um ataque terrestre ao Camboja, causou grandes protestos nos EUA contra a Guerra do Vietnã. Há pouca consciência hoje do alcance desses bombardeios e do sofrimento humano nele envolvido.

Danos imensos foram causados ​​às aldeias e cidades do Camboja, causando refugiados e deslocamento interno da população. Esta situação instável permitiu ao Khmer Vermelho, um pequeno partido político liderado por Pol Pot, assumir o poder. Ao longo dos anos, ouvimos repetidamente sobre o papel do Khmer Vermelho na morte de milhões de pessoas no Camboja sem que nenhum reconhecimento tenha sido feito.

Portanto, os EUA são responsáveis ​​não apenas pelas mortes causadas pelos bombardeios, mas também pelas resultantes das atividades do Khmer Vermelho – um total de cerca de 2,5 milhões de pessoas.  Mesmo quando o Vietnã mais tarde invadiu o Camboja em 1979, a CIA ainda apoiava o Khmer Vermelho. (1,2,3) Veja também Vietnã

Chade

Estima-se que 40.000 pessoas no Chade foram mortas e até 200.000 torturadas por um governo liderado por Hissen Habre, que chegou ao poder em junho de 1982 com a ajuda de dinheiro e armas da CIA. Ele permaneceu no poder por oito anos. (1,2)

A Human Rights Watch alegou que Habre foi responsável por milhares de assassinatos. Em 2001, enquanto vivia no Senegal, quase foi julgado por crimes cometidos por ele no Chade. No entanto, um tribunal de lá bloqueou esses processos. Então, os defensores dos direitos humanos decidiram prosseguir com o caso na Bélgica, porque algumas das vítimas de tortura de Habre moravam lá. 

Os EUA, em junho de 2003, disseram à Bélgica que corriam o risco de perder seu status de anfitrião da sede da OTAN se permitissem que tal procedimento legal acontecesse. Assim, o resultado foi que a lei que permitia às vítimas apresentar queixa na Bélgica por atrocidades cometidas no exterior foi revogada. No entanto, dois meses depois, foi aprovada uma nova lei que previa a continuação do processo contra Habre.

Chile

A CIA interveio nas eleições chilenas de 1958 e 1964. Em 1970, um candidato socialista, Salvador Allende, foi eleito presidente. A CIA queria incitar um golpe militar para impedir sua posse, mas o chefe do Estado Maior do exército chileno, general Rene Schneider, se opôs a essa ação. A CIA então planejou, junto com algumas pessoas do exército chileno, assassinar Schneider. Esta trama falhou e Allende assumiu o cargo.  O presidente Nixon não foi dissuadido e ordenou à CIA que criasse um clima de golpe: “Faça a economia gritar”, disse ele.

O que se seguiu foram guerrilhas, incêndios criminosos, bombardeios, sabotagem e terror. A ITT e outras corporações americanas com participações chilenas patrocinaram manifestações e greves. Finalmente, em 11 de setembro de 1973, Allende morreu por suicídio ou por assassinato. Naquela época, Henry Kissinger, secretário de Estado dos EUA, disse o seguinte sobre o Chile:

“Não vejo por que precisamos ficar parados e assistir a um país se tornar comunista por causa da irresponsabilidade de seu próprio povo”. (1)

Durante 17 anos de terror sob o sucessor de Allende, o general Augusto Pinochet, cerca de 3.000 chilenos foram mortos e muitos outros foram torturados ou “desaparecidos”. (2,3,4,5)

Colômbia

Uma estimativa é que 67.000 mortes tenham ocorrido desde a década de 1960 até os últimos anos devido ao apoio dos EUA ao terrorismo de estado colombiano. (1)

De acordo com um relatório da Anistia Internacional de 1994, mais de 20.000 pessoas foram mortas por motivos políticos na Colômbia desde 1986, principalmente por militares e seus aliados paramilitares. A Anistia alegou que “equipamentos militares fornecidos pelos EUA, ostensivamente entregues para uso contra narcotraficantes, estavam sendo usados ​​pelos militares colombianos para cometer abusos em nome da “contra-insurgência”. (2) Em 2002, outra estimativa foi feita de que 3.500 pessoas morrem a cada ano em uma guerra civil financiada pelos EUA na Colômbia. (3)

Em 1996, a Human Rights Watch publicou um relatório “Esquadrões de Assassinato na Colômbia” que revelou que agentes da CIA foram à Colômbia em 1991 para ajudar os militares a treinar agentes disfarçados em atividades anti-subversivas. (4,5)

Nos últimos anos, o governo dos EUA prestou assistência no âmbito do Plano Colômbia. O governo colombiano foi acusado de usar a maior parte dos fundos para destruição de plantações e apoio ao grupo paramilitar.

{Um acordo militar entre Colômbia e Estados Unidos foi assinado a portas fechadas na sede do  Ministério das Relações Exteriores em Bogotá, Colômbia, no dia 30 de outubro de 2009 pelo ministro colombiano Jaime Bermúdez e pelo embaixador dos EUA em Bogotá William Brownfield. O polêmico acordo militar autoriza até 800 militares estadunidenses e 600 civis que trabalham para o governo estado-unidense para combaterem o narcotráfico e o terrorismo. Os dois governos não divulgaram o texto oficial do convênio, apenas divulgaram alguns dados.

O acordo compensa o fim da base dos EUA de Manta, no Equador, ao permitir o uso de três bases aéreas, duas bases da Marinha e outras duas do Exército no território colombiano. O acordo provocou e ainda provoca muitas discussões por causa da base dos EUA de Palanquero, que abriga uma pista de pouso e decolagem adaptada a aviões militares cargueiros possibilitando a projeção desses aviões para além das fronteiras da Colômbia, a qual é vizinha dos governos revolucionários anti-EUA da Venezuela e do Equador. A posição bastante estratégica das bases permite ao avião militar Boeing C-17 alcançar metade do continente sul americano sem precisar parar para reabastecer, fato que amplia as desconfianças dos outros países sul-americanos em relação ao objetivo real do tratado.}

Cuba

Na invasão da Baía dos Porcos de Cuba em 18 de abril de 1961, que terminou após 3 dias, 114 militares da força invasora foram mortos, 1.189 foram feitos prisioneiros e alguns escaparam para os navios dos EUA. (1) Os exilados capturados foram rapidamente julgados, alguns executados e os demais condenados a trinta anos de prisão por traição. Esses exilados foram libertados após 20 meses em troca de US$ 53 milhões em alimentos e remédios.

Algumas pessoas estimam que o número de militares das forças cubanas mortas varia de 2.000 a 4.000. Outra estimativa é que 1.800 militares cubanos foram mortos em uma estrada aberta por napalm.  Isso parece ter sido um precursor da Rodovia da Morte no Iraque em 1991, quando as forças dos EUA aniquilaram impiedosamente um grande número de iraquianos em uma rodovia. (2)

República Democrática do Congo (antigo Zaire)

É o segundo maior pais da África em área. O início da violência massiva foi instigado neste país em 1879 pelo seu colonizador o Rei Leopoldo da Bélgica. A população do Congo foi reduzida em 10 milhões de pessoas durante um período de 20 anos, que alguns chamam de “Genocídio de Leopoldo”. (1) Os EUA foram responsáveis ​​por cerca de um terço dessas muitas mortes naquela nação no passado mais recente. (2)

Em 1960, o Congo tornou-se um estado independente com Patrice Lumumba sendo seu primeiro primeiro-ministro. Ele foi assassinado com o envolvimento da CIA, embora alguns digam que seu assassinato foi na verdade responsabilidade da Bélgica. (3) Mas mesmo assim, a CIA planejava matá-lo.  (4) Antes de seu assassinato, a CIA enviou um de seus cientistas, Dr. Sidney Gottlieb, ao Congo carregando “material biológico letal” destinado a ser usado no assassinato de Lumumba. Este vírus teria sido capaz de produzir uma doença fatal nativa da área do Congo na África e foi transportado em uma mala diplomática.

Na maior parte do tempo, nos últimos anos, houve uma guerra civil na República Democrática do Congo, muitas vezes fomentada pelos EUA e outras nações, incluindo nações vizinhas. (5)

Em abril de 1977, o Newsday informou que a CIA estava apoiando secretamente os esforços para recrutar várias centenas de mercenários nos EUA e na Grã-Bretanha para servir ao lado do exército do Zaire. Nesse mesmo ano, os EUA forneceram 15 milhões de dólares em material militar ao Presidente zairense Mobutu para impedir uma invasão de um grupo rival a operar em Angola. (6)

Em maio de 1979, os EUA enviaram vários milhões de dólares de ajuda a Mobutu, que havia sido condenado três meses antes pelo Departamento de Estado dos EUA por violações de direitos humanos. (7) Durante a Guerra Fria, os EUA canalizaram mais de 300 milhões de dólares em armas para o Zaire (8,9). Foram-lhe fornecidos 100 milhões de dólares em treinamento militar. (2) Em 2001, foi relatado a um comitê do Congresso dos EUA que empresas americanas, incluindo uma ligada ao ex-presidente George Bush pai, estavam alimentando o Congo por ganhos monetários. Há uma batalha internacional por recursos naturais abundantes naquele país com mais de 125 empresas e indivíduos envolvidos. Uma dessas substâncias é o coltan, que é usado na fabricação de telefones celulares. (2)

A região quinxassa-congolesa de Catanga possui alguns dos melhores depósitos mundiais de cobre e cobalto. Outras áreas do país possuem fontes ricas de minerais diversos, incluindo diamante, ouro, ferro e urânio. Em 2019, o país era o maior produtor mundial de cobalto e tântalo, o 4º maior produtor mundial de cobre e o 7º maior produtor mundial de estanho, além de ter uma produção considerável de ouro. Em 2016 o pais era o 4º maior produtor mundial de diamante.

República Dominicana

Em 1962, Juan Bosch tornou-se presidente da República Dominicana. Ele defendeu programas como a reforma agrária e programas de obras públicas. Isso não foi um bom presságio para seu futuro relacionamento com os EUA e, após apenas 7 meses no cargo, ele foi deposto por um golpe patrocinado pela CIA. Em 1965, quando um grupo estava tentando reinstalá-lo em seu escritório, o presidente Johnson disse: “Este Bosch não é bom”. O secretário de Estado adjunto Thomas Mann respondeu: “Ele não presta para nada. Se não conseguirmos um governo decente, Sr. Presidente, teremos outro Bosch. Vai ser apenas mais um sumidouro.” Dois dias depois, uma invasão dos EUA começou e 22.000 soldados e fuzileiros navais entraram na República Dominicana e cerca de 3.000 dominicanos morreram durante os combates. A desculpa de cobertura para fazer isso foi que isso foi feito para proteger os estrangeiros lá. (1,2,3,4)

Timor Leste

Em dezembro de 1975, a Indonésia invadiu Timor Leste. Esta incursão foi lançada um dia depois que o presidente dos EUA Gerald Ford e o secretário de Estado Henry Kissinger deixaram a Indonésia, onde deram permissão ao presidente Suharto para usar armas americanas, que sob a lei dos EUA não podiam ser usadas para agressão. Daniel Moynihan, embaixador dos EUA na ONU. disse que os EUA queriam que “as coisas saíssem como aconteceram”. (1,2) O resultado foi uma estimativa de 200.000 mortos em uma população de 700.000. (1,2)

Dezesseis anos depois, em 12 de novembro de 1991, duzentos e dezessete manifestantes timorenses em Díli, muitos deles crianças, marchando de um serviço memorial, foram mortos a tiros pelas tropas de choque indonésias Kopassus, chefiadas por comandantes treinados pelos EUA Prabowo Subianto ( genro do general Suharto) e Kiki Syahnakri. Caminhões foram vistos jogando corpos no mar. (5)

El Salvador

A guerra civil de 1981 a 1992 em El Salvador foi financiada por US$ 6 bilhões em ajuda dos EUA para apoiar o governo em seus esforços para esmagar um movimento para levar justiça social ao povo daquela nação de cerca de 8 milhões de pessoas. (1) Durante esse período, conselheiros militares dos EUA demonstraram métodos de tortura em prisioneiros adolescentes, de acordo com uma entrevista com um desertor do exército salvadorenho publicada no New York Times. Este ex-membro da Guarda Nacional salvadorenha testemunhou que era membro de um esquadrão de doze que encontrou pessoas que disseram serem guerrilheiras e as torturou. Parte do treinamento que ele recebeu foi em tortura em uma base dos EUA em algum lugar do Panamá. (2)

Cerca de 900 aldeões foram massacrados na aldeia de El Mozote em 1981. Dez dos doze soldados do governo de El Salvador citados como participantes deste ato eram graduados da Escola das Américas operada pelos EUA (2) Eles eram apenas uma pequena parte de cerca de 75.000 pessoas mortas durante essa guerra civil. (1)

De acordo com um relatório da Comissão da Verdade das Nações Unidas de 1993, mais de 96% das violações dos direitos humanos cometidas durante a guerra foram cometidas pelo exército salvadorenho ou pelos esquadrões da morte paramilitares associados ao exército salvadorenho. (3)

Essa comissão vinculou os graduados da Escola das Américas a muitos assassinatos notórios. O New York Times e o Washington Post seguiram com artigos contundentes. Em 1996, o Conselho de Supervisão da Casa Branca publicou um relatório que apoiava muitas das acusações contra aquela escola feitas pelo Rev. Roy Bourgeois, chefe do School of the Americas Watch. Nesse mesmo ano, o Pentágono divulgou relatórios anteriormente classificados indicando que os graduados foram treinados em assassinato, extorsão e abuso físico para interrogatórios, cárcere privado e outros métodos de controle e tortura. (4)

Granada

A CIA começou a desestabilizar Granada em 1979, depois que Maurice Bishop se tornou presidente, em parte porque se recusou a aderir à quarentena de Cuba. A campanha contra ele resultou em sua derrubada e na invasão de Granada pelos EUA em 25 de outubro de 1983, com cerca de 277 pessoas morrendo. (1,2) Acusou-se falaciosamente que estava sendo construído um aeroporto em Granada que poderia ser usado para atacar os EUA e também foi erroneamente alegado que as vidas de estudantes de medicina americanos naquela ilha estavam em perigo.

Guatemala

Em 1951 Jacobo Arbenz foi eleito presidente da Guatemala. Ele se apropriou de algumas terras não utilizadas operadas pela United Fruit Company dos EUA e compensou a empresa. (1,2) Essa empresa então iniciou uma campanha para pintar Arbenz como uma ferramenta de uma conspiração internacional e contratou cerca de 300 mercenários que sabotaram suprimentos de petróleo e trens. (3) Em 1954, um golpe orquestrado pela CIA o tirou do cargo e ele deixou o país. Durante os 40 anos seguintes, vários regimes mataram milhares de pessoas.

Em 1999, o Washington Post informou que uma Comissão de Esclarecimento Histórico concluiu que mais de 200.000 pessoas foram mortas durante a guerra civil e que houve 42.000 violações individuais de direitos humanos, 29.000 delas fatais, 92% das quais foram cometidas pelo exército. A comissão informou ainda que o governo dos EUA e a CIA pressionaram o governo guatemalteco a reprimir o movimento guerrilheiro por meios implacáveis. (4,5)

Segundo a Comissão, entre 1981 e 1983, o governo militar da Guatemala – financiado e apoiado pelo governo dos Estados Unidos – destruiu cerca de quatrocentas aldeias maias em uma campanha de genocídio. (4)

Um dos documentos disponibilizados à comissão foi um memorando de 1966 de um funcionário do Departamento de Estado dos EUA, que descrevia como uma “casa segura” foi montada no palácio para uso de agentes de segurança guatemaltecos e seus contatos nos EUA. Este endereço era o quartel-general da “guerra suja” guatemalteca contra insurgentes de esquerda e aliados suspeitos. (2)

Haiti

De 1957 a 1986, o Haiti foi governado por Papa Doc Duvalier e depois por seu filho. Durante esse tempo, sua força terrorista privada matou entre 30.000 e 100.000 pessoas. (1) Milhões de dólares em subsídios da CIA fluíram para o Haiti durante esse período, principalmente para reprimir movimentos populares, (2) embora a maior parte da ajuda militar americana ao país, de acordo com William Blum, tenha sido canalizada secretamente através de Israel.

Alegadamente, os governos após o segundo reinado de Duvalier foram responsáveis ​​por um número ainda maior de mortes, e a influência dos EUA no Haiti, particularmente através da CIA, continuou. Mais tarde, os EUA expulsaram da presidência do pais um padre católico negro, Jean Bertrand Aristide, apesar de ele ter sido eleito com 67% dos votos no início dos anos 1990. A classe branca rica do Haiti se opôs a ele nesta nação predominantemente negra, por causa de seus programas sociais destinados a ajudar os pobres e acabar com a corrupção. (3) Mais tarde, ele voltou ao cargo, mas isso não durou muito. Ele foi forçado pelos EUA a deixar o cargo e agora vive na África do Sul.

Honduras

Na década de 1980, a CIA apoiou o Batalhão 316 em Honduras, que sequestrou, torturou e matou centenas de seus cidadãos. Equipamentos e manuais de tortura foram fornecidos por pessoal argentino da CIA que trabalhou com agentes norte-americanos no treinamento dos hondurenhos. Cerca de 400 pessoas perderam a vida. (1,2) Este é mais um caso de tortura no mundo patrocinado pelos EUA (3)

O Batalhão 316 usou dispositivos de choque e asfixia em interrogatórios na década de 1980. Os prisioneiros muitas vezes eram mantidos nus e, quando não eram mais úteis, mortos e enterrados em covas sem identificação. Documentos desclassificados e outras fontes mostram que a CIA e a Embaixada dos EUA sabiam dos vários crimes, incluindo assassinato e tortura, mas continuaram a apoiar o Batalhão 316 e a colaborar com seus líderes.” (4)

Honduras foi um palco no início dos anos 1980 para os Contras que tentavam derrubar o governo sandinista socialista na Nicarágua. John D. Negroponte, atualmente vice-secretário de Estado, foi nosso embaixador quando nossa ajuda militar a Honduras subiu de US$ 4 milhões para US$ 77,4 milhões por ano. Negroponte nega ter tido conhecimento dessas atrocidades durante seu mandato. No entanto, seu antecessor nessa posição, Jack R. Binns, havia relatado em 1981 que estava profundamente preocupado com o aumento das evidências de assassinatos oficialmente patrocinados/sancionados. (5)

Hungria

Em 1956, a Hungria, uma nação satélite soviética, revoltou-se contra a União Soviética. Durante a revolta, as transmissões da Rádio Europa Livre dos EUA para a Hungria às vezes assumiram um tom agressivo, encorajando os rebeldes a acreditar que o apoio ocidental era iminente e até dando conselhos táticos sobre como combater os soviéticos. Suas esperanças foram levantadas e frustradas por essas transmissões que lançaram uma sombra ainda mais escura sobre a tragédia húngara.” (1) O número de mortos húngaros e soviéticos foi de cerca de 3.000 e a revolução foi esmagada. (2)

Indonésia

Em 1965, na Indonésia, um golpe substituiu o general Sukarno pelo general Suharto como líder da nação [ou um fantoche da CIA]. Os EUA desempenharam um papel nessa mudança de governo. Robert Martens, um ex-oficial da embaixada dos EUA na Indonésia, descreveu como diplomatas americanos e oficiais da CIA forneceram até 5.000 nomes a esquadrões da morte do Exército indonésio em 1965 e os verificaram quando foram mortos ou capturados. Martens admitiu que “provavelmente tenho muito sangue nas mãos, mas isso não é de todo ruim. Há um momento em que você tem que atacar com força em um momento decisivo.” (1,2,3) As estimativas do número de óbitos variam de 500.000 a 3 milhões de vítimas. (4,5,6)

De 1993 a 1997, os EUA forneceram a Jacarta quase US$ 400 milhões em ajuda econômica e venderam dezenas de milhões de dólares em armamento para aquela nação. Os Boinas Verdes dos EUA forneceram treinamento para a força de elite da Indonésia, responsável por muitas das atrocidades em Timor Leste. (3)

Irã

O Irã perdeu cerca de 262.000 pessoas na guerra contra o Iraque de 1980 a 1988. (1) Veja Iraque para mais informações sobre essa guerra.

Em 3 de julho de 1988, o navio da Marinha dos EUA, o Vincennes, estava operando em águas iranianas fornecendo apoio militar ao Iraque durante a guerra Irã-Iraque. Durante uma batalha contra canhoneiras iranianas, disparou dois mísseis contra um Airbus iraniano, que estava em um voo civil de rotina. Todos os 290 civis a bordo foram mortos. (2,3)

Iraque

R. A Guerra Iraque-Irã durou de 1980 a 1988 e durante esse período houve cerca de 105.000 mortes iraquianas de acordo com o Washington Post. (1,2)

De acordo com Howard Teicher, ex-funcionário do Conselho de Segurança Nacional, os EUA forneceram bilhões de dólares aos iraquianos em créditos e ajudaram o Iraque de outras maneiras, como garantir que o Iraque tivesse equipamentos militares, incluindo agentes biológicos. parecia estar ganhando a guerra contra o Irã e estava perto de Basra. (1) Os EUA não foram adversos a ambos os países se enfraquecerem como resultado da guerra, mas não pareciam querer que nenhum dos lados ganhasse.

B: A Guerra EUA-Iraque e as sanções contra o Iraque se estenderam de 1990 a 2003.

O Iraque invadiu o Kuwait em 2 de agosto de 1990 e os EUA responderam exigindo que o Iraque se retirasse, e quatro dias depois a ONU impôs sanções internacionais.

O Iraque tinha motivos para acreditar que os EUA não se oporiam à invasão do Kuwait, pois a embaixadora dos EUA no Iraque, April Glaspie, havia dito a Saddam Hussein que os EUA não tinham posição sobre a disputa que seu país tinha com o Kuwait. Então a luz verde foi dada, mas parecia mais uma armadilha para os iraquianos.

Como parte da estratégia de relações públicas para estimular o público americano a apoiar um ataque contra o Iraque, a filha do embaixador do Kuwait nos EUA testemunhou falsamente perante o Congresso que as tropas iraquianas estavam desligando as tomadas de incubadoras em hospitais iraquianos. (1) Isso contribuiu para um frenesi de guerra nos EUA

O ataque aéreo dos EUA começou em 17 de janeiro de 1991 e durou 42 dias. Em 23 de fevereiro, o presidente George HW Bush ordenou o início do ataque terrestre dos EUA. A invasão ocorreu com muitas mortes desnecessárias de militares iraquianos. Apenas cerca de 150 militares americanos morreram em comparação com cerca de 200.000 iraquianos. Alguns dos iraquianos foram impiedosamente mortos na Rodovia da Morte e cerca de 400 toneladas de urânio empobrecido foram deixadas naquela nação pelos EUA (2,3)

Outras mortes posteriores foram devido a mortes devido a graves ferimentos, civis mortos, mortos por efeitos de danos nas instalações de tratamento de água iraquianas e outros aspectos de sua infraestrutura danificada e pelas sanções. Em 1995, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação informou que as sanções da ONU contra o Iraque haviam sido responsáveis ​​pela morte de mais de 560.000 crianças desde 1990. (5)

Leslie Stahl no programa de TV 60 Minutes em 1996 mencionou a Madeleine Albright, embaixadora dos EUA na ONU “Ouvimos dizer que meio milhão de crianças morreram. Quer dizer, são mais crianças do que morreram em Hiroshima. E – e você sabe, o preço valeu a pena?” Albright respondeu: “Acho que esta é uma escolha muito difícil, mas o preço – achamos que valeu a pena”. (4)

Em 1999, a UNICEF informou que 5.000 crianças morriam a cada mês como resultado das sanções econômicas e da guerra com os EUA (6)

Richard Garfield mais tarde estimou que o número mais provável de mortes em excesso entre crianças menores de cinco anos de 1990 a março de 1998 seria de 227.000 – o dobro da década anterior. Garfield estimou que os números sejam de 350.000 até 2000 (com base em parte no resultado de outro estudo). (7)

No entanto, existem limitações para seu estudo. Seus números não foram atualizados para os três anos restantes das sanções. Além disso, dois outros grupos etários um tanto vulneráveis ​​não foram estudados: crianças pequenas acima de cinco anos e os idosos.

Todos esses relatórios foram indicadores consideráveis ​​de um grande número de mortes de que os EUA estavam cientes e que fazia parte de sua estratégia para causar dor e terror suficientes entre os iraquianos para levá-los a se revoltar contra seu governo.

C: Guerra Iraque-EUA começou em 2003 e ‘AINDA NÃO FOI CONCLUÍDA

Assim como o fim da Guerra Fria encorajou os EUA a atacar o Iraque em 1991, os ataques de 11 de setembro de 2001 lançaram as bases para os EUA lançarem a guerra contra o Iraque. Enquanto em algumas outras guerras aprendemos muito mais tarde sobre as mentiras que foram usadas para nos enganar, algumas das decepções que foram usadas para nos levar a esta guerra tornaram-se conhecidas quase tão logo foram proferidas. Não havia armas de destruição em massa, não estávamos tentando promover a democracia, não estávamos tentando salvar o povo iraquiano de um ditador.

O número total de mortes iraquianas que são resultado de nossa guerra contra o Iraque é de 654.000, das quais 600.000 são atribuídas a atos de violência, de acordo com pesquisadores da Johns Hopkins University.  (1,2) Como essas mortes são resultado da invasão dos EUA, nossos líderes devem aceitar a responsabilidade por elas.

Guerra ISRAEL-Palestina

Cerca de 100.000 a 200.000 israelenses e palestinos, mas principalmente os últimos, foram mortos na luta entre esses dois grupos. Os EUA têm sido um forte defensor de Israel, fornecendo bilhões de dólares em ajuda e apoiando SEU DESENVOLVIMENTO DE ARMAS NUCLEARES (2)

Coreia, Norte e Sul

A Guerra da Coreia começou em 1950 quando, segundo o governo Truman, a Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul em 25 de junho. No entanto, desde então surgiu outra explicação que sustenta que o ataque da Coreia do Norte ocorreu durante um período de muitas incursões fronteiriças por ambos os lados. A Coreia do Sul iniciou a maioria dos confrontos fronteiriços com a Coreia do Norte a partir de 1948. O governo da Coreia do Norte afirmou que em 1949 o exército sul-coreano cometeu 2.617 incursões armadas. Era um mito que a União Soviética ordenou que a Coreia do Norte atacasse a Coreia do Sul. (1,2)

Os EUA iniciaram seu ataque antes que uma resolução da ONU fosse aprovada apoiando a intervenção de nossa nação, e nossas forças militares aumentaram o caos na guerra ao introduzir o uso de napalm. (1)

Durante a guerra, a maior parte das mortes foram sul-coreanos, norte-coreanos e chineses. Quatro fontes dão contagens de mortes que variam de 1,8 a 4,5 milhões. (3,4,5,6) Outra fonte dá um total de 4 milhões, mas não identifica a que nação pertenciam. (7)

John H. Kim, um veterano do Exército dos EUA e presidente do Comitê de Veteranos pela Paz da Coréia, afirmou em um artigo que durante a Guerra da Coréia “o Exército, a Força Aérea e a Marinha dos EUA estiveram diretamente envolvidos na morte de cerca de três milhões de civis. – tanto sul-coreanos como norte-coreanos – em muitos locais por toda a Coreia… Relata-se que os EUA lançaram cerca de 650.000 toneladas de bombas, incluindo 43.000 toneladas de bombas de napalm, durante a Guerra da Coreia”. Presume-se que este total não inclui baixas chinesas. Outra fonte afirma um total de cerca de 500.000 que eram coreanos e presumivelmente apenas militares. (8,9)

Laos

De 1965 a 1973, durante a Guerra do Vietnã, os EUA lançaram mais de dois milhões de toneladas de bombas no Laos – mais do que foi lançado na Segunda Guerra Mundial por ambos os lados. Mais de um quarto da população tornou-se refugiada. Mais tarde, isso foi chamado de “guerra secreta”, pois ocorreu ao mesmo tempo que a Guerra do Vietnã, mas recebeu pouca notificação da imprensa. Centenas de milhares foram mortos. Branfman faz a única estimativa de que tenho conhecimento, afirmando que centenas de milhares morreram. Isso pode ser interpretado para significar que pelo menos 200.000 morreram. (1,2,3)

A intervenção militar dos EUA no Laos na verdade começou muito antes. Uma guerra civil começou na década de 1950, quando os EUA recrutaram uma força de 40.000 laosianos para se opor ao Pathet Lao, um partido político de esquerda que finalmente assumiu o poder em 1975.

Veja também Vietnã

Nepal

Entre 8.000 e 12.000 nepaleses morreram desde que uma guerra civil estourou em 1996. A taxa de mortalidade, de acordo com a Foreign Policy in Focus, aumentou acentuadamente com a chegada de quase 8.400 metralhadoras americanas M-16 (950 rpm) e assessores militares americanos. O Nepal é 85% rural e precisa muito de uma reforma agrária. Não é de surpreender que 42% de sua população viva abaixo do nível de pobreza. (1,2)

Em 2002, após a eclosão de outra guerra civil, o presidente George W. Bush apresentou ao Congresso um projeto de lei autorizando US$ 20 milhões em ajuda militar ao governo nepalês. (3)

Nicarágua

Em 1981, os sandinistas derrubaram o governo de Somoza na Nicarágua, (1) e até 1990 cerca de 25.000 nicaraguenses foram mortos em uma luta armada entre o governo sandinista e os rebeldes Contras, formados pelos remanescentes do governo nacional de Somoza. O uso de manuais de assassinato pelos Contras surgiu em 1984. (2,3)

Os EUA apoiaram o regime de governo vitorioso fornecendo ajuda militar secreta aos Contras (guerrilhas anticomunistas) a partir de novembro de 1981. Mas quando o Congresso descobriu que a CIA havia supervisionado atos de sabotagem na Nicarágua sem notificar o Congresso, aprovou a Emenda Boland em 1983, que proibiu a CIA, o Departamento de Defesa e qualquer outra agência governamental de fornecer qualquer assistência militar secreta no exterior. (4)

Mas foram encontradas maneiras de contornar essa proibição. O Conselho de Segurança Nacional, que não estava explicitamente coberto pela lei, levantou fundos privados e estrangeiros para os Contras.  Além disso, armas foram vendidas ao Irã e os lucros foram desviados dessas vendas para os Contras envolvidos na insurgência contra o governo sandinista. (5) Finalmente, os sandinistas foram afastados do cargo em 1990 por eleitores que pensavam que uma mudança de liderança aplacaria os EUA, que estavam causando miséria aos cidadãos da Nicarágua por seu apoio aos Contras.

Paquistão

Em 1971, o Paquistão Ocidental, um estado autoritário apoiado pelos EUA, invadiu brutalmente o Paquistão Oriental. A guerra terminou depois que a Índia, cuja economia estava cambaleando depois de admitir cerca de 10 milhões de refugiados, invadiu o Paquistão Oriental (agora Bangladesh) e derrotou as forças do Paquistão Ocidental. (1)

Milhões de pessoas morreram durante essa luta brutal, referida por alguns como genocídio cometido pelo Paquistão Ocidental. Esse país há muito era aliado dos EUA, começando com US$ 411 milhões fornecidos para estabelecer suas forças armadas, que gastaram 80% de seu orçamento em suas forças armadas. $ 15 milhões em armas fluíram para o Paquistão ocidental durante a guerra. (2,3,4)

Três fontes estimam que 3 milhões de pessoas morreram e (5,2,6) uma fonte estima 1,5 milhão. (3)

Panamá

Em dezembro de 1989, tropas americanas invadiram o Panamá, ostensivamente para prender Manuel Noriega, o presidente daquele país. Este foi um exemplo da visão dos EUA de que é o mestre do mundo e pode prender quem , quando e onde quiser. Por vários anos antes disso, ele havia trabalhado para a CIA, mas caiu parcialmente em sua utilidade porque não era um oponente dos sandinistas na Nicarágua.  (1) Estima-se que entre 500 e 4.000 pessoas morreram. (2,3,4)

Paraguai: Veja América do Sul: Operação Condor

Filipinas

As Filipinas estiveram sob o controle dos EUA por mais de cem anos. Nos últimos 50 a 60 anos, os EUA financiaram e ajudaram vários governos filipinos que buscavam suprimir as atividades de grupos que trabalhavam para o bem-estar de seu povo. Em 1969, o Comitê Symington no Congresso dos EUA revelou como o material de guerra foi enviado para lá para uma campanha de contra-insurgência. 

As Forças Especiais e os Fuzileiros Navais dos EUA estiveram ativos em algumas operações de combate.  O número estimado de pessoas que foram executadas e desaparecidas durante o governo do presidente Fernando Marcos foi superior a 100.000. (1,2)

América do Sul: Operação Condor

Esta foi uma operação conjunta de 6 governos despóticos da América do Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) para compartilhar informações sobre seus adversários políticos. Estima-se que 13.000 pessoas foram mortas sob este plano. (1)

Foi estabelecido em 25 de novembro de 1975 no Chile por um ato da Reunião Interamericana de Inteligência Militar. Segundo o oficial político da embaixada norte-americana, John Tipton, a CIA e a Polícia Secreta chilena estavam trabalhando juntas, embora a CIA não tenha montado a operação para fazer essa colaboração funcionar. Alegadamente, terminou em 1983. (2)

Em 6 de março de 2001, o New York Times noticiou a existência de um documento do Departamento de Estado recentemente desclassificado, revelando que os Estados Unidos facilitaram as comunicações para a Operação Condor. (3)

Sudão

Desde 1955, quando conquistou sua independência, o Sudão esteve envolvido a maior parte do tempo em uma guerra civil. Até cerca de 2003, cerca de 2 milhões de pessoas foram mortas. Não se sabe se o número de mortos em Darfur faz parte desse total.

Grupos de direitos humanos reclamaram que as políticas dos EUA ajudaram a prolongar a guerra civil sudanesa ao apoiar os esforços para derrubar o governo central em Cartum. Em 1999, a Secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, encontrou-se com o líder do Exército Popular de Libertação do Sudão (SPLA), que disse que lhe oferecia alimentos se ele rejeitasse um plano de paz patrocinado pelo Egito e pela Líbia.

Em 1978, a vastidão das reservas de petróleo do Sudão foi descoberta e, em dois anos, tornou-se o sexto maior destinatário de ajuda militar dos EUA. É razoável supor que, se os EUA ajudarem um governo a chegar ao poder, ele se sentirá obrigado a dar aos EUA parte do bolo de petróleo.

Um grupo britânico, Christian Aid, acusou as companhias petrolíferas estrangeiras de cumplicidade no despovoamento de aldeias. Essas empresas – não americanas – recebem proteção do governo e, por sua vez, permitem que o governo use suas pistas de pouso e estradas.

Em agosto de 1998, os EUA bombardearam Cartum, no Sudão, com 75 mísseis de cruzeiro. Nosso governo disse que o alvo era uma fábrica de armas químicas de propriedade de Osama bin Laden. Na verdade, Bin Laden não era mais o proprietário, e a fábrica era a única fornecedora de suprimentos farmacêuticos para aquela nação pobre. Como resultado do bombardeio, dezenas de milhares podem ter morrido por causa da falta de medicamentos para tratar malária, tuberculose e outras doenças endêmicas. Os EUA resolveram uma ação movida pelo proprietário da fábrica. (1,2)

Uruguai: Veja América do Sul: Operação Condor

Vietnã

No Vietnã, sob um acordo há várias décadas, deveria haver uma eleição para um Vietnã do Norte e do Sul unificado. Os EUA se opuseram a isso e apoiaram o governo Diem no Vietnã do Sul. Em agosto de 1964, a CIA e outros ajudaram a fabricar um falso ataque [False Flag Attack] vietnamita a um navio dos EUA no Golfo de Tonkin e isso foi usado como pretexto para um maior envolvimento dos EUA no Vietnã. (1)

Durante essa guerra, uma operação de assassinato americana, chamada Operação Phoenix, aterrorizou o povo sul-vietnamita, e durante a guerra as tropas americanas foram responsáveis ​​em 1968 pelo massacre em massa do povo na aldeia de My Lai. De acordo com uma declaração do governo vietnamita em 1995, o número de mortes de civis e militares durante a Guerra do Vietnã foi de cerca de 5,1 milhões. (2)

Como as mortes no Camboja e no Laos foram de cerca de 2,7 milhões (ver Camboja e Laos), o total estimado para a Guerra do Vietnã é de 7,8 milhões.

A Comissão da Verdade Virtual fornece um total para a guerra de 5 milhões, (3) e Robert McNamara, ex-secretário de Defesa, segundo a New York Times Magazine diz que o número de mortos vietnamitas é de 3,4 milhões. (4,5)

Iugoslávia

A Iugoslávia era uma federação socialista de várias repúblicas. Desde que se recusou a estar intimamente ligado à União Soviética durante a Guerra Fria, ganhou algum apoio dos EUA por um processo principalmente de divisão e conquista. Havia diferenças étnicas e religiosas entre várias partes da Iugoslávia que foram manipuladas pelos EUA para causar várias guerras que resultaram na dissolução daquele país.

Do início da década de 1990 até agora, a Iugoslávia se dividiu em várias nações independentes cuja renda reduzida, juntamente com a conivência da CIA, a tornou um peão nas mãos dos países ocidentais.  (1) A dissolução da Iugoslávia foi causada principalmente pelos EUA (2)

Aqui estão as estimativas de algumas, se não todas, as guerras internas na Iugoslávia. Todas as guerras: 107.000; (3,4)

Bósnia e Krajina: 250.000; (5) Bósnia: 20.000 a 30.000; (5) Croácia: 15.000; (6) e Kosovo: 500 a 5.000. (7)

NOTAS

Afeganistão

1.Mark Zepezauer, Boomerang (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2003), p.135.

2.Cronologia do Terrorismo de Estado Americano
http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html

3.Guerra Soviética no Afeganistão
http://en.wikipedia.org/wiki/Soviet_war_in_Afghanistan

4. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.76

5. Envolvimento dos EUA no Afeganistão, Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/Soviet_war_in Afeganistão)

6. Intervenção da CIA no Afeganistão, Entrevista com Zbigniew Brzezinski, Le Nouvel Observateur, Paris, 15-21 de janeiro de 1998, Postado em globalresearch.ca 15 de outubro de 2001,  http://www.globalresearch.ca/articles/BRZ110A.html

7. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p.5

8. Notícias Desconhecidas,  http://www.unknownnews.net/casualtiesw.html

Angola

1. Howard W. French “Dos Arquivos Antigos, Uma Nova História do Papel dos EUA na Guerra de Angola” New York Times 31/03/02

2.Atualização Angolana, American Friends Service Committee FS, folheto de 1/11/99.

3. Norman Solomon, War Made Easy, (John Wiley & Sons, 2005) p. 82-83.

4. Lance Selfa, US Imperialism, A Century of Slaughter, International Socialist Review Edição 7, Primavera de 1999 (como aparece em Third world Traveler www. thirdworldtraveler.com/American_Empire/Century_Imperialism.html)

5. Jeffress Ramsay, África, (Dushkin/McGraw Hill Guilford Connecticut), 1997, p. 144-145.

6. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.54.

Argentina : Veja América do Sul: Operação Condor

Bolívia

1. Phil Gunson, Guardian, 06/05/02,
http://www.guardian.co.uk/archive/article/0,4273,41-07884,00.html

2.Jerry Meldon, Return of Bolilvia’s Drug – Stained Dictator, Consórcio, www.consortiumnews.com/archives/story40.html .

Brasil Veja América do Sul: Operação Condor

Camboja

1.Comissão da Verdade Virtual  http://www.geocities.com/~virtualtruth/  .

2.David Model, President Richard Nixon, Henry Kissinger, and the Bombing of Cambodia extraído do livro Lying for Empire How to Commit War Crimes With A Straight Face, Common Courage Press, 2005, paper http://thirdworldtraveler.com/American_Empire /Nixon_Cambodia_LFE.html .

3.Noam Chomsky, Chomsky no Camboja sob Pol Pot, etc., http//zmag.org/forums/chomcambodforum.htm .

Chade

1. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p. 151-152.

2.Richard Keeble, Crimes Against Humanity in Chad, Znet/Activism 12/4/06 http://www.zmag.org/content/print_article.cfm?itemID=11560§ionID=1 ).

Chile

1.Parenti, Michael, The Sword and the Dollar (Nova York, St. Martin’s Press, 1989) p. 56.

2. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p. 142-143.

3.Mais ou menos: Heróis e Assassinos do Século XX, Augusto Pinochet Ugarte,

http://www.moreorless.au.com/killers/pinochet.html

4. Associated Press, Pincohet no 91º aniversário, assume a responsabilidade pelos abusos dos regimes, Dayton Daily News 26/11/06

5. Chalmers Johnson, Blowback, The Costs and Consequences of American Empire (Nova York: Henry Holt and Company, 2000), p. 18.

China: ver Coreia

Colômbia

1. Cronologia do Terrorismo de Estado Americano, p.2

http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html) .

2. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p. 163.

3. Milhões de mortos pelo imperialismo Washington Post 6 de maio de 2002) http://www.etext.org./Politics/MIM/rail/impkills.html

4.Gabriella Gamini, CIA estabelece esquadrões da morte na Colômbia Times Newspapers Limited, 5 de dezembro de 1996, www.edu/CommunicationsStudies/ben/news/cia/961205.death.html ).

5. Comissão da Verdade Virtual, 1991

Relatório da Human Rights Watch: Redes Assassinas da Colômbia – Parceria Militar-Paramilitar).

Cuba

1.St. James Encyclopedia of Popular Culture – sobre a invasão da Baía dos Porcos http://bookrags.com/Bay_of_Pigs_Invasion .

2.Wikipedia  http://bookrags.com/Bay_of_Pigs_Invasion#Casualties .

República Democrática do Congo (antigo Zaire)

1.F. Jeffress Ramsey, África (Guilford Connecticut, 1997), p. 85

2. Anup Shaw República Democrática do Congo, 31/10/2003) http://www.globalissues.org/Geopolitics/Africa/DRC.asp )

3.Kevin Whitelaw, A Killing in Congo, US News and World Report http://www.usnews.com/usnews/doubleissue/mysteries/patrice.htm

4. William Blum, Killing Hope (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1995), p 158-159.

5.Ibid., p. 260

6.Ibid., p. 259

7.Ibid., p.262

8. David Pickering, “Guerra Mundial na África, 26/06/02,
www.9-11peace.org/bulletin.php3

9.William D. Hartung e Bridget Moix, Deadly Legacy; US Arms to Africa and the Congo War, Arms Trade Resource Center, janeiro de 2000 www.worldpolicy.org/projects/arms/reports/congo.htm

República Dominicana

1. Norman Solomon, (sem título) Baltimore Sun 26 de abril de 2005
http://www.globalpolicy.org/empire/history/2005/0426spincycle.htm
Intervention Spin Cycle

2.Wikipédia. http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Power_Pack

3. William Blum, Killing Hope (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1995), p. 175.

4. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.26-27.

Timor Leste

1. Comissão da Verdade Virtual,  http://www.geocities.com/~virtualtruth/date4.htm

2.Matthew Jardine, Unraveling Indonesia, Nonviolent Activist, 1997)

3.Cronologia do Terrorismo de Estado Americano http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html

4. William Blum, Killing Hope (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1995), p. 197.

5. Carniceiros de Timor treinados pelos EUA, The Guardian, Londres. Citado por The Drudge Report, 19 de setembro de 1999.  http://www.geocities.com/~virtualtruth/indon.htm

El Salvador

1. Robert T. Buckman, América Latina 2003, (Stryker-Post Publications Baltimore 2003) p. 152-153.

2. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p. 54-55.

3.El Salvador, Wikipedia http://en.wikipedia.org/wiki/El_Salvador#The_20th_century_and_beyond)

4.Comissão da Verdade Virtual  http://www.geocities.com/~virtualtruth/ .

Granada

1. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p. 66-67.

2.Stephen Zunes, The US Invasion of Grenada, http://wwwfpif.org/papers/grenada2003.html  .

Guatemala

1.Comissão da Verdade Virtual  http://www.geocities.com/~virtualtruth/

2.Ibidem.

3. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.2-13.

4. Robert T. Buckman, América Latina 2003 (Stryker-Post Publications Baltimore 2003) p. 162.

5.Douglas Farah, Documentos mostram o papel dos EUA nos abusos na Guatemala, Washington Post Foreign Service, 11 de março de 1999, A 26

Haiti

1.Francois Duvalier, http://en.wikipedia.org/wiki/Fran%C3%A7ois_Duvalier#Reign_of_terror ).

2. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p 87.

3.William Blum, Haiti 1986-1994: Quem me livrará deste padre turbulento, http://www.doublestandards.org/blum8.html

Honduras

1. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p. 55.

2.Relatórios por país: Honduras, Comissão Virtual da Verdade http://www.geocities.com/~virtualtruth/honduras.htm

3. James A. Lucas, Torture Gets The Silence Treatment, Countercurrents, 26 de julho de 2004.

4. Gary Cohn e Ginger Thompson, Unearthed: Fatal Secrets, Baltimore Sun, reimpressão de uma série publicada de 11 a 18 de junho de 1995 em Jack Nelson-Pallmeyer, School of Assassins, p. 46 Orbis Books 2001.

5.Michael Dobbs, Tempo de Negroponte em Honduras em questão, Washington Post, 21 de março de 2005

Hungria

1. Editado por Malcolm Byrne, The 1956 Hungarian Revoluiton: A history in Documents 4 de novembro de 2002 http://www.gwu.edu/~nsarchiv/NSAEBB/NSAEBB76/index2.htm

2.Wikipedia A Enciclopédia Livre,
http://www.answers.com/topic/hungarian-revolution-of-1956

Indonésia

1.Comissão da Verdade Virtual  http://www.geocities.com/~virtualtruth/ .

2. Editorial, Assassinos da Indonésia, The Nation, 30 de março de 1998.

3.Matthew Jardine, Indonésia Desvendando, Ativista Não Violento Set–Out, 1997 (Anistia) 2/7/07.

4.Sison, Jose Maria, Reflexões sobre o Massacre de 1965 na Indonésia, p. 5. http://qc.indymedia.org/mail.php?id=5602 ;

5. Annie Pohlman, Women and the Indonesian Killings of 1965-1966: Gender Variables and Possible Direction for Research, p.4, http://coombs.anu.edu.au/SpecialProj/ASAA/biennial-conference/2004/Pohlman -A-ASAA.pdf

6. Peter Dale Scott, The United States and the Overthrow of Sukarno, 1965-1967, Pacific Affairs, 58, verão de 1985, páginas 239-264. http://www.namebase.org/scott .

7. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.30.

Irã

1. Geoff Simons, Iraque da Suméria a Saddam, 1996, St. Martins Press, NY p. 317.

2.Cronologia do Terrorismo de Estado Americano http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html .

3.BBC 1988: Navio de guerra dos EUA derruba avião iraniano http://news.bbc.co.uk/onthisday/default.stm  )

Iraque

Guerra Irã-Iraque

1.Michael Dobbs, EUA teve um papel chave na construção do Iraque, Washington Post 30 de dezembro de 2002, p A01  http://www.washingtonpost.com/ac2/wp-dyn/A52241-2002Dec29?language=printer

2.Global Security.Org , Irã Guerra do Iraque (1980-1980) globalsecurity.org/military/world/war/iran-iraq.htm .

Guerra do Iraque e sanções dos EUA

1. Ramsey Clark, The Fire This Time (Nova York, Thunder’s Mouth), 1994, p.31-32

2.Ibid., p. 52-54

3.Ibid., p. 43

4.Anthony Arnove, Iraque sob cerco, (South End Press Cambridge MA 2000). pág. 175.

5. Food and Agricultural Organization, The Children are Dying, 1995 World View Forum, International Action Center, International Relief Association, p. 78

6.Anthony Arnove, Iraque sob cerco, South End Press Cambridge MA 2000. p. 61.

7.David Cortright, A Hard Look at Iraq Sanctions 3 de dezembro de 2001, The Nation.

Guerra EUA-Iraque 2003-?

1.Jonathan Bor 654.000 mortes ligadas à guerra do Iraque Baltimore Sun, 11 de outubro de 2006

2.Notícias  http://www.unknownnews.net/casualties.html

Guerra israelo-palestina

1.Mortes palestinas e israelenses pós-1967 por ocupação e violência 16 de maio de 2006  http://globalavoidablemortality.blogspot.com/2006/05/post-1967-palestinian-israeli-deaths.html )

2.Cronologia do Terrorismo de Estado Americano

http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html

Coréia

1.James I. Matray Revisiting Korea: Expondo Mitos da Guerra Esquecida, Conferência de Professores da Guerra da Coréia: A Guerra da Coréia, 9 de fevereiro de 2001 http://www.truman/library.org/Korea/matray1.htm

2. William Blum, Killing Hope (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1995), p. 46

3.Kanako Tokuno, Ofensiva Chinesa de Inverno na Guerra da Coréia – o Debacle da Estratégia Americana, ICE Case Studies Número 186, maio de 2006 http://www.american.edu/ted/ice/chosin.htm .

4. John G. Stroessinger, Por que as nações vão à guerra, (Nova York; St. Martin’s Press), p. 99)

5.Britannica Concise Encyclopedia, conforme relatado em Answers.com http://www.answers.com/topic/Korean-war

6. Explorando o Meio Ambiente: Enigma Coreano www.cet.edu/ete/modules/korea/kwar.html)

7.S. Brian Wilson, Quem são os verdadeiros terroristas? Comissão da Verdade Virtual http://www.geocities.com/~virtualtruth/

8. Estatísticas de vítimas da guerra coreana  www.century china.com/history/krwarcost.html )

9.S. Brian Wilson, Documentando os Crimes de Guerra dos EUA na Coreia do Norte (Boletim Veteranos pela Paz) Primavera de 2002)  http://www.veteransforpeace.org/

Laos

1.William Blum Rogue State (Maine, Common Cause Press) p. 136

2.Cronologia do Terrorismo de Estado Americano http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html

3.Fred Branfman, Crimes de guerra na Indochina e nossa alma nacional problemática

www.wagingpeace.org/articles/2004/08/00_branfman_us-warcrimes-indochina.htm ).

Nepal

1.Conn Hallinan, Nepal e Administração Bush: Into Thin Air, 3 de fevereiro de 2004

fpif.org/commentary/2004/0402nepal.html .

2.Human Rights Watch, Guerra Civil do Nepal: o Conflito Resume, março de 2006)

http://hrw.org/english/docs/2006/03/28/nepal13078.htm .

3. Wayne Madsen, Possível Mão da CIA no Assassinato da Família Real do Nepal, India Independent Media Center, 25 de setembro de 2001 http://india.indymedia.org/en/2002/09/2190.shtml .

Nicarágua

1.Comissão da Verdade Virtual
http://www.geocities.com/~virtualtruth/ .

2.Timeline Nicarágua
www.stanford.edu/group/arts/nicaragua/discovery_eng/timeline/ ).

3.Chronology of American State Terrorism,
http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/ChronologyofTerror.html .

4.William Blum, Nicarágua 1981-1990 Desestabilização em câmera lenta

www.thirdworldtraveler.com/Blum/Nicaragua_KH.html .

5.Wikipedia, a Enciclopédia Livre,
http://en.wikipedia.org/wiki/Iran-Contra_Affair .

Paquistão

1. John G. Stoessinger, Por que as nações vão à guerra, (Nova York: St. Martin’s Press), 1974 pp 157-172.

2.Asad Ismi, A Ditadura Militar Financiada pelos EUA, The CCPA Monitor, junho de 2002, Canadian Centre for Policy Alternatives  http://www.policyaltematives.ca ) www.ckln.fm/~asadismi/pakistan.html

3. Mark Zepezauer, Boomerang (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2003), p.123, 124.

4.Arjum Niaz, quando a América olha para o outro lado,

www.zmag.org/content/print_article.cfm?itemID=2821§ionID=1

5. Leo Kuper, Genocide (Yale University Press, 1981), p. 79.

6.Guerra de Libertação de Bangladesh, Wikipedia, a Enciclopédia Livre http://en.wikipedia.org/wiki/Bangladesh_Liberation_War#USA_and_USSR)

Panamá

1. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits, (Odonian Press 1998) p. 83.

2. William Blum, Rogue State (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2000), p.154.

3. Militares dos EUA acusados ​​de assassinato em massa, The Winds 9/96, www.apfn.org/thewinds/archive/war/a102896b.html

4. Mark Zepezauer, CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p.83.

Paraguai Veja América do Sul: Operação Condor

Filipinas

1. Romeo T. Capulong, Um Século de Crimes Contra o Povo Filipino, Apresentação, Centro Jurídico de Interesse Público, Tribunal Mundial para o Tribunal do Iraque, em Nova York, em 25 de agosto de 2004.
http://www.peoplejudgebush.org/files/RomeoCapulong.pdf ).

2.Roland B. Simbulan A CIA em Manila – Operações Secretas e a História Oculta da CIA nas Filipinas Informação Equipo Nizkor – Derechos, derechos.org/nizkor/filipinas/doc/cia.

América do Sul: Operação Condor

1. John Dinges, Pulling Back the Veil on Condor, The Nation, 24 de julho de 2000.

2.Virtual Truth Commission, Telling the Truth for a Better America www.geocities.com/~virtualtruth/condor.htm )

3.Operação Condor http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Condor#US_involvement ).

Sudão

1. Mark Zepezauer, Boomerang, (Monroe, Maine: Common Courage Press, 2003), p. 30, 32,34,36.

2. O Comentarista Negro, Ação na África O Conto de Dois Genocídios: A Falha na Resposta dos EUA a Ruanda e Darfur, 11 de agosto de 2006 http://www.truthout.org/docs_2006/091706X.shtml .

Uruguai Ver América do Sul: Operação Condor

Vietnã

1. Mark Zepezauer, The CIA’s Greatest Hits (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p 24

2.Vítimas – EUA vs NVA/VC,
http://www.rjsmith.com/kia_tbl.html .

3.Brian Wilson, Comissão Virtual da Verdade
http://www.geocities.com/~virtualtruth/

4.Fred Branfman, Crimes de Guerra dos EUA na Indochiona e nosso Dever para com a Verdade 26 de agosto de 2004

www.zmag.org/content/print_article.cfm?itemID=6105§ionID=1

5.David K ​​Shipler, Robert McNamara e os Fantasmas do Vietnã nytimes.com/library/world/asia/081097vietnam-mcnamara.html

Iugoslávia

1. Sara Flounders, Bósnia Tragédia: O Papel Desconhecido do Pentágono na OTAN nos Balcãs (New York: International Action Center) p. 47-75

2. James A. Lucas, Media Disinformation on the War in Yugoslavia: The Dayton Peace Accords Revisited, Global Research, 7 de setembro de 2005 http://www.globalresearch.ca/index.php?context=
viewArticle&code=LUC20050907&articleId=899

3.Guerras Iugoslavas na década de 1990
http://en.wikipedia.org/wiki/Yugoslav_wars .

4.George Kenney, O Cálculo da Bósnia: Quantos Morreram? Não tantos quanto alguns gostariam que você pensasse., NY Times Magazine, 23 de abril de 1995

http://www.balkan-archive.org.yu/politics/war_crimes/srebrenica/bosnia_numbers.html
_

5. Cronologia do Terrorismo de Estado Americano

http://www.intellnet.org/resources/american_terrorism/
ChronologyofTerror.html.

6. Guerra da Independência da Croácia, Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/Croatian_War_of_Independence

7.Human Rights Watch, New Figures on Civilian Deaths in Kosovo War, (7 de fevereiro de 2000)  http://www.hrw.org/press/2000/02/nato207.htm .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.