EUA cede mais espaço para influência interna dos judeus khazares e Israel

Os contribuintes da cidade de Nova York estão pagando um centro cibernético de vários milhões de dólares no coração de Manhattan, com fortes laços com o aparato de inteligência de alta tecnologia de Israel:  Na semana passada, a cidade de Nova York lançou – com pouco escrutínio da mídia é claro – um dos dois novos centros maciços de segurança cibernética que serão administrados por empresas privadas de Israel com laços estreitos com o governo de Israel, com o chamado Mega Goup  vinculado ao escândalo do pedófilo judeu khazar Jeffrey Epstein e organizações proeminentes de lobby pró-Israel que “operam” nos Estados Unidos. 

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Contribuintes de Nova York gastam milhões num Cyber ??Center com laços controversos com a inteligência israelense

Os centros foram anunciados pela primeira vez  em 2018, assim como a identidade das empresas que os administrariam: Jerusalem Venture Partners JVP, com sede em Israel, e a SOSA.  Como o MintPress  relatou em várias ocasiões, essas três entidades têm um histórico de espionagem agressiva do governo federal dos EUA e / ou chantagear e manipular os principais políticos norte americanos, levantando preocupações sobre o motivo pelo qual essas empresas foram escolhidas para administrar os novos centros no coração de Manhattan . 

A notícia também chega quando empresas de cibersegurança israelenses ligadas à Unidade 8200 de Inteligência Militar de Israel foram reveladas como tendo acesso aos sistemas mais classificados do governo dos EUA  e  simulando o cancelamento das próximas eleições presidenciais de 2020.

Os novos “centros de segurança cibernética” fazem parte de uma nova parceria público-privada da cidade de Nova York chamada “CyberNYC”, avaliada em mais de US$ 100 milhões e oficialmente visa  “estimular a criação de 10.000 empregos em segurança cibernética e tornar a cidade de Nova York uma líder global em inovação cibernética”.  O CyberNYC é uma iniciativa da Economic Development Corporation da cidade de Nova York.

No entanto, as empresas que serão responsáveis ??por criar esses empregos de segurança cibernética beneficiarão empresas estrangeiras, como Israel e a maioria dos empregos a serem criados também será destinada a estrangeiros, como notaram discretamente os relatórios da mídia sobre essa parceria. Esses relatórios também afirmavam que, embora o objetivo declarado dos centros seja criar novos empregos, as empresas israelenses escolhidas para administrá-los – Jerusalem Venture Partners (JVP) e SOSA – veem isso como uma oportunidade de fornecer às empresas israelenses de cibersegurança uma base para mercado americano e ver produtos israelenses de cibersegurança adotados por pequenas e médias empresas americanas, não apenas por grandes corporações e agências governamentais.

Por exemplo, o fundador da JVP é Erel Margalit, ex-membro do Knesset, disse ao Jerusalem Post  que “o centro que estamos montando [em Nova York] ajudará as empresas de alta tecnologia israelenses a colaborar com clientes e empresas nos EUA e em outros países do mundo.” Mais recentemente, antes da abertura do centro de cibersegurança que a empresa de Margalit administrará, ele disse ao Times of Israel  que “Nova York é sobre outra coisa, é sobre o drama de atrair investidores de Israel e Espanha ou Paris e outros lugares e tomar para o próximo nível de negócios”. Em outras palavras, as empresas que se beneficiarão com esses novos centros serão estrangeiras e principalmente israelenses, pois a JVP investe a grande maioria de seus fundos em empresas iniciantes em Israel.

Dado que Wilson Lin, chefe da CyberNYC, explicou  a razão por trás da iniciativa como o fato de que “não existem pessoas bem treinadas em segurança cibernética suficientes para preencher os empregos necessários para um setor comercial mais seguro e próspero”,  as declarações do fundador da JVP sugerem fortemente que essas “pessoas bem treinadas” não serão americanas em Nova York, mas serão trazidas do exterior, ou seja, do setor de segurança cibernética de Israel.

Das empresas escolhidas pela CyberNYC para administrar seus novos centros de segurança cibernética, ambas têm laços claros e demonstráveis ??com o governo e a inteligência militar de Israel, além de grupos controversos de doadores pró-Israel com considerável influência política nos Estados Unidos.

Por exemplo, Jerusalem Venture Partners foi fundada por Erel Margalit em 1993, com financiamento do Programa Yozma , um programa do governo israelense para “incentivar o investimento de capital de risco” em Israel. Desde então, tem sido uma força motriz no desenvolvimento do setor de alta tecnologia de Israel e colabora regularmente  com o Ministério da Economia e Indústria de Israel e com a organização de ex-alunos do EISP (Programa de Apoio ao Empreendedorismo e Inovação) da Unidade 8200. Hoje, é o segundo maior fundo de capital de risco em Israel.

A JVP também foi o único fundo de capital de risco escolhido em parceria  com o governo e as forças armadas de Israel para estabelecer o “centro cibernético” público-privado em Beersheba. Esse “centro” não apenas abriga o  campus de tecnologia da IDF , mas também a Diretoria Nacional de Ciberdefesa de Israel, que se reporta diretamente ao primeiro-ministro de Israel, bem como um parque corporativo de alta tecnologia que abriga principalmente empresas de tecnologia ligadas ao aparato de inteligência militar de Israel. A área foi citada em vários relatos da mídia como um indicador visível da fusão público-privada entre empresas de tecnologia israelenses, muitas delas iniciadas por ex-alunos da Unidade 8200 e o governo de Israel e seus serviços de inteligência.

Além dos laços estreitos da JVP com o governo e militares de Israel e seu papel fundamental na fusão do setor privado de cibersegurança de Israel com a inteligência militar israelense, a JVP também mantém laços estreitos com a família Bronfman por meio de seu diretor de operações e parceiro geral, Fiona Darmon. Antes de trabalhar com a JVP, Darmon trabalhou na Claridge Israel , o braço de investimentos da família judeu khazar Bronfman, fundada por Charles Bronfman em 1987.

Uma imagem composta do futuro centro cibernético de Nova York, financiado pela JVP
Uma imagem composta do futuro centro cibernético de Nova York, financiado pela JVP. Foto | Comunicado de imprensa da JVP

Charles Bronfman foi parceiro comercial  do agente do Mossad , ninguém menos que Robert Maxwell, pai da suposta senhora Ghislaine Maxwell ex namorada e pseudo agenciadora de meninas menores de idade para o pedófilo judeu khazar Jeffrey Epstein, e co-fundou o Mega Group , um grupo de oligarcas pró-Israel com vínculos claros e diretos com o crime organizado, ao lado de Leslie Wexner, o principal financiador da operação de Jeffrey Epstein que envolvia o tráfico sexual de meninas menores de idade em nome da inteligência militar israelense .

A SOSA foi fundada muito mais recentemente que a JVP, mas também tem laços estreitos com o governo e as forças armadas de Israel. Criada em 2014, a SOSA cresceu rapidamente conectando principalmente as start-ups israelenses aos investidores e por meio de suas parcerias com as IDF. Essa parceria ficou clara em 2018, quando a SOSA criou o Hub de Inovação da Segurança Interna (HLST), que Times de Israel  descreveu  como “um primeiro programa desse tipo que visa criar uma comunidade de inovação em defesa e segurança que corresponda à segurança cibernética e segurança da pátria. empresas do setor de defesa com startups, para ajudar os gigantes do setor a manter sua ‘vantagem’. ”

No ano passado, a SOSA se tornou uma das duas empresas a administrar  o programa do Ministério da Defesa de Israel INNOFENSE, um programa de inovação para startups civis de tecnologia na indústria de defesa do país. A colaboração da SOSA com o IDF também envolve a criação de “atividades comerciais conjuntas entre empresas internacionais, organizações de segurança [governamentais], investidores e startups”, tornando a SOSA um ator-chave na obscuridade da linha entre a inteligência militar israelense e seu setor de tecnologia privado.

A SOSA também tem parceria direta  com dois dos principais fabricantes de armas de Israel, Rafael Advanced Defense Systems, bem como as empresas de eletrônicos de defesa ELTA Systems e Elron Electronics, a antiga empresa controladora de outro fabricante israelense de armas Elbit Systems. Também é parceira da empresa de tecnologia CheckPoint Systems, fundada por ex-alunos da Unidade 8200, e da Leumi Tech, a subsidiária de alta tecnologia de um dos maiores bancos de Israel, Leumi. A Leumi Tech existe apenas nos EUA e visa especificamente  “fornecer um conjunto abrangente de produtos e serviços para empresas israelenses de alta tecnologia que operam nos EUA”. Recentemente, o banco foi obrigado a pagar US$ 400 milhões ao governo dos EUA por ajudar os cidadãos dos EUA, a maioria deles cidadãos de dupla nacionalidade americanos-israelenses, a preparar falsas declarações fiscais e a esconder seus ativos em contas no exterior.

SOSA Israel
Nesta foto postada na página do Facebook da SOSA, os executivos da SOSA Uzi Scheffer e Guy Franklin posam na Time Square de Nova York

O gerente geral da SOSA, Guy Franklin, é de particular interesse, devido a seus estreitos laços  com o Conselho Americano de Israel (IAC), um grupo de lobby pró-Israel criado pelo criminoso condenado e milionário ultrassionista judeu khazar Adam Milstein e amplamente financiado por Sheldon e Miriam Adelson.  Os Adelsons também são os maiores doadores de campanha do presidente Trump e do Partido Republicano nos Estados Unidos.

Dos US$ 100 milhões em financiamento para a iniciativa CyberNYC, US$ 30 milhões são provenientes de impostos dos contribuintes de Nova York e os fundos restantes provenientes dos parceiros do programa, que incluem Goldman Sachs e a incubadora de unidade militar de inteligência militar israelense 8200 Team8, um acelerador de partida que foi acionado, discutido detalhadamente em vários  relatórios anteriores do MintPress News , incluindo a recente  investigação do MintPress na empresa israelense Cybereason – parceira da Team8.

A Team8, particularmente a sua presença em Nova York, tem sido associado com o impulso pela doador político e gestor de fundo de hedge americano pró-Israel Paul Singer e do governo de Israel para que Israel seja o líder global  em cibersegurança como um meio de prevenir os países de boicotar Israel  sobre violações de direitos humanos e crimes de guerra. O papel da Team8 no CyberNYC os fará não apenas financiar parte da iniciativa, mas também  treinar trabalhadores de segurança cibernética  que serão contratados como parte da parceria.

Singer, com sede em Manhattan, criou a Start Up Nation Central  em 2012  para terceirizar especificamente os empregos de tecnologia americanos em Israel em colaboração com as principais autoridades da AIPAC e o governo de Israel. Enquanto isso, paralelamente, o governo de Israel e o aparato de inteligência iniciaram uma política no mesmo ano  que envolvia a terceirização de operações de inteligência e inteligência militar para empresas privadas criadas para esse mesmo objetivo, particularmente no campo da segurança cibernética.

Assim, por mais que a indústria de cibersegurança de Israel tenha sido fundida há muito tempo pelos aparatos militar e de inteligência de Israel, a política financiada por Paul Singer e apoiada por Israel procurou abertamente trazer empresas e agências governamentais americanas para evitar boicotes a Israel. Embora as chamadas “leis anti-BDS” que foram aprovadas em vários estados dos EUA sejam uma faceta desse impulso , o uso da tecnologia israelense, ou seja, cibersegurança, setor para perseguir esse mesmo objetivo, recebeu uma cobertura decididamente menor.

A cidade de Nova York tem sido um foco importante nessa política, com o crescimento das startups de alta tecnologia de Israel presentes em Nova York e dirigidas por ex-membros da Unidade 8200 explodindo desde que essa política começou oficialmente em 2012. De fato, Haaretz  observou que , apenas entre 2013 e 2017, o número de startups de tecnologia israelenses na cidade de Nova York cresceu cinco vezes  e o número de ex-alunos da Unidade 8200 que trabalham nas startups de tecnologia de Nova York também aumentou  nesse mesmo período.

O número de ex-alunos da Unidade 8200 que trabalham no setor de tecnologia de Nova York cresceu tanto que organizam uma gala anual fechada à imprensa, onde o objetivo, segundo o Haaretz , é “tentar conectar startups e empreendedores em estágio inicial do 8200 EISP (o acelerador israelense). alunos da Unidade 8200) com clientes e fundos de capital de risco nos Estados Unidos. ” Um dos principais participantes dessa gala é Guy Franklin, CEO da SOSA, escolhido para administrar o outro setor de segurança cibernética de Nova York.

A decisão de criar novos e caros centros de segurança cibernética administrados pela JVP e pela SOSA, duas empresas israelenses com vínculos claros com a controversa organização de lobby pró-Israel e doadores, bem como com o aparato governamental e de inteligência de Israel, revela que não apenas esse cantor e Israel são apoiados a política continua a se desenvolver e expandir em ritmo acelerado, mas agora o dinheiro dos contribuintes da cidade de Nova York agora está sendo usado para impulsioná-la a novos patamares, mesmo que essa mesma política beneficie a economia de Israel às custas dos EUA.

Foto em destaque | Gráfico por Claudio Cabrera

Whitney Webb é jornalista do MintPress News, com sede no Chile. Ela contribuiu para vários meios de comunicação independentes, incluindo Global Research, EcoWatch, Ron Paul Institute e 21st Century Wire, entre outros. Ela fez várias aparições no rádio e na televisão e é a vencedora de 2019 do Prêmio Serena Shim de Integridade Incomprometida no Jornalismo.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth