Fanáticos do ‘Aquecimento Global’ iniciaram incêndios mortais no Havaí para espalhar o medo e a ansiedade climáticos?

Os números mais recentes dos incêndios no Havaí já são de 55 mortos em Maui e a destruição completa da cidade histórica de Lahaina. Dezenas de outras pessoas ficaram feridas pelos incêndios, algumas delas gravemente, no que foi considerado o desastre natural mais mortal do estado desde 1960, quando um tsunami matou 61 pessoas na Ilha Grande. Na quinta-feira, 80% do incêndio foi contido, e o jogo de culpa está ocorrendo agora, onde um lado diz que os incêndios são apenas uma ocorrência natural, enquanto o outro culpa as mudanças climáticas.

Fanáticos do ‘Aquecimento Global’ iniciaram incêndios mortais no Havaí para espalhar o medo e a ansiedade climáticos?

Fontes: The Epoch Times – Natural News

Há até quem diga que os incêndios podem ter sido iniciados intencionalmente por incendiários aflitos com ansiedade climática ou algum outro distúrbio [mental] climático que se convenceram de que queimar uma área inteira de alguma forma forçará o mundo a se tornar mais “verde”.

(Relacionado: Autoridades na Grécia revelaram recentemente que os incêndios florestais não são o resultado do aquecimento global, mas sim o resultado de um incêndio deliberado provavelmente perpetrado por terroristas climáticos.)

“Estamos tristes”, disse o governador do Havaí, Josh Green, acrescentando que o número de mortos deve aumentar à medida que as operações de busca e resgate continuam. “Lahaina, com raras exceções, foi incendiada.”

Terroristas climáticos estão se tornando uma séria ameaça para a nação

Somos informados de que mais de 1.700 construções em Maui foram destruídas pelos incêndios até agora, e que mais poderiam queimar nos 20% restantes da área de terra onde os incêndios ainda queimam sem parar. “Ainda estamos no modo de preservação da vida”, disse Adam Weintraub, porta-voz da Agência de Gerenciamento de Emergências Federal [FEMA] do Havaí.

Infelizmente, uma das maiores figueiras-de-bengala dos Estados Unidos foi destruída pelo incêndio, que alguns meios de comunicação estão comparando a “um filme de terror”.

Uma enorme e centenária figueira-de-bengala ergue-se entre os destroços do Wildfire, em Lahaina, Havaí, em 10 de agosto de 2023. (AP Photo)

Por 150 anos, a enorme árvore que se estendia por um quarteirão inteiro forneceu sombra para moradores da comunidade, turistas e eventos. Tinha mais de 18 metros de altura, de acordo com a Autoridade de Turismo do Havaí.

“Oficialmente”, o incêndio foi causado por condições de seca e ventos fortes do furacão Dora, que passou bem ao sul do Havaí, mas deixou resíduos climáticos significativos no caminho de Maui.

Já que os esquerdistas agora afirmam que todo mau tempo, e especialmente um furacão, é resultado do aquecimento global, a narrativa agora é que tudo isso poderia ter sido evitado se as pessoas parassem de comer carne e dirigir carros movidos a gasolina.

Nós nos perguntamos, no entanto: os incêndios no Havaí foram iniciados por incendiários climáticos para alimentar sua fanática busca por “descarbonizar” o mundo? Isso é apenas mais uma bandeira falsa levantada pelos verdes obcecados pelo clima para fazer parecer que o mundo está pegando fogo porque está muito quente lá fora?

A mesma situação ‘curiosa’ ocorreu na Califórnia e na Costa Oeste repetidas vezes, com misteriosos incêndios florestais surgindo aparentemente do nada, apenas para mais tarde serem culpados pelas mudanças climáticas.

Muitos desses incêndios florestais anteriores mostram evidências de incêndio criminoso, e este último incêndio no Havaí não é exceção. Ver o que aqueles idiotas do Just Stop Oil estão fazendo no Reino Unido enquanto destroem obras de arte e bloqueiam o tráfego para melhorar o clima (ou algo assim) apenas reforça a noção de que esses incêndios mortais estão sendo deliberadamente planejados para impulsionar a narrativa climática do governo e agendas “Green New Deal”.

“Maui não pode lidar com isso”, disse Alan Dickar, empresário local. “Muitas pessoas perderam seus empregos porque muitos negócios queimaram. Muitas pessoas perderam suas casas… Isso é devastador para Maui.”

A mudança climática provocada pelo homem é uma farsa projetada para tirar você e sua família de toda a liberdade enquanto os escraviza dentro da matriz “verde”. Saiba mais em GreenTyranny.news.

‘Pior pesadelo’: os moradores de Maui foram pegos em incêndios florestais sem nenhum alerta oficiail

Muitos moradores de Maui não receberam nenhum aviso antes dos incêndios florestais que devastaram seus bairros e mataram dezenas de pessoas.

https://youtube.com/watch?v=XG3hCOlnRD8%3Ffeature%3Doembed

Até agora, os incêndios florestais destrutivos mataram pelo menos 55 pessoas na ilha de Maui, ferindo dezenas de outras. Autoridades alertaram que o número de mortos pode aumentar. Milhares de pessoas foram deslocadas e pelo menos 1.700 estruturas foram destruídas pelas chamas na cidade de Lahaina. Com a falta de energia e serviço de celular [e internet] no oeste de Maui, é difícil avaliar o número exato de quantas pessoas morreram ou sobreviveram.

Em meio à devastação generalizada, os moradores reclamam que tiveram pouco ou nenhum aviso sobre o perigo que enfrentariam. Muitos deles nem ouviram sirenes de alerta nem perceberam que estavam em perigo quando viram as chamas se aproximando e dai já era tarde.

Falando ao The New York Times , Claire Kent, que trabalha em Lahaina levando turistas em um barco ao largo da costa, disse que começou a entrar em pânico quando viu uma nuvem de fumaça preta e ouviu uma explosão. Um vizinho a avisou para fugir rapidamente.

Enquanto ela e seus amigos saíam da cidade, a Sra. Kent viu pessoas fugindo, algumas segurando seus filhos. Mesmo assim, ela não recebeu nenhuma notificação oficial para evacuação. “Não havia policiais com megafones dizendo às pessoas que precisavam evacuar.” Enquanto alguns residentes receberam alertas de evacuação de emergência, outros não.

Em entrevista à CNN na quinta-feira, May Wedelin-Lee, moradora de Maui há 20 anos, contou como estava em casa quando viu os incêndios florestais se aproximando da comunidade. “Não demorou muito: desde quando o vento mudou até quando pensamos, ‘Precisamos sair’, foram talvez cinco, 10 minutos”, disse ela. Enquanto a Sra. Wedelin-Lee rapidamente entrava em sua caminhonete e saía correndo, ela viu o caos irromper ao seu redor.

“Foi só pânico. As pessoas choravam na beira da estrada e imploravam. As pessoas pulavam nos [carros] umas das outras, tinham bicicletas, corriam, andavam de skate, tinham gatos debaixo do braço… apenas correndo pela rua. O Armagedom estava acontecendo. Foi o pior pesadelo. Imagine o pior que você pode imaginar, e foi 1.000 vezes pior do que isso.”

Mais de 11.000 residências ficaram sem energia no Havaí a partir das 09:00 ET, de acordo com a poweroutage.us . Grande parte de Lahaina, uma cidade histórica no oeste de Maui que abrigava cerca de 12.000 pessoas, foi dizimada completamente. Abrigos de emergência e hospitais estão sobrecarregados.  Milhares foram transportados de avião para fora de Maui.

A causa exata do que desencadeou os incêndios florestais ainda não foi determinada. Especialistas atribuem a culpa a fatores como vegetação seca, baixa umidade e ventos fortes que ajudaram a atiçar as chamas.

Devastação no Havaí

Os registros de gerenciamento de emergência do Havaí não mostram nenhuma indicação de que as sirenes de alerta foram acionadas antes dos incêndios devastadores espalharem a morte e a destruição.

O Havaí possui o que o estado descreve como o maior sistema integrado de alerta de segurança pública contra todos os perigos do mundo, com cerca de 400 sirenes posicionadas em toda a cadeia de ilhas para alertar as pessoas sobre vários desastres naturais e outras ameaças.

O porta-voz da Agência de Gerenciamento de Emergências [FEMA] do Havaí, Adam Weintraub, disse que os registros do departamento não mostram que as sirenes de alerta de Maui foram acionadas na terça-feira, quando o incêndio em Lahaina começou. Em vez disso, o condado usou alertas de emergência enviados para telefones celulares, televisões e estações de rádio, disse Weintraub.

Não está claro se esses alertas foram enviados antes que interrupções generalizadas de energia e celular cortassem a maior parte da comunicação com Lahaina. Em toda a ilha, os serviços de telefonia fixa e celular 911 falharam às vezes. O chefe do Corpo de Bombeiros de Maui, Brad Ventura, disse que o fogo se moveu tão rapidamente do mato para os bairros que foi impossível enviar mensagens às agências de gerenciamento de emergência responsáveis ​​pelos alertas.

Vista área mostra destrução generalizada pelos incêndios florestais em Lahaina, no condado havaiano de Maui JUSTIN SULLIVAN / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP

“O que experimentamos foi um incêndio inicial tão rápido na vizinhança que pegou fogo e eles basicamente se auto-evacuaram sem aviso prévio”, disse Ventura. Marlon Vasquez, um cozinheiro de 31 anos da Guatemala que veio para os Estados Unidos em janeiro de 2022, disse que quando ouviu os alarmes de incêndio, já era tarde demais para fugir em seu carro.

“Abri a porta e o fogo estava quase em cima de nós”, disse ele de um centro de evacuação em um ginásio. “Nós corremos e fugimos. Corremos quase a noite toda e até o dia seguinte, porque o fogo não parava.”

O Sr. Vasquez e seu irmão, o Sr. Eduardo, escaparam por estradas congestionadas por veículos cheios de gente. A fumaça era tão tóxica que ele vomitou. Ele disse que não tem certeza se seus colegas de quarto e vizinhos conseguiram escapar com segurança.

Chelsey Vierra não sabe se sua bisavó, Louise Abihai, conseguiu escapar de sua casa de repouso, que testemunhas viram explodir em chamas. “Ela não tem telefone. Ela tem 97 anos”, disse Vierra. “Ela pode andar. Ela é forte.”

Os parentes estão monitorando as listas de abrigos e ligando para o hospital. “Temos que encontrar nosso ente querido, mas não há comunicação aqui”, disse Vierra, que fugiu das chamas. “Não sabemos a quem perguntar para onde ela foi.” Os turistas foram aconselhados a ficar longe de Maui, e dezenas de milhares de pessoas lotaram os aeroportos para deixar a ilha.

O incêndio florestal é o incêndio mais mortal nos Estados Unidos desde o incêndio de 2018 na Califórnia, que matou pelo menos 85 pessoas e devastou a cidade de Paradise.

A Associated Press contribuiu para esse relatório.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth