browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Forçar alguém a se vacinar fere os ‘Direitos Humanos’, diz comissária da ONU

Posted by on 09/12/2021

A alta comissária para os Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, falou nesta quarta-feira (8) sobre um assunto polêmico: a imposição de vacinação obrigatória contra a COVID-19 pelos governos. Enquanto no Brasil discute-se a adoção dos passaportes vacinais, tema que opõe a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o presidente Jair Bolsonaro, a representante da ONU (Organização das Nações Unidas) disse que “a vacinação obrigatória não é aceitável”.

Comissária da ONU declara que impor a vacinação forçada fere os Direitos Humanos

Fonte: Sputnik

A vacinação “deve sempre respeitar os direitos humanos e forçá-la não é aceitável”, declarou Bachelet, segundo informações do portal Le Figaro. A alta comissária da ONU afirmou ainda que os objetivos dos países que planejam adotar a vacinação obrigatória contra a pandemia são “do mais elevado nível de legitimidade e importância”.

Contudo, para ela, “sob nenhuma circunstância as pessoas devem ser vacinadas à força”. Em seguida, ela acrescentou que “se uma pessoa se nega a cumprir com a obrigação de ser vacinada, ela pode ter consequências legais, como, por exemplo, uma multa”.

Bachelet advertiu que é necessário levar em consideração aspectos importantes dos direitos humanos antes de tornar a vacinação obrigatória.

{Verónica Michelle Bachelet Jeria (Santiago, 29 de setembro de 1951) é uma médica e política chilena, e ex-presidente da República do Chile.}

“Deve-se cumprir com os princípios da legalidade, necessidade, proporcionalidade e não discriminação”, explicou, de acordo com a transcrição de um discurso feito durante um seminário do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Ao defender que pode ser apropriado restringir direitos e liberdades para pessoas não vacinadas, Bachelet afirmou que qualquer vacinação obrigatória “deve ser submetida a revisões oficiais frequentes para assegurar que continua sendo necessária, proporcional e não discriminatória”.


“Precisamos urgentemente do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Forçar alguém a se vacinar fere os ‘Direitos Humanos’, diz comissária da ONU

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.