Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

França nunca parou de Saquear a África, agora o jogo está virando

Como demonstram os acontecimentos na África Ocidental, os países francófonos não estão mais dispostos a aceitar o neocolonialismo francês. Com o fator medo finalmente removido, a busca da África por uma independência genuína está se concretizando. O golpe de 26 de julho no Níger, nação da África Ocidental, que ameaça minar  a presença militar francesa e americana na região, lançou luz sobre a exploração histórica e as práticas continuadas do Francafrique – o termo usado para descrever a exploração persistente pelos ex-presidentes franceses e seu Império na África.

França nunca parou de Saquear a África, agora o jogo está virando

Fonte: The Cradle – Por Brad Pearce

A França depende fortemente da energia nuclear para produzir sua energia elétrica, com 68% de sua energia proveniente de usinas nucleares. Obtém do Níger 19% do urânio necessário para operar essas usinas. Apesar dessa contribuição significativa para as necessidades de energia da França, apenas 14,3% dos nigerianos têm acesso a uma rede elétrica, e mesmo isso geralmente não é confiável. Este forte contraste destaca as disparidades e a exploração contínua por potências estrangeiras rapinantes em todo o continente africano. 

O Legado de Francafrique

Francafrique é conhecida por seus sistemas de exploração projetados para lucrar com os recursos africanos, usando pressão, capital e, frequentemente, força militar direta para manter o controle sobre seu antigo império. Como resultado, muitos estados africanos, incluindo o Níger, continuam a enfrentar a pobreza e o subdesenvolvimento.

O jovem e carismático líder de Burkina Faso, Ibrahim Traore, falou recentemente na  cúpula Rússia-África em São Petersburgo e condenou o fato de a África ser rica em recursos, mas seu povo ser pobre, e criticou os líderes africanos que buscam esmolas do Ocidente, enquanto perpetuam a dependência e a pobreza. Ele também descreveu o que está sendo imposto na África como uma forma de escravidão, afirmando:

“No que diz respeito ao Burkina Faso hoje, há mais de oito anos somos confrontados com a forma mais bárbara e violenta do neocolonialismo imperialista. A escravidão continua a se impor sobre nós. Nossos antepassados ​​nos ensinaram uma coisa: um escravo que não pode assumir sua própria revolta não merece pena. Não sentimos pena de nós mesmos, não pedimos a ninguém que tenha pena de nós”.

A incapacidade da França de justificar sua presença na África com uma narrativa coerente complica ainda mais a situação. Paris não pode confessar abertamente sua ganância, fingir uma “missão civilizadora” ou admitir qualquer responsabilidade por seus crimes passados. Essa falta de propósito enfraquece o poder francês no continente, levando à violência e à pobreza em seu rastro.

O esforço da África Ocidental por mais independência deixou os atlantistas [os psicopatas do Hospício Ocidental] preocupados com a abertura que isso deixa para potências eurasianas como Rússia e China aumentarem sua influência na África. A reação do Ocidente reflete a falta de respeito pela soberania dos países africanos, vendo o continente apenas como um teatro para manter o seu domínio global.

Desde o início da guerra na Ucrânia no início de 2022, os atlantistas expressaram preocupação com a relutância dos estados do Sul Global em apoiar as políticas anti-Rússia do Ocidente, uma tendência ainda mais amplificada pela mudança para o multipolarismo em todos os lugares. Esse enfraquecimento da hegemonia ocidental abriu caminho para muitas nações explorarem avidamente suas opções geopolíticas e diversificarem suas relações diplomáticas e suas economias.

Um relatório da Conferência de Segurança de Munique, realizada em fevereiro, destacou esse cisma muito real com o Ocidente:

“Muitos países da África, Ásia e América Latina perderam constantemente a fé na legitimidade e justiça de um sistema internacional [dominado pelo ocidente] que não lhes concedeu uma voz apropriada nos assuntos globais, nem tratou suficientemente de suas preocupações centrais. Para muitos estados, essas falhas estão profundamente ligadas ao Ocidente. Eles acham que a ordem liderada pelo Ocidente tem sido caracterizada pela dominação pós-colonial, padrões duplos e negligência para com as preocupações dos países em desenvolvimento”.

Tosquiado pelo franco CFA

O rescaldo da Segunda Guerra Mundial marcou uma mudança significativa na dinâmica do poder global, e as potências vitoriosas buscaram estabelecer uma nova ordem mundial que “manteria a paz e promoveria o equilíbrio econômico”. 

No contexto das colônias africanas, onde os soldados dos povos coloniais desempenharam um papel importante na vitória aliada, as potências vitoriosas, incluindo a França, visavam manter o controle econômico e se beneficiar de suas ex-colônias, mesmo quando o mundo caminhava para a descolonização.

Isso incluiu o estabelecimento de novos sistemas monetários, com o líder francês Charles De Gaulle  criando duas moedas conhecidas coletivamente como o franco CFA  em 1945  para as ex-colônias francesas na zona ocidental e central da África.

Territórios Franceses na África ao fim da II Guerra

À medida que a pressão pela independência política se tornava mais forte no final dos anos 1950, a França organizou referendos em suas colônias africanas para votar a aceitação de uma constituição redigida pelos franceses. 

A Guiné, liderada pelo ex-sindicalista Ahmed Toure, se opôs à aceitação da constituição francesa e votou esmagadoramente contra ela. Em uma resposta furiosa, o governo de De Gaulle retirou todos os administradores franceses da Guiné e tomou medidas para sabotar a infraestrutura e os recursos do país. As duras medidas de Paris visavam servir de exemplo do que aconteceria a qualquer ex-colônia francesa que resistisse à agenda da França.

Durante a Guerra Fria, os Estados comunistas exploraram tais ações apresentando-se como libertadores e aliados dos países africanos que buscavam a independência da influência europeia. Essa postura levou alguns africanos a ver países como a Rússia como parceiros mais equitativos em comparação com a França.

Ao longo dos anos, a França demonstrou um padrão de intervenção militar – mais de 50 vezes desde 1960 – em países africanos para garantir governos que permaneçam compatíveis com os interesses econômicos franceses, particularmente relacionados ao uso contínuo do franco CFA.

O sistema pelo qual o franco CFA opera tem sido historicamente uma taxa de câmbio fixa onde a moeda tem conversibilidade ilimitada, mas está  permanentemente atrelada à moeda francesa, anteriormente o franco e depois o euro. 

Moeda africana sob controle francês

Isso significa que os países africanos não podem influenciar o valor de sua própria moeda, e a diferença de valor faz com que a França possa comprar produtos africanos artificialmente baratos, enquanto os africanos podem  comprar menos mercadorias com o dinheiro que trocam .

Pior ainda, a França tinha requisitos para armazenar e, portanto, lucrar com as reservas estrangeiras de suas ex-colônias, embora a exigência de manter 50% de suas reservas cambiais em um banco administrado pela França tenha sido descartada para a zona ocidental africana em 2019 . 

Sob esse esquema, os estados africanos receberam uma quantia nominal de juros, mas o banco se beneficiou ao emprestar esse capital a taxas mais altas e obter lucros maciços com os recursos e o trabalho africanos. Isso ocorre apesar do fato de muitos países da África francófona serem grandes exportadores de ouro e, portanto, terem uma infinidade de opções para armazenar riqueza própria para apoiar uma moeda em bancos centrais alternativos.

Embora o sistema do franco CFA tenha fornecido alguns benefícios em termos de estabilidade e prevenção da hiperinflação ao estilo do Zimbábue, ele também está sob escrutínio por impor requisitos aos países africanos que não são impostos a nações mais poderosas. A falta de controle sobre sua própria moeda prejudicou o crescimento econômico e tornou esses países vulneráveis ​​a choques econômicos globais.

Os estados do norte da África, como Tunísia, Argélia e Marrocos, optaram por deixar o franco CFA ao conquistar a independência e experimentaram uma prosperidade relativamente maior. Da mesma forma, o sucesso de Botswana com sua própria moeda nacional demonstra que uma gestão adequada pode levar a uma democracia estável e crescimento econômico, mesmo para nações menos desenvolvidas.

Direitos e privilégios exclusivos

O sistema do franco CFA tem sido o equivalente geopolítico do pai de alguém insistindo em administrar suas economias, deixando-as fora de seu testamento. Há benefícios em ter uma zona comercial e monetária, como a atual  união da CEDEAO  que cobre a parte ocidental do continente, mas por design sob o sistema do franco CFA, a independência tem sido uma ilusão pela qual a França espoliou esses países. 

A França depende da África por seu status de [agora EX] potência mundial há mais de um século. Entre outros privilégios que  conquistou para si mesma em tratados pós-coloniais , a França teve o direito exclusivo de vender equipamentos militares para ex-colônias e goza do direito de preferência sobre quaisquer recursos naturais descobertos. Paris faz grande uso desses privilégios: apenas como exemplo,  36,4% do gás da França  é proveniente do continente africano.

Além disso, uma  vasta rede de interesses comerciais franceses , que inclui grandes empresas multinacionais, domina setores como energia, comunicações e transporte em muitos países africanos. O governo da França também apóia as empresas francesas na África de várias maneiras, inclusive por meio de uma  enorme empresa pública chamada COFACE, que garante as exportações francesas para esses mercados subdesenvolvidos. 

Rumo à independência e autoconfiança

Essa dependência econômica contribuiu para a perpetuação de um sistema em que os estados africanos permanecem fracos, flexíveis e dependentes da exportação de recursos, beneficiando principalmente empresas e interesses franceses. Além disso, os estados africanos são obrigados a se aliar à França em qualquer grande conflito, corroendo ainda mais sua soberania nacional. 

O continente africano padece de muitos males, mas talvez os mais persistentes e nefastos sejam a falta de soberania e livre acesso ao capital. Enquanto isso, grande parte da prosperidade dos países da Europa foi derivada da pilhagem do Sul Global durante séculos. 

O caso de Bruxelas, construído sobre a riqueza derivada da exploração brutal do Congo sob o rei belga Leopoldo II, é um lembrete gritante do impacto profundamente enraizado do colonialismo. Quando os crimes do monarca contra a humanidade foram descobertos, ele foi forçado a deixar a maior parte de sua fortuna para o estado belga após sua morte. 

Não querendo fazer isso, ele embarcou em uma  enorme série de obras públicas para gastar seus ganhos ilícitos , criando a moderna Bruxelas. Agora, [os psicopatas da] a UE e a OTAN se encontram lá e dão palestras audaciosamente dissimuladas sobre “direitos humanos universais” enquanto estão cercadas pelos lucros de alguns dos casos mais brutais de opressão da história da humanidade. 

Embora os governos militares muitas vezes enfrentem desafios para alcançar seus objetivos declarados, é evidente que as “democracias civis” apoiadas pelo Ocidente também têm lutado para melhorar significativamente a segurança e o bem-estar do público africano. 

O caminho para resolver os problemas de África reside em líderes transformadores que podem livrar-se do legado e das algemas remanescentes do colonialismo e permitir que o continente abra um caminho genuíno e local para a sua independência e autossuficiência.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *