Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Gaza – Uma pausa antes da Tempestade

Os EUA e seus aliados continuarão a apoiar a guerra de Israel em Gaza após uma breve trégua. Mas como é o caso se o ‘genocídio’ ficar mais forte, as novas potências multipolares terão de confrontar as antigas hegemonias e o seu “Caos Baseado em Regras“. Enquanto o mundo grita “genocídio israelense”, a Casa Branca de Biden se entusiasma com a próxima trégua em Gaza que ajudou a intermediar, como se estivesse realmente “à beira” de sua “maior vitória diplomática”. 

Gaza – Uma pausa antes da Tempestade

Fonte: The Cradle,

Por trás das narrativas autocongratulatórias, o governo dos EUA não está nem remotamente “cauteloso quanto ao fim do jogo de Netanyahu”, mas apoia-o totalmente – incluindo o genocídio – conforme acordado na Casa Branca menos de três semanas antes da operação Inundação de Al-Aqsa, numa reunião de 20 de Setembro entre o PM israelense Benjamin Netanyahu e os manipuladores de Joe “Dementia” Biden.

A “trégua” mediada pelos EUA/Qatar, que deverá entrar em vigor esta semana, não é um cessar-fogo. É uma medida de relações públicas para suavizar o genocídio de Israel e aumentar o seu moral, garantindo a libertação de algumas dezenas de cativos. Além disso, os registros mostram que Israel nunca respeita cessar-fogo.

Previsivelmente, o que realmente preocupa a administração dos EUA é a “consequência não intencional” da trégua, que “permitirá aos jornalistas um acesso mais amplo a Gaza e a oportunidade de iluminar ainda mais a devastação e virar a opinião pública contra Israel.”

Jornalistas de verdade trabalham em Gaza 24 horas por dia, 7 dias por semana, desde 7 de outubro. Dezenas deles foram mortos pela máquina militar israelense no que o Repórteres Sem Fronteiras  denomina “um dos números mais mortíferos de jornalistas mortos em um século”. 

Estes jornalistas não pouparam esforços para ir até ao fim em “iluminar a devastação”, um eufemismo para o genocídio em curso, mostrado em todos os seus detalhes horríveis para o mundo inteiro ver.

Até mesmo a Agência de Assistência e Obras da ONU para a Palestina (UNRWA), ela própria implacavelmente atacada por Israel, revelou – um tanto humildemente – que este foi “o maior deslocamento de pessoas desde 1948”, um “êxodo” da população palestina, com a geração mais jovem “forçada a viver através de traumas de antepassados”. 

Quanto à opinião pública em todo o Sul Global/Maioria Global, há muito que “se voltou” para criticar o extremismo sionista. Mas agora a Minoria Global – as populações do Ocidente coletivo OTAN-G-7 – observa extasiada, horrorizada e amarga que, em apenas seis semanas, os meios de comunicação social os expuseram ao que os grandes meios de comunicação das pre$$tituta$ esconderam durante décadas. Não haverá como voltar com o gato para dentro do saco.

Um antigo estado de Apartheid lidera o caminho

O governo sul-africano preparou o caminho, a nível global, para a reação adequada a um genocídio em curso: o parlamento votou pelo fechamento da embaixada israelita, pela expulsão do embaixador israelita e pelo corte dos laços diplomáticos com Tel Aviv. Os sul-africanos sabem alguma coisa sobre o apartheid. 

Eles, como outros críticos de Israel, devem ser extremamente cautelosos no futuro. Qualquer coisa pode ser esperada: um surto de ataques de falsas bandeiras conduzidas por inteligência estrangeira, calamidades climáticas induzidas artificialmente, acusações falsas de “abuso dos direitos humanos”, o colapso da moeda nacional, do rand, casos de guerra, diversas apoplexias atlantistas, sabotagem da infraestrutura energética. E algo mais.  

Várias nações já deveriam ter invocado a Convenção do Genocídio – dado que os políticos e autoridades israelenses têm se gabado, publicamente, de arrasar Gaza e sitiar, deixar passar fome, matar e transferir em massa a sua população palestina. Nenhum ator geopolítico ousou até fazê-lo até agora. 

A África do Sul, por seu lado, teve a coragem de ir onde poucos Estados muçulmanos e árabes se aventuraram. Tal como as coisas estão, quando se trata de grande parte do mundo árabe – particularmente dos estados clientes dos EUA – eles ainda estão em território do Pântano Retórico. 

A “trégua” mediada pelo Qatar chegou precisamente no momento certo para Washington. Roubou os holofotes da delegação de ministros dos Negócios Estrangeiros islâmicos/árabes que visitavam capitais selecionadas para promover o seu plano para um cessar-fogo completo em Gaza – além de negociações para a criação de um Estado palestino independente. 

Este Grupo de Contato de Gaza, que reúne a Arábia Saudita, o Egito, a Jordânia, a Turquia, a Indonésia, a Nigéria e a Palestina, fez a sua primeira parada em Pequim, reunindo-se com o Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, e depois em Moscou, reunindo-se com o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov. Este foi definitivamente um exemplo do BRICS+6 já em ação – mesmo antes de terem começado a funcionar em 1º de Janeiro de 2024, sob a presidência russa.  

A reunião com Lavrov em Moscou foi realizada simultaneamente com uma sessão extraordinária online dos BRICS sobre a Palestina, convocada pela atual presidência sul-africana. O Presidente do Irã, Ebrahim Raisi, cujo país lidera o Eixo de Resistência da região e recusa quaisquer relações com Israel, apoiou as iniciativas sul-africanas e apelou aos estados membros do BRICS para usarem todas as ferramentas políticas e econômicas disponíveis para pressionar Israel. 

Também foi importante ouvir do próprio presidente chinês, Xi Jinping, que “não pode haver segurança no Oriente Médio sem uma solução justa para a questão da Palestina”. 

Xi enfatizou mais uma vez a necessidade de “uma solução de dois Estados”, a “restauração dos direitos nacionais legítimos da Palestina” e o “estabelecimento de um Estado independente da Palestina”. Tudo isso deve começar por meio de uma conferência internacional.

Nada disto é suficiente nesta fase – nem esta trégua temporária, nem a promessa de uma negociação futura. A administração dos EUA, ela própria a debater-se com uma reação negativa global inesperada, na melhor das hipóteses, fez uma queda de braço em Tel Aviv para decretar uma curta “pausa” no genocídio. Isso significa que a carnificina continua depois de alguns dias. 

Se esta trégua tivesse sido um verdadeiro “cessar-fogo”, em que todas as hostilidades cessassem e a máquina de guerra de Israel se desligasse totalmente da Faixa de Gaza, as opções para o dia seguinte ainda seriam bastante sombrias. O praticante da Realpolitik John Mearsheimer já foi direto ao ponto: uma solução negociada para Israel-Palestina é impossível. 

Basta uma rápida olhada no mapa atual para demonstrar graficamente como a solução de dois Estados – defendida por todos, desde a China-Rússia até grande parte do mundo árabe – está morta. Um conjunto de territórios isolados nunca poderá fundir-se como Estado.  

Vamos pegar todo o gás deles

Tem havido rumores estrondosos em todo o espectro do establishment de que, com o advento do petroyuan cada vez mais próximo, os americanos precisam urgentemente de energia do Mediterrâneo Oriental comprada e vendida em dólares americanos – incluindo as vastas reservas de gás ao largo da costa de Gaza [o campo de gás Leviatã, recentemente descoberto]. 

O campo de gás natural Giant Leviathan, no Mediterrâneo oriental, descoberto em dezembro de 2010, amplamente descrito [pelos governos e pela mídia] como “ao largo da costa de Israel”, mas que fica também ao largo da FAIXA DE GAZA.

Entra em cena o conselheiro de segurança energética do governo dos EUA, implantado em Israel para “discutir potenciais planos de revitalização econômica para Gaza centrados em regiões subdesenvolvidas campos offshore de gás natural:” que eufemismo adorável. 

Mas embora o gás de Gaza seja de fato um vetor crucial, Gaza, o território, é um incômodo para Israel. O que realmente importa para Tel Aviv é confiscar todas as reservas de gás palestinas e atribuí-las a futuros clientes preferenciais: a UE. 

Entra-se no Corredor Índia-Médio Oriente (IMEC) – na verdade, o Corredor UE-Israel-Arábia Saudita-Emirados-Índia – concebido por Washington como o veículo perfeito para Israel se tornar uma potência energética de encruzilhada. Imagina fantasiosamente uma parceria energética EUA-Israel negociada em dólares americanos – substituindo simultaneamente a energia russa para a UE e travando um possível aumento da exportação da energia do Irã para a Europa.  

Regressamos aqui ao principal tabuleiro de xadrez do século XXI: o Hegemon [G-7] vs. BRICS.

Pequim tem mantido relações estáveis ​​com Tel Aviv até agora, com investimentos generosos nas indústrias e infra-estruturas de alta tecnologia israelitas. Mas o ataque de Israel a Gaza pode mudar esse quadro: nenhum verdadeiro soberano pode proteger-se quando se trata de um verdadeiro genocídio.  

Paralelamente, seja o que for que o Hegemon possa apresentar nos seus vários cenários de guerra híbrida e quente contra os BRICS, a China e a sua multimilionária Iniciativa Cinturão e Rota (BRI-Nova Rota da Seda), isso não alterará a trajetória racional e estrategicamente formulada de Pequim.   

Esta análise de Eric Li é tudo o que precisamos saber sobre o que está por vir. Pequim traçou todos os caminhos tecnológicos relevantes a seguir em sucessivos planos quinquenais, até 2035. Neste quadro, a BRI-Nova Rota da Seda deveria ser considerada uma espécie de ONU geoeconômica sem os psicopatas do manicômio do G-7. Se você está fora da BRI – e isso diz respeito, em grande medida, aos antigos sistemas compradores e às elites – você está se isolando do Sul Global/Maioria Global. 

Então, o que resta desta “pausa” da carnificina em Gaza? Na próxima semana, os covardes apoiados pelo Ocidente reiniciarão o seu genocídio contra mulheres e crianças, e não irão parar por muito tempo. A resistência palestina e os 800 mil civis palestinos que ainda vivem no norte de Gaza – agora cercados por todos os lados por tropas e veículos blindados israelenses – estão provando que estão dispostos e são capazes de suportar o fardo da luta contra o opressor israelense, não apenas pela Palestina, mas também por todos, em todos os lugares, com consciência. 

Apesar de um preço tão terrível a pagar com sangue, acabará por haver uma recompensa: a lenta mas segura evisceração da construção imperial no Oriente Médio. 

Nenhuma narrativa das pre$$tituta$ da grande mídia, nenhum movimento de relações públicas para suavizar o genocídio, nenhuma contenção da “opinião pública que se volta contra Israel” poderá alguma vez cobrir os crimes de guerra em série perpetrados por Israel e pelos seus aliados em Gaza. Talvez seja exatamente isso que o Doutor – metafísico ou não – ordenou para a humanidade: uma tragédia global imperativa, a ser testemunhada por todos, que também transformará a todos nós.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *