Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Genocídio e o custo da Guerra em Gaza. ‘Israel está se Apagando do mapa. Tal país não pode mais existir’

Nesta entrevista fictícia que nunca aconteceu – a primeira e principal questão teria sido sobre o custo da Guerra Israel-Gaza/Palestina, e quem pagaria por ela. A resposta curta foi que o custo da guerra pode ser o próprio Israel – ou seja, a existência de Israel. Depois do genocídio que cometeram e continuam a cometer na Faixa de Gaza ocupada e agora também na Cisjordânia, os judeus não podem ser perdoados. Não se pode permitir que tal país exista. As Forças de Defesa de Israel (IDF) estão matando civis desenfreadamente. Até agora, mais de 20 mil palestinos foram mortos, dos quais pelo menos dois terços são mulheres e crianças.

Genocídio e o custo da Guerra Israel-Gaza. ‘Israel está se Apagando do mapa. Tal país não pode existir’

Fonte: Global Research – Por Peter Koenig

Afinal, Israel nem sequer é um país real. Ele foi estabelecido num pedaço de terra historicamente palestino, há milênios, coagido pelos sionistas khazares a surgir do governo do Reino Unido, antiga potência colonial desta parte do mundo – sem qualquer justificação. 

A covarde liderança do Reino Unido estava então, como está hoje, curvando-se para trás face à pressão sionista e ao poder assumido – e, porque os poderes dos “vencedores” da Segunda Guerra Mundial apoiaram totalmente os sionistas khazares em todo o mundo.

Um absurdo. Mas vivemos num mundo muito doente, muito além da descrição orwelliana.

Às vezes parece que não haverá cura possível, que passamos do ponto sem retorno. Voltar a um comportamento civilizado, moral e ético, por parte de Nós, o Povo do [Hospício do] Ocidente, também chamado de Norte Global, já não é possível.

Para a criação do estado de Israel, o Reino Unido contou com o apoio da jovem Organização das Nações Unidas-ONU, criada em 1945. Na época, em 1948, do surgimento do moderno estado de Israel, forçado pelos sionistas judeus khazares, a ONU contava com apenas 53 países membros, também covardes diante da antigas potências coloniais e os “vencedores” da Segunda Guerra Mundial – e a enorme pressão do sionismo judeu khazar.

Pelo Tratado de Sèvres (1920), a Liga das Nações (precursora das Nações Unidas) cedeu formalmente o controle da Palestina ao governo britânico. A tarefa da Grã-Bretanha era implementar a Declaração Balfour, que tinha sido assinada três anos antes, declarando o desejo da Grã-Bretanha de criar uma pátria na Palestina para os judeus.

A Declaração Balfour leva este nome porque foi elaborada pelo Secretário de Relações Exteriores Arthur James Balfour,  escrevendo em 2 de novembro de 1917, ao cidadão judeu mais ilustre da Grã-Bretanha, o Barão Lionel Walter Rothschild, expressando o apoio do governo britânico a criação de uma pátria judaica em terras ocupadas há milênios na Palestina. A carta acabaria por se tornar conhecida como Declaração Balfour.

O resto é história. Ou história em formação. Os palestinos nunca foram questionados sobre a sua opinião a respeito de terceiros doarem as suas terras. Afinal, já não estavam sob o poder colonial do Reino Unido.

Por qualquer lei internacional decente, eles deveriam ter tido poder de decisão sobre a sua própria pátria, propriedades e direito de manter as suas terras. Isso foi-lhes amargamente negado pela comunidade internacional, que sob pressão dos sionistas judeus khazares de então, tal como hoje, não tinha ética nem moral e pode facilmente ser chamada de [o Hospício do] Ocidente assassino e genocida, liderado pelo autodenominado – mas rapidamente desvanecido – império, os Estados Unidos da América, sempre servil aos interesses dos judeus khazares.

Na verdade, Israel está para desaparecer do mapa. Esta guerra irá parar assim que as entregas de armas e o dinheiro deixarem de fluir de um falido EUA. Israel sob o comando de Netanyahu e não pode mais enfrentar o mundo.

O fluxo de dinheiro irá parar, à medida que o dólar e o seu primo mais novo, o euro, valem cada dia menos e avançam rapidamente na direção de papel “sem valor”. Embora , por si só , isso não tenha importado até agora, já que novos dólares e euros são impressos conforme a necessidade.

No entanto, chega um ponto em que até mesmo a judeu khazar Wall Street, cúmplice mas sedenta de dinheiro, e a judeu khazar BlackRock no topo, estão tomando nota cautelosamente da rápida e irreversível acumulação de dívidas nacionais, arriscando um grande colapso financeiro, econômico industrial, como nas falências, e uma economia rapidamente vacilante, precisamente nestes países liderados pela autodenominada elite mundial, aqueles que ainda sonham com uma Ordem Mundial Única, com um Governo Mundial Único, com sede em Jerusalém.

Pode haver líderes genocidas, cuja brutalidade e obediência corrompida foram lidas, ou seja, analisadas antes de serem colocadas em seus cargos, como a psicopata Ursula von der Leyen, uma marionete instalada no poder à serviço das elites. A deputada irlandesa do Parlamento Europeu (MEP), Clare Daly, chamou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de “ Frau Genocídio ” por causa da posição da UE sobre a operação militar de Israel em Gaza.

A Sra. Daly acusou o presidente da Comissão Europeia de estar . . .

“… invadindo e ignorando as políticas externas dos governos eleitos ”nos últimos meses, enquanto liderava a ajuda a um “regime de apartheid brutal que ela chama de uma ‘democracia vibrante’.

Falando no pódio do Parlamento Europeu, em 24 de dezembro, a Sra. Daly acrescentou que von der Leyen foi “elevada ao poder sem um único voto dos cidadãos europeus”. 

Esta opinião é compartilhada por centenas de membros do Parlamento da UE e funcionários da UE, como evidenciado pelo Irish Times, que relatou pelo menos que 842 funcionários da UE assinaram uma carta denunciando a posição da Comissão em relação ao genocídio que Israel esta cometendo em Gaza.

O documento alegadamente acusava von der Leyen de dar “carta branca à aceleração e legitimidade de um crime de guerra na Faixa de Gaza” contra os palestinos

Este exemplo da UE é válido para a maioria dos países membros da UE, onde 90% da população condena Israel pelos crimes de guerra que continua a cometer em Gaza – e isto contra a política oficial dos seus governos de políticos marionetes corruptos e comprometidos com a agenda dos globalistas e judeus khazares.

Os sionistas judeus khazares estão em todos os lugares em papéis influentes, especialmente da banca internacional, da qual são proprietários. Portanto, sua influência estão sobre estes governos por todo o mundo ocidental.

Fora destes poderes de influência governamental, grandes instituições independentes, como a maior e mais sofisticada loja de departamentos de Amesterdã, De Bijenkorf, apelam abertamente ao boicote dos produtos israelitas. Veja o vídeo abaixo.

Ao que parece, o direito, especialmente o direito internacional, já existia apenas para as pessoas comuns. Suas Altezas, os Lordes e, mais tarde, as elites transatlânticas, fizeram as suas próprias leis da forma que melhor lhes convinha no momento. Hoje é chamada de “ordem baseada em regras”.

Muito provavelmente o Reino Unido foi coagido pelos sionistas judeus khazares a atribuir as terras palestinas à criação de Israel, muito antes da carta Balfour, de modo que a Declaração Balfour se tornou uma mera aval do fato.

No rescaldo deste horrendo massacre em curso em Gaza, que há muito se estendeu até à Cisjordânia, Israel poderá ser varrido do mapa e deixar de existir. O império em queda e os seus fantoches ocidentais já não podem dar-se ao luxo de injetar não apenas bilhões, mas eventualmente trilhões de dólares, em Israel e na região, para torná-la novamente habitável.

Existem muitos paralelos e similaridades entre as guerras israelitas e ucranianas. Ambos estão levando a assassinatos em massa de seres humanos, encorajados pelos psicopatas do hospício do Ocidente sem alma.

As consequências destas guerras serão mortes em massa nos próximos anos, devido a condições de vida desumanizadas, fome, doenças, falências, desemprego, suicídio, destruição generalizada – tudo combinando perfeitamente com o grande objetivo da Grande Reinicialização do WEF e da Agenda 2030 da ONU – visando uma redução massiva da população global.

Veja bem, essa é apenas uma frente, onde se joga esse Objetivo Número Um . Mas lembrem-se novamente, isso não acontecerá quando Nós, o Povo, resistirmos.

Israel, após 75 anos de criação e existência desonestas – e especialmente depois deste horrendo genocídio nunca antes visto na história recente – definitivamente já não é um país viável e confiável, se é que alguma vez o foi.

Scott Ritter chega a dizer que o Estado israelita já não pode mais existir e poluir a face da Terra; ele não é mais a favor de uma solução de dois Estados, mas de uma solução de um Estado apenas, e o único Estado é a Palestina; continuando a dizer, que o conceito de um Estado Judeu chamado Israel está morto. Ouça seu pequeno vídeo completo de 3 minutos .

Peter Koenig  é analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde (OMS), onde trabalhou por mais de 30 anos em todo o mundo. Ele é o autor de  Implosão – Um Suspense Econômico sobre Guerra, Destruição Ambiental e Ganância Corporativa; e  coautora do livro de Cynthia McKinney “Quando a China espirra:  do bloqueio do coronavírus à crise político-econômica global” ( Clarity Press – 1º de novembro de 2020). Peter é pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização (CRG). Ele também é membro sênior não residente do Instituto Chongyang da Universidade Renmin, de Pequim.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp