browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Globalistas Projetam Fome Global com Planejada Escassez de Alimentos desde 2015

Posted by on 06/05/2022

Os globalistas [lacaios do Deep State] planejam uma fome global que colapsaria a sociedade ocidental em SIMULAÇÃO EFETUADA EM 2015. Isso é de acordo com Edward Szall, um repórter investigativo que conversou com Stew Peters no “The Stew Peters Show” sobre uma simulação de crise realizada em novembro de 2015. Essa simulação foi chamada de “Food Chain Reaction: A Global Food Security Game” e foi conduzida ao longo de dois dias em Washington, DC

Globalistas planejam Fome Global com intencional escassez de alimentos desde 2015

Fonte: Natural News

Presente na simulação estava um grupo internacional de formuladores de políticas, acadêmicos e líderes empresariais. O grupo inclui representantes dos países que mais produzem alimentos no mundo, como Brasil, China e Ucrânia. (Relacionado: Merritt Medical Hour: a Fome usada como arma para controlar as pessoas – Brighteon.TV .)

Também estiveram presentes representantes da World Wildlife Foundation, do Center for American Progress e do Center for Naval Analyses, um centro de pesquisa e desenvolvimento financiado pelo governo federal para a Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais.

A simulação da crise de abastecimento de alimentos ocorreria entre 2020 e 2030. De acordo com as projeções feitas durante a simulação, a década trouxe duas grandes crises alimentares que viram os preços dos alimentos subirem quase 400 por cento.

A simulação de crise também previu eventos climáticos extremos supostamente causados ​​pelas mudanças climáticas, várias fomes e crises de refugiados em Bangladesh, Chade, Mianmar e Sudão, e a derrubada dos governos do Paquistão e da Ucrânia.

Algumas dessas previsões acabaram se tornando realidade, principalmente em relação à Ucrânia e ao Paquistão. A guerra em curso na Ucrânia já é bem conhecida. Mas no Paquistão, o ex-primeiro-ministro Imran Khan foi deposto recentemente e um novo governo mais amigável com os interesses dos EUA e o Ocidente assumiu [aqui alertamos que o Paquistão é o único pais no mundo majoritariamente muçulmano com ARSENAL ATÔMICO próprio].

Khan alegou que sua saída do poder foi organizada por “elementos [EUA] estrangeiros”, que usaram muitos membros do parlamento do Paquistão para promover seus próprios objetivos.

Globalistas estão se preparando para instituir impostos globais de carbono sobre alimentos

A simulação também previu que o mundo experimentaria “um pico acentuado de preços com a iminente escassez global de alimentos” já em 2022 [exatamente o que estamos vendo acontecer agora]. Em resposta a essa escassez de alimentos, a União Europeia na simulação introduziu um imposto de carbono sobre produtos de carne que só seria revertido em 2025 quando as colheitas voltarem ao normal.

“Aprendemos que uma taxa de carbono é uma possibilidade nos próximos anos”, disse Joe Stone, na época vice-presidente corporativo da Cargill e representante da empresa na simulação. Szall observou que era muito estranho que a única resposta que a simulação da crise tivesse para a fome fosse um imposto global sobre o carbono.

“A resposta global deveria ser plantar mais alimentos, voltar à hiperlocalização da agricultura, preparar o solo”, disse Szall. “A resposta deles foi: ‘Vamos fazer seu hambúrguer, seu Big Mac, custar US$ 20. E adivinhe… se você tem algum problema com isso, você é um terrorista, você é um problema para o governo [do hospício ocidental], você é alguém que deve ser monitorado”.

Durante a simulação da crise em 2015, disse Szall, vários participantes levantaram a questão de que as pessoas terão problemas em serem forçadas a pagar mais por alimentos por causa dos impostos sobre o carbono. A solução da simulação para isso, de acordo com Szall, foi que os governos “construíssem algum tipo de rede de controle para observá-los”.

Szall destacou que a Cargill, uma das principais participantes da simulação, está ligada a Bill Gates por meio de suas iniciativas para substituir a carne natural por carne cultivada em laboratório. Além disso, o repórter investigativo disse que o orador principal da simulação de crise foi John Podesta, ex-gerente da fracassada campanha presidencial de Hillary Clinton em 2016.

“Não posso dizer que estou surpreso”, disse Peters. “John Podesta, diretamente ligado aos Clintons [Bill e Hillary], todos na cama com Bill Gates. Todos eles, componentes-chave nesta cabala global luciferiana, todos partes e membros do Estado Profundo”.

Bill Gates ganhou as manchetes por se tornar o maior proprietário privado de terras agrícolas nos EUA, mas ele não é o único. Alguns dos proprietários de terras mais ricos, incluindo Jeff Bezos, John Malone e Thomas Peterffy, estão comprando florestas, fazendas e terras agrícolas nos Estados Unidos. Por quê? Assista ao vídeo para descobrir:

Saiba mais sobre a crise alimentar global e como ela pode ter sido projetada por globalistas em  Globalism.news.

RELACIONADOS:

Assista a este clipe do “The Stew Peters Show” enquanto o apresentador Stew Peters e o repórter investigativo Edward Szall falam em detalhes sobre o plano premeditado de mergulhar a América em uma fome.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.